ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Setembro 2019

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Precisão dos procedimentos de digitalização guiados por moldagens digitais do arco completo in vivo





Neste artigo de 2017, publicado no Journal of Orofacial Orthopedics, pelos Autores Moritz ZIMMERMANNChristina KOLLER, Moritz RUMETSCHAndreas ENDERAlbert MEHL. Do Department of Computerized Restorative Dentistry, Center of Dental Medicine, University of Zurich, Switzerland. Realizaram um estudo que avaliou a precisão dos procedimentos de varredura guiada em comparação com as técnicas de moldagens convencionais in vivo.

As estratégias de varredura específicas do sistema demonstraram influenciar a precisão das moldagens digitais do arco dentário completo. Procedimentos especiais de escaneamento guiado foram implementados nos sistemas de escaneamento intraoral específicos, com especial atenção ao fluxo de trabalho ortodôntico digital. 

Dois sistemas de varredura intraoral com procedimentos de varredura guiados do arco completo foram implementados (Cerec Omnicam Ortho; Ormco Lythos) sendo incluídos juntamente com uma técnica de moldagem convencional com material hidrocolóide irreversível (Alginato). Moldagens do arco completo foram realizadas três vezes cada, em cinco participantes (n = 15). As moldagens foram comparadas dentro dos grupos de teste usando um método de distância ponto a superfície após a melhor adequação do modelo (OraCheck). A precisão foi calculada usando os quantis (90% -10%) / 2 e a análise estatística com medidas repetidas one-way ANOVA e teste post-hoc de Bonferroni foram realizadas.

A técnica de moldagem convencional com Alginato mostrou menor precisão nas moldagens do arco  dentário completo com 162,2 ± 71,3 μm. Ambos os procedimentos de varredura guiada tiveram desempenho estatisticamente significativamente melhor do que a técnica de impressão convencional (p menor que 0,05). Os valores médios para o grupo Cerec Omnicam Ortho foram 74,5 ± 39,2 μm e para o grupo Ormco Lythos 91,4 ± 48,8 μm.

Os Autores concluíram que a precisão dos procedimentos de varredura guiada in vivo excedem em qualidade, as técnicas de moldagem convencionais com o material hidrocolóide irreversível, Alginato. Os procedimentos de escaneamento guiado podem ser altamente promissores para aplicações clínicas, especialmente para fluxos de trabalho ortodônticos digitais.

Link do Artigo na integra via Zurich Open Repository and Archive:

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Biomecânica com mini-implantes extra-alveolares






Neste artigo de 2019, publicado pela Dental Press Journal of Orthodontics, pelo Autor Marcio R. Almeida, Da Universidade Norte do Paraná, Curso de Mestrado Acadêmico em Ortodontia e Doutorado em Dentística (Londrina/PR, Brazil). Mostra diversas possibilidades e aplicabilidades biomecânicas com os recursos de ancoragem esquelética baseados nos mini implantes extra alveolares.

É inegável que a ancoragem extra-alveolar de mini-implantes revolucionou a Ortodontia. Do mesmo modo, o entendimento adequado da biomecânica de mini-implantes permitiu ampliar a gama de movimentos dentários como nunca antes visto na prática clínica. Entretanto, para produzir melhores tratamentos, principalmente no que diz respeito aos efeitos no plano oclusal, é importante estar ciente das inúmeras possibilidades de aplicação de sistemas de força baseados na ancoragem esquelética. Assim, este artigo tem como objetivo abordar, por meio de casos clínicos, a aplicação de conceitos biomecânicos extremamente relevantes para o emprego adequado de mini-implantes extra-alveolares.

Link do Artigo na Integra via Scielo:

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Um novo fio ortodôntico em liga de ß-Titânio



Neste artigo de 2018, publicado no The Kaohsiung Journal of Medical Sicences. Pelos Autores Hong-Po Chang, Yu-Chuan Tseng. Do Program of Dental Sciences, College of Dental Medicine, Kaohsiung Medical University, Kaohsiung, Taiwan e do Department of Dentistry (Orthodontics), Kaohsiung Municipal Hsiao-Kang Hospital, Kaohsiung, Taiwan.

Esta revisão de literatura investigou um fio ortodôntico  desenvolvido recentemente, composto de liga de ß-Titânio conhecida como “Gum Metal” e comparou suas propriedades com as dos fios convencionais. 

As propriedades interessantes do "Gum Metal" incluem um módulo de Young ultra baixo, comportamento elástico não linear, resistência ultra alta, tensão de alto rendimento, alta ductilidade e deformabilidade superplástica sem enrigecimento à temperatura ambiente. As características não-multifuncionais deste novo fio ortodôntico o tornam quase ideal para aplicações ortodônticas. 

Os resultados da revisão de literatura indicam o forte potencial de uso do fio GumMetal para melhorar e aprimorar a eficácia do tratamento ortodôntico.

Link do Artigo na Integra via ScienceDirect:

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Espessura de alinhadores ortodônticos transparentes após a termoformação e após 10 dias de exposição intra-oral: um estudo clínico prospectivo



Neste artigo de 2019, publicado pela Progress in Orthodontics, pelos Autores Rosaria Bucci, Roberto Rongo, Carmine Levatè, Ambrosina Michelotti, Sandro Barone, Armando Viviano Razionale and Vincenzo DAntò. Do Department of Neurosciences, Reproductive Sciences and Oral Sciences, University of Naples Federico II, via Pansini 5, 80131 Naples, Italy. Descreve um estudo realizado com Alinhadores transparêntes no ambiente intra oral.

Alinhadores Transparentes (AT) estão entre as terapias ortodônticas mais escolhidas para pacientes que necessitam de tratamento invisível. Estudos anteriores mostraram que o processo de termoformação e a complexidade do ambiente intraoral podem alterar as propriedades desses dispositivos. O objetivo do  estudo clínico prospectivo foi avaliar as alterações de espessura dos AT após 10 dias de uso intraoral. O objetivo secundário foi avaliar a reprodutibilidade do processo de termoformagem, em termos de espessura do alinhador.

Os AT de 18 pacientes consecutivos (13 mulheres, 5 homens, idade média de 28,8 ± 9,6 anos) foram estudados. Antes da exposição intraoral (T0), a espessura dos AT não utilizados foi medida em diferentes pontos oclusais em um modelo 3D com um software dedicado (Geomagic Qualify 2013; 3D Systems, Rock Hill, SC, EUA). Duas configurações de AT foram estudadas: alinhador passivo da maxila (P - sem movimento dos dentes; sem forma para implantes) e alinhador ativo da maxila (A - movimento dos dentes; forma para implantes e obturação). Os alinhadores utilizados foram devolvidos após 10 dias (T1) e as medidas de espessura foram repetidas. Foi aplicado um teste t de Student para dados emparelhados (T1 vs. T0) para comparar as espessuras de dispositivos usados ​​e não utilizados (o nível de significância após a correção de Bonferroni para comparação múltipla foi definido em p menor que 0,0014). Além disso, para estudar a reprodutibilidade do processo de termoformagem, os alinhadores P e A foram termoformados duas vezes e as espessuras dos dois dispositivos termoformados não utilizados foram comparadas por meio do teste t de Student para dados emparelhados (foi definido o nível de significância após a correção Bonferroni para comparação múltipla p menor que 0,0014) e erro de Dahlberg.

O processo de termoformação mostrou boa reprodutibilidade para as duas configurações do alinhador, com um erro máximo de Dahlberg de 0,13 mm. Após o uso intraoral, a espessura de P mostrou algumas alterações estatisticamente significativas, mas não clinicamente relevantes, em relação aos alinhadores não utilizados, enquanto A não apresentou alterações significativas.

Os autores concluíram que considerando as alterações de espessura, o processo de termoformação é confiável, tanto nas configurações de alinhador ativo quanto passivo. Além disso, os AT examinados mostraram boa estabilidade da espessura após o envelhecimento intraoral fisiológico em uma população de adultos saudáveis.

Link do Artigo na Integra via Progress in Orthodontics:




segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Avaliação in vitro da precisão e confiabilidade da sobreposição de modelo dental mandibular com baseado no voxel do registro da tomografia computadorizada de feixe cônico





Neste Artigo de 2019, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics. Pelos Autores Gaofeng HanJing LiShuo WangYan LiuXuedong Wang eYanheng Zhou. Department of Orthodontics, Peking University School and Hospital of Stomatology, Beijing, China e da National Engineering Laboratory for Digital and Material Technology of Stomatology, Beijing Key Laboratory of Digital Stomatology, Beijing, China.

Teve o objetivo de a avaliar a precisão e a confiabilidade de um método recém-projetado para alcançar a sobreposição de modelo dental mandibular, usando o registro da tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) baseada em voxel.

Quatorze mandíbulas de crânios secos e seis dentes extraídos de pacientes com periodontite grave foram utilizados para estabelecer 14 modelos de movimentação dentária ortodôntica. O protocolo consistiu em duas etapas: na primeira, foi realizada a sobreposição da mandíbula à CBCT à base de voxel; a referência compreendia a porção externa da sínfise, estendendo-se ao primeiro molar. A imagem do modelo dental digitalizado a laser foi então integrada à imagem da TCFC para alcançar a sobreposição do modelo dental mandibular. Todo o processo levou aproximadamente 10 minutos. Seis pontos de referência foram atribuídos aos dentes para medir o deslocamento dentário, usando o deslocamento dentário nas mandíbulas digitalizadas a laser sobrepostas como padrão de referência. A precisão foi avaliada comparando-se as diferenças no deslocamento dentário com base no método e no padrão de referência. Dois observadores realizaram sobreposição para avaliar a confiabilidade.

Para os deslocamentos tridimensionais dos dentes, as diferenças entre o método e o padrão de referência não foram significativas nos grupos molar, pré-molar ou incisivo (p maior que 0,05). Os coeficientes de correlação intraclasse para as confiabilidade inter e intra-observador de todas as medidas foram maiores que 0,92.

Os Autores concluíram que o método de sobreposição do modelo dental mandibular com base no registro de voxel é preciso, confiável e pode ser realizado dentro de um período razoável de tempo in vitro, demonstrando potencial para uso em pacientes ortodônticos.

Link do Artigo na Integra via e-KJO: