ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Frequência de dentes retidos e categorização dos caninos retidos: um estudo radiográfico retrospectivo utilizando radiografias panorâmicas

terça-feira, 12 de março de 2019

Frequência de dentes retidos e categorização dos caninos retidos: um estudo radiográfico retrospectivo utilizando radiografias panorâmicas





Neste artigo 2017, publicado pelo European Journal of Dentistry, pelos autores Hassan Al‐Zoubi, Abdulgader Abdullatif Alharbi, Donald J. Ferguson, Muhammad Sohail Zafar. Do Departmento de odontopediatria e  Ortodontia, College of Dentistry, Taibah University, Al Madinah, Al Munawwarah 41311, Arabia Saudita. King Fahad Hospital, Al Madinah, Al Munawwarah 41311, Arabia Saudita. Departmento de Ortodontia, European University College, Dubai. Department of Restorative Dentistry, College of Dentistry, Taibah University, Al Madinah, Al Munawwarah, Arabia Saudita. Departmento of Dental Materials, Islamic International Dental College, Riphah International University, Islamabad 44000, Pakistan.

O estudo teve o objetivo de determinar a frequência de caninos superiores impactados utilizando sete sistemas de classificação de subtipos. Para este propósito, os caninos superiores impactados foram divididos em sete diferentes subtipos.

Trata-se de um estudo descritivo, transversal e retrospectivo realizado com dados radiográficos de residentes da Madinah, Al Munawwarah. Dados radiográficos de 14.000 pacientes, que frequentaram a Faculdade de Odontologia da Universidade Taibah, de janeiro de 2011 a fevereiro de 2015, foram selecionados com base nos critérios de seleção para a presença de dentes retidos. Os indivíduos com caninos impactados na maxila foram pareados com a impactação canina maxilar. A ocorrência de cada subtipo de caninos impactados foi calculada.

Os dentes impactados são mais comuns na maxila do que na mandíbula. O canino impactado representou a maior proporção de todos os dentes superiores impactados, seguidos pelos segundos pré-molares e pelos incisivos centrais. De acordo com o sistema de classificação representado, o Tipo II de impactação canina representou a maior proporção (51%), enquanto o Tipo IV (0,5%) apresentou a menor frequência. O canino superior é o dente mais freqüentemente impactado, seguido pelos caninos inferiores.

Os autores concluíram que embora existam muitas variações, a maioria dos caninos impactados se enquadra no Tipo II da classificação dos caninos impactados.

Link do Artigo na Integra via European Journal of Dentistry:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe !