ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Outubro 2021

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Quando os modelos 3D bem integrados prevêem defeitos alveolares após o tratamento com alinhadores transparentes?

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Ting Jiang; Jian Kai Wang; Yang Yang Jiang; Zheng Hu; Guo Hua Tang. Department of Orthodontics, Shanghai Ninth People’s Hospital, College of Stomatology, Shanghai Jiao Tong University School of Medicine, Shanghai, China; Department of Orthodontics, Shanghai Ninth People’s Hospital, College of Stomatology, Shanghai Jiao Tong University School of Medicine; and National Clinical Research Center for Oral Diseases, Shanghai Key Laboratory of Stomatology & Shanghai Research Institute of Stomatology, Shanghai, China. Teve o objetivo de Avaliar a precisão dos modelos integrados (IMs) construídos por tomografia computadorizada de feixe cônico de pré-tratamento (pré-TCFC) no diagnóstico de defeitos alveolares após o tratamento com alinhadores transparentes.

Foram coletados exames de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC) pré-TCFC e pós-tratamento de 69 pacientes que completaram o tratamento sem extração com alinhadores transparentes. Os MIs compreendiam dentes anteriores nas posições previstas e osso alveolar de exames pré-TCFC. A precisão dos MIs para identificar deiscências ou fenestrações foi avaliada pela comparação das médias dos volumes dos defeitos, diferenças médias absolutas e coeficientes de correlação de Pearson com aqueles medidos nas varreduras pós-TCFC. A precisão da previsão de defeitos foi avaliada por sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivos e valores preditivos negativos. Fatores que possivelmente afetavam mudanças em defeitos alveolares mandibulares foram analisados usando um modelo linear misto.

As medidas IM mostraram desvios médios de 2,82 +- 9,99 mm3 para fenestrações e 3,67 +- 9,93 mm3 para deiscências. As diferenças médias absolutas foram 4,50 +- 9,35 mm3 para fenestrações e 5,17 +- 9,24 mm3 para deiscências. As especificidades dos MIs foram superiores a 0,8, enquanto as sensibilidades foram ambas inferiores (fenestração 1= 0,41; deiscência = 0,53). Os valores preditivos positivos foram inaceitáveis (fenestração = 0,52; deiscência = 0,62) e a confiabilidade geral foi baixa (0,80). Distalização e proclinação molar foram positivamente correlacionadas com aumentos significativos em defeitos alveolares nos incisivos inferiores após o tratamento.

Os autores concluíram que os defeitos alveolares após o tratamento com alinhador transparente não podem ser simulados com precisão por IMs construídos a partir de pré-CBCT. Deve-se ter cuidado no tratamento do apinhamento com proclinação, expansão e distalização molar para a segurança do osso alveolar nos incisivos inferiores.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/3/313/451550/How-well-do-integrated-3D-models-predict-alveolar


segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Precisão na transferência de planejamentos cirúrgicos ortognáticos bimaxilares usando navegação intraoperatória auxiliada por computador

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Chen Chen;  Ningning Sun;  Chunmiao Jiang; Yanshan LiuJian Sun. Do Department of Oral and Maxillofacial Surgery, The Affiliated Hospital of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China; Department of Emergency Intensive Care Unit, The Affiliated Hospital of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China; Department of Orthodontics, The Affiliated Hospital of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China e da Dental Digital Medicine & 3D Printing Engineering Laboratory of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China. Teve o objetivo de examinar a precisão da navegação intra-operatória auxiliada por computador (Ci-Navi) em cirurgia ortognática bimaxilar, comparando o planejamento pré-operatório e o resultado pós-operatório.

O estudo foi realizado com 45 pacientes com deformidades dentomaxilofaciais congênitas programados para cirurgia ortognática bimaxilar. A cirurgia ortognática bimaxilar virtual foi simulada usando o software Mimics. No intraoperatório, uma osteotomia Le Fort I da maxila foi realizada com placas guia de osteotomia. Após a osteotomia Le Fort I e a osteotomia do ramo sagital bilateral da mandíbula, a maxila mobilizada e o segmento mandibular distal foram fixados com uma placa oclusal, formando o complexo maxilomandibular (MMC). O Ci-Navi em tempo real foi usado para conduzir o MMC na direção designada. A osteoplastia da borda inferior da mandíbula foi realizada com Ci-Navi quando a simetria facial e a harmonia esquelética eram preocupantes. Foram calculadas as distinções lineares e angulares entre o planejamento pré-operatório e os resultados pós-operatórios.

A diferença linear média foi de 0,79 mm (maxila: 0,62 mm, mandíbula: 0,88 mm) e a diferença angular média geral foi de 1,20 °. A diferença observada no ponto incisivo superior para o plano horizontal de Frankfurt, plano sagital médio-facial e plano coronal foi <1 mm em 40 casos.

Os autores concluíram que o estudo demonstrou o papel do Ci-Navi no posicionamento preciso dos segmentos ósseos durante a cirurgia ortognática bimaxilar. O Ci-Navi foi considerado um método confiável para a transferência precisa do plano cirúrgico durante uma operação.


Link do artigo na integra via E-Kjo:

https://e-kjo.org/journal/view.html?doi=10.4041/kjod.2021.51.5.321

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Um modelo predictivo de relações esqueléticas ântero-posteriores "favoráveis" e "desfavoráveis" entre as Classes I e IIs



 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Jacob S. Bleyer; Larry Tadlock; Matthew Kesterke; Peter H. Buschang. Do Department of Orthodontics, Texas A&M University College of Dentistry, Dallas, Tex; Department of Biomedical Sciences, Texas A&M University College of Dentistry, Dallas, Tex. Teve o objetivo de validar o uso da distância sagital entre ANS e Pg (ANSPg) como medida de relações esqueléticas ântero-posteriores favoráveis e desfavoráveis e identificar medidas cefalométricas multivariadas que poderiam ser utilizadas para predizer relações favoráveis e desfavoráveis aos 15 anos.

Este estudo longitudinal incluiu 226 adolescentes não tratados avaliados aos 10 e 15 anos de idade. Os pacientes foram agrupados como ‘‘ favoráveis ’’ ou ‘‘ desfavoráveis ’’ com base no ANSPg (medido paralelamente a S-N -7º) aos 15 anos de idade (ANSPg15). O ANSPg15 foi validado com base em sua correlação com mudanças no ANSPg entre 10 e 15 anos de idade, bem como em suas relações com medidas de potencial de crescimento estabelecidas. Análises de regressão múltipla e discriminante foram realizadas para prever ANSPg15 a partir de medidas aos 10 anos de idade.

O ANSPg15 e a mudança em ANSPg entre 10 e 15 anos de idade foram significativamente correlacionados (R= –0,661; P 􏰀<= .001), com 77% dos pacientes nos quais os relacionamentos melhoraram (ou seja, a distância diminuiu) exibindo relacionamentos favoráveis aos 15 anos de idade. As medidas estabelecidas de potencial de crescimento foram significativamente (P<0,001) correlacionadas com ANSPg15 e mostraram diferenças significativas entre os pacientes com relações favoráveis e desfavoráveis. A regressão múltipla mostrou que o eixo Y, o ANS-N-Pg e o ângulo sínfisário medido aos 10 anos explicaram aproximadamente 60% (R = 0,78) da variação do ANSPg15. Com base nessas três variáveis, a função discriminante previu corretamente as relações favoráveis ou desfavoráveis da ANSPg15 em 77% das vezes.

Os autores concluiram que o ANSPg15 foi uma medida válida para determinar relações esqueléticas ântero-posteriores favoráveis e desfavoráveis, que poderiam ser previstas com níveis moderadamente altos de precisão.


Link do artigo na integra via Meridiam:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/5/604/463600/A-predictive-model-of-favorable-and-unfavorable

segunda-feira, 4 de outubro de 2021

Uma avaliação da magnitude, paralelismo e assimetria da expansão rápida da maxila assistida por micro - implantes em pacientes sem crescimento

 






Neste artigo de 2021, publicado na Progress in Orthodontics, pelos autores Islam Elkenawy , Layla Fijany, Ozge Colak, Ney Alberto Paredes, Ausama Gargoum, Sara Abedini, Daniele Cantarella, Ramon Dominguez-Mompell, Luca Sfogliano e Won Moon. Da Division of Growth and Development, Section of Orthodontics, School of Dentistry, Center for Health Science, University of California at Los Angeles, Los Angeles, CA. Avaliou os expansores assistidos por micro-implantes, que mostraram efeitos significativos no meio da face, incluindo um grau de assimetria. O objetivo do estudo foi quantificar a magnitude, paralelismo e assimetria desse tipo de expansão em pacientes sem crescimento.

Um estudo retrospectivo em uma amostra de 31 pacientes sem crescimento com idade média de 20,4 anos, com imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico feitas antes e logo após a expansão com expansor esquelético maxilar (MSE) foram avaliadas para expansão esquelética em três pontos de referência bilateralmente.

A magnitude média da expansão total foi de 4,98 mm na espinha nasal anterior (ANS) e 4,77 mm na espinha nasal posterior (PNS) que mostrou significância estatística usando um teste t pareado com p <0,01. A expansão média da PNS foi de 95% da ANS. A amostra foi dividida em simétrica (n = 15) e assimétrica (n = 16) com base na diferença de expansão no SNA, com 16 dos 31 pacientes apresentando assimetria estatisticamente significativa.

Os autores concluíram que a MSE atinge uma expansão claramente paralela no plano sagital, mas pode exibir uma expansão assimétrica no plano transversal.

Link do artigo na integra via Progress in Orthodontics:

https://progressinorthodontics.springeropen.com/track/pdf/10.1186/s40510-020-00342-4.pdf