ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Março 2019

quinta-feira, 21 de março de 2019

Historia da Ortodontia - Calvin Case
























Calvin Suveril Case (1847-1923) formou-se em Odontologia em 1871 e em Medicina em 1884. Foi um dos primeiros profissionais a tentar realizar com a ortodontia a movimentação de corpo dentário com o controle de aparelhos, e a utilizar fios (.016" e ,018" ouro), e também em conjunto com Henry Baker, foram os primeiros a utilizar elásticos Classe II para correção Ortodontica, com um trabalho apresentado no congresso da Columbia Dental Association em 1893, no qual expos casos tratados com ortodontia associada a elásticos intermaxilares.


Ele também acreditava que, embora os arcos dentários pudessem ser expandidos para acomodar todos os dentes, isso não poderia garantir uma estabilidade a longo prazo. Sendo um dos defensores da “rational school” a qual ele se inseria se opunham, dessa forma, à teoria do criacionismo e da perfeição do homem, defendida pela “new school” de Angle.


Embora não possuísse um volume suficiente de pesquisas para subsidiar suas idéias, Case era um dos maiores anatomistas da época, afirmava que as contraposições à filosofia de Angle eram pelo fato da inabilidade de se expandir o osso basal, da limitação em se expandir o osso alveolar e pelo fato de muitas das más oclusões ocorrerem em virtude da discrepância basal maxilo-mandibular, não podendo, dessa forma, serem resolvidas em pacientes sem crescimento.


Ele defendia exodontias para corrigir deformidades faciais, embora menos do que 10% dos seus pacientes possuíam esta indicação, pois ele não acreditava que o paciente deveria ser tratado sob um modelo único, e que em alguns casos, a exodontia se fazia necessária. Ao fazer esta proposta de tratamento, incorreu na ira de Angle e seus discípulos. Case no outono de 1911 juntamente a Cryer, Dewey, Ferris, Buckley, Bowman y Hinman, na Reunião Anual da National Dental Association em Chicago, participaram de um debate que veio a ser conhecido como o "Grande Debate da Extração". Desde então se aceitam as extrações como um recurso terapêutico, imprescindível em muitos casos.


Calvin Case, criticava também no método de Angle, um certo descuido no relacionamento dos dentes com a face, isto é, no perfil facial. Outra crítica feita por Case e outros profissionais era que, embora a maloclusão fosse um problema tridimensional, no sistema de Angle somente os desvios antero-posteriores foram levados em consideração, condenando Angle por produzir "faces feias".


Angle inventou e patenteou inúmeros dispositivos para terapia ortodôntica. Em 1890, construiu um aparelho ortodôntico que denominou de arco "E", que consistia de um arco vestibular pesado de expansão unido por soldas a duas bandas parafusadas nos dois primeiros molares. Tal aparelho era vendido montado em cartões, deste modo, o dentista realizava soldagens simples, e instalava-o no paciente. Angle foi muito criticado por isso, principalmente pelo Dr. Calvin Case, que acreditava que os aparelhos deveriam ser feitos pelo ortodontista de forma personalisada para cada paciente.




Link de um artigo de 1904 do Dr. Calvin Case publicado pela Dental Cosmos:


quarta-feira, 20 de março de 2019

Escaneamento intraoral: O fim da era dos modelos de gesso








Neste artigo de 2019, publicado na coluna OrtoTecnologia da Revista da Sociedade Paulista de Ortodontia, os Autores Marlos LoiolaWendel ShibasakiLucineide LimaMaria Cecilia Vieira , Flaviana DiasThais PoletiRicardo GuiraldoLuiz Gandini Jr. e Flavio Cotrim-Ferreiraprograma de pós-graduação em Ciências Odontológicas – Unesp Araraquara; programa de pós-graduação em Odontologia – Unopar.

A incorporação de diversas tecnologias digitais e avanços significativos vêm ocorrendo na Ortodontia, cujo sucesso no planejamento do tratamento requer informações diagnósticas precisas. Os modelos digitais são representações fidedignas das arcadas dentárias e da relação entre elas, facilitando, desta forma, a tomada de decisão do clínico. 

A digitalização realizada com scanners intraorais é precisa e simples de realizar, causa pouco desconforto aos pacientes e elimina a necessidade de manter estoques de material de moldagem, permitindo, assim, virtualizar os arcos dentários do paciente, que possibilita realizar, com auxílio de softwares, todo diagnóstico e planejamento, eliminando a necessidade do modelo de gesso físico. 

Diversos estudos comprovam sua acurácia, mas sendo uma tecnologia de vanguarda ainda possui valor de mercado alto, o que dificulta o acesso para muitos profissionais, mas a tendência é, ano a ano, se popularizar e se tornar um item presente no dia a dia do clínico. 

Link do artigo via Ortodontia SPO:

terça-feira, 19 de março de 2019

Avaliação em longo prazo da expansão rápida da maxila e terapia com Bite-Block em indivíduos na fase de crescimento portadores de mordida aberta: Um estudo clínico controlado




Neste artigo de 2018, publicado na Angle Orthodontist, pelos Autores Manuela Mucedero; Dimitri Fusaroli; Lorenzo Franchi; Chiara Pavoni; Paola Cozza; Roberta Lione. Dos Departamento de ciencias clinicas, Cirurgia e de Medicina Translational, Universidade de Roma ‘‘Tor Vergata,’’ Roma, Italia e do Departamento de Odontologia da Universidade Nostra Signora del Buon Consiglio, Tirana, Albania.

O artigo descreve um estudo que avaliou os efeitos a longo prazo da expansão rápida da maxila (ERM) e o uso de Bite-Block posterior (BB) em pacientes pré-púberes com mordida aberta dento-esquelética.

O grupo de tratamento (GT) era composto por 16 indivíduos (14 meninas, 2 meninos) com mordida aberta dento-esquelética, com média de idade de 8,1 +- 1,1 anos. Tratados com ERM e BB. Três cefalogramas laterais consecutivos foram disponíbilizados antes do tratamento (T1), no final do tratamento ativo com a ERM e BB (T2), e em uma observação de acompanhamento pelo menos com 4 anos após a conclusão do tratamento (T3). O GT foi comparado com um grupo controle (GC) de 16 pacientes (14 meninas, 2 meninos) pareados por sexo, idade e padrão esquelético vertical. Um teste t para amostras independentes foi utilizado para comparar as alterações cefalométricas entre T1 e T3, T1 e T2 e T2 e T3 entre o GT e o GC.

Em longo prazo, o GT apresentou aumento significativamente maior no overbite (+1,8 mm), redução da extrusão dos molares superiores e inferiores (􏰀-3,3 mm) e, consequentemente, diminuição significativa da divergência facial (􏰀-2,88º) quando comparada com assuntos não tratados.

Os autores concluir que o protocolo da ERM e com BB levou a uma recuperação bem sucedida e estável do overbite positivo em 100% dos pacientes estudados. A correção da mordida aberta associou-se à redução da extrusão dos molares superiores e inferiores, com melhora significativa das relações esqueléticas verticais, quando comparada com o GC.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


sábado, 16 de março de 2019

Ação dos expansores de maxila dento suportados versus esqueleto suportados no final da adolescência






Neste artigo de 2015, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Lu Lin; Hyo-Won Ahn; Su-Jung Kim; Sung-Chul Moon; Seong-Hun Kim; Gerald Nelson.  Do Departmento de Ortodontia da Faculdade de Odonbtologia, Kyung Hee University, Seoul, Korea e da Divisão de Ortodontia, Departmento de ciencia Orofacial, University of California–San Francisco, San Francisco, California. Compara os efeitos dento esqueléticos de dois tipos de expansões, dento suportado e esqueleto suportado.

O estudo foi realizado com o intuito de avaliar os efeitos imediatos da expansão rápida da maxila (ERM) nas alterações transversais esqueléticas e dentoalveolares com expansores ósseos (Expansor C) e do tipo dento suportado, com tomografia computadorizada de feixe cone (TCFC) em adolescentes tardios.

Uma amostra de 28 pacientes do sexo feminino adulta tardia, foi dividida em dois grupos de acordo com o tipo de expansor: osso (expansor C, n=15, idade = 18,1 6 +- 4,4 anos) e o dentário (hyrax , bandas em pré-molares e molares, n = 13, idade=17,4 +- 3,4 anos). As varreduras de TCFC foram tomadas com tamanho de voxel de 0,2 mm antes do tratamento (T1) e 3 meses após o RME (T2). A expansão transversa esquelética e dentária, inclinação alveolar, eixo dentário, altura vertical do dente e deiscência bucal foram avaliadas em pré-molares e molares superiores. Testes estatísticos fora realizados.

O grupo do expansor  C produziu maior expansão esquelética, exceto na região do primeiro pré-molar, que apresentava pouca inclinação vestibular do osso alveolar. O grupo Hyrax teve maior inclinação vestibular do osso alveolar e dos eixos dentários, exceto na região do segundo molar. A expansão dentária no nível do ápice foi similar nos dentes com bandas (no primeiro pré-molar e no primeiro molar). As mudanças de altura vertical foram evidentes no segundo pré-molar no grupo hyrax. A deiscência vestibulares significativas ocorreram no primeiro pré-molar no grupo hyrax .Não houveram diferenças significativas entre os tipos de dentes para quaisquer variáveis ​​no grupo expansor de C.

Os autores concluíram que  para os pacientes no final da adolescência, os expansores ossos produziram maiores efeitos ortopédicos e menores efeitos colaterais dentoalveolares em comparação com os expansores de hyrax.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:



quinta-feira, 14 de março de 2019

Historia da Ortodontia - Disjunção Maxilar










O primeiro relato científico abordando a expansão rápida da maxila foi feito pelo Dr. Emerson C. Angell no ano de 1860 na Revista Dental Cosmos. Desde então a expansão rápida da maxila apresentou períodos de popularidade e desuso não sendo utilizada por 40 anos nos Estados Unidos. A partir de 1961, com os trabalhos do Dr. Andrew Haas, este procedimento alcançou grande aceitação e reconhecimento por parte da comunidade científica, sendo utilazada até os dias de hoje, podendo ser empregada na infância e adolescência ou associada a cirurgia na idade adulta.



Link do Artigo do Dr. Angell na Dental Cosmos de 1860:


1ª Parte do Artigo:





2ª Parte do artigo:



* Clinica fundada pelo Dr. Haas em Ohio, atualmente dirigida pelos filhos, pois ele está aposentado:

quarta-feira, 13 de março de 2019

Avaliação da perda de força dos elásticos intraorais ortodônticos de látex e sem-látex: estudo in vivo




Neste artigo de 2018, Publicado pelo Dental Press Journal of Orthodontics, pelos Autores Daniela Ferreira de Carvalho Notaroberto,  Mariana Martins e Martins, Maria Teresa de Andrade Goldner, Alvaro de Moraes Mendes, Cátia Cardoso Abdo Quintão. Da  Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Odontologia, Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (Rio de Janeiro/RJ, Brazil),  da Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Odontologia, Disciplina de Ortodontia (Niterói/RJ, Brazil) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária, Disciplina de Ortodontia (Rio de Janeiro/RJ, Brazil).

Este estudo clínico foi realizado com o objetivo de avaliar a perda de força ao longo do tempo de elásticos intraorais ortodônticos de látex e sem-látex.

Os pacientes (n = 15) foram avaliados utilizando elásticos de látex e sem-látex nos períodos de: 0, 1, 3, 12 e 24 horas. Os elásticos foram transferidos para uma máquina de teste (EMIC DL-500 MF), e os valores de força foram registrados após o estiramento elástico até um comprimento de 25mm. O teste t pareado foi aplicado e a análise de variância (ANOVA) foi utilizado para avaliar a variação da força gerada. O teste post-hoc de LSD (diferença menos significativa de Fisher) foi também empregado. 

Quanto às forças iniciais (tempo zero), os valores de força para o elástico sem-látex foram ligeiramente superiores aos do elástico de látex. Nos tempos subseqüentes, as forças geradas pelo elástico de látex apresentaram valores mais elevados. Em relação à degradação do material, ao final de 24 horas, o maior percentual foi observado para o elástico sem-látex. 

Os autores do artigo concluíram que os elásticos de látex apresentaram comportamento mais estável durante o período estudado, quando comparados com os sem-látex.


Link do artigo na integra via Scielo:

http://www.scielo.br/pdf/dpjo/v23n6/2176-9451-dpjo-23-06-00042.pdf

terça-feira, 12 de março de 2019

Frequência de dentes retidos e categorização dos caninos retidos: um estudo radiográfico retrospectivo utilizando radiografias panorâmicas





Neste artigo 2017, publicado pelo European Journal of Dentistry, pelos autores Hassan Al‐Zoubi, Abdulgader Abdullatif Alharbi, Donald J. Ferguson, Muhammad Sohail Zafar. Do Departmento de odontopediatria e  Ortodontia, College of Dentistry, Taibah University, Al Madinah, Al Munawwarah 41311, Arabia Saudita. King Fahad Hospital, Al Madinah, Al Munawwarah 41311, Arabia Saudita. Departmento de Ortodontia, European University College, Dubai. Department of Restorative Dentistry, College of Dentistry, Taibah University, Al Madinah, Al Munawwarah, Arabia Saudita. Departmento of Dental Materials, Islamic International Dental College, Riphah International University, Islamabad 44000, Pakistan.

O estudo teve o objetivo de determinar a frequência de caninos superiores impactados utilizando sete sistemas de classificação de subtipos. Para este propósito, os caninos superiores impactados foram divididos em sete diferentes subtipos.

Trata-se de um estudo descritivo, transversal e retrospectivo realizado com dados radiográficos de residentes da Madinah, Al Munawwarah. Dados radiográficos de 14.000 pacientes, que frequentaram a Faculdade de Odontologia da Universidade Taibah, de janeiro de 2011 a fevereiro de 2015, foram selecionados com base nos critérios de seleção para a presença de dentes retidos. Os indivíduos com caninos impactados na maxila foram pareados com a impactação canina maxilar. A ocorrência de cada subtipo de caninos impactados foi calculada.

Os dentes impactados são mais comuns na maxila do que na mandíbula. O canino impactado representou a maior proporção de todos os dentes superiores impactados, seguidos pelos segundos pré-molares e pelos incisivos centrais. De acordo com o sistema de classificação representado, o Tipo II de impactação canina representou a maior proporção (51%), enquanto o Tipo IV (0,5%) apresentou a menor frequência. O canino superior é o dente mais freqüentemente impactado, seguido pelos caninos inferiores.

Os autores concluíram que embora existam muitas variações, a maioria dos caninos impactados se enquadra no Tipo II da classificação dos caninos impactados.

Link do Artigo na Integra via European Journal of Dentistry:

segunda-feira, 11 de março de 2019

Planejamento de tratamento tridimensional voltado a cirurgias segmentadas da maxila e mandibula para uma Classe III adulta: Onde velho encontra novo



Neste artigo publicado em 2019, na Angle Orthodontist, pelos autores R. Scott Conley; Sean P. Edwards. Do Departmento de Ortodontia, University at Buffalo School of Dental Medicine, Buffalo, NY, EUA. Departmento de cirurgia Oral e Maxillofacial, School of Dentistry, University of Michigan, Ann Arbor, MI, EUA.

A má oclusão de mordida aberta associada a Classe III pode estar entre os tipos de casos mais difíceis para se obter um excelente resultado oclusal, esquelético e facial. As opções de tratamento incluem modificação do crescimento, extração para camuflagem ortodôntica e cirurgia ortognática. Em pacientes mais gravemente afetados e que cessaram o período de crescimento, a cirurgia ortognática é frequentemente a mais previsível e, em algumas situações, a única maneira viável de alcançar um resultado ideal. 

Os riscos e benefícios das opções de tratamento cirúrgico podem ocasionalmente ser difíceis de avaliar, particularmente para provedores com experiência limitada. Previsões cirúrgicas bidimensionais podem ajudar, mas não permitem que a terceira dimensão seja visualizada. Novas técnicas de simulação cirúrgica assistida por computador podem permitir que o cirurgião, o ortodontista e o paciente visualizem e compreendam melhor a abordagem do tratamento e permitam que tomem as decisões mais eficazes e eficientes relacionadas ao tratamento.

Este artigo relata um caso mescla o conhecimento de todo o espectro das técnicas cirúrgicas históricas com a nova abordagem da simulação cirúrgica auxiliada por computador (CASS) para realizar cirurgias segmentares complexas maxilar e mandibular para obter um excelente resultado funcional e estético.

Link do artigo na Integra via Angle Orthodontist:

sexta-feira, 8 de março de 2019

Comparação dos efeitos da expansão rápida da maxila com os protocolos alternados de expansão rápida da maxila e constrição, seguidos pela terapia da máscara facial







Neste artigo de 2019, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos Autores Elvan Onem Ozbilen, Hanife Nuray Yilmaz, Nazan Kucukkeles. Do Departmento de Ortodontia, Faculty of Dentistry, Marmara University, Istanbul, Turquia e do Departmento de Ortodontia, Faculty of Dentistry, Bezmialem Vakif University, Istanbul, Turquia.

O objetivo deste estudo retrospectivo foi avaliar e comparar as mudanças na via aérea faríngea (PA), volume do seio maxilar e parâmetros esqueléticos após expansão rápida da maxila (RME) e expansão e constrição rápida da maxila alternada (Alt-RAMEC) seguidos pela terapia do uso da máscara facial. (FM) 

Foram coletados os registros de 40 pacientes portadores de uma má oclusão de Classe III esquelética devido a retrognatismo maxilar e os pacientes foram divididos em dois grupos. O primeiro grupo era composto por 8 pacientes masculinos e 12 femininos (idade média de 10,0 ± 1,1 anos) tratados com ERM / FM por uma média de 10 meses. O segundo grupo era composto por 10 pacientes do sexo masculino e 10 do sexo feminino (idade média de 9,64 ± 1,3 anos) tratados com Alt-RAMEC / FM em uma média de 12 meses. Imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico obtidas antes (T0) e após o tratamento (T1) foram avaliadas.

Em relação aos efeitos esqueléticos, diferenças significantes entre os grupos foram o aumento do SNA-HRP (distância perpendicular do SNA ao plano de referência horizontal, 0,99 mm) no grupo Alt-RAMEC/FM e a diminuição do PP-SN (plano palatal para o plano de Sella-Nasion, 0.93º) no grupo ERM/FM. O volume dos seios maxilares aumentou significativamente em ambos os grupos, e o aumento foi estatisticamente maior no grupo Alt-RAMEC/FM. Embora não tenham sido observadas diferenças intergrupos significativas nos volumes de PA, tanto menor (1.011,19 mm3) quanto total (1.601,21 mm3), o volume de AF aumentou significativamente no grupo Alt-RAMEC / FM.

Os autores concluíram que os diferentes dispositivos de expansão e os protocolos utilizados com a terapia FM não parecem afetar o movimento para a frente dos volumes da maxila e PA. Em contraste, o aumento do volume do seio maxilar foi maior no protocolo Alt-RAMEC / FM.

Link do Artigo na Integra via e-KJO:

quinta-feira, 7 de março de 2019

Previsibilidade do movimento ortodôntico com alinhadores ortodônticos: um estudo retrospectivo







Neste artigo de 2017, publicado na Progress in Orthodontics, pelos autores Luca Lombardo, Angela Arreghini, Fabio Ramina, Luis T. Huanca Ghislanzoni and Giuseppe Siciliani. Da Faculdade de Ortodonti, Universidade de Ferrara, Via Fossato di Mortara, 44100 Ferrara, Italia

O artigo relata um  estudo que avaliou a previsibilidade de alinhadores F22 (Sweden & Martina, Due Carrare, Itália) na condução dos dentes para as posições planejadas usando uma configuração ortodôntica digital.

Dezesseis pacientes adultos (6 homens e 10 mulheres, idade média de 28 anos e 7 meses) foram selecionados, e um total de 345 dentes foram analisados. Pré-tratamento, pós-tratamento ideal - conforme planejado na configuração digital - e os modelos reais de pós-tratamento foram analisados ​​usando o software VAM (Vectra, Canfield Scientific, Fairfield, NJ, EUA). A rotação prescrita e real, a ponta mesiodistal e a ponta vestíbulo-lingual foram calculadas para cada dente e, posteriormente, analisadas por tipo de dente (incisivos superiores e inferiores direitos e esquerdos, caninos, pré-molares e molares) para identificar o erro médio e a acurácia de cada tipo de movimento. alcançado com o alinhador em relação aos planejados usando a configuração.

Foi observado que a previsibilidade média dos movimentos obtidos com os alinhadores F22 foi de 73,6%. A inclinação mesiodistal mostrou a maior previsibilidade, em 82,5% em relação ao ideal;  seguido por inclinação vestíbulo-lingual (72,9%) e finalmente rotação (66,8%). Em particular, a ponta mesiodistal nos molares superiores e inferiores foi alcançada com a maior previsibilidade (93,4 e 96,7%, respectivamente), enquanto a rotação nos caninos inferiores foi  menos eficaz (54,2%).

Ou autores concluíram neste estudo que sem o uso de recursos auxiliares, os alinhadores ortodônticos são incapazes de atingir o movimento programado com 100% de previsibilidade. Em particular, embora os movimentos de inclinação tenham sido eficazes, especialmente nos molares e pré-molares, a rotação dos caninos inferiores foi um movimento extremamente imprevisível.

Link do artigo na integra via NCBI:

quarta-feira, 6 de março de 2019

A relação entre medidas de fotogrametria dentofacial 3D e medidas cefalométricas tradicionais






Neste artigo de 2019, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Jose C. Castillo; Grace Gianneschi; Demyana Azer; Amornrut Manosudprasit; Arshan Haghi; Neetu Bansal; Veerasathpurush Allareddy; Mohamed I. Masoud. Do departmento de Ortodontia, University of Florida, Gainesville, Fla, EUA. Department of Ortodontia, Khon Kaen University, Khon Kaen, Tailandia. Department of Developmental Biology, Harvard School of Dental Medicine, Boston, Mass, EUA. Departmento de Ortodontia, University of Illinois College of Dentistry, Chicago, Ill, EUA. Do department of Developmental Biology, advanced Graduate Education in Orthodontics, Harvard School of Dental Medicine, Boston, Mass, USA.


O estudo teve o objetivo de Determinar a relação entre medidas cefalométricas tradicionais e medidas de fotogrametria tridimensionais (3D) não radiográficas correspondentes.

Estudo realizado foi transversal com 20 pacientes ortodônticos (10 homens e 10 mulheres) que realizaram radiografias cefalométricas laterais e registros fotogramétricos dentofaciais em 3D, cada paciente controlando seu próprio tamanho para uma amostra total de 40 imagens. (20 por método). Uma análise 3D que se assemelhava a uma análise cefalométrica tradicional foi estabelecida usando os olhos e a orientação natural da cabeça como substitutos da base do crânio. Coeficientes de correlação de Pearson e de regressão linear multivariada foram calculados para avaliar a relação entre as medidas de fotogrametria e as medidas cefalométricas.

O ângulo ANB, ângulo do plano mandibular, altura facial anterior inferior, ângulo do incisivo superior à SN, ângulo do incisivo superior à NA e todas as medidas de posição e inclinação do incisivo inferior apresentaram coeficientes de correlação de Pearson positivos com as medidas de fotogrametria 3D correspondentes. Gráficos de regressão estatisticamente significantes demonstraram que as relações cefalométricas entre as mandíbulas e a orientação dos incisivos podem ser previstas a partir das medidas de fotogrametria 3D correspondentes.

Os autores concluíram que as medidas de fotogrametria 3D relacionando as bases ósseas entre si e a orientação dos incisivos têm uma forte correlação positiva com as correspondentes medidas cefalométricas tradicionais e podem servir como preditores cefalométricos. Capturar os olhos usando a fotogrametria 3D pode evitar a necessidade de expor a base do crânio e permitir limitar o campo radiográfico à área de interesse.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist: