ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Março 2021

segunda-feira, 29 de março de 2021

Relação entre o deslocamento rotacional do disco da articulação temporomandibular e a morfologia dentoesquelética

 



Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores So-Hyun Park; Won-Jeong Han;  Dong-Hwa Chung; Jung-Sub An;  Sug-Joon Ahn. Do Department of Orthodontics, Dankook University Jukjeon Dental Hospital, Yongin, Korea; Department of Oral and Maxillofacial Radiology, College of Dentistry, Dankook University, Cheonan, Korea; Department of Orthodontics, College of Dentistry, Dankook University, Cheonan, Korea; Department of Orthodontics, Seoul National University Dental Hospital, Seoul, Korea e Dental Research Institute and Department of Orthodontics, School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Teve o  objetivo de  avaliar a relação entre o deslocamento rotacional do disco  (DD) da articulação temporomandibular (ATM) e a morfologia dentoesquelética.

Mulheres com idade maior que17 anos foram incluídas neste estudo. Cada paciente tinha uma queixa primária de má oclusão e foram submetidas a exames cefalométricos de rotina. Elas foram divididas em cinco grupos de acordo com os achados nas imagens de ressonância magnética sagital e coronal de suas ATMs: posição de disco normal bilateral, DD anterior bilateral com redução (ADDR), DD rotacional bilateral com redução (RDDR), DD anterior bilateral sem redução (ADDNR) e DD rotacional bilateral sem redução (RDDNR). Vinte e três variáveis cefalométricas foram analisadas e o teste de Kruskal-Wallis foi usado para avaliar diferenças na morfologia dentoesquelética entre os cinco grupos.

Os pacientes com DD das ATMs  exibiram um padrão hiperdivergente com uma mandíbula retrognata, ao contrário daqueles com uma posição de disco normal. Essas características esqueléticas específicas foram mais severas em pacientes que exibiam DD sem redução do que naqueles com redução, independentemente da presença de DD rotacional. A DD rotacional influenciou significativamente nos padrões esqueléticos horizontais e verticais apenas na fase de DD com redução, e a mandíbula exibiu uma posição mais para trás e rotacionada nos  pacientes com RDDR do que naqueles com ADDR. No entanto, não houveram diferenças dentoesqueléticas significativas entre ADDNR e RDDNR.

Os autores concluíram que os resultados do estudo sugeriram que a DD rotacional da ATM tem um papel importante na morfologia dentoesquelética, principalmente em pacientes que apresentam DD com redução.

Link do Artigo na integra via e-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1962&vmd=Full

segunda-feira, 22 de março de 2021

Tratamento da Classe II utilizando aparelho com sistema de mini-implantes palatino: Um relato de caso

 










Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Luca Lombardo; Giulia Occhiuto; Emanuele Paoletto; Bortolo Giuliano Maino; Giuseppe Siciliani. Do Department of Orthodontics, Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy.  Department of Orthodontics, Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy. Mostra a concepção e utilização de um aparelho ancorado em mini-implantes.


Este relato de caso mostra o uso de um expansor palatino rápido (EPR) e, em seguida, um aparelho pêndulo ancorado em mini-implantes palatino, como uma opção para melhorar a gestão do tratamento em um paciente não colaborador, que requer expansão maxilar e distalização molar na dentição mista tardia. 

Primeiro, um EPR foi usado para expandir o arco superior. Em seguida, um aparelho pêndulo modificado foi usado para distalizar os primeiros molares permanentes superiores. O posicionamento ideal de dois mini-implantes palatinos permitiu que ambos os aparelhos fossem suportados por ancoragem esquelética.

Os autores relataram que o  tratamento foi finalizado com aparelhos fixos multibraquetes, e após 2 anos, as relações caninas e molares de Classe I esquelética e dentária  foram alcançadas.

Link do Artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/2/305/10021/Class-II-treatment-by-palatal-miniscrew-system

terça-feira, 9 de março de 2021

Diferenças na morfologia do côndilo mandibular e da fossa glenóide em relação aos padrões esqueléticos vertical e sagital: um estudo com tomografia computadorizada de feixe cônico

 



Neste artigo de 2021, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Kyoung Jin Noh; Hyoung-Seon Baik;  Sang-Sun Han; Woowon Jang e Yoon Jeong Choi. Do Department of Orthodontics, The Institute of Craniofacial Deformity, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea e Department of Oral and Maxillofacial Radiology, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea. Teve como objetivo avaliar a seguinte hipótese nula: não há diferenças na morfologia das estruturas da articulação temporomandibular (ATM) em relação aos padrões cefalométricos verticais e sagitais.

Este estudo retrospectivo foi realizado com 131 participantes sem sintomas de ATM. Os participantes foram divididos em grupos de Classe I, II e III com base nas relações cefalométricas sagitais e em grupos hiperdivergente, normodivergente e hipodivergente com base em suas relações cefalométricas verticais. As seguintes medidas foram realizadas usando imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico e comparadas entre os grupos: volume condilar, tamanho do côndilo (largura, comprimento e altura), tamanho da fossa (comprimento e altura) e espaços articulares côndilo-fossa no pólos condilares anterior, superior e posterior.

A hipótese nula foi rejeitada. O grupo Classe III apresentou maiores valores para largura condilar, altura condilar e altura da fossa do que o grupo Classe II (p <0,05). O volume condilar e o espaço articular superior no grupo hiperdivergente foram significativamente menores do que nos outros dois grupos verticais (p <0,001), enquanto o comprimento e a altura da fossa foram significativamente maiores no grupo hiperdivergente do que nos outros grupos (p <0,01). O grupo hipodivergente apresentou largura condilar maior do que o grupo hipodivergente (p <0,01). Os padrões cefalométricos sagitais e verticais mostraram interações estatisticamente significativas para comprimento e altura da fossa.

Os autores concluíram que a morfologia da ATM diferiu em diversos padrões cefalométricos esqueléticos. O comprimento e a altura da fossa foram afetados pelas interações dos padrões esqueléticos vertical e sagital.


Link do artigo na Integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1937&vmd=Full

segunda-feira, 1 de março de 2021

Avaliação da resposta do osso alveolar à retração dos incisivos superiores usando estruturas esqueléticas estáveis como referência



 

Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Teerapat Eksriwong; Udom Thongudomporn; Do Department of Preventive Dentistry, Faculty of Dentistry, Prince of Songkla University, Hat Yai, Songkhla, Thailand. Avaliou a alteração óssea alveolar em relação à alteração da posição radicular após a retração dos incisivos superiores por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC), usando estruturas esqueléticas estáveis como referência.

Um total de 17 indivíduos (idade 24,7 +- 4,4 anos) que necessitaram de retração dos incisivos superiores fizeram parte da pesquisa. Alterações ósseas alveolares vestibulares, palatinas e alterações radiculares foram avaliadas a partir de imagens de TCFC pré-retração e 3 meses pós-retração. Os planos de referência foram baseados em estruturas esqueléticas estáveis. O teste de Kruskal-Wallis e o teste dos postos sinalizados de Wilcoxon foram usados para comparar as mudanças dentro e entre os grupos, conforme apropriado. As correlações de classificação de Spearman foram usadas para identificar os parâmetros que se correlacionam com a alteração do osso alveolar. O nível de significância foi estabelecido em 0,05.

A alteração óssea alveolar vestibular após a retração dos incisivos superiores foi estatisticamente significativa (P< 0,05), e a relação remodelação óssea / movimento dentário (B / T) foi de 1: 1. No entanto, o osso palatino permaneceu inalterado (P > 0,05). A mudança na inclinação foi significativamente relacionada à mudança óssea alveolar vestibular.

Os autores concluiram que  utilizando estruturas esqueléticas estáveis como referência, a mudança no osso alveolar vestibular seguiu o movimento dentário em uma relação B / T de quase 1: 1. O osso alveolar palatino não se remodelou após a retração dos incisivos superiores. A mudança na inclinação foi associada à mudança do osso alveolar.

Link do Artigo na integra via Meridian Allenpress:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/1/30/443504/Alveolar-bone-response-to-maxillary-incisor