ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Julho 2022

terça-feira, 26 de julho de 2022

Efeitos de curto e longo prazo da expansão rápida da maxila no tecido mole e duro do nariz: Um estudo com tomografia computadorizada de feixe cônico

 



Neste artigo publicado em 2021, na Angle Orthodontist, pelos autores Cassie T. Truong; Hyeran H. Jeon; Puttipong Sripinun; Ann Tierney; Normand S. Boucher. Do Department of Orthodontics, School of Dental Medicine, University of Pennsylvania, Philadelphia, Pa, USA e do Center for Clinical Epidemiology and Biostatistics, Perelman School of Medicine, University of Pennsylvania, Philadelphia, Pa, USA. Avaliou as mudanças nas partes moles e duras do nariz imediatamente após a expansão rápida da maxila (ERM) e avaliou a estabilidade dessas mudanças usando a tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Um total de 35 pacientes do grupo de tratamento (GT) (18 meninas, 17 meninos; 9,39 +- 1,4) tiveram uma TCFC pré-ERM e uma TCFC pós-ERM aproximadamente 66 dias após a expansão, e 25 pacientes fizeram uma TCFC de acompanhamento 2,84 anos mais tarde. Um total de 28 pacientes do grupo controle (GC; sem ERM) (16 meninas, 12 meninos; 8,81 +- 1,6) realizaram uma TCFC inicial e uma TCFC em média 2,25 anos depois. Os pontos de referência nasais de tecidos moles e duros foram medidos nos planos transverso, sagital e coronal do espaço em exames de TCFC. As diferenças dentro do mesmo grupo foram avaliadas por testes t pareados ou testes de postos sinalizados de Wilcoxon. As comparações de longo prazo entre GT e GC foram avaliadas por testes t de amostras independentes ou testes de soma de postos de Wilcoxon.

Imediatamente após a ERM, houve aumentos médios estatisticamente significativos de 1,6 mm na largura da base alar, 1,77 mm na altura piriforme e 3,57 mm na largura piriforme (P<0,05). O GC mostrou aumentos significativos ao longo de 2,25 anos (P< 0,001). Em comparação com o GC, a avaliação a longo prazo do GT demonstrou que apenas a altura piriforme e a largura piriforme mostraram uma diferença estatisticamente significativa (P<0,01).

Os autores concluiram que embora a ERM tenha produzido algum aumento significativo no tecido mole nasal imediatamente após a expansão, ela regrediu à média de crescimento e desenvolvimento normais ao longo do tempo. No entanto, a avaliação a longo prazo do GT em comparação com o GC mostrou que apenas a altura e a largura piriforme foram afetadas pela RME.

Link do artigo na integra via Angle:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/1/46/445876/Short-term-and-long-term-effects-of-rapid

segunda-feira, 18 de julho de 2022

Efeito de diferentes combinações de braquetes, fios e ligaduras na resistência ao controle rotacional axial e de deslize, durante a primeira etapa do tratamento ortodôntico: um estudo in vitro





Neste artigo de 2019, publicado no The Korean Journal of Orthodontics. pelos autores Huizhong Chen, Bing Han e Tianmin Xu. Do Department of Orthodontics, School and Hospital of Stomatology, Peking University, 22 Zhongguancun South Street, Haidian District, Beijing 100081, China. Mostrou um estudo que foi realizado para explorar o efeito de diferentes combinações de braquetes, fios e ligaduras na resistência ao deslizamento (RS) e controle rotacional na angulação de primeira ordem.

Três tipos de braquetes (multicamadas de baixo atrito [MLF], autoligáveis e convencionais) acoplados a quatro fios de níquel-titânio (diâmetro de 0,012, 0,014, 0,016 e 0,018 polegadas) e duas ligaduras de aço inoxidável (0,20 e 0,25 mm) foram testados em diferentes angulações de primeira ordem (0º, 2º, 4º, 6º, 8º, 10º, 15º, 20º) usando uma máquina mecânica universal Instron no estado seco, à temperatura ambiente. O valor de RS foi avaliado e comparado por ANOVA de uma via.

Sob a mesma angulação, os valores de RS mostraram a seguinte ordem: braquetes convencionais> braquetes MLF> braquetes autoligáveis .O RS foi o mais elevado para os  braquetes convencionais e mostrou uma tendência para aumentar. O RS para braquetes MLF, juntamente com fios e ligaduras mais finas, mostrou uma tendência semelhante à RS para o braquete autoligável. Por outro lado, o RS para braquetes MLF, juntamente com arcos e ligaduras mais grossas, aumentou como nos braquetes convencionais. Os  braquetes MLF mostraram a maior variedade de ângulos críticos de contato na angulação de primeira ordem.

Os Autores concluíram que o RS na angulação de primeira ordem é influenciado pelo design do braquete, pelo arco e pela dimensão da ligadura. Em comparação com os braquetes autoligáveis e convencionais, os braquetes MLF podem expressar baixo atrito e controle de rotação com sua maior variedade de ângulos críticos de contato.

Link do Artigo na Integra cia E-Kjo:

https://e-kjo.org/Synapse/Data/PDFData/1123KJOD/kjod-49-21.pdf

terça-feira, 12 de julho de 2022

Exposição cirúrgica aberta versus fechada em caninos que são tracionados no palato (Revisão)




Neste artigo de 2017, publicado pela Cochrane Database of Systematic Reviews, pelos autores Nicola Parkin, Philip E Benson, Bikram Thind, Anwar Shah, Ismail Khalil, Saiba Ghafoor. Da Oral Health and Development, School of Clinical Dentistry, University of Sheffield, Sheffield, UK. Department of Orthodontics and Maxillofacial Surgery, Solihull Hospital, Solihull, UK. The Windmill Orthodontics, Bedale, UK. Cochrane Oral Health, Division of Dentistry, School of Medical Sciences, Faculty of Biology, Medicine and Health, The University of Manchester, Manchester, UK.


Caninos tracionados palatinamente ou PDCs são caninos superiores permanentes, comumente conhecidos como "Olhos" dos dentes, que são tracionados no céu da boca. Isso pode causar falhas desagradáveis,  danos às raízes vizinhas (que podem ser tão severas que os dentes vizinhos são perdidos ou precisam ser removidos) e, ocasionalmente, resultam no desenvolvimento de cistos. As PDCs são uma anomalia dentária freqüente, presente em 2% a 3% dos jovens. O gerenciamento desse problema é demorado e caro. Envolve a exposição cirúrgica (descoberta) seguida por aparelhos fixos durante dois a três anos para alinhar o canino no interior da arcada dentária. Duas técnicas para expor caninos palatinos são usadas no Reino Unido: a técnica fechada e a técnica aberta. A técnica fechada envolve o descobrimento do canino, a fixação de um acessório e uma corrente de ouro e a sutura da mucosa palatina sobre o dente. O dente é então movido para a posição coberta pela mucosa palatina. A técnica aberta envolve o descobrimento do  canino e remoção do tecido palatino sobrejacente para deixá-lo descoberto. O ortodontista pode então ver a coroa do canino para alinhá-lo.

Os autores objetivaram Avaliar os efeitos de usar um método cirúrgico aberto ou fechado para expor os caninos que se deslocaram no céu da boca, em termos de sucesso e outros resultados clínicos e relatados pelo paciente.

O Especialista em Informação da Cochrane Oral Health pesquisou os seguintes bancos de dados: Cochrane Oral Health's Trials Register (até 24 de fevereiro de 2017), Cochrane Central Register de Ensaios Controlados (CENTRAL) (na Biblioteca Cochrane, 2017, Issue 1), MEDLINE Ovid (1946 a 24 Fevereiro de 2017) e Embase Ovid (1980 a 24 de fevereiro de 2017). O Registro de Ensaios Contínuos dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (ClinicalTrials.gov) e a Plataforma Internacional de Registros de Ensaios Clínicos da Organização Mundial de Saúde foram procurados para os testes em andamento. Nenhuma restrição foi colocada no idioma ou data de publicação ao pesquisar os bancos de dados eletrônicos.

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados e quase-randomizados que avaliaram jovens que receberam tratamento cirúrgico para corrigir PDCs superiores. Não houve restrição de idade, apresentando má oclusão ou tipo de tratamento ortodôntico ativo realizado. Incluiram caninos tracionados unilateral e bilateralmente.

Dois revisores independentemente examinaram os resultados das buscas eletrônicas, extraíram os dados e avaliaram o risco de viés nos estudos incluídos. Tentaramo entrar em contato com os autores do estudo para a falta de dados ou esclarecimentos, quando viável. Seguiram as diretrizes estatísticas do Manual Cochrane para Revisões Sistemáticas de Intervenções para a síntese de dados.

Incluíram três estudos, envolvendo 146 participantes. Dois estudos foram avaliados como estando em alto risco de viés.

O principal achado da revisão foi que as duas técnicas podem ser igualmente bem-sucedidas na exposição de PDCs (razão de risco (RR) 0,99, intervalo de confiança de 95% (IC) de 0,93 a 1,06; três estudos, 141 participantes analisados, evidências de baixa qualidade).

Uma falha cirúrgica foi devida ao traciomento da corrente de ouro (grupo fechado). Um estudo relatou complicações após a cirurgia e encontrou dois no grupo fechado: uma infecção pós-operatória que exigia antibióticos e dor durante o alinhamento do canino à medida que a corrente de ouro penetrava no tecido gengival do palato.

Não foi possível reunir dados para a estética dentária, dor e desconforto relatados pelo paciente, saúde periodontal e tempo de tratamento; no entanto, estudos individuais não encontraram diferenças entre as técnicas cirúrgicas (evidência de baixa a muito baixa qualidade).

Os autores concluíram que as evidências sugerem que nem a técnica cirúrgica aberta ou fechada para a exposição dos caninos superiores palatinos superiores em nenhum dos desfechos incluídos nesta revisão; no entanto, consideraram a evidência como de baixa qualidade, com dois dos três estudos incluídos sendo de alto risco de viés. Isso sugere a necessidade de mais estudos de alta qualidade. Três ensaios clínicos em andamento foram identificados e espera-se que estes produzam dados que possam ser agrupados para aumentar o grau de certeza desses achados.


Link do artigo na integra via Cochrane:

https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD006966.pub3/epdf/full


terça-feira, 5 de julho de 2022

Limite esquelético anatômico mandibular posterior para distalização de molar em pacientes com má oclusão de Classe III com diferentes padrões faciais verticais

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Sung-Ho Kim; Kyung-Suk Cha; Jin-Woo Lee e Sang-Min Lee. Do Department of Orthodontics, Dankook University College of Dentistry, Cheonan, Korea; Teve o objetivo  de  comparar as diferenças nas distâncias do limite anatômico posterior mandibular (MPAL) estratificadas por padrões verticais em pacientes com má oclusão de Classe III esquelética por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Imagens de TCFC de 48 pacientes com má oclusão de Classe III esquelética (idade média, 22,8 ± 3,1 anos) categorizadas de acordo com os padrões verticais (hipodivergente, normodivergente e hiperdivergente; n = 16 por grupo) foram analisadas. Embora paralelas à linha oclusal posterior, as distâncias lineares mais curtas da raiz distal do segundo molar inferior ao córtex interno do corpo da mandíbula foram medidas em profundidades de 4, 6 e 8 mm da junção amelocementária. As distâncias MPAL foram comparadas entre os três grupos e suas correlações foram analisadas.

As médias de idade, distribuição de sexo, assimetria e alinhamentos nos três grupos não mostraram diferenças significativas. A distância MPAL foi significativamente maior no sexo masculino (3,8 ± 2,6 mm) do que no feminino (1,8 ± 1,2 mm) no nível da raiz de 8 mm. Em todos os níveis de raiz, as distâncias MPAL foram significativamente diferentes nos grupos hipodivergente e hiperdivergente (p <0,001) e entre os grupos normodivergente e hiperdivergente (p <0,01). As distâncias MPAL foram as mais curtas no grupo hiperdivergente. O ângulo do plano mandibular correlacionou-se fortemente com as distâncias MPAL em todos os níveis da raiz (p <0,01).

Os autores concluíram que as distâncias MPAL foram as mais curtas em pacientes com padrões hiperdivergentes e mostraram uma tendência decrescente com o aumento do ângulo do plano mandibular. As distâncias MPAL foram significativamente mais curtas (~ 3,16 mm) ao nível da raiz de 8 mm.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1951&vmd=Full