ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Setembro 2018

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Uma forma de determinar a osteotomia cirurgica assistida para expansão rápida da maxila em fenda palatina. Abordagem num modelo de elementos finitos




Neste artigo de 2011, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Pawan Gautam; Linping Zhao; Pravin Patel; do Craniofacial Center,University of Illinois at Chicago, Chicago; Mostra um estudo realizado em simulação com elementos finitos em crânio com procedimentos de cirurgia ortognática.


Este estudo foi realizado com o intuito de avaliar o padrão de estresse no esqueleto craniofacial em um paciente com um deformidade com fissura unilateral do palato secundário e alvéolos em resposta a várias técnicas de cirurgia assistida para expansão rápida da maxila (ERMAC).

Três modelos específicos de crânios de pacientes específicos compósitos foram desenvolvidos para análise em elementos finitos do modelo. Os detalhes do procedimento de modelagem foram descritos na parte I desta série. A análise dos elementos finitos foram realizadas em cada modelo com uma técnica ERMAC especificada, em combinação com RME usando Abaqus (6.7).

A forma ideal de cirurgia para uma ERMAC em pacientes com fissura unilateral com deformidade do palato secundário e alvéolos, seria uma LeFort I, unilateral completa com disjunção do pterigóide em combinação com a divisão palatina, seguido pela osteotomias com secção palatina isolada e dos pilares zigomático.

Uma técnica mais invasiva para ERMAC pode reduzir significativamente o problema. No entanto, este benefício deve ser pesado contra o risco de aumentar as complicações associadas com cirurgias mais extensas. Quando uma técnica cirúrgica mais conservadora é selecionada, é preferível realizar uma divisão palatina mediana ao invés de osteotomias nos pilares zigomáticos, como indicado pela distribuição de tensão-padrão de deslocamento e associados a técnicas de ERMAC diferentes.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Mudanças nas relações oclusais na Dentição mista de pacientes tratados com expansão rápida da maxila



Neste artigo de 2010, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores James A. McNamara, Jr; Lauren M. Sigler; Lorenzo Franchi; Susan S. Guest; Tiziano Baccetti; do Department of Orthodontics and Pediatric Dentistry, School of Dentistry; Center for Human Growth and Development, The University of Michigan, Ann Arbor - USA; Department of Orthodontics, University of Florence, Florence, Italia. Realizaram um estudo com uma boa amostra de pacientes de classe I, II e ponta e ponta (de cúspide)  na fase de dentição mista em que uma parte foi submetida ao protocolo de expansão rapida da maxila.

Este estudo foi realizado de forma prospectiva como o objetivo de medir as mudanças oclusais em pacientes de dentição mista que se submeteram a um protocolo padronizado de expansão precoce.

O tratamento consistiu de amostra de 500 pacientes que foram divididos em três grupos de acordo com a relação molar: Classe I, de ponta e ponta, e Classe II. Todos os pacientes foram tratados com uma expansão rápida maxilar com expansor colado (RME), seguido por uma placa de manutenção removível e um arco transpalatal. A média de idade no início do tratamento foi de 8,8 anos (T1), com um cefalograma pré-tratamento da fase 2 (T2) tomadas 3,7 anos mais tarde. A amostra controle consistiu dos registros cefalométricos de 188 pacientes não tratados (Classe 1; ponta e ponta; Classe II).

A maior mudança na relação molar foi observado no grupo de tratamento da Classe II  (1,8 mm) quando comparado com o grupo controle pareado (0,3 mm). Uma mudança positiva foi observada em 81% do grupo de tratamento de Classe II, com quase metade do grupo de melhoria de  2,0 milímetros. O grupo de tratamento de ponta e ponta teve uma variação positiva de 1,4 mm, em comparação com um valor de controle de 0,6 mm, e os de classe I de 1 mm em comparação com os controles, que permaneceram inalteradas (0,1 mm). Alterações esqueléticas não foram significativas em qualquer um dos grupos que foram comparados com os controles.

Os autores concluiram que o protocolo de expansão teve um efeito significativamente favorável sobre as relações oclusais sagitais da Classe II, de ponta e ponta, e Classe I em pacientes tratados na dentição mista de forma precoce.



Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Avaliação in Vivo 3D Micro-CT dos movimentos dentários após Aplicação de diferentes niveis de força em molares de ratos













Neste artigo de 2009, publicado na Angle Orthodonthist, pelos autores Carmen Gonzalesa; Hitoshi Hotokezakab; Yoshinori Araic; Tadashi Ninomiyad; Junya Tominagaa; Insan Janga; Yuka Hotokezakae; Motohiro Tanakaf; Noriaki Yoshidag; da Nagasaki University, Nagasaki, Japão. Mostram neste estudo interessante mais uma aplicabilidade do metodo dos elementos finitos.


O objetivo do estudo foi investigar longitudinalmente de forma precisa a mudança no ligamento periodontal (PDL), espaço, largura tridimensional do dente com circulação contínua de magnitudes de força em ratos vivos.


Através de molas fechadas níquel-titânio por 28 dias, 10, 25, 50, e 100 gramas com força mesial aplicadas nos primeiros molares superiores esquerdos. Micro-TC (Micro Tomografia Computadoriza) foi feita no mesmo rato em 0, 1, 2, 3, 10, 14 e 28 dias. A largura do PDL foi medido na pressão lados e tensão de 0 a 3 dias. Medições angulares e lineares foram utilizados para avaliar a posição do molar no dia 0, 10, 14 e 28. Um modelo de elementos finitos (FEM), foi construído de modo a avaliar a distribuição inicial estresse, deslocamento molar e centro de rotação do molar.


As avaliações inicialis da lagura do PDL não mostraram diferenças estatísticas entre os diferentes niveis de força. O movimento do dente foi registrado 1 hora após a aplicação força e gradualmente aumentou com o tempo. A partir de dia 10, o maior movimento dentário foi observado quando 10 g de força foi aplicada. O FEM mostraram que o centro de rotação do molar é localizado no centro de cinco raízes, no terço apical das raízes molar.


O movimento do molar nos ratos consistiu principalmente de forças mesial, extrusão de raízes distais, intrusão de raiz mesial, inclinação palatal e rotação mesial. Embora o primeiro movimento dentário após a aplicação de diferentes magnitudes de força até dia 3 não foi notavelmente diferentes, 10 g de força produziram mais movimento dentário comparada com pesadas forças no dia 28.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontics:


segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Pesquisa biomecânica através do metodo de elementos finitos da posição do centro de resistência dos incisivos superiores





Neste artigo de 2007, publicado pelo European Journal of Orthodontics, pelos autores S. Reimann , L . Keilig , A. Jäger and Christoph Bourauel; do Department of Orthodontics, University of Bonn, Alemanha; Mostra mais um estudo da Ortodontia Contemporânea sobre Biomecânica Ortodontica e centro de resistência dos incisivos realizado pelo metodo dos elementos finitos.

A posição do centro de resistência (CR) é um parâmetro essencial em matéria de planeamento de movimentos ortodônticos aplicados ao dente. Na presente pesquisa, o CR combinado dos quatro incisivos superiores foi determinado numericamente usando o método de elementos finitos (FE).

Baseado em informações de três dados dimensionais comercialmente disponíveis do conjunto de uma maxila, incluindo todos os 16 dentes,  bem como conhecer e determinar os parâmetros anteriores do material, modelos  elementos finios FE dos incisivos superiores e as estruturas de apoio e dentes ao seu redor foram gerados.

No sistema de FE, o modelo do segmento anterior  foi carregado com torques de 10 Nmm em cada um dos incisivos. O modelo FE indicou que os incisivos individualmente foram movidos de forma independente, embora fossem bloqueados com um fio de aço de dimensão 0,46 × 0,65 milímetros. Os CRs individuais foram localizados 5 mm na distal e 9 e 12 mm a apical dos braquetes dos centrais e dos laterais.

Assim, a visão clássica de um CR combinado com o segmento anterior foi desmentido e o planejamento dos movimentos ortodônticos dos incisivos superiores deve deixar de ser feita com base nesse conceito.


Link do artigo na integra via EJO Oxfordjournals:

http://ejo.oxfordjournals.org/cgi/reprint/29/3/219