ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: 2020

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Uma comparação da precisão de imagens tridimensionais adquiridas por 2 scanners digitais intraorais: efeitos da irregularidade dentária e direção do escaneamento

 



Neste artigo de 2016, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Ji-won AnhJi-Man Park; Youn-Sic ChunMiae KimMinji Kim do Department of Orthodontics, Graduate School of Clinical Dentistry, Ewha Womans University, Seoul, Korea; Department of Prosthodontics and Dental Research Institute, Seoul National University Gwanak Dental Hospital, Seoul, Korea e do Department of Pediatric Dentistry, Graduate School of Clinical Dentistry, Ewha Womans University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de comparar a precisão de imagens tridimensionais (3D) adquiridas com os scanners digitais intraorais iTero® (Align Technology Inc., San Jose, CA, EUA) e Trios® (3Shape Dental Systems, Copenhagen, Dinamarca) , e avaliar os efeitos da gravidade das irregularidades dentárias e da sequência de digitalização na precisão.

Os modelos de arcada dentária foram confeccionados com diferentes graus de irregularidade dentária e divididos em 2 grupos com base na sequência de varredura. Para avaliar sua precisão, as imagens foram sobrepostas e um algoritmo de sobreposição otimizado foi empregado para medir qualquer desvio 3D. O teste t, o teste t pareado e ANOVA de uma via foram realizados (p <0,05) para análise estatística.

Os sistemas iTero® e Trios® não mostraram diferença estatisticamente significativa na precisão entre os modelos com diferentes graus de irregularidade dentária. No entanto, houve diferenças estatisticamente significativas na precisão dos 2 scanners quando os pontos de início da digitalização eram diferentes. O scanner iTero® (desvio médio, 29,84 ± 12,08 mm) se mostrou menos preciso do que o scanner Trios® (22,17 ± 4,47 mm).

Os autores concluiram que a precisão das imagens 3D diferia de acordo com o grau de irregularidade do dente, sequência de varredura e tipo de scanner. No entanto, do ponto de vista clínico, ambos os scanners foram altamente precisos, independentemente do grau de irregularidade do dente.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=171&vmd=Full

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Variabilidade do tamanho do slot em braquetes ortodônticos

 


Neste artigo de 2019, publicado pelo Clinical and Experimental Dental Research, pelos Autores Clémentine Lefebvre;  Hassan Saadaoui; Jean-Marc Olive; Stéphane Renaudin; Fabienne Jordana. Do Dental Faculty, University of Nantes, Nantes, France; Paul Pascal Research Center (CRPP), CNRS (UPR 8641), University of Bordeaux, Pessac, France e Institute of Mechanical Engineering - UMR 5295, CNRS, University of Bordeaux, Talence, France. Teve o objetivo de avaliar se a precisão das informações incorporadas aos braquetes é um fator determinante para a eficácia do torque aplicado aos dentes. O estudo foi comparou as dimensões das canaletas de um braquete com os valores nominais anunciados pelo fabricante.

Um total de 730 braquetes centrais direitos superiores fabricados por sete empresas (Dentsply Gac, American Orthodontics, Rocky Mountain Orthodontics, GC Orthodontics, 3M Unitek e Dentaurum) foram estudados. A amostra incluiu canaletas de 0,018 × 0,025 e 0,022 × 0,028 pol., De metal e cerâmica, braquetes convencionais e autoligáveis. As imagens foram obtidas com um microscópio óptico Olympus BX51. As dimensões da canaleta foram medidas na base e na face em ambos os lados mesial e distal usando o software ImageJ. Os dados foram analisados usando Wilcoxon, testes de sinais, ANOVA de dois e três fatores e testes de Tukey. O coeficiente de correlação intraclasse foi empregado para avaliar a variabilidade intra e interobservador. O limite de significância estatística foi p ≤ 0,05.

A análise estatística mostrou que as dimensões do slot de 90% a 97% dos braquetes estudados eram significativamente diferentes dos valores nominais. Em geral, o tamanho do slot era superdimensionado, com um tamanho de face maior que o tamanho de base. A comparação entre os lados mesial e distal mostrou que até 45% dos braquetes eram significativamente assimétricos. O fabricante teve um efeito significativo para as larguras da base e da face (p = 0,0001) e para o comprimento (p = 0,003).

Este estudo mostrou que uma grande proporção dos braquetes medidos exibiam imprecisões dimensionais quando comparados com os valores declarados. Clinicamente, o sobredimensionamento da canaleta e a divergência das paredes da canaleta causam um aumento da folga da ranhura do fio, induzindo uma perda de controle do binário. Os profissionais não podem confiar totalmente na precisão dos aparelhos usados e devem estar cientes de que ajustes podem ser necessários nos estágios de finalização do tratamento.

Link do artigo na integra via NCBI:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6820806/pdf/CRE2-5-528.pdf

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Avaliação das alterações de crescimento induzidas por aparelhos funcionais em crianças com má oclusão de Classe II: sobreposição de cefalogramas laterais em estruturas estáveis

 


Neste artigo de 2020, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores Eunhye Oh, Sug-Joon Ahn,  Liselotte Sonnesen. Da Section of Orthodontics, Department of Odontology, Faculty of Health and Medical Sciences, University of Copenhagen, Copenhagen, Denmark e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de Comparar as alterações dentoalveolares, esqueléticas e rotacionais de curto e longo prazo avaliadas pelo método estrutural de sobreposição de Björk entre crianças com má oclusão de Classe II tratadas por aparelhos funcionais e controles pareados não tratados. 

Setenta e nove crianças pré-púberes ou púberes (idade média, 11,57 ± 1,40 anos) com má oclusão de Classe II foram incluídas. Trinta e quatro crianças foram tratadas com um ativador casquete  de tração alta  (ativador Z), enquanto 28 foram tratadas com um ativador sem casquete de tração (E-ativador). Dezessete crianças não tratadas foram incluídas como controles. Os cefalogramas laterais foram obtidos antes do tratamento (T1), após o tratamento com aparelho funcional (T2) e após contenção na fase pós-púbere (T3). Mudanças de T1 para T2 e de T1 para T3 foram comparadas entre os grupos tratados e o grupo de controle usando análise de regressão linear múltipla.

Em relação aos achados no grupo controle em T2, a relação sagital da mandíbula (subespinal e násio-pogônio, p <0,001), prognatismo maxilar (sela-násio-subespinal, p <0,05) e crescimento condilar (p <0,001) exibiu melhorias significativas nos grupos do ativador Z e E, que também mostraram um aumento significativo na retração dos incisivos superiores (p <0,001) e diminuição da sobressaliência (p <0,001). Apenas o grupo E-ativador exibiu rotação significativa para trás da maxila em T2 (p <0,01). As melhorias na relação sagital da mandíbula (p <0,01) e relação dentária (p <0,001) permaneceram significativas em T3. O crescimento condilar e as rotações da mandíbula não foram significativas em T3. 

Os Autores concluíram que o tratamento com aparelhos funcionais em crianças com má oclusão de Classe II pode melhorar significativamente a relação sagital da mandíbula e as relações dentais a longo prazo.


Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1883&vmd=Full

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Como a cirurgia ortognática bimaxilar altera as dimensões dos seios maxilares e do espaço aéreo faríngeo?

 





Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Luiza Roberta Bin; Liogi Iwaki Filho; Amanda Lury Yamashita; Gustavo Nascimento de Souza Pinto; Rui Amaral Mendes; Adilson Luiz Ramos; Isolde Terezinha dos Santos Previdelli; Lilian Cristina Vessoni Iwaki. Do Department of Dentistry, State University of West Parana, Cascavel, Parana, Brazil, Department of Dentistry, State University of Maringa, Maringa, Parana, Brazil, Department of Oral Diagnosis, Area of Oral Radiology, Piracicaba Dental School, University of Campinas, Piracicaba, Sao Paulo, Brazil, Department of Oral and Maxillofacial Medicine and Diagnostic Sciences, Case Western Reserve University, Cleveland, Ohio; and Center for Research in Higher Education Policies, Porto, Portugal, Department of Statistics, State University of Maringa, Maringa, Parana, Brazil. Avalia as alterações no seio maxilar (MS) e no espaço aéreo faríngeo (PAS) após cirurgia ortognática bimaxilar por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

As imagens de TCFC de 48 pacientes foram divididas em dois grupos: grupo 1: avanço maxilar e recuo mandibular (n 1⁄4 24); grupo 2: avanço maxilomandibular (n 1⁄4 24). As TCFCs foram adquiridas 1 a 2 meses no pré-operatório e 6 a 8 meses no pós-operatório. Um teste kappa foi usado para determinar a concordância intra e interexaminador. As medidas de área, volume e lineares de MSs e PASs obtidas antes e após a cirurgia foram comparadas usando um modelo misto (P menor que 0,05).

Todas as variáveis do MS apresentaram reduções pós-cirúrgicas significativas em ambos os grupos, exceto o comprimento do MS, que apresentou aumento significativo no grupo 2. O volume e a área axial mínima de PAS apresentaram aumentos pós-cirúrgicos estatisticamente significativos em ambos os grupos (P menor 0,05).

Os autores concluiram que apesar da redução do MS e do aumento da PAS, os resultados indicaram que a via aérea não foi afetada negativamente após o avanço maxilomandibular e o avanço maxilar com recuo mandibular.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/5/715/438643/How-does-bimaxillary-orthognathic-surgery-change

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Impacto da distalização dos molares com alinhadores transparentes na dimensão vertical da oclusão: Um estudo retrospectivo

 



Neste artigo de 2019, publicado pela BMC Oral Health, Pelos Autores Silvia Caruso , Alessandro Nota , Shideh Ehsani , Elena Maddalone , Kenji Ojima and Simona Tecco. Do Department of Life, Health and Environmental Sciences, University of L’Aquila, Piazzale Salvatore Tommasi 1, 67100 L’Aquila, Coppito, Italy, Dental School, Vita-Salute University and IRCCS San Raffaele Hospital, Via Olgettina, 58, 20132 Milan, Italy e Private Practice of Orthodontics, Tokyo, Japan. Estuda uma estratégia comum no tratamento sem extração da relação molar em Classe II, a distalização dos molares superiores, que poderia aumentar a altura facial inferior e causar rotação mandibular no sentido horário. O objetivo deste estudo retrospectivo foi analisar os efeitos na dimensão dentoesquelética vertical de adultos jovens tratados com distalização sequencial com alinhadores ortodônticos.

Foram analisadas radiografias cefalométricas laterais de 10 indivíduos (8 mulheres 2 homens; idade média de 22,7 ± 5,3 anos) tratados com distalização sequencial de molares superiores com alinhadores ortodônticos (Invisalign, Align Technology, San Josè, Califórnia, EUA).

Não foi observada diferença estatisticamente significativa para o desfecho primário SN-GoGn entre T0 e T1 e foi registrada uma variação média de 0,1 ± 2,0 graus. Diferenças estatisticamente significativas foram encontradas na posição linear dos molares superiores (6-PP, 7-PP), o parâmetro de relação de classe molar (RM) e a inclinação do incisivo superior (1 ^ PP) com pelo menos p <0,01.

Os Autores concluíram que a distalização dos molares superiores com alinhadores ortodônticos garantem um excelente controle da dimensão vertical representando uma solução ideal para o tratamento de indivíduos hiperdivergentes ou com mordida aberta. Também permite um excelente controle do torque incisal sem perda de ancoragem durante o procedimento ortodôntico.

Link do artigo na Integra via NCBI:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6692944/pdf/12903_2019_Article_880.pdf

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

A biomecânica de expansão do arco maxilar posterior utilizando aparelhos fixos vestibulares e linguais

 



Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Harsimrat Kaur; Brandon Owen; Bill Tran; Raymond Guan; Jeramy Luo; Alexander Granley; Jason P. Carey; Paul W. Major; Dan L. Romanyk. Do Department of Dentistry, Faculty of Medicine and Dentistry, University of Alberta, Edmonton, Alberta, Canada e do Department of Mechanical Engineering, Faculty of Engineering, University of Alberta, Edmonton, Alberta, Canada. Teve o objetivo de comparar a biomecânica dos sistemas de arco vestibular reto, lingual reto e lingual em cogumelo quando usados na expansão do arco posterior.

Um simulador ortodôntico eletromecânico que permite deslocamentos vestibulo/linguais e verticais de dentes individuais em que realiza medições tridimensionais de força / momento foi instrumentado com dentes anatômicos para o arco superior. Os braquetes In-Ovation L foram colados às superfícies linguais e os braquetes Carriere SLX às superfícies vestibulares para garantir a consistência das dimensões da fenda. Os arcos de TMA foram dobrados em uma forma de arco ideal e os dentes no simulador ortodôntico foram colocados em uma posição passiva. Os dentes posteriores do canino ao segundo molar foram movidos lingualmente para replicar um arco contraído. Da posição contraída, os dentes posteriores foram movidos simultaneamente até que a força expansiva diminuísse abaixo de 0,2 N. Os sistemas de força / momento inicial e a quantidade de expansão prevista foram comparados para os dentes posteriores a um nível de significância.

O tipo de arco afetou tanto a expansão esperada quanto os sistemas de força/momento iniciais produzidos na posição contraída. Em geral, os sistemas linguais produziram a maior expansão. Os sistemas de arcos não foram capazes de retornar os dentes à sua posição ideal, com o sistema mais próximo alcançando 41% da expansão pretendida.

Os Autores concluiram que em geral, os sistemas linguais foram capazes de produzir maior expansão nas regiões posteriores quando comparados aos sistemas vestibulares. No entanto, menos da metade da expansão do arco pretendida foi alcançada com todos os sistemas testados.


Link do Artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/5/688/438698/The-biomechanics-of-posterior-maxillary-arch

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Ensaio clínico prospectivo para avaliação dos efeitos produzidos pelo arco de intrusão de Connecticut na arcada dentária superior

 







Neste Artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos Autores Alessandro Schwertner; Renato Rodrigues de Almeida; Renata Rodrigues de Almeida-Pedrin; Thais Maria Freire Fernandes; Paula Oltramari; Marcio Rodrigues de Almeida. Do Department of Orthodontics, University of North Paraná, Londrina-Paraná, Brazil. Teve o objetivo Avaliar e comparar os efeitos produzidos na arcada dentária superior por meio do arco de intrusão de Connecticut (CIA) com ou sem dobra na extremidade distal do tubo dos primeiros molares.

O estudo incluiu 44 pacientes com idade média de 13,1 +- 1,8 anos tratados da mordida profunda com CIA, divididos aleatoriamente em dois grupos: grupo 1 (G1), 22 pacientes com idade média inicial de 12,72 +- 1,74 anos tratados com CIA no arcada superior sem dobra distal na face distal do tubo dos primeiros molares e grupo 2 (G2), 22 pacientes com idade média inicial de 13,67+- 2,03 anos tratados com CIA com dobra distal. Cefalogramas laterais disponíveis antes do tratamento (T1) e após a intrusão dos incisivos superiores (T2) foram analisados. O período médio de tratamento foi de 5,5 +- 1,45 meses. Mudanças intragrupos e intergrupos nas posições dos incisivos e molares superiores foram analisadas por testes t pareados e independentes associados ao método de correção de Holm-Bonferroni para comparações múltiplas (P menor que 0,05).

Houve diferenças significativas entre os grupos em termos de deslocamento dos incisivos superiores. Os incisivos superiores projetados vestibularmente (2,178) e proclinados (1,68 mm) no grupo 1, enquanto uma inclinação palatina (􏰀1,998) e retroclinação (􏰀1,13 mm) foi observada no grupo 2. Nenhuma diferença significativa foi encontrada para as posições molares entre os grupos.

Os Autores concluíram que a presença ou ausência de dobra distal no CIA afeta a inclinação dos incisivos e a proclinação durante a mecânica de intrusão.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/500/430038/A-prospective-clinical-trial-of-the-effects

terça-feira, 8 de setembro de 2020

Reprodutibilidade da construção de um modelo de dente de composito composto por uma coroa escaneada intraoral e uma raiz escaneada por tomografia computadorizada de feixe cônico

 




Neste artigo de 2020, publicado na The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores Seung-Weon; LimRyu-Jin Moon; Min-Seok Kim; Min-Hee Oh; Kyung-Min Lee;  Hyeon-Shik HwangTae-Woo KimSeung-Hak Baek; Jin-Hyoung Cho. Do Department of Orthodontics, Department of Oral Anatomy, School of Dentistry, Chonnam National University, Gwangju, Korea e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Avalia a reprodutibilidade da construção de um modelo de dente de composito (CTM) composto por uma coroa digitalizada intraoral e uma raiz digitalizada por tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

O estudo avaliou 240 dentes (30 incisivos centrais, 30 caninos, 30 segundos pré-molares e 30 primeiros molares nos arcos maxilares e mandibulares) de 15 pacientes adultos jovens, cuja varredura intraoral pré-tratamento e a Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico (TCFC) estavam disponíveis. Examinador-Referencia (3 anos de experiência na construção de CTM) e Examinadores-A e Examinadores-B (sem experiência) construíram os CTMs individuais de forma independente, executando as seguintes etapas: aquisição e processamento de imagens em um modelo tridimensional, integração de coroas digitalizadas e dentes digitalizados por TCFC e substituição da coroa digitalizada por TCFC pela coroa digitalizada intraoral. Foi medido o ângulo do eixo dentário em termos de angulação mesiodistal e inclinação vestíbulo-lingual dos CTMs construídos pelos três examinadores. Para avaliar a reprodutibilidade da construção de CTMs, avaliações do coeficiente de correlação intraclasse (ICC) foram realizadas.

Os valores de ICC da angulação mesiodistal e inclinação vestíbulo-lingual entre os 3 examinadores mostraram excelente concordância (0,950–0,992 e 0,965–0,993; 0,976–0,994 e 0,973–0,995 nas arcadas maxilar e mandibular, respectivamente).

Os Autores concluiram que o CTM mostrou excelente reprodutibilidade de construção na angulação mesiodistal e inclinação vestíbulo-lingual independente da habilidade de construção e nível de experiência dos examinadores.

Link do Artigo na integra via e-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1899&vmd=Full

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Tratamento do ronco e apneia do sono com um dispositivo de reabilitação lingual

 


Neste artigo de 2020, publicado pelo Journal of Clinical Orthodontics, pelos Autores CHRISTIANE CAVALCANTE FEITOZA,  NILTON COELHO, NILTON COSTA, ALEXANDRE PONTE e WANDERSON AZEVEDO da Federal University of Alagoas e da Faculdades Unidas do Norte de Minas, Maceió, Brazil. Apresenta um dispositivo removível para o controle da lingua e da apneia obstrutiva do sono.

O artigo apresenta o "Tongue Rehabilitator",  um aparelho desenvolvido para pacientes ortodônticos com hábitos de ronco, apneia do sono ou mordidas abertas causadas por interposição lingual. Ao contrário dos dispositivos convencionais que movem a mandíbula para frente, o mecanismo de ação do Reabilitador de Língua se baseia em elevar a língua e direcioná-la para uma posição fisiológica, fortalecendo-a o suficiente para permitir uma vedação labial completa (primeira válvula). O contato língua-palato (segunda válvula) promove a abertura da orofaringe em uma direção látero-lateral, e a base da língua então ativa a terceira válvula, iniciando o contato com o palato mole.

O Reabilitador de Língua foi projetado para projetar a língua e estimular os receptores neurais, selando assim as válvulas durante a deglutição e abrindo a via aérea posterior. A língua é um forte órgão muscular responsável por uma parte significativa da obstrução faríngea durante o sono. Quando posicionado em posição anterior, o músculo genioglosso estimula os músculos supra-hióideos, que por sua vez movem o osso hióide para frente, abrindo ainda mais a hipofaringe. Pode ser adaptado a uma série de aparelhos ortodônticos diferentes.

Embora o Reabilitador de Língua tenha mostrado resultados promissores, mais estudos são necessários para fornecer evidências científicas adicionais da funcionalidade deste novo dispositivo, principalmente em comparação com aparelhos de avanço mandibular, no tratamento do ronco e apneia do sono.


Link do Artigo na Integra via JCO-ONLINE:

https://www.jco-online.com/media/38373/2020_07_400_feitoza.pdf


quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Ortodontia no Oeste do Estados Unidos: Quando Pasadena, foi a Meca do ensino da Odontologia



Neste Artigo de 1992, escrito pelo autor Norman Wahl, Professor da Historia da Ortodontia da UCLA, Los Angeles, California. Conta a Historia acadêmica e de fundação da Escola de Ortodontia do Professor Edward Harley Angle. 

Um breve resumo do texto, que no final tem um link de acessa a integra do belo trabalho disponibilizado pela Universidade da California.

A Cidade Pasadena, em um momento em que foi anfitriã da história da elite da odontologia. Entre 1924 e 1927, dentistas de todo os Estados Unidos da América e de países distantes como Finlândia, Austrália, Irlanda e Brasil passaram a estudar no "Angle College of Orthodontia". O "campus" deles era apenas um pequeno edifício escondido no distrito residencial de Orange Heights, sua reputação se espalhou por toda parte.



Era uma estrutura  dedicada exclusivamente para o ensino de ortodontia (de 1923 a 1924, foi chamada Angle School of Orthodontia). Até então, a disseminação  desse conhecimento altamente especializado era realizada nos consultórios de dentistas preceptores ou em locais construídos para outra finalidade.



Depois de aperfeiçoar o aparelho Edgewise, o Professor Angle estabeleceu que seu próximo objetivo seria criar uma legislação que controlasse a prática da ortodontia. Isso ele nunca conseguiu. Como forma de protestar, por mais injusto que isso pudesse resultar,  na fase que a faculdade vinha em franco em progresso, ele fechou as portas em 1927.

Angle nunca mais ensinou. Nunca mais houve um Colégio de Ortodontia. Em 11 de agosto de 1930, Angle morreu em sua casa de verão em Santa Mônica, pouco depois de ter anunciado à esposa que "eu terminei meu trabalho" . Pouco depois a Sra. Angle alugou a grande casa na Madison Avenue e se mudou para o prédio da escola. Seria sua casa pelos próximos vinte e sete anos. A clínica foi dividida em quartos, enquanto a sala de aula serviu como sala de estar e salão de visitas.

Dos 174 homens e nove mulheres graduados (estimativa do Autor de todas as quatro turmas), apenas um sobrevive: MatthewLasher, de Rancho Mirage, Califórnia. Vinte e cinco se tornaram presidentes da Associação Americana de Ortodontia, onze se tornaram chefes de departamento de ortodontia e três se tornaram reitores de faculdades de odontologia: Bordie, Noys e Frank M. Casto. Brodie, como diretor fundador da pós-graduação em ortodontia  da Universidade de Illinois, perpetuou os preceitos de Angle ao longo de seus 36 anos de mandato e treinou mais de 250 ortodontistas, quinze dos quais se tornaram chefes de outros departamentos de ortodontia.




Link do Artigo na Integra:



segunda-feira, 27 de julho de 2020

Biomecânica com mini-implantes extra-alveolares






Neste artigo de 2019, publicado pela Dental Press Journal of Orthodontics, pelo Autor Professor Dr. Marcio R. Almeida, Da Universidade Norte do Paraná, Curso de Mestrado Acadêmico em Ortodontia e Doutorado em Dentística (Londrina/PR, Brazil). Mostra diversas possibilidades e aplicabilidades biomecânicas com os recursos de ancoragem esquelética baseados nos mini implantes extra alveolares.

É inegável que a ancoragem extra-alveolar de mini-implantes revolucionou a Ortodontia. Do mesmo modo, o entendimento adequado da biomecânica de mini-implantes permitiu ampliar a gama de movimentos dentários como nunca antes visto na prática clínica. Entretanto, para produzir melhores tratamentos, principalmente no que diz respeito aos efeitos no plano oclusal, é importante estar ciente das inúmeras possibilidades de aplicação de sistemas de força baseados na ancoragem esquelética. Assim, este artigo tem como objetivo abordar, por meio de casos clínicos, a aplicação de conceitos biomecânicos extremamente relevantes para o emprego adequado de mini-implantes extra-alveolares.

Link do Artigo na Integra via Scielo:

quinta-feira, 23 de julho de 2020

Historia da Ortodontia - Tracionamento de Canino Incluso











Os caninos superiores permanentes desempenham um importante papel no estabelecimento e manutenção da forma e função da dentição, sendo sua presença no arco dentário fundamental para o estabelecimento de uma oclusão dinâmica balanceada, além da estética e harmonia facial. Assim, dada a sua importância no arco dentário, diante de uma impactação do canino superior permanente, esforços deverão ser empregados para manter o dente evitando sua extração.

Quando não diagnosticado e tratado, caninos superiores impactados podem causar perturbações mecânicas e infecciosas. O prognóstico do tratamento depende da posição do canino em relação aos dentes adjacentes e sua altura no processo alveolar. Também se deve levar em consideração a possibilidade do canino impactado não se movimentar ortodonticamente. Neste caso, será necessária a sua extração e o espaço poderá ser ocupado pelo premolar ou por uma prótese.

Hoje em dia existem metodos de diagnósticos variados, como um simples Rx Periapical, Rx com a Tecnica de Clark, Rx Oclusal da Maxila, Rx Panorâmico e as confiáveis e imprescindíveis tomografias de feixe cônico. Mas imaginem esta situação em 1899, foi quando Dr. Edward H. Angle, publicou no seu classico livro The Angle System of Regulation and Retention of the teeth and Treatment of Fractures f the Maxille. No Capitulo VII ele descreve uma técnica tracionamento de um canino superior direito, associado a exodontia do 1º Pré-molar superior direito, com um aparato preso ao 2º Pré-Molar inferior direito. Foi feito uma pequena Perfuraçao no canino e a peça cimentada a coroa. E o paciente instruido a usar uma ligadura elastica. Neste mesmo capitulo ele mostra também uma situação de solução para um incisivo superior incluso.

Link de um bom artigo sobre este assunto de 2008 na Scielo do Dr. Mario Cappellette e colaboradores:

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Efeitos a longo prazo da expansão rápida da maxila seguido pelo uso de aparatologia fixa



Neste artigo publicado em 2010, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Hakan Gurcan Gurel; Badel Memili; Mustafa Erkan; Yusuf Sukurica; do GATA Military Research and Training Hospital, Dental Clinic, Section of Orthodontics, Istanbul; e do Selcuk University, Faculty of Dentistry, Department of Orthodontics, Konya, Turquia. Mostra um estudo sobre a estabilidade da Expanção Rápida da Maxila.

Este estudo foi feito com o intuito de avaliar as mudanças a longo prazo em larguras do arco maxilar, sobressaliência e sobremordida em pacientes que foram tratados com expansão rápida da maxila (ERM), seguidos pelo uso de aparelhos edgewise.

O material para o estudo constistuiu numa tomada de modelos de estudo de 41 pacientes (19 homens e 22 mulheres), em quatro ocasiões diferentes (antes do tratamento -> T1, após ERM -> T2; após o tratamento --> T3, e durante o período de acompanhamento -> T4). A parte superior inter-caninos, inter-premolar e a largura inter-molares, sobressaliência e a sobremordida foram medidos em cada conjunto de modelos de estudo. A média de idade dos pacientes era de 13,2 +- 1,3 anos (variação, 11,2 a 16,9 anos), no T1: 13,3+- 1,3 anos (variação, 11,3 a 17 anos), no T2: 15,5 +- 1,4 anos (variação, 13,1 a 18,8 anos), no T3: 20,4 +- 1,6 anos (variação, 17,9 a 24,8 anos) com T4.

O aumento real na largura intercaninos, largura interpremolar, largura intermolares, sobressaliência e sobremordida foi de 1,4 +- 2,4 mm, 4,6 +- 2,6 mm, 4,3 +- 2,5 mm, 0,1 +- 0,6 mm, e 0,2 +- 0,6 mm, respectivamente, e as taxas de recidiva foram de 37% para a largura inter-caninos, 19% para a largura inter-premolar, e 17% para a largura inter-molares no final do período de acompanhamento.

Uma quantidade significativa de recidiva em larguras de arco maxilar no pós-contenção ocorreram, sendo o maior na largura intercaninos. A ERM diminuiu significativamente a sobremordida e a sobressaliência ficou aumentada, e uma redução estatisticamente significativa foi observada em ambos tanto na sobremordida como na sobressaliência, na avaliação pós-contenção.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

http://www.angle.org/doi/pdf/10.2319/011209-22.1

terça-feira, 14 de julho de 2020

Historia da Ortodontia - 1º Meeting da Angle Society of Orthodontists



   
Abaixo, trechos do discurso que o Dr. Edward H. Angle fez na abertura do 1º Meeting da Angle Society em junho de 1922, publicado posteriormente na Angle Orthodontist:


“Esta é a nossa primeira reunião anual, que será de grande valor para nós e para a humanidade, na proporção da seriedade, sinceridade e espírito de progresso que levamos a ela. Vamos fazer com que este ato se destaque no progresso da ortodontia. Ou devemos gastar este tempo precioso, como em tantas outras sociedades é gasto? Em conversa inútil,  demonstração de orgulho e auto-promoção, em intrigas políticas, na escuta de trabalhos inconsequentes e realizados com descuido, embasados em teorias não comprovadas. Alguns destes trabalhos, infelizmente ainda são largamente publicados na literatura voltada a ortodontia, mas nenhuma ciência jamais foi empurrada para a frente com estes tipos de trabalhos...”
“As coisas que perduram na ortodontia são aquelas fáceis de explicar e de entender, para desta forma, ser dominada e ser feita com benefício prático apenas com a aplicação eterna do pensamento, da razão e a partir de princípios básicos. Apartir dai isto passa a ser constantemente aplicado...”
“Quando você conhece a história inteira de ortodontia, como eu conheço e como vocês estão conhecendo, perceberão que o progresso da verdadeira ortodontia jamais foi conseguido por homens “bitolados”, com a eterna visão rígida de um único ideal. Deste modo, progresso algum foi alcançado em qualquer área da ciência...”
“Deve ser a nossa missão, individual e coletiva, em todos os nossos atos e somando todos os nossos esforços, manter o navio da ortodontia sempre navegando no seu verdadeiro curso. Que nenhum membro desta sociedade nunca seja conhecido como adormecido ou desistente...”
“Eu me pergunto se vocês percebem a importância das suas responsabilidades: Em manter elevados os ideais no seu trabalho como indivíduos e como membros desta sociedade, nesta fase especial na história da ortodontia..."

Edward Hartley Angle

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist :

http://www.angle.org/doi/pdf/10.1043/0003-3219%281931%29001%3C0008%3AFMOTEH%3E2.0.CO%3B2

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Previsibilidade do movimento ortodôntico com alinhadores ortodônticos: um estudo retrospectivo







Neste artigo de 2017, publicado na Progress in Orthodontics, pelos autores Luca Lombardo, Angela Arreghini, Fabio Ramina, Luis T. Huanca Ghislanzoni and Giuseppe Siciliani. Da Faculdade de Ortodonti, Universidade de Ferrara, Via Fossato di Mortara, 44100 Ferrara, Italia

O artigo relata um  estudo que avaliou a previsibilidade de alinhadores F22 (Sweden & Martina, Due Carrare, Itália) na condução dos dentes para as posições planejadas usando uma configuração ortodôntica digital.

Dezesseis pacientes adultos (6 homens e 10 mulheres, idade média de 28 anos e 7 meses) foram selecionados, e um total de 345 dentes foram analisados. Pré-tratamento, pós-tratamento ideal - conforme planejado na configuração digital - e os modelos reais de pós-tratamento foram analisados ​​usando o software VAM (Vectra, Canfield Scientific, Fairfield, NJ, EUA). A rotação prescrita e real, a ponta mesiodistal e a ponta vestíbulo-lingual foram calculadas para cada dente e, posteriormente, analisadas por tipo de dente (incisivos superiores e inferiores direitos e esquerdos, caninos, pré-molares e molares) para identificar o erro médio e a acurácia de cada tipo de movimento. alcançado com o alinhador em relação aos planejados usando a configuração.

Foi observado que a previsibilidade média dos movimentos obtidos com os alinhadores F22 foi de 73,6%. A inclinação mesiodistal mostrou a maior previsibilidade, em 82,5% em relação ao ideal;  seguido por inclinação vestíbulo-lingual (72,9%) e finalmente rotação (66,8%). Em particular, a ponta mesiodistal nos molares superiores e inferiores foi alcançada com a maior previsibilidade (93,4 e 96,7%, respectivamente), enquanto a rotação nos caninos inferiores foi  menos eficaz (54,2%).

Ou autores concluíram neste estudo que sem o uso de recursos auxiliares, os alinhadores ortodônticos são incapazes de atingir o movimento programado com 100% de previsibilidade. Em particular, embora os movimentos de inclinação tenham sido eficazes, especialmente nos molares e pré-molares, a rotação dos caninos inferiores foi um movimento extremamente imprevisível.

Link do artigo na integra via NCBI:

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Amenizando o aerosol no sistema de AVAC (Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado)

Video da Entrevista

A amenização dos aerossóis na área clínica é um tópico importante de discussão, pois as práticas ortodônticas irão reabrir em meio à pandemia de COVID-19 nos Estados Unidos. Embora nenhuma mudança tenha sido determinada neste momento, muitos ortodontistas estão avaliando suas opções. A Orthodontic Products conversou com o Professor Dr. Jay Bowman, DMD, MSD, membro de  conselho editorial. Ele vem trabalhado no levantamento dos diferentes produtos no mercado.

Preparativos para a reabertura:

Para começar, falou sobre as mudanças que ele fez em seu consultório em Michigan antes da reabertura em 1º de junho.

Ele falou sobre:

. A organização da cadeira e as tarefas atribuídas a cada membro da sua equipe - incluindo a introdução de uma função de um membro para as escrita.

. Como lidar na rotina com a comunicação com os pais que não podem estar na área clínica durante a consulta de seus filhos

. Como ele está transferindo os EPIs dos seus dois consultórios satélites que permanecerão fechados para garantir que seu principal tenha suprimentos suficientes.

E quando se trata de triagem de pacientes, Bowman fornece algumas informações valiosas sobre termômetros e as especificidades do que é necessário para uma leitura precisa da temperatura.


Amenizando o aerosol:

No  tópico de diminuição de aerossóis, muitos ortodontistas se opõem à idéia de adicionar equipamentos a seus consultórios - argumentando que estavam empregando as melhores práticas antes do COVID-19 para manter os pacientes seguros. Mas, assim como os ortodontistas a muito tempo atras clinicavam sem luvas,  mudou com o passar das épocas. E o que antes parecia um fardo pode se tornar o padrão daqui para frente.

Com isso em mente, Bowman começa falando sobre a diminuição de aerossóis na boca do paciente. Ele discute os produtos que descobriu que pode adicionar aos seus dispositivos sucção para eliminar a necessidade de outro membro da equipe, além de máquinas de sucção extraorais.

Ele então fala sobre o consultório como um todo. O consultório de Bowman tem mais de 20 anos e, com isso, um sistema de AVAC desatualizado. Já sabendo que ele precisava para substituir o sistema de calefação, Bowman recentemente contratou um engenheiro AVAC para avaliar seu sistema e recomendar atualizações para proporcionar uma melhor filtragem de ar em meio COVID-19.

Ações de Bowman:

As mudanças que ele fará - Filtros de retenção de partículas de alta eficiência (HEPA) para filtros de luz UV

Por isso que precisa saber onde é o sistema de exaustão - uma lição que Bowman aprendeu quando o engenheiro de AVAC descobriu que seu equipamento de evacuação se esvaziava direito sob a área da sua clínica, em vez de fora do edifício.

Bowman também fala sobre por que ele optou por transformar uma sala de registros em uma sala de pressão negativa. Ele explica como a conversão não é tão assustadora quanto parece e por que pode ser mais econômica a longo prazo.

Para concluir, Bowman da algumas orientações sobre a contratação de um especialista em AVAC. 


Link do artigo na integra:

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Entrevista com o Professor Dr Jay Bowman - Parte 3



Marlos Loiola - Em 2000, você publicou um estudo clássico na Angle Orthodontist, realizado em conjunto com o professor Lysle E. Johnston. Em que avaliaram o impacto estético no perfil de pacientes tratados com e sem extrações. Após 18 anos da publicação, alguma coisa mudou? Quais são os cuidados que você toma para tomar a decisão de extrair ou não extrair em casos ortodônticos?

Prof. Jay Bowman - Tive a sorte de ter sido orientado por Lysle Johnston, em colaborar com ele na pesquisa e redação, tê-lo como mentor e, finalmente, considerá-lo um bom amigo. Dou o crédito a ele por seu incentivo, orientação e estímulo para “pensar” sobre ortodontia. O artigo que você observou foi o resultado de uma pesquisa que eu precisava para me tornar membro da regional Oriental da Sociedade Edward H. Angle de Ortodontistas. Fiquei muito honrado por ter ganho o Angle Research Award da Angle Orthodontist por este artigo.



Na época, alguns dentistas clínicos gerais afirmavam que as extrações estavam rotineiramente destruindo os perfis dos pacientes e as articulações temporo mandibulares. Foram aplicados os mesmos protocolos em amostras de Caucasianos, Afro-americanos, Mexicanos e Coreanos. Com resultados semelhantes, ou seja, as extrações produziram alguma redução da protrusão labial nos pacientes beneficiados que precisavam (aqueles com apinhamento inicial e protrusão [As chaves para a decisão de extração ]). 

Uma vez que essas conclusões esmagadoras foram publicadas, os críticos seguiram em frente como vírus em mutação com ideias de que tipos especiais de braquetes autoligáveis ​​permitiriam evitar extrações, sem necessidade de expansores, e produziriam “diferentes”, “melhores”, “rápidos” e Resultados “mais estéticos”. Até agora, não houve nenhuma prova prometida de crescimento ósseo (a menos que você queira arriscar a expansão dos dentes no alvéolo), sem resultados diferentes, mais rápidos ou melhores, e quando é mostrada a luz em sorrisos tímidos onde os corredores bucais desaparecem.

Marlos Loiola - Atualmente, alguns profissionais vêm realizando tratamento ortodôntico com o uso de estímulos vibratórios. Em 2016, você publicou um artigo no Journal of Clinical Orthodontics relatando o uso deste recurso no tratamento de pacientes combinados com mecânicas de distalização dos molares. Suas conclusões na época foram reservadas quanto à adoção do protocolo. E agora, em 2018, algo mudou?


Prof. Jay Bowman - Mais uma vez, eu estava procurando por um projeto de pesquisa clínica como requisito da Angle Society. Eu pensei que com a grande amostra de pacientes com distalização molar que eu vinha acompanhando desde 1996 (Mais de 800), seria interessante determinar se algo simples e não invasivo como a aplicação de vibração, que poderia fazer diferença na taxa de movimento molar. O único aspecto do meu estudo é que eu estava determinado a medir a periodicidade do paciente ao aplicar a vibração diariamente. Outros estudos que não mostraram diferenças são suspeitos porque não mediram a cooperação ou se os pacientes não estavam em conformidade. Minhas conclusões são de que parece haver um efeito na taxa de movimento distal do molar e no nivelamento da arcada dentária inferior com aparelho ortodôntico; no entanto, a cooperação absoluta é provavelmente necessária para enxergá-lo. A questão mais importante é o custo de temporal do dinheiro ou o valor monetário do tempo: E o efeito vale o custo?

Marlos Loiola - Percebe-se que os alinhadores estéticos estão se tornando cada vez mais populares, com aplicações cada vez mais elaboradas. Como você observa esses recursos que eliminam em algumas situações o uso dos centenários braquetes? E o uso desse recurso seria só restrito ao Especialista em Ortodôntia?

Prof. Jay Bowman - O conceito de alinhadores transparentes é baseado no uso de Harold Kesling de uma série de posicionadores de dentes em 1945. Fui treinado por Peter Kesling, então quando Invisalign foi introduzido em 1999, eu certamente estava interessado em tentar fazer o sistema funcionar; um processo que tem sido frustrante. Alinhadores são imprevisíveis  atualmente, uma conclusão baseada em evidências. Minha intenção foi encontrar maneiras de torná-la mais previsível, resultando na criação de abordagens adjuntas, como o Aligner Chewies e o os instrumentais Clear Collection da Hu-Friedy.



Seria bom ter apenas ortodontistas especialistas realizando tratamento ortodôntico? Certamente, no entanto, no ambiente de hoje, isso não vai mais acontecer. Isso não deve impedir que o especialista  se esforce em produzir os melhores resultados da maneira mais profissional e ética possível.

Marlos Loiola - Quanto às novas tecnologias, como tem sido para o ortodontista americano a implementação da utilização de imagens tomográficas, modelos digitais, escaneamento intra-orais e a impressão 3D (prototipagem) na rotina clínica?

Prof. Jay Bowman - A tecnologia certamente avançou desde a concepção do aparelho padrão edgewise bandado. Eu experimentei um gostinho do final daquela era de ouro em que as lições aprendidas vem sendo tristemente perdidas pela geração seguinte. Há tantas informações incrivelmente úteis na nossa história que são ignoradas nessa corrida em direção a "próxima novidade".

A introdução dos aparelhos pré-ajustados, colagens diretas, ligas superelásticas, auto-ligaduras, braquetes linguais, alinhadores invisiveis e mini-parafusos melhoraram nossos resultados de tratamento? Possivelmente. O diagnóstico melhorou usando Tomografias, escaneamentos intraorais, modelos digitais, e impressão 3D? Talvez. Pode um tratamento ortodôntico excelente ser produzido sem a maioria desta tecnologia? Provavelmente sim.

Link dos Sites do Professor Dr Jay Bowman: