ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Setembro 2020

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

A biomecânica de expansão do arco maxilar posterior utilizando aparelhos fixos vestibulares e linguais

 



Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Harsimrat Kaur; Brandon Owen; Bill Tran; Raymond Guan; Jeramy Luo; Alexander Granley; Jason P. Carey; Paul W. Major; Dan L. Romanyk. Do Department of Dentistry, Faculty of Medicine and Dentistry, University of Alberta, Edmonton, Alberta, Canada e do Department of Mechanical Engineering, Faculty of Engineering, University of Alberta, Edmonton, Alberta, Canada. Teve o objetivo de comparar a biomecânica dos sistemas de arco vestibular reto, lingual reto e lingual em cogumelo quando usados na expansão do arco posterior.

Um simulador ortodôntico eletromecânico que permite deslocamentos vestibulo/linguais e verticais de dentes individuais em que realiza medições tridimensionais de força / momento foi instrumentado com dentes anatômicos para o arco superior. Os braquetes In-Ovation L foram colados às superfícies linguais e os braquetes Carriere SLX às superfícies vestibulares para garantir a consistência das dimensões da fenda. Os arcos de TMA foram dobrados em uma forma de arco ideal e os dentes no simulador ortodôntico foram colocados em uma posição passiva. Os dentes posteriores do canino ao segundo molar foram movidos lingualmente para replicar um arco contraído. Da posição contraída, os dentes posteriores foram movidos simultaneamente até que a força expansiva diminuísse abaixo de 0,2 N. Os sistemas de força / momento inicial e a quantidade de expansão prevista foram comparados para os dentes posteriores a um nível de significância.

O tipo de arco afetou tanto a expansão esperada quanto os sistemas de força/momento iniciais produzidos na posição contraída. Em geral, os sistemas linguais produziram a maior expansão. Os sistemas de arcos não foram capazes de retornar os dentes à sua posição ideal, com o sistema mais próximo alcançando 41% da expansão pretendida.

Os Autores concluiram que em geral, os sistemas linguais foram capazes de produzir maior expansão nas regiões posteriores quando comparados aos sistemas vestibulares. No entanto, menos da metade da expansão do arco pretendida foi alcançada com todos os sistemas testados.


Link do Artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/5/688/438698/The-biomechanics-of-posterior-maxillary-arch

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Um versus dois mini-implantes anteriores para correção de sobremordida e angulação dos incisivos superiores: um estudo comparativo retrospectivo

 



Neste artigo de 2020, publicado pela Progress in Orthodontics pelos Autores Arturo Vela-Hernández , Laura Gutiérrez-Zubeldia , Rocío López-García , Verónica García-Sanz, Vanessa Paredes-Gallardo ,José Luis Gandía-Franco e Felicidad Lasagabaster-Latorre. Do Department of Stomatology, University of Valencia, Valencia, Spain. Teve o objetivo de avaliar a eficácia de um ou dois mini-implantes anteriores para correção de incisivos superiores em casos de sobremordida e angulação em pacientes adultos.

Quarenta e quatro adultos com sobremordida profunda foram divididos em dois grupos: o grupo 1 foi tratado com um mini-implante entre os incisivos centrais superiores e o grupo 2 com dois mini-implantes entre os incisivos laterais superiores e os caninos. A intrusão e o comprimento dos incisivos foram medidos a partir de cefalogramas laterais antes do tratamento, após o tratamento e pelo menos 12 meses em contenção (T0, T1 e T2). As forças foram aplicadas (90 g) dos miniparafusos ao arco usando cadeias elastoméricas. A análise ANOVA foi usada para determinar se as diferenças entre os tempos de avaliação eram estatisticamente significativas.

A reabsorção radicular média foi de 2,15 ± 0,85 mm, que cessou após o tratamento ativo. A correção média da sobremordida foi - 3,23 ± 1,73 mm sem recidiva estatisticamente significativa. A correção da sobremordida e a intrusão dos incisivos foram significativamente maiores no grupo 2 (- 3,80 ± 1,43 versus - 2,75 ± 1,63 para OB e 8,19 ± 3,66 versus 5,69 ± 2,66 para intrusão). Reabsorção e correção de sobremordida foram relacionadas positivamente. Nenhuma rotação anti-horária do plano mandibular foi observada.

Os autores concluiram que a correção da sobremordida pode ser realizada por meio da intrusão dos incisivos superiores sem rotação do plano mandibular. A correção da intrusão e sobremordida dos incisivos superiores é maior em pacientes tratados com dois mini-implantes. O aumento da angulação vestibular dos incisivos superiores é maior com um mini-implante. A reabsorção radicular está positivamente relacionada à extensão da intrusão. A estabilidade é satisfatória, independentemente de um ou dois miniparafusos serem usados.


Link do artigo na integra via Progress in Orthodontics:

https://progressinorthodontics.springeropen.com/articles/10.1186/s40510-020-00336-2


segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Ensaio clínico prospectivo para avaliação dos efeitos produzidos pelo arco de intrusão de Connecticut na arcada dentária superior

 







Neste Artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos Autores Alessandro Schwertner; Renato Rodrigues de Almeida; Renata Rodrigues de Almeida-Pedrin; Thais Maria Freire Fernandes; Paula Oltramari; Marcio Rodrigues de Almeida. Do Department of Orthodontics, University of North Paraná, Londrina-Paraná, Brazil. Teve o objetivo Avaliar e comparar os efeitos produzidos na arcada dentária superior por meio do arco de intrusão de Connecticut (CIA) com ou sem dobra na extremidade distal do tubo dos primeiros molares.

O estudo incluiu 44 pacientes com idade média de 13,1 +- 1,8 anos tratados da mordida profunda com CIA, divididos aleatoriamente em dois grupos: grupo 1 (G1), 22 pacientes com idade média inicial de 12,72 +- 1,74 anos tratados com CIA no arcada superior sem dobra distal na face distal do tubo dos primeiros molares e grupo 2 (G2), 22 pacientes com idade média inicial de 13,67+- 2,03 anos tratados com CIA com dobra distal. Cefalogramas laterais disponíveis antes do tratamento (T1) e após a intrusão dos incisivos superiores (T2) foram analisados. O período médio de tratamento foi de 5,5 +- 1,45 meses. Mudanças intragrupos e intergrupos nas posições dos incisivos e molares superiores foram analisadas por testes t pareados e independentes associados ao método de correção de Holm-Bonferroni para comparações múltiplas (P menor que 0,05).

Houve diferenças significativas entre os grupos em termos de deslocamento dos incisivos superiores. Os incisivos superiores projetados vestibularmente (2,178) e proclinados (1,68 mm) no grupo 1, enquanto uma inclinação palatina (􏰀1,998) e retroclinação (􏰀1,13 mm) foi observada no grupo 2. Nenhuma diferença significativa foi encontrada para as posições molares entre os grupos.

Os Autores concluíram que a presença ou ausência de dobra distal no CIA afeta a inclinação dos incisivos e a proclinação durante a mecânica de intrusão.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/500/430038/A-prospective-clinical-trial-of-the-effects

terça-feira, 8 de setembro de 2020

Reprodutibilidade da construção de um modelo de dente de composito composto por uma coroa escaneada intraoral e uma raiz escaneada por tomografia computadorizada de feixe cônico

 




Neste artigo de 2020, publicado na The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores Seung-Weon; LimRyu-Jin Moon; Min-Seok Kim; Min-Hee Oh; Kyung-Min Lee;  Hyeon-Shik HwangTae-Woo KimSeung-Hak Baek; Jin-Hyoung Cho. Do Department of Orthodontics, Department of Oral Anatomy, School of Dentistry, Chonnam National University, Gwangju, Korea e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Avalia a reprodutibilidade da construção de um modelo de dente de composito (CTM) composto por uma coroa digitalizada intraoral e uma raiz digitalizada por tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

O estudo avaliou 240 dentes (30 incisivos centrais, 30 caninos, 30 segundos pré-molares e 30 primeiros molares nos arcos maxilares e mandibulares) de 15 pacientes adultos jovens, cuja varredura intraoral pré-tratamento e a Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico (TCFC) estavam disponíveis. Examinador-Referencia (3 anos de experiência na construção de CTM) e Examinadores-A e Examinadores-B (sem experiência) construíram os CTMs individuais de forma independente, executando as seguintes etapas: aquisição e processamento de imagens em um modelo tridimensional, integração de coroas digitalizadas e dentes digitalizados por TCFC e substituição da coroa digitalizada por TCFC pela coroa digitalizada intraoral. Foi medido o ângulo do eixo dentário em termos de angulação mesiodistal e inclinação vestíbulo-lingual dos CTMs construídos pelos três examinadores. Para avaliar a reprodutibilidade da construção de CTMs, avaliações do coeficiente de correlação intraclasse (ICC) foram realizadas.

Os valores de ICC da angulação mesiodistal e inclinação vestíbulo-lingual entre os 3 examinadores mostraram excelente concordância (0,950–0,992 e 0,965–0,993; 0,976–0,994 e 0,973–0,995 nas arcadas maxilar e mandibular, respectivamente).

Os Autores concluiram que o CTM mostrou excelente reprodutibilidade de construção na angulação mesiodistal e inclinação vestíbulo-lingual independente da habilidade de construção e nível de experiência dos examinadores.

Link do Artigo na integra via e-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1899&vmd=Full