ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Novembro 2020

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Tratamento interceptivo na displasia ectodérmica usando um aparelho ortodôntico/protético modular inovador: Um relato de caso com acompanhamento de 10 anos

 


Neste artigo de 2018, publicado pelo European Journal of Paediatric Dentistry, pelos Autores D. Celli, A. Manente, C. Grippaudo, M. Cordaro. Da School of Orthodontics, Catholic University of the Sacred Heart, Rome, Italy. Private Practice in Pescara, Italy. ** Private Practice in Pescara, Italy, Fondazione Policlinico Universitario A. Gemelli IRCCS, Rome Università Cattolica del Sacro Cuore Dental Institute, Head and Neck Department. Relata  O tratamento de um caso complexo de displasia ectodérmica hipoidrótica (DEH) com oligodontia severa.

Um menino de 6 anos com DEH foi tratado com aparelho ortodôntico / protético modular. O dispositivo foi feito sob medida e consistia em duas partes, superior e inferior, que foram parcialmente removíveis e parcialmente fixadas. O paciente foi preparado para receber implantes dentários para reabilitação oral definitiva. O tratamento foi iniciado com aparelho removível de resina acrílica polimerizada com parafuso expansor na maxila e na mandíbula. A seguir, um aparelho modular ortodôntico / protético inovador foi confeccionado na maxila e na mandíbula, fixado com bandas nos primeiros molares permanentes, com parafuso expansor e parafuso telescópico que acompanham e sustentam os dentes protéticos de resina durante a expansão ortopédica. Os dentes protéticos de resina eram removíveis da estrutura metálica fixa deste aparelho. O paciente foi acompanhado por 10 anos desde o início do tratamento.

Os autores concluíram que o aparelho modular  descrito e a abordagem terapêutica mostraram-se eficientes e duráveis no alcance de diversos objetivos no tratamento de um caso complexo de DEH. Os objetivos não eram apenas ortodônticos, mas também protéticos e psicológicos.

Link do artigo na integra via Ejpd:

https://ejpd.eu/EJPD_2018_19_4_11.pdf


segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Uma comparação da precisão de imagens tridimensionais adquiridas por 2 scanners digitais intraorais: efeitos da irregularidade dentária e direção do escaneamento

 



Neste artigo de 2016, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Ji-won AnhJi-Man Park; Youn-Sic ChunMiae KimMinji Kim do Department of Orthodontics, Graduate School of Clinical Dentistry, Ewha Womans University, Seoul, Korea; Department of Prosthodontics and Dental Research Institute, Seoul National University Gwanak Dental Hospital, Seoul, Korea e do Department of Pediatric Dentistry, Graduate School of Clinical Dentistry, Ewha Womans University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de comparar a precisão de imagens tridimensionais (3D) adquiridas com os scanners digitais intraorais iTero® (Align Technology Inc., San Jose, CA, EUA) e Trios® (3Shape Dental Systems, Copenhagen, Dinamarca) , e avaliar os efeitos da gravidade das irregularidades dentárias e da sequência de digitalização na precisão.

Os modelos de arcada dentária foram confeccionados com diferentes graus de irregularidade dentária e divididos em 2 grupos com base na sequência de varredura. Para avaliar sua precisão, as imagens foram sobrepostas e um algoritmo de sobreposição otimizado foi empregado para medir qualquer desvio 3D. O teste t, o teste t pareado e ANOVA de uma via foram realizados (p <0,05) para análise estatística.

Os sistemas iTero® e Trios® não mostraram diferença estatisticamente significativa na precisão entre os modelos com diferentes graus de irregularidade dentária. No entanto, houve diferenças estatisticamente significativas na precisão dos 2 scanners quando os pontos de início da digitalização eram diferentes. O scanner iTero® (desvio médio, 29,84 ± 12,08 mm) se mostrou menos preciso do que o scanner Trios® (22,17 ± 4,47 mm).

Os autores concluiram que a precisão das imagens 3D diferia de acordo com o grau de irregularidade do dente, sequência de varredura e tipo de scanner. No entanto, do ponto de vista clínico, ambos os scanners foram altamente precisos, independentemente do grau de irregularidade do dente.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=171&vmd=Full

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Variabilidade do tamanho do slot em braquetes ortodônticos

 


Neste artigo de 2019, publicado pelo Clinical and Experimental Dental Research, pelos Autores Clémentine Lefebvre;  Hassan Saadaoui; Jean-Marc Olive; Stéphane Renaudin; Fabienne Jordana. Do Dental Faculty, University of Nantes, Nantes, France; Paul Pascal Research Center (CRPP), CNRS (UPR 8641), University of Bordeaux, Pessac, France e Institute of Mechanical Engineering - UMR 5295, CNRS, University of Bordeaux, Talence, France. Teve o objetivo de avaliar se a precisão das informações incorporadas aos braquetes é um fator determinante para a eficácia do torque aplicado aos dentes. O estudo foi comparou as dimensões das canaletas de um braquete com os valores nominais anunciados pelo fabricante.

Um total de 730 braquetes centrais direitos superiores fabricados por sete empresas (Dentsply Gac, American Orthodontics, Rocky Mountain Orthodontics, GC Orthodontics, 3M Unitek e Dentaurum) foram estudados. A amostra incluiu canaletas de 0,018 × 0,025 e 0,022 × 0,028 pol., De metal e cerâmica, braquetes convencionais e autoligáveis. As imagens foram obtidas com um microscópio óptico Olympus BX51. As dimensões da canaleta foram medidas na base e na face em ambos os lados mesial e distal usando o software ImageJ. Os dados foram analisados usando Wilcoxon, testes de sinais, ANOVA de dois e três fatores e testes de Tukey. O coeficiente de correlação intraclasse foi empregado para avaliar a variabilidade intra e interobservador. O limite de significância estatística foi p ≤ 0,05.

A análise estatística mostrou que as dimensões do slot de 90% a 97% dos braquetes estudados eram significativamente diferentes dos valores nominais. Em geral, o tamanho do slot era superdimensionado, com um tamanho de face maior que o tamanho de base. A comparação entre os lados mesial e distal mostrou que até 45% dos braquetes eram significativamente assimétricos. O fabricante teve um efeito significativo para as larguras da base e da face (p = 0,0001) e para o comprimento (p = 0,003).

Este estudo mostrou que uma grande proporção dos braquetes medidos exibiam imprecisões dimensionais quando comparados com os valores declarados. Clinicamente, o sobredimensionamento da canaleta e a divergência das paredes da canaleta causam um aumento da folga da ranhura do fio, induzindo uma perda de controle do binário. Os profissionais não podem confiar totalmente na precisão dos aparelhos usados e devem estar cientes de que ajustes podem ser necessários nos estágios de finalização do tratamento.

Link do artigo na integra via NCBI:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6820806/pdf/CRE2-5-528.pdf

terça-feira, 3 de novembro de 2020

Distribuição de frações de volume ósseo dos trabéculados mandibulares em relação aos diferentes intervalos de micro-osteoperfuração para acelerar o movimento ortodôntico dentário: um ensaio clínico randomizado



Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Ng Heng Khiang Teh; Saritha Sivarajan; Muhammad Khan Asif; Norliza Ibrahim; Mang Chek Wey. Do Department of Pediatric Dentistry and Orthodontics, Faculty of Dentistry, University Malaya, Kuala Lumpur, Malaysia. Department of Oral and Maxillofacial Clinical Sciences, Faculty of Dentistry University Malaya, Kuala Lumpur, Malaysia. Investigou o efeito da micro-osteoperfuração (MOP) com distribuição horizontal e vertical da fração de volume ósseo das trabéculas mandibulares em relação a diferentes intervalos MOP durante a retração do canino.

Este ensaio clínico prospectivo, randomizado, prospectivo e randomizado, com boca dividida, incluiu 30 participantes saudáveis com 18 anos ou mais, randomizados em três grupos de intervalos MOP diferentes (4, 8 e 12 semanais). Imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico foram obtidas para avaliar a fração de volume ósseo (volume ósseo sobre o volume total ou VB / VC).

VB / VC foi significativamente reduzido (diferença média: 9,79%, desvio padrão [SD]: 11,89%; intervalo de confiança de 95% [IC]: 4,77, 14,81%; P, 0,01) e retração canina aumentada (diferença média: -1,25 mm / 4 meses, SD: 0,79 mm; IC 95%: -1,59, -0,92 mm; P, 0,01) com MOP, em comparação com locais de controle. MOP mudou significativamente os padrões verticais e horizontais das trabéculas ósseas com valores mais baixos próximos aos locais de intervenção. Apenas o grupo de intervalo MOP de 4 semanas mostrou diminuição significativa no VB / VC (diferença média: 14,73%, SD: 12,88%; IC 95%: 3,96, 25,50%; P 1⁄4 0,01), apesar do aumento significativo na taxa de retração canina para todos os grupos de intervalo. Com o uso de MOP, VB / VC apresentou correlação inversa com a taxa de retração canina (r 1⁄4 -0,425; P 1⁄4 .04).

Os autores concluiram que a fração de volume do osso trabecular alveolar mandibular foi reduzida e a taxa de movimentação dentária ortodôntica aumentou com a MOP, especialmente no intervalo de 4 semanas. No entanto, este efeito foi limitado à região interdental imediata do MOP.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/6/774/443056/Distribution-of-mandibular-trabeculae-bone-volume