ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Análise retrospectiva por Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico das alterações de volume das vias aéreas após expansão rápida da maxila por baseada em ancoragem óssea versus os de apoio dentário

terça-feira, 25 de junho de 2019

Análise retrospectiva por Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico das alterações de volume das vias aéreas após expansão rápida da maxila por baseada em ancoragem óssea versus os de apoio dentário





Neste artigo de 2019, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Golnaz Kavand; Manuel Lagrave`re; Katherine Kula; Kelton Stewart; Ahmed Ghoneima. Do Department of Orthodontics and Oral Facial Genetics, Indiana University School Dentistry, Indianapolis, IN, USA; Orthodontic Graduate Program, University of Alberta, Edmonton, Alberta, Canada; Department of Orthodontics and Oral Facial Genetics, Indiana University School of Dentistry, Indianapolis, IN, USA; Department of Orthodontics, Hamdan Bin Mohammed College of Dental Medicine (MBRU), Dubai, UAE; and Lecturer, Department of Orthodontics, College of Dental Medicine, Al-Azhar University, Cairo, Egypt. Mostra efeitos da expansão maxilar nas vias aéreas de pacientes submetidos a protocolos.

O estudo teve o objetivo de Comparar as alterações do volume das vias aéreas superiores após a expansão da maxila com aparelhos ancorados esqueléticamente com os apoiados em dentes em adolescentes, avaliando os efeitos dentoesqueléticos de cada modalidade de expansão.

Este estudo retrospectivo incluiu 36 adolescentes que possuiam mordida cruzada maxilar bilateral e expansão maxilar na base óssea (idade média: 14,7 anos) ou expansão maxilar com apoio dentário (idade média: 14,4 anos). Os indivíduos tiveram duas imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico adquiridas, uma antes da expansão (T1) e uma segunda após um período de retenção de 3 meses (T2). As imagens foram orientadas e o volume tridimensional das vias aéreas e a expansão dentoesquelética foram medidos. Análise de variância foi usada para testar as diferenças entre os dois métodos de expansão para pré-tratamento, pós-tratamento e mudanças prepost. Testes t pareados foram usados para testar a significância das mudanças de preposamento dentro de cada método.

Ambos os grupos apresentaram aumento significativo apenas no volume da cavidade nasal e nasofaringe, mas não nos volumes da orofaringe e do seio maxilar. Largura intermolar e maxilar aumentou significativamente em ambos os grupos; no entanto, a inclinação vestibular dos molares superiores aumentou significativamente apenas no grupo dos apoiados em dentes. Não houve diferença significativa entre os grupos de expansão dentária e óssea, exceto pelo aumento significativamente maior na inclinação vestibular do primeiro molar superior direito após a expansão do dente.

Os autores concluir que nos adolescentes, tanto a ERM dentária quanto a óssea resultaram em aumento do volume da cavidade nasal e da nasofaringe, além de expansão das larguras intermolar e esquelética da maxila. No entanto, apenas os expansores de dentes causaram uma inclinação vestibular significativa dos molares superiores.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe !