ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Junho 2019

terça-feira, 25 de junho de 2019

Análise retrospectiva por Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico das alterações de volume das vias aéreas após expansão rápida da maxila por baseada em ancoragem óssea versus os de apoio dentário





Neste artigo de 2019, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Golnaz Kavand; Manuel Lagrave`re; Katherine Kula; Kelton Stewart; Ahmed Ghoneima. Do Department of Orthodontics and Oral Facial Genetics, Indiana University School Dentistry, Indianapolis, IN, USA; Orthodontic Graduate Program, University of Alberta, Edmonton, Alberta, Canada; Department of Orthodontics and Oral Facial Genetics, Indiana University School of Dentistry, Indianapolis, IN, USA; Department of Orthodontics, Hamdan Bin Mohammed College of Dental Medicine (MBRU), Dubai, UAE; and Lecturer, Department of Orthodontics, College of Dental Medicine, Al-Azhar University, Cairo, Egypt. Mostra efeitos da expansão maxilar nas vias aéreas de pacientes submetidos a protocolos.

O estudo teve o objetivo de Comparar as alterações do volume das vias aéreas superiores após a expansão da maxila com aparelhos ancorados esqueléticamente com os apoiados em dentes em adolescentes, avaliando os efeitos dentoesqueléticos de cada modalidade de expansão.

Este estudo retrospectivo incluiu 36 adolescentes que possuiam mordida cruzada maxilar bilateral e expansão maxilar na base óssea (idade média: 14,7 anos) ou expansão maxilar com apoio dentário (idade média: 14,4 anos). Os indivíduos tiveram duas imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico adquiridas, uma antes da expansão (T1) e uma segunda após um período de retenção de 3 meses (T2). As imagens foram orientadas e o volume tridimensional das vias aéreas e a expansão dentoesquelética foram medidos. Análise de variância foi usada para testar as diferenças entre os dois métodos de expansão para pré-tratamento, pós-tratamento e mudanças prepost. Testes t pareados foram usados para testar a significância das mudanças de preposamento dentro de cada método.

Ambos os grupos apresentaram aumento significativo apenas no volume da cavidade nasal e nasofaringe, mas não nos volumes da orofaringe e do seio maxilar. Largura intermolar e maxilar aumentou significativamente em ambos os grupos; no entanto, a inclinação vestibular dos molares superiores aumentou significativamente apenas no grupo dos apoiados em dentes. Não houve diferença significativa entre os grupos de expansão dentária e óssea, exceto pelo aumento significativamente maior na inclinação vestibular do primeiro molar superior direito após a expansão do dente.

Os autores concluir que nos adolescentes, tanto a ERM dentária quanto a óssea resultaram em aumento do volume da cavidade nasal e da nasofaringe, além de expansão das larguras intermolar e esquelética da maxila. No entanto, apenas os expansores de dentes causaram uma inclinação vestibular significativa dos molares superiores.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

terça-feira, 18 de junho de 2019

Envelope de discrepância - Conceito teórico ajuda a compreender o potencial de movimento dentário nos três planos do espaço.





Neste artigo de 2019, publicado na Revista OrtodontiaSPO, pelo Prof. Dr. Julio Gurgeldo programa de mestrado acadêmico em Odontologia (Ortodontia) da UniCeuma, em São Luís/MA; Professor assistente doutor do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp, campus de Marília. Mostra as modificações sofridas no clássico envelope de discrepância descrito pelos Professores Proffit e Ackerman. Em função da introdução dos Mini parafusos na Rotina Ortodôntica.

O envelope de discrepância representa um importante conceito teórico sobre o potencial de movimento dentário nos três planos do espaço. Foi criado por Profitt e White com o propósito de dar noção das amplitudes dos efeitos dentários e esqueléticos obtidos por meio do tratamento ortodôntico, ortodôntico-ortopédico e ortodôntico-cirúrgico1.

Uma ilustração gráfica indica valores limites para os movimentos dos incisivos superiores e inferiores nos sentidos sagital e vertical, bem como para os movimentos dos molares no sentido transversal e vertical. Deste modo, principalmente o clínico iniciante, tem uma noção da magnitude média das correções possíveis por meio do tratamento ortodôntico isolado, combinado com o crescimento craniofacial ou com a cirurgia ortognática. Os dados numéricos são baseados nos abundantes estudos sobre o crescimento craniofacial, associados aos relatos sobre o efeito das diversas modalidades de tratamentos ortodônticos. O potencial de movimento dentário, expresso numericamente, representa os limites da remodelação óssea e a consequente adaptação dos tecidos moles nos três planos do espaço. A quantidade de movimento dentário é baseada na severidade da má-oclusão e deve ser associada aos parâmetros do envelope de discrepância para identificar a real magnitude, a direção e o modo de obtenção da correção ortodôntica.

Este envelope foi posteriormente revisto por Lee, Kin e Park, os quais contribuíram com a inclusão do círculo representativo dos limites de movimentos dentários obtido com o uso da ancoragem esquelética por meio dos dispositivos transitórios de ancoragem (DTAs)2. Portanto, o envelope de discrepância propõe quatro potenciais de correção:

1. A amplitude de alteração espacial obtida somente com o movimento dentário e a consequente remodelação (movimento dentoalveolar);
2. A quantidade de modificação do crescimento obtida por meio dos aparelhos ortopédicos fixos e funcionais;
3. O complementar efeito dentoalveolar ou esquelético possível de ser realizado com o uso dos dispositivos transitórios de ancoragem (DTAs), podendo ser a miniplaca ou o mini-implante;
4. A ampla gama de movimento obtida por meio da cirurgia ortognática.

Link do Artigo na Integra via OrtodontiaSPO:

http://www.ortociencia.com.br/Materia/Index/154341

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Tratamento compensatório da mordida aberta anterior esquelética em pacientes adultos: Utilizando batentes posteriores




Neste artigo de 2016, publicado pelo Angle Orthodontist, pelos autores Arturo Vela-Hernandez; Rocio Lopez-Garcıa; Veronica Garcıa-Sanz; Vanessa Paredes-Gallardo; Felicidad Lasagabaster-Latorre. Do Department of Orthodontics, University of Valencia, Ortodoncia 5ª Planta, Clınica Odontologica UV, C/Gasco Oliag n 81, Valencia, Valencia 46010 Spain. Apresenta um estudo da eficiência do uso de batentes de resina aplicados nos dentes posteriores para correção da mordida aberta anterior em adultos.

Este artigo objetiva avaliar a efetividade dos batentes posteriores na correção da mordida aberta anterior em adultos, sua influência na intrusão dos molares, analisar as alterações ósseas e dentárias, e estabilidade do tratamento a longo prazo. 

A amostra consistiu em 93 cefalogramas laterais de 31 pacientes com mordida aberta anterior dentária e esquelética. Os pacientes receberam tratamento ortodôntico com aparelho Tip-Edge Plus (TP Orthodontics Inc, La Porte, Ind), e batente de resina nos molares superiores. Foram utilizados arcos 0.014” de níquel-titânio (NiTi) para alinhar e nivelar os arcos superiores e inferiores, seguidos por arcos 0.016 × 0.022” NiTi para definir a forma do arco e nivelar o plano oclusal, enquanto os batentes de resina continuavam ativos. Arcos 0.021 × 0.025” de aço inoxidável, foram introduzidos no slot auxiliar combinado com arcos de 0.016” NiTi, para obter o torque e inclinação ideais. Em seguida, os batentes de resina foram removidos. Na fase de finalização, foram utilizados arcos 0.016” NiTi com elásticos verticais posteriores para intercuspidação. Elásticos anteriores não foram utilizados durante o tratamento. Ao final do tratamento, foram instaladas contenções fixas de caninos a caninos superiores e inferiores. As contenções removíveis superiores e inferiores foram ajustadas para evitar contatos prematuros anteriores, e orientadas uso noturno. As análises cefalométricas foram realizadas em tomadas radiográficas antes do tratamento (T1), após tratamento (T2), e após um período de contenção (T3), que foram analisadas ​​e comparadas.

Os autores observaram alterações dentárias e esqueléticas significativas após o tratamento. Uma média de 1 mm de intrusão dos molares; além de 1,44 e 1,57 mm de extrusão dos incisivos inferiores e superiores, respectivamente; e observou-se uma média de 3,98mm de aumento da sobremordida. O ângulo do plano mandibular mostrou uma redução média de 1,198° e houve uma diminuição na altura facial de 0,7 mm. A duração total do tratamento foi uma média de 17,2 meses (DP 4,2, variação de 12-28 meses), e os batentes de resina foram utilizados em média de 14,2 meses (DP 4,4, faixa 9-21 meses). Foi observada uma leve tendência de recidiva, no entanto a estabilidade a longo prazo foi considerada aceitável.

Os autores concluíram que os batentes de resina posteriores, são uma alternativa terapêutica eficaz para a correção de até 3.98mm mordida aberta anterior em adultos. Os resultados permanecem significativamente estáveis ​​durante o período de contenção. (Angle Orthod., 2017; 87: 33-40)


PALAVRAS-CHAVE: Mordida aberta; Acumular; Intrusão molar

Nossos Agradecimentos a Dra Nathalia Torres pela colaboração e Tradução.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Avaliação tridimensional da reabsorção radicular de incisivos superiores após a tração ortodôntica de caninos biorticamente impactados: relato de casos





Neste artigo de 2019, publicado pela Progress in Orthodontics, pelos Autores Luis Ernesto Arriola-Guillén , Yalil Augusto Rodríguez-Cárdenas, Gustavo Armando Ruíz-Mora, Aron Aliaga-Del Castillo, Juan Schilling and Heraldo Luis Dias-Da Silveira, da Division of Orthodontics, School of Dentistry, Universidad Científica del Sur, Calle Cantuarias Miraflores, Lima, Perú e
Division of Oral and Maxillofacial Radiology, School of Dentistry, Universidad Científica del Sur, Calle Cantuarias, MIraflores, Lima, Perú. Descreve a avaliação tridimensional dos impactos radiculares em incisivos superiores após a realização do tracionamento de caninos impactados.

A reabsorção radicular dos incisivos superiores após a tração ortodôntica de caninos impactados é uma preocupação dos clínicos. O objetivo do relato de série de casos foi avaliar a reabsorção radicular dos incisivos superiores após a tração até o plano oclusal dos caninos impactados bicorticamente (colocados entre os dois ossos corticais no meio do processo alveolar) localizados em uma posição complexa usando três superposições dimensionais.

 O relato de série de casos descreveu a reabsorção radicular dos incisivos superiores após tração ortodôntica com molas fechadas de NiTi e um dispositivo de ancoragem máxima de três casos de caninos  impactos bilateralmente e localizados em uma posição complexa (bicorticamente) próximo à linha média. Tomografias computadorizadas de feixe cônico (CBCTs) foram obtidas antes e depois da tração. A reabsorção radicular em todas as superfícies radiais dos incisivos superiores foi avaliada com mapas codificados por cores usando o software ITK-SNAP e 3D Slicer para indicar perda da superfície da raiz (em vermelho) ou ganho da superfície (em azul) e foi quantificado em milímetros pelo método de superposição.

As alterações radiculares ocorreram principalmente no terço apical da raiz dos incisivos superiores e não ultrapassaram 2 mm.

Os autores concluíram que a reabsorção radicular dos incisivos superiores após a tração dos caninos impactados bicorticamente, localizados em posição complexa, foi observada principalmente na região do ápice, e a quantidade de reabsorção radicular foi menor que 2 mm em todas as superfícies radiculares.

Link do artigo na integra via ProgressOrthodontcs: