ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Outubro 2020

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Avaliação das alterações de crescimento induzidas por aparelhos funcionais em crianças com má oclusão de Classe II: sobreposição de cefalogramas laterais em estruturas estáveis

 


Neste artigo de 2020, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores Eunhye Oh, Sug-Joon Ahn,  Liselotte Sonnesen. Da Section of Orthodontics, Department of Odontology, Faculty of Health and Medical Sciences, University of Copenhagen, Copenhagen, Denmark e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de Comparar as alterações dentoalveolares, esqueléticas e rotacionais de curto e longo prazo avaliadas pelo método estrutural de sobreposição de Björk entre crianças com má oclusão de Classe II tratadas por aparelhos funcionais e controles pareados não tratados. 

Setenta e nove crianças pré-púberes ou púberes (idade média, 11,57 ± 1,40 anos) com má oclusão de Classe II foram incluídas. Trinta e quatro crianças foram tratadas com um ativador casquete  de tração alta  (ativador Z), enquanto 28 foram tratadas com um ativador sem casquete de tração (E-ativador). Dezessete crianças não tratadas foram incluídas como controles. Os cefalogramas laterais foram obtidos antes do tratamento (T1), após o tratamento com aparelho funcional (T2) e após contenção na fase pós-púbere (T3). Mudanças de T1 para T2 e de T1 para T3 foram comparadas entre os grupos tratados e o grupo de controle usando análise de regressão linear múltipla.

Em relação aos achados no grupo controle em T2, a relação sagital da mandíbula (subespinal e násio-pogônio, p <0,001), prognatismo maxilar (sela-násio-subespinal, p <0,05) e crescimento condilar (p <0,001) exibiu melhorias significativas nos grupos do ativador Z e E, que também mostraram um aumento significativo na retração dos incisivos superiores (p <0,001) e diminuição da sobressaliência (p <0,001). Apenas o grupo E-ativador exibiu rotação significativa para trás da maxila em T2 (p <0,01). As melhorias na relação sagital da mandíbula (p <0,01) e relação dentária (p <0,001) permaneceram significativas em T3. O crescimento condilar e as rotações da mandíbula não foram significativas em T3. 

Os Autores concluíram que o tratamento com aparelhos funcionais em crianças com má oclusão de Classe II pode melhorar significativamente a relação sagital da mandíbula e as relações dentais a longo prazo.


Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1883&vmd=Full

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Como a cirurgia ortognática bimaxilar altera as dimensões dos seios maxilares e do espaço aéreo faríngeo?

 





Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Luiza Roberta Bin; Liogi Iwaki Filho; Amanda Lury Yamashita; Gustavo Nascimento de Souza Pinto; Rui Amaral Mendes; Adilson Luiz Ramos; Isolde Terezinha dos Santos Previdelli; Lilian Cristina Vessoni Iwaki. Do Department of Dentistry, State University of West Parana, Cascavel, Parana, Brazil, Department of Dentistry, State University of Maringa, Maringa, Parana, Brazil, Department of Oral Diagnosis, Area of Oral Radiology, Piracicaba Dental School, University of Campinas, Piracicaba, Sao Paulo, Brazil, Department of Oral and Maxillofacial Medicine and Diagnostic Sciences, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio; and Center for Research in Higher Education Policies, Porto, Portugal, Department of Statistics, State University of Maringa, Maringa, Parana, Brazil. Avalia as alterações no seio maxilar (MS) e no espaço aéreo faríngeo (PAS) após cirurgia ortognática bimaxilar por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

As imagens de TCFC de 48 pacientes foram divididas em dois grupos: grupo 1: avanço maxilar e recuo mandibular (n 1⁄4 24); grupo 2: avanço maxilomandibular (n 1⁄4 24). As TCFCs foram adquiridas 1 a 2 meses no pré-operatório e 6 a 8 meses no pós-operatório. Um teste kappa foi usado para determinar a concordância intra e interexaminador. As medidas de área, volume e lineares de MSs e PASs obtidas antes e após a cirurgia foram comparadas usando um modelo misto (P menor que 0,05).

Todas as variáveis do MS apresentaram reduções pós-cirúrgicas significativas em ambos os grupos, exceto o comprimento do MS, que apresentou aumento significativo no grupo 2. O volume e a área axial mínima de PAS apresentaram aumentos pós-cirúrgicos estatisticamente significativos em ambos os grupos (P menor 0,05).

Os autores concluiram que apesar da redução do MS e do aumento da PAS, os resultados indicaram que a via aérea não foi afetada negativamente após o avanço maxilomandibular e o avanço maxilar com recuo mandibular.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/5/715/438643/How-does-bimaxillary-orthognathic-surgery-change

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Impacto da distalização dos molares com alinhadores transparentes na dimensão vertical da oclusão: Um estudo retrospectivo

 



Neste artigo de 2019, publicado pela BMC Oral Health, Pelos Autores Silvia Caruso , Alessandro Nota , Shideh Ehsani , Elena Maddalone , Kenji Ojima and Simona Tecco. Do Department of Life, Health and Environmental Sciences, University of L’Aquila, Piazzale Salvatore Tommasi 1, 67100 L’Aquila, Coppito, Italy, Dental School, Vita-Salute University and IRCCS San Raffaele Hospital, Via Olgettina, 58, 20132 Milan, Italy e Private Practice of Orthodontics, Tokyo, Japan. Estuda uma estratégia comum no tratamento sem extração da relação molar em Classe II, a distalização dos molares superiores, que poderia aumentar a altura facial inferior e causar rotação mandibular no sentido horário. O objetivo deste estudo retrospectivo foi analisar os efeitos na dimensão dentoesquelética vertical de adultos jovens tratados com distalização sequencial com alinhadores ortodônticos.

Foram analisadas radiografias cefalométricas laterais de 10 indivíduos (8 mulheres 2 homens; idade média de 22,7 ± 5,3 anos) tratados com distalização sequencial de molares superiores com alinhadores ortodônticos (Invisalign, Align Technology, San Josè, Califórnia, EUA).

Não foi observada diferença estatisticamente significativa para o desfecho primário SN-GoGn entre T0 e T1 e foi registrada uma variação média de 0,1 ± 2,0 graus. Diferenças estatisticamente significativas foram encontradas na posição linear dos molares superiores (6-PP, 7-PP), o parâmetro de relação de classe molar (RM) e a inclinação do incisivo superior (1 ^ PP) com pelo menos p <0,01.

Os Autores concluíram que a distalização dos molares superiores com alinhadores ortodônticos garantem um excelente controle da dimensão vertical representando uma solução ideal para o tratamento de indivíduos hiperdivergentes ou com mordida aberta. Também permite um excelente controle do torque incisal sem perda de ancoragem durante o procedimento ortodôntico.

Link do artigo na Integra via NCBI:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6692944/pdf/12903_2019_Article_880.pdf