ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Fevereiro 2020

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Existem benefícios em realizar a expansão maxilar suportada esqueleticamente em vez da expansão dento suportada? Uma revisão sistemática com meta-análise




Neste artigo de 2020, publicado pela Progress in Orthodontics. Pelos autores Marietta Krüsi, Theodore Eliades e Spyridon N. Papageorgiou. Da Clinic of Orthodontics and Pediatric Dentistry, Center of Dental Medicine, University of Zurich, Plattenstrasse 11, CH-8032 Zurich, Switzerland. Mostra  uma revisão sistemática que compara os efeitos clínicos da expansão rápida da maxila (ERM) por via óssea ou híbrida com origem óssea com a ERM convencional por via dentária no tratamento da deficiência maxilar.

Nove bancos de dados foram pesquisados até setembro de 2018 em busca de ensaios clínicos randomizados comparando a ERM de origem óssea ou híbrida de origem dentária com a ERM convencional de origem dentária em pacientes de qualquer idade ou sexo. Após a seleção duplicada do estudo, extração de dados e avaliação do risco de viés com a ferramenta Cochrane, foram realizadas meta-análises de efeitos aleatórios das diferenças médias (MD) e seus intervalos de confiança de 95% (ICs), seguidas pela avaliação da qualidade da evidência com GRAU.

Um total de 12 artigos em 6 estudos únicos com 264 pacientes (42,4% do sexo masculino; idade média de 12,3 anos) foram finalmente incluídos. Evidências limitadas indicaram que a ERM óssea foi associada a uma maior abertura da sutura no primeiro pós-retenção molar (1 ensaio; MD 2,0 mm; IC95% 1,4 a 2,6 mm; qualidade moderada da evidência) em comparação à ERM transmitida por dente, enquanto não houve diferenças significativas foram encontradas em relação à inclinação do dente, largura da cavidade nasal e reabsorção radicular (qualidade de evidência muito baixa a baixa). O ERM híbrido dente-osso foi associado a menor inclinação bucal do primeiro pré-molar (2 ensaios; MD - 4,0 °; IC95% - 0,9 a - 7,1 °; qualidade moderada da evidência) e menor resistência das vias aéreas nasais pós-retenção (1 ensaio clínico; MD - 0,2 Pa s / cm3; IC95% - 0,4 a 0 Pa s / cm3; qualidade moderada da evidência) em comparação com a ERM transmitida por dente, enquanto não foi encontrada diferença significativa em relação à largura esquelética da maxila, inclinação molar e analgésico uso (qualidade da evidência baixa a moderada). As principais limitações que afetam a validade dos presentes achados foram (a) imprecisão devido à inclusão de poucos estudos com tamanhos de amostra limitados que impediram a detecção robusta de diferenças existentes e (b) questões metodológicas dos estudos incluídos que poderiam levar a viés.

Os Autores concluíram que as evidências são limitadas nos estudos randomizados e indicam que a ERM de origem óssea ou híbrida de origem óssea pode apresentar vantagens em termos de aumento da abertura sutural, menor inclinação dos dentes e menor resistência das vias aéreas nasais em comparação com a ERM convencional. No entanto, o número limitado de estudos e artigos sobre as  questões existentes na sua conduta impede a obtenção de conclusões definitivas.

Link do Artigo na integra via Progress in Orthodontics:



terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Comparação de mudanças de inclinação e verticais entre técnicas de retração de fio único e duplo em ortodontia lingual






Neste artigo de 2020, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Bui Quang Hung, Mihee Hong, Wonjae Yu e Hee-Moon Kyung. Do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Kyungpook National University, Daegu, Korea. Teve como objetivo comparar a inclinação e as mudanças verticais entre as técnicas de fio único e duplo durante a retração em massa com diferentes comprimentos de braços de alavanca na ortodontia lingual, usando uma versão atualizada do  Sistema de Indução de Calor Typodont (HITS).

Os braquetes linguais do duplos, com dois solos principais, foram utilizados neste estudo. Quarenta amostras foram divididas em quatro grupos, de acordo com o comprimento do braço de alavanca (gancho de 3 mm ou 6 mm) e o fio de retração (fio único ou duplo). Quatro milímetros de retração em massa foram realizados com aparelhos linguais. Posteriormente, imagens tridimensionais do typodont foram analisadas para medir a inclinação e as mudanças verticais dos dentes anteriores.

A inclinação do incisivo apresentou mais alterações nos grupos de fio único do que nos grupos de fio duplo. No entanto, a inclinação canina não diferiu entre esses grupos. Em relação às alterações verticais, apenas os incisivos laterais nos grupos de fio único apresentaram valores significativamente maiores que os dos grupos de fio duplo. Combinando o efeito do comprimento do gancho, entre os quatro grupos, o grupo de fio único com o gancho de 3 mm teve o valor mais alto, enquanto o grupo de fio duplo com o gancho de 6 mm mostrou a menor diminuição na inclinação e extrusão da coroa.

Os autores concluiram que a técnica de fio duplo com um braço de alavanca estendido proporcionou vantagens sobre a técnica de fio único com o mesmo comprimento de braço de alavanca na prevenção de perda de torque e extrusão dos dentes anteriores durante a retração em massa na ortodontia lingual.

Link do Artigo na Integra via e-KJO:

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Comparação do movimento dentário alcançado e previsto dos primeiros molares superiores e incisivos centrais: tratamento com extração do primeiro pré-molar com Invisalign




Neste artigo de 2019, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Fan-Fan Dai; Tian-Min Xu; Guang Shu. Do Department of Orthodontics, Peking University School and Hospital of Stomatology, Beijing, China. Comparou os movimentos dentários alcançados e previstos dos primeiros molares superiores e incisivos centrais em casos de extração de primeiro pré-molar tratados com Invisalign.

O estudo envolveu 30 pacientes que realizaram tratamento com extração do primeiro pré-molar superior e submetidos a tratamento com Invisalign. O modelo real de pós-tratamento foi comparado com o modelo de pré-tratamento na região palatina estável e sobreposto ao modelo virtual de pós-tratamento. Os movimentos dentários alcançados e previstos dos primeiros molares superiores e dos incisivos centrais foram comparados pelo teste t pareado. Análises lineares de modelo de efeito misto foram usadas para explorar a influência da idade (adolescentes versus adultos), Attachements (G6 otimizado  vs. 3 mm na vertical vs. 3 mm na horizontal vs. 5 mm na horizontal) e apinhamento inicial nas diferenças entre movimento dentário previsto e alcançado (DPATM).

Os primeiros molares alcançaram maior inclinação mesial, translação mesial e intrusão do que o previsto. Os incisivos centrais obtiveram menores retração e maior torque e extrusão da coroa para lingual do que o previsto. Os adolescentes apresentaram maior DPATM na translação mesiodistal dos primeiros molares e translação vestíbulo lingual dos incisivos centrais e menor DPATM na translação ocluso-gengival dos primeiros molares e torque da coroa dos incisivos centrais do que os adultos. O grupo com attachments verticais de 3 mm apresentou maior DPATM na translação mesiodistal dos primeiros molares versus o grupo com attachements otimizados G6. O apinhamento inicial teve uma correlação inversa com o DPATM na angulação e translação mesiodistal dos primeiros molares.

O autores concluíram que o controle da ancoragem do primeiro molar e a retração do incisivo central não foram totalmente alcançados, como previsto no tratamento de extração do primeiro pré-molar com Invisalign. Idade, Attachements e apinhamento inicial afetaram as diferenças entre os movimentos dentários previstos e alcançados.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist