ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Maio 2022

terça-feira, 31 de maio de 2022

Efeito da presença de braquetes ortodônticos em escaneamentos intraorais

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Sung-Ja Kang; Youn-Ju Kee; Kyungmin Clara Lee. Do department of Orthodontics, School of Dentistry, Chonnam National University, Gwangju, Korea.  Teve o objetivo de avaliar o efeito dos braquetes ortodônticos colados nas superfícies dos dentes em escaneamentos intraorais. Uma vez que a necessidade de escaneamento intraoral na presença de braquetes tem aumentado para monitorar a movimentação dentária durante o tratamento ortodôntico. 

Exames intraorais foram realizados em 30 pacientes usando scanners iTero e Trios antes e após a colagem dos braquetes. Os dois conjuntos de escaneamentos intraorais de cada paciente e escaneamentos intraorais com e sem braquetes foram sobrepostos usando um algoritmo de melhor ajuste, e uma análise de superfície tridimensional (3D) foi realizada. Em cada sobreposição, as discrepâncias nos eixos 3D e medidas da largura do arco nas regiões incisivos e molares foram comparadas. Além disso, a faixa de distorção ao redor dos braquetes foi avaliada nas seções transversais de cada sobreposição.

As discrepâncias gerais entre os escaneamentos intraorais com e sem braquetes estavam dentro de 0,30 mm. As discrepâncias da largura do arco na região molar foram maiores do que na região dos incisivos, mas as diferenças não foram estatisticamente significativas (P= .972 para o iTero; P =.960 para Trios). Os cortes transversais dos exames intraorais sobrepostos com e sem braquetes mostraram que os desvios estavam dentro de 0,40 mm no corte horizontal e de 0,35 mm no corte vertical ao redor dos braquetes.

Os autores concluiram que a acurácia dos escaneamentos intraorais, mesmo na presença de braquetes, é clinicamente aceitável, e as regiões além de 0,50 mm ao redor dos braquetes devem ser utilizadas para sobreposição nas imagens sem braquetes.

Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/1/98/444147/Effect-of-the-presence-of-orthodontic-brackets-on

terça-feira, 24 de maio de 2022

Comparação dos efeitos da terapia com máscara facial usando ancoragem esquelética e dentária: um estudo retrospectivo longitudinal

 



Neste artigo de 2022, publicado na Angle Orthodontist. Pelos Autores Hyeon-Jong Lee; Dong-Soon Choi; Insan Jang; Bong-Kuen Cha. Do Department of Orthodontics, College of Dentistry, Gangneung-Wonju National University, Gangneung, South Korea. Avaliou os resultados a longo prazo das alterações dentoesqueléticas induzidas pela terapia com máscara facial usando ancoragem esquelética em pacientes Classe III e compará-los com os da ancoragem convencional.

Este estudo retrospectivo incluiu 20 pacientes que receberam terapia com máscara facial (FM) com miniplacas como ancoragem para protração maxilar (grupo Miniplaca/FM, 10,6 +- 1,1 anos [média 6 DP]) e 23 pacientes que foram tratados com máscara facial com expansor rápido da maxila ( Grupo RME/FM, 10,0 +- 1,5 anos [média 6 DP]). As alterações dentoesqueléticas foram avaliadas por meio de cefalogramas laterais no pré-tratamento (T1), após a terapia com máscara facial (T2) e no estágio pós-púbere (T3). As alterações cefalométricas foram comparadas entre os grupos e as taxas de sucesso clínico em T3 foram avaliadas.

O SNA e A a N perpendiculares à FH aumentaram significativamente mais no grupo Miniplaca/FM do que no grupo RME/FM ao comparar os efeitos de curto prazo da terapia com máscara facial (T1-T2). ANB, avaliação de Wits, ângulo de convexidade, ângulo do plano mandibular e sobressaliência diminuíram significativamente mais no grupo RME/FM do que no grupo Miniplaca/FM após terapia com máscara facial (T2-T3). Uma relação intermaxilar mais favorável foi observada no grupo Miniplaca/FM do que no grupo RME/FM em observações de longo prazo (T1-T3). A taxa de sucesso clínico em T3 foi de 95% no grupo Miniplaca/FM e 85% no grupo RME/FM.

Os autores concluíram que a terapia com máscara facial com ancoragem esquelética mostrou um maior avanço da maxila e estabilidade mais favorável para correção da má oclusão de Classe III em longo prazo do que a terapia convencional com máscara facial com ancoragem dentária.

Link do artigo na integra via Meridian

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/92/3/307/475723/Comparison-of-facemask-therapy-effects-using

sexta-feira, 20 de maio de 2022

O Professor de Ortodontia e Ortodontista Marlos Loiola no 54° aniversário do Conselho Regional de Odontologia da Bahia



















Uma noite especial no evento do 54° aniversário do Conselho Regional de Odontologia da Bahia ... Uma mistura de boas sensações e lembranças.... Estar com meus ex alunos, amigos e diversos colegas engajados em prol do desenvolvimento da nossa odontologia.... Belos momentos e sempre de aprendizado... Muito Feliz pela homenagem, o que sempre me emociona... Pude ser um conselheiro e viver a "vida" do conselho em plena pandemia.... Momentos difíceis mas agregadores.... Ciclo ainda aberto, metas, projetos e realizações em prol da nossa odontologia da Bahia a frente... Meus agradecimentos ao presidente Prof Dr. Marcel Arriaga e todos conselheiros pela confiança sempre depositada e todo meu respeito!
 

terça-feira, 17 de maio de 2022

Avaliação tridimensional das alterações de posição do lábio superior de acordo com os movimentos antero superiores dos dente simulados por digitalização com feixes de luz branca





Neste artigo de 2014, publicado pelo THE KOREAN JOURNAL OF ORTHODONTICS, pelos autores  Hwee-Ho Kim, Jin-Woo Lee, Kyung-Suk Cha, Dong-Hwa Chung, Sang-Min Lee; do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Dankook University, Cheonan, Korea. Mostra um simulação de deslocamento labial pós retração do incisivo superior com imagem do tecido mole adquirida por scaneamento 3D da face.


O estudo foi realizado para observar as melhoras estéticas obtidas durante o tratamento ortodôntico são alcançados pelas mudanças nas posições dos lábios e tecidos moles adjacentes. O movimento do tecido mole facial já foi avaliado em duas dimensões pela cefalometria. Neste estudo, objetivou-se avaliar tridimensionalmente  as mudanças posicionais do lábio superior em adultos de acordo com os movimentos dentarios anteriores superiores simulados  por digitalização por scanner 3D luz branca.

Foram mensuradas as alterações em coordenadas tridimensionais de referência labiais com relação aos movimentos dos incisivos superiores de um adulto normal, simulados com filmes de espessura variável por meio de um scanner 3D de luz branca.

Com o aumento da protração, o lábio superior avançou significativamente para cima. O movimento labial foi limitados pelos tecidos moles circundantes. A extensão do movimento acima do vermelhão foi ligeiramente menor que a metade dos dentes, mostrando forte correlação. A maioria das mudanças foram concentradas na depressão acima do vermelhão superior. O movimento labial em direção ao nariz foi significativamente reduzido.

Os autores concluíram que depois de controlar adequadamente diversas variáveis e usando a digitalização com scanner 3D de luz branca, com alta reprodutibilidade e precisão, o coeficiente de determinação mostrou valores moderados (0,40-0,77) e mudanças significativas puderam ser determinadas. Este método seria útil para prever mudanças da posição de tecidos moles  de acordo com os movimentos de dente.

Link do artigo na integra via KJO:

segunda-feira, 9 de maio de 2022

Avaliação dos locais disponíveis para mini-implantes ortodônticos palatinos através de tomografia computadorizada de feixe cônico

 





Neste Artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Xinwei Lyu; Jiusi Guo; Liangrui Chen; Yi Gao; Lu Liu; Lingling Pu; Wenli Lai; Hu Long. Do Department of Orthodontics, West China Hospital of Stomatology, Sichuan University, Sichuan, China. West China School of Stomatology, Sichuan University, Sichuan, China. State Key Laboratory of Oral Diseases & National Clinical Research Center for Oral Diseases, Sichuan University, Sichuan, China. Mostram um estudo que mapeia a regisão palatina através da utilização de Tomografias, para determinar sitios de inserção de mini-implantes ortodônticos palatinos.

Os estudo teve o objetivo de  medir a espessura palatina de tecidos duros e moles e para determinar regiões seguras para a colocação de mini-implantes. As influências do sexo e idade na espessura palatina também foram examinadas. 

Imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico de 30 pacientes (12 homens, 18 mulheres), incluindo 15 adultos e 15 adolescentes, foram utilizadas neste estudo. As espessuras dos tecidos duros palatinos, tecidos moles e tecidos moles duros foram medidas nos planos coronais dos primeiros pré-molares, segundos pré-molares, primeiros molares e segundos molares (planos P1, P2, M1 e M2, respectivamente).

O tecido duro foi mais espesso no plano P1, seguido pelos planos P2, M1 e M2, enquanto a espessura do tecido mole foi semelhante entre os quatro planos. As tendências nas mudanças da espessura palatina da linha média para os lados laterais (padrão V) foram semelhantes para os quatro planos. A espessura palatina foi influenciada pelo sexo, idade e sua interação. O mapeamento dos locais recomendados e ideais para os mini-implantes palatinos foi realizado.

Os autores concluíram que fatores como sexo e idade podem influenciar a espessura palatina. Portanto, os resultados podem ser úteis para os profissionais, orientando-os na escolha dos locais ideais para os mini-implantes palatinos.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/516/430023/Assessment-of-available-sites-for-palatal

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Mecanocomportamento e comprimento do ramo mandibular em diferentes fenótipos faciais

 




Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Paige Covington Riddle; Jeffrey C. Nickel; Ying Liu; Yoly M. Gonzalez; Luigi M. Gallo; R. Scott Conley; Robert Dunford; Hongzeng Liu; Laura R. Iwasaki. Do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Oregon Health & Science University, Portland, Oregon, USA; and Research Associate Professor, Department of Oral Diagnostic Sciences, University at Buffalo, School of Dental Medicine, Buffalo, New York, USA. Department of Biostatistics and Epidemiology, College of Public Health, East Tennessee State University, Johnson City, Tennessee, USA. Department of Oral Diagnostic Sciences, University at Buffalo,School of Dental Medicine, Buffalo, NewYork, USA. Physiology and Biomechanics of the Masticatory System, Dental School, Faculty of Medicine, University of Zurich, Zurich, Switzerland. University of Buffalo Microbiome Center, School of Dental Medicine, Buffalo, New York, USA e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Oregon Health & Science University, Portland Oregon, USA. Buscaram testar a hipótese de que os escores de mecanocomportamento (MBS) foram correlacionados com os comprimentos do ramo mandibular (Co-Go) e diferiram entre os fenótipos faciais.

Os pacientes deram consentimento informado para participar. Co-Go (mm), ângulos do plano mandibular (SN-GoGn, º) e anatomia tridimensional foram derivados de radiografia cefalométrica ou tomografia computadorizada de feixe cônico. As densidades de energia (ED) da articulação temporomandibular (TMJ) (mJ / mm3) foram medidas usando estereometria dinâmica e fatores de trabalho (DF) (%) foram medidos a partir da eletromiografia, para calcular MBS (1⁄4 ED2 3 DF, 􏰁 mJ 􏰃2% ) para cada ATM. mm3 Regressões polinomiais, análise de cluster K-médias e análise de variância (ANOVA) com testes post-hoc de Tukey foram empregadas.

Cinquenta mulheres e 23 homens produziram dados completos. As regressões polinomiais mostraram que o MBS estava correlacionado com Co-Go (mulheres, R2 1⁄4 0,57; homens, R2 1⁄4 0,81). A análise de agrupamento identificou três grupos (P< 0,001). Sujeitos dolicofaciais, com Co-Go normalizado mais curto, agrupados em dois subgrupos com MBS baixo e alto em comparação com sujeitos braquifaciais com Co-Go mais longo. SN-GoGn foi significativamente maior (P< 0,03) nos subgrupos dolicofaciais combinados (33,0 +- 5,98) em comparação com o grupo braquifacial (29,8 +- 5,58).

Os Autores concluiram que o MBS correlacionou-se com Co-Go dentro dos sexos e diferiu significativamente entre indivíduos braquifaciais e dolicofaciais.

Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/6/866/443963/Mechanobehavior-and-mandibular-ramus-length-in