ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Janeiro 2022

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Efeitos dos braquetes autoligados e outros fatores que influenciam os resultados do tratamento ortodôntico: Um estudo de coorte prospectivo

 






Neste de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelo autor Min-Ho Jung, do Department of Orthodontics, Dental Research Institute and School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de avaliar os efeitos dos braquetes autoligados (SBs) e outros fatores que influenciam os resultados do tratamento ortodôntico.

Este estudo de coorte de dois braços incluiu pacientes tratados consecutivamente em um consultório particular. Os pacientes foram solicitados a escolher entre os braquetes autorizados (SBs) e braquetes convencionais (CBs); se algum paciente não tivesse preferência, era alocado aleatoriamente no grupo CB ou SB. Todos os pacientes foram tratados com uma sequência idêntica de arcos. Os parâmetros avaliados foram: duração do tratamento, número de falhas de braquetes, higiene bucal ruim, desgaste elástico ruim, extração, uso de mini-implantes ortodônticos (OMI), falha de OMI, American Board of Orthodontics (ABO) Discrepancy Index (DI), discrepância do comprimento do arco e pontuação ABO Cast-Radiograph Evaluation (CRE). Uma análise estatística de regressão stepwise foi realizada para gerar a equação para predição do CRE.

A amostra final foi composta por 134 pacientes com média de idade de 22,73 anos. A média de DI, CRE e duração do tratamento foram 21,81; 14,25 e 28,63 meses, respectivamente. A análise de covariância mostrou diferença significativa no CRE entre os grupos CB e SB após ajuste para os efeitos das variáveis de confusão. A análise de regressão passo a passo usando quatro variáveis, ou seja, extração, uso de SB, desgaste elástico ruim e uso adicional de aparelho, poderia explicar apenas 25,2% da variância no CRE.

O Autor concluiu que embora o CRE tenha sido significativamente melhor para CBs do que para SBs, o significado clínico deste resultado parece ser limitado. Em  extração,  uso de SB, desgaste elástico ruim e uso adicional de aparelho podem ter efeitos significativos nos resultados do tratamento.


Link do artigo na Integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1974&vmd=Full



terça-feira, 18 de janeiro de 2022

A qualidade e precisão de produtos ortodônticos comercializados, em postagens no Instagram: Uma análise transversal

 





Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Aslam Alkadhimi; Dalya Al-Moghrabi; Padhraig S. Fleming. Do Department of Orthodontics, The Royal London Dental Hospital, London, United Kingdom; Department of Preventive Dental Sciences, College of Dentistry, Princess Nourah bint Abdulrahman University, Riyadh, Saudi Arabia; and Honorary Senior Research Fellow, Queen Mary University of London, London, United Kingdom e Program Lead in Orthodontics, Institute of Dentistry, Queen Mary University of London, London, United Kingdom. Examinou considerações contidas em postagens do Instagram relacionadas a seis produtos ortodônticos populares comercializados.

Trezentas postagens disponíveis publicamente no Instagram foram identificadas usando as seguintes hashtags do Instagram: #carrieremotion, #damonbraces, #invisalign, #acceledent, #propelorthodontics e #myobrace. A codificação piloto foi realizada em um subconjunto de reivindicações (n=50) e um guia de codificação foi desenvolvido. As reivindicações associadas foram categorizadas em 24 temas reconhecidos e sua precisão avaliada em uma escala de cinco pontos.

Dos 1.730 posts selecionados, 300 foram incluídos para análise. A maioria das postagens era baseada em fotografias (n=244, 81,3%) com o restante (n=56, 18,7%) incluindo vídeos. Metade das postagens envolvia uma foto do produto isoladamente (n=150, 50%), com casos clínicos apresentados em minoria (n= 99, 33%). No geral, 472 reclamações foram incluídas, sendo a duração do tratamento o tema mais frequente (n=125, 26,5%). Em termos de precisão, a maioria das informações foi considerada "falsa" (n=283, 60%) com menos de 2% considerada "objetivamente verdadeira".

Os autores concluíram que a maioria das informações relativas a seis produtos ortodônticos populares comercializados dizia respeito à duração do tratamento. A grande maioria dessas informações não foram apoiadas por evidências e foram consideradas falsas. Esforços devem ser feitos para promover o fornecimento de informações ortodônticas precisas e para verificar as alegações de marketing nas plataformas de mídia social.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/doi/10.2319/070421-530.1/474680/The-nature-and-accuracy-of-Instagram-posts


segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Limite esquelético anatômico mandibular posterior para distalização de molar em pacientes com má oclusão de Classe III com diferentes padrões faciais verticais

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Sung-Ho Kim; Kyung-Suk Cha; Jin-Woo Lee e Sang-Min Lee. Do Department of Orthodontics, Dankook University College of Dentistry, Cheonan, Korea; Teve o objetivo  de  comparar as diferenças nas distâncias do limite anatômico posterior mandibular (MPAL) estratificadas por padrões verticais em pacientes com má oclusão de Classe III esquelética por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Imagens de TCFC de 48 pacientes com má oclusão de Classe III esquelética (idade média, 22,8 ± 3,1 anos) categorizadas de acordo com os padrões verticais (hipodivergente, normodivergente e hiperdivergente; n = 16 por grupo) foram analisadas. Embora paralelas à linha oclusal posterior, as distâncias lineares mais curtas da raiz distal do segundo molar inferior ao córtex interno do corpo da mandíbula foram medidas em profundidades de 4, 6 e 8 mm da junção amelocementária. As distâncias MPAL foram comparadas entre os três grupos e suas correlações foram analisadas.

As médias de idade, distribuição de sexo, assimetria e alinhamentos nos três grupos não mostraram diferenças significativas. A distância MPAL foi significativamente maior no sexo masculino (3,8 ± 2,6 mm) do que no feminino (1,8 ± 1,2 mm) no nível da raiz de 8 mm. Em todos os níveis de raiz, as distâncias MPAL foram significativamente diferentes nos grupos hipodivergente e hiperdivergente (p <0,001) e entre os grupos normodivergente e hiperdivergente (p <0,01). As distâncias MPAL foram as mais curtas no grupo hiperdivergente. O ângulo do plano mandibular correlacionou-se fortemente com as distâncias MPAL em todos os níveis da raiz (p <0,01).

Os autores concluíram que as distâncias MPAL foram as mais curtas em pacientes com padrões hiperdivergentes e mostraram uma tendência decrescente com o aumento do ângulo do plano mandibular. As distâncias MPAL foram significativamente mais curtas (~ 3,16 mm) ao nível da raiz de 8 mm.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1951&vmd=Full


terça-feira, 4 de janeiro de 2022

Avaliação de resultados do alinhador ortodôntico transparente versus tratamento com aparelho fixo em uma população de adolescentes com más oclusões leves

 


Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Alissa F. Borda ; Judah S. Garfinkle ; David A. Covell, Jr. ; Mansen Wang ; Larry Doyle ; Christine M. Sedgley. Do Department of Orthodontics, Oregon Health & Science University, Portland, Oreg; Craniofacial Orthodontics, Division of Plastic and Reconstructive Surgery, School of Medicine, Oregon Health & Science University, Portland, Oregon. Teve o objetivo de avaliar a eficácia e eficiência do tratamento em adolescentes que apresentam maloclusões leves, comparando os resultados usando alinhadores transparentes em relação a aparelhos fixos.

Os pacientes identificados retrospectivamente e consecutivamente de uma clínica privada foram tratados com alinhadores transparentes (Invisalign, Align Technology, Santa Clara, Calif) ou aparelhos fixos (0,022 Damon, Ormco, Orange, Calif) 26 por grupo . As avaliações da oclusão foram feitas usando o índice de discrepância do American Board of Orthodontics (ID) para os registros iniciais e Cast-Radiograph Evaluation (CRE) para registros finais. O número de consultas, o número de visitas de emergência e o tempo total de tratamento foram determinados a partir de análises de prontuários. Os dados foram analisados usando a correlação de Pearson, testes de classificação de Wilcoxon, testes t não pareados e testes de qui-quadrado, com significância definida para P 􏰀 menor que 0,05.

No pré-tratamento, o alinhador e os grupos fixos não mostraram diferença significativa na gravidade geral ou em qualquer categoria individual do ID. As pontuações pós-tratamento mostraram que os acabamentos para o grupo do alinhador tiveram menores discrepâncias do ideal em relação ao grupo de aparelhos fixos. Os pacientes tratados com alinhadores tiveram menos consultas, menos visitas de emergência e menor tempo de tratamento geral.

Os autores concluíram que os resultados do tratamento de maloclusões leves em adolescentes mostraram eficácia equivalente de alinhadores transparentes em comparação com aparelhos fixos, com resultados significativamente melhorados para o tratamento de alinhador transparente em termos de alinhamento dentário, relações oclusais e sobressaliência. A avaliação do número de consultas, número de visitas de emergência e tempo geral de tratamento mostrou melhores resultados para o tratamento com alinhadores claros.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/485/431828/Outcome-assessment-of-orthodontic-clear-aligner-vs