ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: 2022

segunda-feira, 9 de maio de 2022

Avaliação dos locais disponíveis para mini-implantes ortodônticos palatinos através de tomografia computadorizada de feixe cônico

 





Neste Artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Xinwei Lyu; Jiusi Guo; Liangrui Chen; Yi Gao; Lu Liu; Lingling Pu; Wenli Lai; Hu Long. Do Department of Orthodontics, West China Hospital of Stomatology, Sichuan University, Sichuan, China. West China School of Stomatology, Sichuan University, Sichuan, China. State Key Laboratory of Oral Diseases & National Clinical Research Center for Oral Diseases, Sichuan University, Sichuan, China. Mostram um estudo que mapeia a regisão palatina através da utilização de Tomografias, para determinar sitios de inserção de mini-implantes ortodônticos palatinos.

Os estudo teve o objetivo de  medir a espessura palatina de tecidos duros e moles e para determinar regiões seguras para a colocação de mini-implantes. As influências do sexo e idade na espessura palatina também foram examinadas. 

Imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico de 30 pacientes (12 homens, 18 mulheres), incluindo 15 adultos e 15 adolescentes, foram utilizadas neste estudo. As espessuras dos tecidos duros palatinos, tecidos moles e tecidos moles duros foram medidas nos planos coronais dos primeiros pré-molares, segundos pré-molares, primeiros molares e segundos molares (planos P1, P2, M1 e M2, respectivamente).

O tecido duro foi mais espesso no plano P1, seguido pelos planos P2, M1 e M2, enquanto a espessura do tecido mole foi semelhante entre os quatro planos. As tendências nas mudanças da espessura palatina da linha média para os lados laterais (padrão V) foram semelhantes para os quatro planos. A espessura palatina foi influenciada pelo sexo, idade e sua interação. O mapeamento dos locais recomendados e ideais para os mini-implantes palatinos foi realizado.

Os autores concluíram que fatores como sexo e idade podem influenciar a espessura palatina. Portanto, os resultados podem ser úteis para os profissionais, orientando-os na escolha dos locais ideais para os mini-implantes palatinos.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/516/430023/Assessment-of-available-sites-for-palatal

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Mecanocomportamento e comprimento do ramo mandibular em diferentes fenótipos faciais

 




Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Paige Covington Riddle; Jeffrey C. Nickel; Ying Liu; Yoly M. Gonzalez; Luigi M. Gallo; R. Scott Conley; Robert Dunford; Hongzeng Liu; Laura R. Iwasaki. Do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Oregon Health & Science University, Portland, Oregon, USA; and Research Associate Professor, Department of Oral Diagnostic Sciences, University at Buffalo, School of Dental Medicine, Buffalo, New York, USA. Department of Biostatistics and Epidemiology, College of Public Health, East Tennessee State University, Johnson City, Tennessee, USA. Department of Oral Diagnostic Sciences, University at Buffalo,School of Dental Medicine, Buffalo, NewYork, USA. Physiology and Biomechanics of the Masticatory System, Dental School, Faculty of Medicine, University of Zurich, Zurich, Switzerland. University of Buffalo Microbiome Center, School of Dental Medicine, Buffalo, New York, USA e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Oregon Health & Science University, Portland Oregon, USA. Buscaram testar a hipótese de que os escores de mecanocomportamento (MBS) foram correlacionados com os comprimentos do ramo mandibular (Co-Go) e diferiram entre os fenótipos faciais.

Os pacientes deram consentimento informado para participar. Co-Go (mm), ângulos do plano mandibular (SN-GoGn, º) e anatomia tridimensional foram derivados de radiografia cefalométrica ou tomografia computadorizada de feixe cônico. As densidades de energia (ED) da articulação temporomandibular (TMJ) (mJ / mm3) foram medidas usando estereometria dinâmica e fatores de trabalho (DF) (%) foram medidos a partir da eletromiografia, para calcular MBS (1⁄4 ED2 3 DF, 􏰁 mJ 􏰃2% ) para cada ATM. mm3 Regressões polinomiais, análise de cluster K-médias e análise de variância (ANOVA) com testes post-hoc de Tukey foram empregadas.

Cinquenta mulheres e 23 homens produziram dados completos. As regressões polinomiais mostraram que o MBS estava correlacionado com Co-Go (mulheres, R2 1⁄4 0,57; homens, R2 1⁄4 0,81). A análise de agrupamento identificou três grupos (P< 0,001). Sujeitos dolicofaciais, com Co-Go normalizado mais curto, agrupados em dois subgrupos com MBS baixo e alto em comparação com sujeitos braquifaciais com Co-Go mais longo. SN-GoGn foi significativamente maior (P< 0,03) nos subgrupos dolicofaciais combinados (33,0 +- 5,98) em comparação com o grupo braquifacial (29,8 +- 5,58).

Os Autores concluiram que o MBS correlacionou-se com Co-Go dentro dos sexos e diferiu significativamente entre indivíduos braquifaciais e dolicofaciais.

Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/6/866/443963/Mechanobehavior-and-mandibular-ramus-length-in

terça-feira, 26 de abril de 2022

Tratamento interceptivo na displasia ectodérmica usando um aparelho ortodôntico/protético modular inovador: Um relato de caso com acompanhamento de 10 anos

 


Neste artigo de 2018, publicado pelo European Journal of Paediatric Dentistry, pelos Autores D. Celli, A. Manente, C. Grippaudo, M. Cordaro. Da School of Orthodontics, Catholic University of the Sacred Heart, Rome, Italy. Private Practice in Pescara, Italy. ** Private Practice in Pescara, Italy, Fondazione Policlinico Universitario A. Gemelli IRCCS, Rome Università Cattolica del Sacro Cuore Dental Institute, Head and Neck Department. Relata  O tratamento de um caso complexo de displasia ectodérmica hipoidrótica (DEH) com oligodontia severa.

Um menino de 6 anos com DEH foi tratado com aparelho ortodôntico / protético modular. O dispositivo foi feito sob medida e consistia em duas partes, superior e inferior, que foram parcialmente removíveis e parcialmente fixadas. O paciente foi preparado para receber implantes dentários para reabilitação oral definitiva. O tratamento foi iniciado com aparelho removível de resina acrílica polimerizada com parafuso expansor na maxila e na mandíbula. A seguir, um aparelho modular ortodôntico / protético inovador foi confeccionado na maxila e na mandíbula, fixado com bandas nos primeiros molares permanentes, com parafuso expansor e parafuso telescópico que acompanham e sustentam os dentes protéticos de resina durante a expansão ortopédica. Os dentes protéticos de resina eram removíveis da estrutura metálica fixa deste aparelho. O paciente foi acompanhado por 10 anos desde o início do tratamento.

Os autores concluíram que o aparelho modular  descrito e a abordagem terapêutica mostraram-se eficientes e duráveis no alcance de diversos objetivos no tratamento de um caso complexo de DEH. Os objetivos não eram apenas ortodônticos, mas também protéticos e psicológicos.

Link do artigo na integra via Ejpd:

https://ejpd.eu/EJPD_2018_19_4_11.pdf


terça-feira, 19 de abril de 2022

Comparação da precisão de digitalizações faciais digitais obtidas por dois scanners diferentes: Um estudo in vivo

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontics, pelos autores Federica Pellitteri; Luca Brucculeri; Giorgio Alfredo Spedicato; Giuseppe Siciliani; Luca Lombardo. Do Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy; Faculty of Banking and Insurance, Catholic University of Milan, Milan, Italy; School of Dentistry, University of Ferrara,Ferrara, Italy.  Comparou o grau de precisão do scanner facial Face Hunter e do aplicativo Dental Pro para escaneamento facial, com relação às medidas manuais e entre si. 

Vinte e cinco pacientes foram medidos manualmente e escaneados usando cada dispositivo. Seis marcadores de referência foram colocados no rosto de cada paciente nos pontos cefalométricos Tr, Na0, Prn, Pog0 e L – R Zyg. Um software de medição digital foi usado para calcular as distâncias entre os pontos de referência cefalométrica em cada uma das varreduras. O Geomagic X Control foi usado para sobrepor as varreduras, determinando automaticamente o alinhamento de melhor ajuste e calculando a porcentagem de superfícies sobrepostas dentro das faixas de tolerância.

As comparações individuais das quatro distâncias medidas antropometricamente e nas varreduras geraram um índice de coeficiente de correlação intraclasse maior que 0,9. O teste t para amostras combinadas produziu um valor P abaixo do limite de significância. As bochechas direita e esquerda atingiam cerca de 60% da superfície, com margem de erro entre 0,5 mm e ± 0,5 mm. A testa foi a única área em que a maior parte da superfície se enquadrou na faixa de reprodutibilidade deficiente, apresentando valores fora da tolerância de mais de 20%.

Os autores concluíram que as varreduras tridimensionais da superfície facial forneceram uma excelente ferramenta analítica para avaliação clínica; não parece que um ou outro dos instrumentos de medição seja sistematicamente mais preciso, e as bochechas são a área com a porcentagem média mais alta de superfície na faixa altamente reprodutível.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/5/641/463603/Comparison-of-the-accuracy-of-digital-face-scans

segunda-feira, 11 de abril de 2022

Contenção lingual inovadora de níquel-titânio personalizada por CAD / CAM versus contenção lingual padrão de aço inoxidável: um ensaio controlado randomizado

 



Neste artigo de 2020, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Emilie Gelin; Laurence Seidel; Annick Bruwier; Adelin Albert; Carole Charavet. Do Department of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, University Hospital of Liège, Liège, Belgium e do Department of Biostatistics and Medico-economic Information, University Hospital of Liège, University of Liège, Liège, Belgium. Compara as contenções de nitinol personalizadas em projetos auxiliado por computador e manufatura auxiliada por computador (CAD / CAM) com contenções fixas de aço inoxidável padrão durante um período do estudo de 12 meses.

O ensaio clínico randomizado (RCT) foi conduzido em 62 pacientes alocados aleatoriamente em um grupo controle que utlizaram contenções de aço inoxidável ou no grupo de teste que receberam contenções de níquel-titânio personalizados por  CAD / CAM. Quatro momentos foram definidos: colocação da contenção (T0) e consultas de acompanhamento de 1 mês (T1), 6 meses (T2) e 12 meses (T3). Em cada ponto de tempo, o índice de irregularidade de Little (LII) (desfecho primário) e as medições de estabilidade dentária, como largura intercaninos, foram registrados, além da avaliação dos parâmetros periodontais. Medidas radiológicas como o ângulo dos incisivos com plano mandibular  (IMPA) foram registradas em T0 e T3. Os eventos de falha (integridade do fio ou descolamento) foram avaliados em cada momento.

De T0 a T3, o LII e outras medidas dentarias não mostraram diferenças significativas entre os dois grupos. Os dados dos parâmetros periodontais permaneceram estáveis durante o período de estudo, exceto para o índice gengival, que foi leve, mas significativamente, maior no grupo teste em T3 (p = 0,039). O ângulo IMPA não apresentou diferença intergrupos. Os dois grupos não mostraram diferenças significativas nos eventos de descolamento.

Os autores concluiram que no RCT conduzido por um período de 12 meses não foi demonstrado nenhuma diferença significativa entre as contenções linguais de níquel-titânio personalizadas por CAD / CAM e contenções linguais padrão de aço inoxidável em termos de estabilidade dentária anterior e estabilidade de fixação da contenção. Ambas as contenções parecem ser igualmente eficazes na manutenção da saúde periodontal.

Link do artigo na integra via KJO:

http://new.kjo.or.kr/journal/view.html?doi=10.4041/kjod.2020.50.6.373


segunda-feira, 4 de abril de 2022

Mudanças adaptativas no ajuste do alinhador transparente com o tempo: Análise por microscopia eletrônica de varredura



 


Neste artigo de 2022, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Amal I. Linjawi; Amal M. Abushal. Do Orthodontic Department, Faculty of Dentistry, King Abdulaziz University, Jeddah, Saudi Arabia. Teve o objetivo de analisar as mudanças de adaptação no ajuste do alinhador transparente após o uso intraoral em diferentes conjuntos de tempo. 

Oito aparelhos Invisalign (Align Technology, San Jose, Califórnia, EUA) foram coletados após o uso intraoral. Impressões acrílicas da região dos incisivos inferiores foram construídas para cada aparelho em T0 (aparelho não utilizado). Dois aparelhos foram então usados intra-oralmente para cada um dos seguintes períodos de tempo definidos: 3 dias, 7 dias, 10 dias ou 15 dias. Os alinhadores usados foram adaptados em sua marca T0 e ambos foram seccionados vestíbulo-lingualmente das superfícies distais de cada incisivo na área de inserção. Oito superfícies foram coletadas para cada conjunto de tempo (n =32 superfícies). Microfotografias das seções obtidas e medidas micrométricas de ajuste do alinhador foram registradas em cinco níveis diferentes usando microscopia eletrônica de varredura (MEV). Os valores médios das mudanças de ajuste (gap width) e comparações de grupos foram analisados estatisticamente usando análise de variância e testes post hoc de Tukey. O nível de significância foi fixado em P < 0,05.

Diferenças altamente significativas no ajuste do alinhador foram encontradas nos diferentes pontos de tempo avaliados (P = 0,001) com a menor largura média do intervalo em 15 dias (176 +- 98 Micrometros) e a maior em 7 dias (269 +- 145 micrômetros). Diferenças significativas no ajuste do alinhador em diferentes níveis de inserção também foram encontradas (P < 0,01) com a menor largura média do espaço no meio da superfície labial do acessório (187 +- 118 micrômetros).

Os autores concluiram que o período de 15 dias de uso do alinhador intraoral ainda pode ser recomendado, pois mostrou a melhor adaptação e a menor largura de espaço entre o alinhador e o acessório.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/92/2/220/471151/Adaptational-changes-in-clear-aligner-fit-with

segunda-feira, 28 de março de 2022

Um versus dois mini-implantes anteriores para correção de sobremordida e angulação dos incisivos superiores: um estudo comparativo retrospectivo

 



Neste artigo de 2020, publicado pela Progress in Orthodontics pelos Autores Arturo Vela-Hernández , Laura Gutiérrez-Zubeldia , Rocío López-García , Verónica García-Sanz, Vanessa Paredes-Gallardo ,José Luis Gandía-Franco e Felicidad Lasagabaster-Latorre. Do Department of Stomatology, University of Valencia, Valencia, Spain. Teve o objetivo de avaliar a eficácia de um ou dois mini-implantes anteriores para correção de incisivos superiores em casos de sobremordida e angulação em pacientes adultos.

Quarenta e quatro adultos com sobremordida profunda foram divididos em dois grupos: o grupo 1 foi tratado com um mini-implante entre os incisivos centrais superiores e o grupo 2 com dois mini-implantes entre os incisivos laterais superiores e os caninos. A intrusão e o comprimento dos incisivos foram medidos a partir de cefalogramas laterais antes do tratamento, após o tratamento e pelo menos 12 meses em contenção (T0, T1 e T2). As forças foram aplicadas (90 g) dos miniparafusos ao arco usando cadeias elastoméricas. A análise ANOVA foi usada para determinar se as diferenças entre os tempos de avaliação eram estatisticamente significativas.

A reabsorção radicular média foi de 2,15 ± 0,85 mm, que cessou após o tratamento ativo. A correção média da sobremordida foi - 3,23 ± 1,73 mm sem recidiva estatisticamente significativa. A correção da sobremordida e a intrusão dos incisivos foram significativamente maiores no grupo 2 (- 3,80 ± 1,43 versus - 2,75 ± 1,63 para OB e 8,19 ± 3,66 versus 5,69 ± 2,66 para intrusão). Reabsorção e correção de sobremordida foram relacionadas positivamente. Nenhuma rotação anti-horária do plano mandibular foi observada.

Os autores concluiram que a correção da sobremordida pode ser realizada por meio da intrusão dos incisivos superiores sem rotação do plano mandibular. A correção da intrusão e sobremordida dos incisivos superiores é maior em pacientes tratados com dois mini-implantes. O aumento da angulação vestibular dos incisivos superiores é maior com um mini-implante. A reabsorção radicular está positivamente relacionada à extensão da intrusão. A estabilidade é satisfatória, independentemente de um ou dois miniparafusos serem usados.


Link do artigo na integra via Progress in Orthodontics:

https://progressinorthodontics.springeropen.com/articles/10.1186/s40510-020-00336-2


segunda-feira, 21 de março de 2022

Relação entre a profundidade das vias aéreas faríngeas e a condição de ventilação após cirurgia de recuo mandibular: Um estudo computacional dinâmico dos fluidos

 


Neste artigo de 2020, publicado na Orthodontics Craniofacial Reserach, pelos autores Yoshito Shirazawa , Tomonori Iwasaki, Kazuhiro Ooi, Yutaka Kobayashi, Ayaka Yanagisawa-Minami, Yoichiro Oku,  Anna Yokura, Yuusuke Ban,  Hokuto Suga, Shuichi Kawashiri, Youichi Yamasaki. Do Department of Pediatric Dentistry, Graduate School of Medical and Dental Sciences, Kagoshima University, Kagoshima City, Japan e do Department of Oral and Maxillofacial Surgery, School of Medical Science, Kanazawa University Graduate, Kanazawa City, Japan.  Teve como objetivo determinar a profundidade ântero-posterior (APD) da via aérea faríngea (PA) onde a obstrução pós-operatória da PA foi predita, usando dinâmica de fluidos computacional (CFD), a fim de prevenir a apneia obstrutiva do sono após cirurgia de recuo mandibular.

Dezenove pacientes portadores de Classe III esquelética (8 homens; idade média, 26,7 anos) que necessitaram de cirurgia de recuo mandibular possuíam  imagens de tomografia computadorizada realizadas antes e 6 meses após a cirurgia.

O APD de cada local dos quatro planos transversais de referência (via aérea retropalatal [AR], segunda via aérea cervical vertebral, via aérea orofaríngea e terceira via aérea vertebral cervical) foram medidos. A pressão negativa máxima (Pmáx) do PA foi medida na inspiração usando CFD, com base em um modelo de PA tridimensional. As diferenças entre locais foram determinadas usando análise de variância e o teste de Friedman com correção de Bonferroni. A relação entre APD e Pmax foi avaliada por coeficientes de correlação de Spearman e análise de regressão não linear.

O menor local de PA foi o RA. Pmax foi significativamente correlacionado com o APD do RA (rs = 0,628, P <0,001). A relação entre Pmax e o APD-RA foi ajustada a uma curva, que mostrou uma relação inversamente proporcional da Pmax com o quadrado do APD-RA. A Pmax aumentou substancialmente, mesmo com uma ligeira redução do APD-RA. Em particular, quando o APD-RA era de 7 mm ou menos, a Pmax aumentou muito, sugerindo que a obstrução PA era mais provável de ocorrer.

Os resultados deste estudo sugerem que APD-RA é um preditor útil de boa ventilação PA após a cirurgia.

Link do Artigo na Integra via OnLinelibrary Wiley:

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/ocr.12371

segunda-feira, 14 de março de 2022

A análise quantitativa das superfícies da base de braquetes cerâmicos através de um sistema de imagiologia tridimensional





Neste artigo de 2013, publicado pelo Angle Orthodontist, pelos autores Da-Young Kang; Sung-Hwan Choi; Jung-Yul Cha; Chung-Ju Hwang; Do Department of Orthodontics, College of Dentistry, Yonsei University, Seoul, Korea; Department of Orthodontics, Institute of Cranio- facial Deformity Center, College of Dentistry, Yonsei University, Seoul, Korea. Mostra um estudo realizado com base de diversos braquetes cerâmicos comparados com um metálico.

Este trabalho teve o objetivo de estudar as características estruturais tridimensionais de três tipos de bases de braquetes cerâmicos mecanicamente fixados.

Braquetes, um tipo de aço inoxidável (MicroArch, Tomy, Tóquio, Japão) e três tipos de cerâmico incisivo central superior direito Cristalina MB (Tomy), INVU (TP Orthodontics, La Porte, Ind) e Inspire Ice (Ormco, Glendora, Calif), foram testados para comparar e analisar quantitativamente diferenças nas características da superfície de cada base de braquete cerâmico usando microscopia eletrônica de varredura (MEV), uma imagem tridimensional profiler superfície óptica (3D) e tomografia microcomputed (micro-CT). Uma análise de variância foi utilizada para encontrar diferenças nos valores de rugosidade superficial da base dos braquetes e áreas de superfície entre os dois grupos de acordo com projetos de base. 

O SEM revelou que cada braquete exibiu uma textura de superfície única (MicroArch, malha dupla; Cristalina MB, irregular; INVU, malha única; Inspire Ice, talão de bola). Com um perfilador superfície óptica 3D, o braquete de aço inoxidável apresentou valores de rugosidade superficial significativamente mais elevados. Cristalina MB tiveram significativamente valores maiores de rugosidade superficial do que Inspire Ice. Micro-CT demonstrou que braquetes de aço inoxidável apresentaram maiores áreas de superfície de base braquete da unidade.  Entre os braquetes cerâmicos, INVU apresentou maior área de superfície da base do braquete todo, e Cristalina MB mostrou uma superfície significativamente maior unidade de braquete de base do Inspire Ice.

Os autores concluíram que as características da rugosidade das superfícies dos braquetes apresentaram os maiores valores de rugosidade superficial e de superfície na base do braquete da unidade nos braquetes cerâmicos, o que contribui para o aumento mecanicamente retentiva braquete força de ligação.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 7 de março de 2022

Avaliação tridimensional do tecido mole após expansão rápida da maxila e por distração osteogênica da porção média da região mandibular

 





Neste artigo de 2021, Publicado pela Angle Orthodontist, os Autores Seyit Ahmet Ozturk; Sıddık Malkoc ̧; Umit Yolcu; Zehra Ileri; Ozge Celik Gule. Do Department of Orthodontics, Meridyen Ora Health Center, Private Practice, Istanbul, Turkey; Department of Oral and Maxillofacial Surgery, Faculty of Dentistry, Ankara Yıldırım Beyazıt University, Ankara, Turkey; Department of Orthodontics, Faculty of Dentistry, Selcuk University, Konya, Turkey e do Department of Orthodontics, Faculty of Dentistry, Turkey. Çanakkale Onsekiz Mart University, Çanakkale, Turkey. Teve o objetivo de Avaliar os efeitos da expansão rápida da maxila (RME) e distração osteogênica da porção média mandibular (MMDO) nos tecidos moles faciais usando imagens tridimensionais (3D).


Um total de 20 pacientes (idade média 15,86 +- 2,17 anos) foram tratados com RME e MMDO usando distratores dentais. Fotografias tridimensionais de cada paciente foram tiradas com um sistema de estereofotogrametria no início (T0), no final do período de distração (T1) e no final do período de consolidação (T2). Todos os dados foram analisados usando um teste t de amostras dependentes com um nível de significância de 5%.


A altura facial total e inferior aumentou após MMDO (P < 0,05). A largura nasal e da boca aumentou após RME em comparação com a linha de base (P < 0,05). O ângulo labiomental aumentou em T1 e diminuiu em T2 (P < 0,05). Após MMDO, o ângulo de convexidade aumentou enquanto o ângulo mandibular diminuiu (P < 0,05). Os ângulos do lábio superior e inferior aumentaram após RME (P < 0,05). A distância do lábio inferior ao plano E aumentou após MMDO e diminuiu após RME (P < 0,05).


Os autores concluíram que os procedimentos de MMDO e RME fornecem uma alternativa eficiente de tratamento sem extração para deficiência maxilomandibular transversa. O MMDO pode melhorar o perfil do tecido mole facial nos eixos transverso e vertical da região mandibular.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/5/634/464592/Three-dimensional-soft-tissue-evaluation-after

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2022

Distribuição de frações de volume ósseo dos trabéculados mandibulares em relação aos diferentes intervalos de micro-osteoperfuração para acelerar o movimento ortodôntico dentário: um ensaio clínico randomizado



Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Ng Heng Khiang Teh; Saritha Sivarajan; Muhammad Khan Asif; Norliza Ibrahim; Mang Chek Wey. Do Department of Pediatric Dentistry and Orthodontics, Faculty of Dentistry, University Malaya, Kuala Lumpur, Malaysia. Department of Oral and Maxillofacial Clinical Sciences, Faculty of Dentistry University Malaya, Kuala Lumpur, Malaysia. Investigou o efeito da micro-osteoperfuração (MOP) com distribuição horizontal e vertical da fração de volume ósseo das trabéculas mandibulares em relação a diferentes intervalos MOP durante a retração do canino.

Este ensaio clínico prospectivo, randomizado, prospectivo e randomizado, com boca dividida, incluiu 30 participantes saudáveis com 18 anos ou mais, randomizados em três grupos de intervalos MOP diferentes (4, 8 e 12 semanais). Imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico foram obtidas para avaliar a fração de volume ósseo (volume ósseo sobre o volume total ou VB / VC).

VB / VC foi significativamente reduzido (diferença média: 9,79%, desvio padrão [SD]: 11,89%; intervalo de confiança de 95% [IC]: 4,77, 14,81%; P, 0,01) e retração canina aumentada (diferença média: -1,25 mm / 4 meses, SD: 0,79 mm; IC 95%: -1,59, -0,92 mm; P, 0,01) com MOP, em comparação com locais de controle. MOP mudou significativamente os padrões verticais e horizontais das trabéculas ósseas com valores mais baixos próximos aos locais de intervenção. Apenas o grupo de intervalo MOP de 4 semanas mostrou diminuição significativa no VB / VC (diferença média: 14,73%, SD: 12,88%; IC 95%: 3,96, 25,50%; P 1⁄4 0,01), apesar do aumento significativo na taxa de retração canina para todos os grupos de intervalo. Com o uso de MOP, VB / VC apresentou correlação inversa com a taxa de retração canina (r 1⁄4 -0,425; P 1⁄4 .04).

Os autores concluiram que a fração de volume do osso trabecular alveolar mandibular foi reduzida e a taxa de movimentação dentária ortodôntica aumentou com a MOP, especialmente no intervalo de 4 semanas. No entanto, este efeito foi limitado à região interdental imediata do MOP.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/6/774/443056/Distribution-of-mandibular-trabeculae-bone-volume

Mudanças de força associadas à ativação diferencial na retração em massa e / ou intrusão com alinhadores transparentes

 



Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores Ye Zhu, Wei Hu, Shuo Li. Do Department of Orthodontics, Peking University School and Hospital of Stomatology, Beijing, ChinaInvestiga as forças tridimensionais criadas por alinhadores transparentes nos dentes inferiores durante a ativação diferencial na retração em massa e / ou intrusão in vitro.

Seis conjuntos de alinhadores transparentes foram projetados para procedimentos diferenciais de retração e / ou intrusão em massa em um modelo de extração de primeiro pré-molar. O grupo A0 foi um grupo controle sem ativação. Os grupos A1–5 sofreram diferentes graus de retrações e / ou intrusões. Cada grupo consistia de 10 alinhadores. As forças do alinhador foram medidas em um sistema de medição de transdutor de força / torque de múltiplos eixos em tempo real.

Nos grupos de retração em massa (A1 e A2), foram observadas forças linguais e extrusivas nos incisivos; os caninos receberam principalmente forças distais; forças intrusivas foram observadas nos segundos pré-molares; e os molares receberam forças mesiais. Nos grupos de retração e intrusão em massa (A3, A4 e A5), os incisivos também receberam forças linguais e extrusivas; caninos receberam forças distais e intrusivas; forças mesiais e extrusivas foram observadas nos segundos pré-molares; e os segundos molares receberam forças distais e intrusivas. As forças verticais nos incisivos não diferiram significativamente entre os grupos A1, A3 e A5. No entanto, as forças verticais nos segundos pré-molares reverteram da intrusão no grupo A1 para a extrusão nos grupos A3 e A5.

Os Autores concluiram que utilizando alinhadores transparentes, o “efeito de curva” é visto durante a retração en-masse dos dentes anteriores e pode ser parcialmente aliviado pela realização da retração en-masse acompanhada pela intrusão dos dentes anteriores. O controle vertical dos incisivos permaneceu sem solução durante a retração em massa, mesmo quando a ativação intrusiva tenha sido adicionada aos dentes anteriores.

Link do Artigo na integra fia E-KJO:

http://new.kjo.or.kr/journal/view.html?doi=10.4041/kjod.2021.51.1.32

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Comparação da retração canina usando molas helicoidais fechadas de NiTi vs cadeias elastoméricas: Um ensaio clínico randomizado controlado com boca dividida

 





Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos Autores Haya A. Barsoum; Hend S. ElSayed; Fouad A. El Sharaby; Juan Martin Palomo; Yehya A. Mostafa. Do Department of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, Faculty of Dentistry, Future University in Egypt, Cairo, Egypt; Department of Epidemiology & Health Promotion, College of Dentistry, New York University, New York, NY, USA; Department of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, Faculty of Dentistry, Cairo University, Cairo, Egyp; Case West- ern Reserve University School of Dental Medicine, Cleveland, OH, USA. Teve o objetivo de Comparar a retração canina usando molas fechadas de NiTi vs cadeias elastoméricas de forma abrangente em um estudo randomizado controlado de boca dividida. 

Os caninos em 64 quadrantes foram retraídos aleatoriamente para os espaços de extração dos primeiros pré-molares usando molas fechadas de NiTi ou cadeias elastoméricas, na maxila e na mandíbula. A força de retração foi de 150 gr. A tomografia computadorizada de feixe cônico e os modelos de estudo foram obtidos antes do início da retração canina e 6 meses depois. A taxa e a quantidade total de retração canina, rotação, inclinação e reabsorção radicular foram avaliadas. Uma escala visual analógica foi usada para avaliar a experiência de dor dos pacientes.

Os dois métodos foram estatisticamente semelhantes para alterações dentárias, taxa de retração canina e reabsorção radicular. No entanto, os pacientes relataram significativamente mais dias de dor com a cadeia elastomérica em comparação com as molas fechadas de NiTi.

Os Autores concluiram que dentro das restrições do estudo, o uso de molas helicoidais fechadas de NiTi ou cadeias de elastômero como sistemas de  força para a retração canina não resulta em diferença significativa na taxa de retração canina, inclinação, rotação ou reabsorção radicular. A experiência de dor durante a retração usando cadeias elastoméricas é mais significativa, mas precisa de mais investigação.

Link do Artigo na Integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/4/441/461450/Comprehensive-comparison-of-canine-retraction


segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

Avaliação da resposta do osso alveolar à retração dos incisivos superiores usando estruturas esqueléticas estáveis como referência



 

Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Teerapat Eksriwong; Udom Thongudomporn; Do Department of Preventive Dentistry, Faculty of Dentistry, Prince of Songkla University, Hat Yai, Songkhla, Thailand. Avaliou a alteração óssea alveolar em relação à alteração da posição radicular após a retração dos incisivos superiores por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC), usando estruturas esqueléticas estáveis como referência.

Um total de 17 indivíduos (idade 24,7 +- 4,4 anos) que necessitaram de retração dos incisivos superiores fizeram parte da pesquisa. Alterações ósseas alveolares vestibulares, palatinas e alterações radiculares foram avaliadas a partir de imagens de TCFC pré-retração e 3 meses pós-retração. Os planos de referência foram baseados em estruturas esqueléticas estáveis. O teste de Kruskal-Wallis e o teste dos postos sinalizados de Wilcoxon foram usados para comparar as mudanças dentro e entre os grupos, conforme apropriado. As correlações de classificação de Spearman foram usadas para identificar os parâmetros que se correlacionam com a alteração do osso alveolar. O nível de significância foi estabelecido em 0,05.

A alteração óssea alveolar vestibular após a retração dos incisivos superiores foi estatisticamente significativa (P< 0,05), e a relação remodelação óssea / movimento dentário (B / T) foi de 1: 1. No entanto, o osso palatino permaneceu inalterado (P > 0,05). A mudança na inclinação foi significativamente relacionada à mudança óssea alveolar vestibular.

Os autores concluiram que  utilizando estruturas esqueléticas estáveis como referência, a mudança no osso alveolar vestibular seguiu o movimento dentário em uma relação B / T de quase 1: 1. O osso alveolar palatino não se remodelou após a retração dos incisivos superiores. A mudança na inclinação foi associada à mudança do osso alveolar.

Link do Artigo na integra via Meridian Allenpress:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/1/30/443504/Alveolar-bone-response-to-maxillary-incisor

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

Historia da Biologia do Movimento Ortodontico dentario





Dr. Jhon N. Farrar publicou inúmeros artigos no Dental Cosmos (Periódico Cientifico da época). Entre eles o de 1876 intitulado: “An inquiry into physiological and pathological changes in animal tissue in regulating teeth”; que em portugues: “Uma investigação sobre as alterações fisiológicas e patológicas nos tecidos animais na regulação dos dentes”.


No artigo o autor advogou limites específicos para a circulação dos dentes e, ao fazê-lo lançou as bases "Científicas" para ortodontia. Fundamentado em estudos com animais, Farrar originou a teoria da força intermitente e desenvolveu um parafuso para promover incrementos de forças. O artigo bem extenso mostra inclusive com ilustrações toda fundamentação que o pesquisador se propoz transmitir, tanto na biologia como na biomecânica Ortodontica.

Aproveitem a leitura !!!


Link do artigo na integra Dental Cosmos:

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Estabilidade e taxa de sucesso de miniparafusos com rosca dupla: um estudo retrospectivo usando a região alveolar vestibular como local de inserção

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Yeji Lee; Sung-Hwan Choi; Hyung-Seog Yu; Tselmuun Erenebat; Jing Liu; Jung-Yul Cha. Do Department of Orthodontics, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea.; Department of Orthodontics, Institute of Cranio- facial Deformity, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea. Teve o objetivo de avaliar a estabilidade clínica dos miniparafusos ortodônticos de rosca dupla. Comparando a estabilidade primária e a taxa de sucesso clínico a longo prazo de miniparafusos ortodônticos cilíndricos com rosca dupla e examinar a associação entre vários fatores clínicos e a taxa de sucesso.

Um total de 145 miniparafusos cilíndricos e 135 de rosca dupla foram inseridos nas áreas alveolares vestibulares maxilares e mandibulares de 142 pacientes. Os valores de torque e Periotest (Siemens, Bensheim, Alemanha) foram registrados durante a inserção e remoção. O efeito de variáveis clínicas como sexo, idade, desenho do parafuso, mandíbula, lado de colocação, proximidade da raiz e local de colocação na taxa de sucesso foi examinado usando análise de regressão logística.

Não houve diferença estatisticamente significativa (P = 0.595) na taxa de sucesso clínico geral entre os dois desenhos, com uma taxa de sucesso geral de 82,1% e 84,4% para os miniparafusos cilíndricos e de rosca dupla, respectivamente. A idade e a proximidade da raiz do parafuso foram significativamente associadas à falha (P < 0,05).

Os autores concluiram que os miniparafusos de rosca dupla não mostraram estabilidade superior a longo prazo e taxa de sucesso clínico em comparação com os miniparafusos cilíndricos. Os resultados deste estudo sugerem que a idade do paciente e a proximidade da raiz do parafuso influenciam a taxa de sucesso clínico dos mini-implantes.


Link do artigo na integra via Meridian:


https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/4/509/466945/Stability-and-success-rate-of-dual-thread

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Efeitos dos braquetes autoligados e outros fatores que influenciam os resultados do tratamento ortodôntico: Um estudo de coorte prospectivo

 






Neste de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelo autor Min-Ho Jung, do Department of Orthodontics, Dental Research Institute and School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de avaliar os efeitos dos braquetes autoligados (SBs) e outros fatores que influenciam os resultados do tratamento ortodôntico.

Este estudo de coorte de dois braços incluiu pacientes tratados consecutivamente em um consultório particular. Os pacientes foram solicitados a escolher entre os braquetes autorizados (SBs) e braquetes convencionais (CBs); se algum paciente não tivesse preferência, era alocado aleatoriamente no grupo CB ou SB. Todos os pacientes foram tratados com uma sequência idêntica de arcos. Os parâmetros avaliados foram: duração do tratamento, número de falhas de braquetes, higiene bucal ruim, desgaste elástico ruim, extração, uso de mini-implantes ortodônticos (OMI), falha de OMI, American Board of Orthodontics (ABO) Discrepancy Index (DI), discrepância do comprimento do arco e pontuação ABO Cast-Radiograph Evaluation (CRE). Uma análise estatística de regressão stepwise foi realizada para gerar a equação para predição do CRE.

A amostra final foi composta por 134 pacientes com média de idade de 22,73 anos. A média de DI, CRE e duração do tratamento foram 21,81; 14,25 e 28,63 meses, respectivamente. A análise de covariância mostrou diferença significativa no CRE entre os grupos CB e SB após ajuste para os efeitos das variáveis de confusão. A análise de regressão passo a passo usando quatro variáveis, ou seja, extração, uso de SB, desgaste elástico ruim e uso adicional de aparelho, poderia explicar apenas 25,2% da variância no CRE.

O Autor concluiu que embora o CRE tenha sido significativamente melhor para CBs do que para SBs, o significado clínico deste resultado parece ser limitado. Em  extração,  uso de SB, desgaste elástico ruim e uso adicional de aparelho podem ter efeitos significativos nos resultados do tratamento.


Link do artigo na Integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1974&vmd=Full



terça-feira, 18 de janeiro de 2022

A qualidade e precisão de produtos ortodônticos comercializados, em postagens no Instagram: Uma análise transversal

 





Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Aslam Alkadhimi; Dalya Al-Moghrabi; Padhraig S. Fleming. Do Department of Orthodontics, The Royal London Dental Hospital, London, United Kingdom; Department of Preventive Dental Sciences, College of Dentistry, Princess Nourah bint Abdulrahman University, Riyadh, Saudi Arabia; and Honorary Senior Research Fellow, Queen Mary University of London, London, United Kingdom e Program Lead in Orthodontics, Institute of Dentistry, Queen Mary University of London, London, United Kingdom. Examinou considerações contidas em postagens do Instagram relacionadas a seis produtos ortodônticos populares comercializados.

Trezentas postagens disponíveis publicamente no Instagram foram identificadas usando as seguintes hashtags do Instagram: #carrieremotion, #damonbraces, #invisalign, #acceledent, #propelorthodontics e #myobrace. A codificação piloto foi realizada em um subconjunto de reivindicações (n=50) e um guia de codificação foi desenvolvido. As reivindicações associadas foram categorizadas em 24 temas reconhecidos e sua precisão avaliada em uma escala de cinco pontos.

Dos 1.730 posts selecionados, 300 foram incluídos para análise. A maioria das postagens era baseada em fotografias (n=244, 81,3%) com o restante (n=56, 18,7%) incluindo vídeos. Metade das postagens envolvia uma foto do produto isoladamente (n=150, 50%), com casos clínicos apresentados em minoria (n= 99, 33%). No geral, 472 reclamações foram incluídas, sendo a duração do tratamento o tema mais frequente (n=125, 26,5%). Em termos de precisão, a maioria das informações foi considerada "falsa" (n=283, 60%) com menos de 2% considerada "objetivamente verdadeira".

Os autores concluíram que a maioria das informações relativas a seis produtos ortodônticos populares comercializados dizia respeito à duração do tratamento. A grande maioria dessas informações não foram apoiadas por evidências e foram consideradas falsas. Esforços devem ser feitos para promover o fornecimento de informações ortodônticas precisas e para verificar as alegações de marketing nas plataformas de mídia social.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/doi/10.2319/070421-530.1/474680/The-nature-and-accuracy-of-Instagram-posts


segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Limite esquelético anatômico mandibular posterior para distalização de molar em pacientes com má oclusão de Classe III com diferentes padrões faciais verticais

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Sung-Ho Kim; Kyung-Suk Cha; Jin-Woo Lee e Sang-Min Lee. Do Department of Orthodontics, Dankook University College of Dentistry, Cheonan, Korea; Teve o objetivo  de  comparar as diferenças nas distâncias do limite anatômico posterior mandibular (MPAL) estratificadas por padrões verticais em pacientes com má oclusão de Classe III esquelética por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Imagens de TCFC de 48 pacientes com má oclusão de Classe III esquelética (idade média, 22,8 ± 3,1 anos) categorizadas de acordo com os padrões verticais (hipodivergente, normodivergente e hiperdivergente; n = 16 por grupo) foram analisadas. Embora paralelas à linha oclusal posterior, as distâncias lineares mais curtas da raiz distal do segundo molar inferior ao córtex interno do corpo da mandíbula foram medidas em profundidades de 4, 6 e 8 mm da junção amelocementária. As distâncias MPAL foram comparadas entre os três grupos e suas correlações foram analisadas.

As médias de idade, distribuição de sexo, assimetria e alinhamentos nos três grupos não mostraram diferenças significativas. A distância MPAL foi significativamente maior no sexo masculino (3,8 ± 2,6 mm) do que no feminino (1,8 ± 1,2 mm) no nível da raiz de 8 mm. Em todos os níveis de raiz, as distâncias MPAL foram significativamente diferentes nos grupos hipodivergente e hiperdivergente (p <0,001) e entre os grupos normodivergente e hiperdivergente (p <0,01). As distâncias MPAL foram as mais curtas no grupo hiperdivergente. O ângulo do plano mandibular correlacionou-se fortemente com as distâncias MPAL em todos os níveis da raiz (p <0,01).

Os autores concluíram que as distâncias MPAL foram as mais curtas em pacientes com padrões hiperdivergentes e mostraram uma tendência decrescente com o aumento do ângulo do plano mandibular. As distâncias MPAL foram significativamente mais curtas (~ 3,16 mm) ao nível da raiz de 8 mm.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1951&vmd=Full


terça-feira, 4 de janeiro de 2022

Avaliação de resultados do alinhador ortodôntico transparente versus tratamento com aparelho fixo em uma população de adolescentes com más oclusões leves

 


Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Alissa F. Borda ; Judah S. Garfinkle ; David A. Covell, Jr. ; Mansen Wang ; Larry Doyle ; Christine M. Sedgley. Do Department of Orthodontics, Oregon Health & Science University, Portland, Oreg; Craniofacial Orthodontics, Division of Plastic and Reconstructive Surgery, School of Medicine, Oregon Health & Science University, Portland, Oregon. Teve o objetivo de avaliar a eficácia e eficiência do tratamento em adolescentes que apresentam maloclusões leves, comparando os resultados usando alinhadores transparentes em relação a aparelhos fixos.

Os pacientes identificados retrospectivamente e consecutivamente de uma clínica privada foram tratados com alinhadores transparentes (Invisalign, Align Technology, Santa Clara, Calif) ou aparelhos fixos (0,022 Damon, Ormco, Orange, Calif) 26 por grupo . As avaliações da oclusão foram feitas usando o índice de discrepância do American Board of Orthodontics (ID) para os registros iniciais e Cast-Radiograph Evaluation (CRE) para registros finais. O número de consultas, o número de visitas de emergência e o tempo total de tratamento foram determinados a partir de análises de prontuários. Os dados foram analisados usando a correlação de Pearson, testes de classificação de Wilcoxon, testes t não pareados e testes de qui-quadrado, com significância definida para P 􏰀 menor que 0,05.

No pré-tratamento, o alinhador e os grupos fixos não mostraram diferença significativa na gravidade geral ou em qualquer categoria individual do ID. As pontuações pós-tratamento mostraram que os acabamentos para o grupo do alinhador tiveram menores discrepâncias do ideal em relação ao grupo de aparelhos fixos. Os pacientes tratados com alinhadores tiveram menos consultas, menos visitas de emergência e menor tempo de tratamento geral.

Os autores concluíram que os resultados do tratamento de maloclusões leves em adolescentes mostraram eficácia equivalente de alinhadores transparentes em comparação com aparelhos fixos, com resultados significativamente melhorados para o tratamento de alinhador transparente em termos de alinhamento dentário, relações oclusais e sobressaliência. A avaliação do número de consultas, número de visitas de emergência e tempo geral de tratamento mostrou melhores resultados para o tratamento com alinhadores claros.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/485/431828/Outcome-assessment-of-orthodontic-clear-aligner-vs