ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Entrevista com o Professor Dr Jay Bowman - Parte 3

terça-feira, 12 de junho de 2018

Entrevista com o Professor Dr Jay Bowman - Parte 3



Marlos Loiola - Em 2000, você publicou um estudo clássico na Angle Orthodontist, realizado em conjunto com o professor Lysle E. Johnston. Em que avaliaram o impacto estético no perfil de pacientes tratados com e sem extrações. Após 18 anos da publicação, alguma coisa mudou? Quais são os cuidados que você toma para tomar a decisão de extrair ou não extrair em casos ortodônticos?

Prof. Jay Bowman - Tive a sorte de ter sido orientado por Lysle Johnston, em colaborar com ele na pesquisa e redação, tê-lo como mentor e, finalmente, considerá-lo um bom amigo. Dou o crédito a ele por seu incentivo, orientação e estímulo para “pensar” sobre ortodontia. O artigo que você observou foi o resultado de uma pesquisa que eu precisava para me tornar membro da regional Oriental da Sociedade Edward H. Angle de Ortodontistas. Fiquei muito honrado por ter ganho o Angle Research Award da Angle Orthodontist por este artigo.



Na época, alguns dentistas clínicos gerais afirmavam que as extrações estavam rotineiramente destruindo os perfis dos pacientes e as articulações temporo mandibulares. Foram aplicados os mesmos protocolos em amostras de Caucasianos, Afro-americanos, Mexicanos e Coreanos. Com resultados semelhantes, ou seja, as extrações produziram alguma redução da protrusão labial nos pacientes beneficiados que precisavam (aqueles com apinhamento inicial e protrusão [As chaves para a decisão de extração ]). 

Uma vez que essas conclusões esmagadoras foram publicadas, os críticos seguiram em frente como vírus em mutação com ideias de que tipos especiais de braquetes autoligáveis ​​permitiriam evitar extrações, sem necessidade de expansores, e produziriam “diferentes”, “melhores”, “rápidos” e Resultados “mais estéticos”. Até agora, não houve nenhuma prova prometida de crescimento ósseo (a menos que você queira arriscar a expansão dos dentes no alvéolo), sem resultados diferentes, mais rápidos ou melhores, e quando é mostrada a luz em sorrisos tímidos onde os corredores bucais desaparecem.

Marlos Loiola - Atualmente, alguns profissionais vêm realizando tratamento ortodôntico com o uso de estímulos vibratórios. Em 2016, você publicou um artigo no Journal of Clinical Orthodontics relatando o uso deste recurso no tratamento de pacientes combinados com mecânicas de distalização dos molares. Suas conclusões na época foram reservadas quanto à adoção do protocolo. E agora, em 2018, algo mudou?


Prof. Jay Bowman - Mais uma vez, eu estava procurando por um projeto de pesquisa clínica como requisito da Angle Society. Eu pensei que com a grande amostra de pacientes com distalização molar que eu vinha acompanhando desde 1996 (Mais de 800), seria interessante determinar se algo simples e não invasivo como a aplicação de vibração, que poderia fazer diferença na taxa de movimento molar. O único aspecto do meu estudo é que eu estava determinado a medir a periodicidade do paciente ao aplicar a vibração diariamente. Outros estudos que não mostraram diferenças são suspeitos porque não mediram a cooperação ou se os pacientes não estavam em conformidade. Minhas conclusões são de que parece haver um efeito na taxa de movimento distal do molar e no nivelamento da arcada dentária inferior com aparelho ortodôntico; no entanto, a cooperação absoluta é provavelmente necessária para enxergá-lo. A questão mais importante é o custo de temporal do dinheiro ou o valor monetário do tempo: E o efeito vale o custo?

Marlos Loiola - Percebe-se que os alinhadores estéticos estão se tornando cada vez mais populares, com aplicações cada vez mais elaboradas. Como você observa esses recursos que eliminam em algumas situações o uso dos centenários braquetes? E o uso desse recurso seria só restrito ao Especialista em Ortodôntia?

Prof. Jay Bowman - O conceito de alinhadores transparentes é baseado no uso de Harold Kesling de uma série de posicionadores de dentes em 1945. Fui treinado por Peter Kesling, então quando Invisalign foi introduzido em 1999, eu certamente estava interessado em tentar fazer o sistema funcionar; um processo que tem sido frustrante. Alinhadores são imprevisíveis  atualmente, uma conclusão baseada em evidências. Minha intenção foi encontrar maneiras de torná-la mais previsível, resultando na criação de abordagens adjuntas, como o Aligner Chewies e o os instrumentais Clear Collection da Hu-Friedy.



Seria bom ter apenas ortodontistas especialistas realizando tratamento ortodôntico? Certamente, no entanto, no ambiente de hoje, isso não vai mais acontecer. Isso não deve impedir que o especialista  se esforce em produzir os melhores resultados da maneira mais profissional e ética possível.

Marlos Loiola - Quanto às novas tecnologias, como tem sido para o ortodontista americano a implementação da utilização de imagens tomográficas, modelos digitais, escaneamento intra-orais e a impressão 3D (prototipagem) na rotina clínica?

Prof. Jay Bowman - A tecnologia certamente avançou desde a concepção do aparelho padrão edgewise bandado. Eu experimentei um gostinho do final daquela era de ouro em que as lições aprendidas vem sendo tristemente perdidas pela geração seguinte. Há tantas informações incrivelmente úteis na nossa história que são ignoradas nessa corrida em direção a "próxima novidade".

A introdução dos aparelhos pré-ajustados, colagens diretas, ligas superelásticas, auto-ligaduras, braquetes linguais, alinhadores invisiveis e mini-parafusos melhoraram nossos resultados de tratamento? Possivelmente. O diagnóstico melhorou usando Tomografias, escaneamentos intraorais, modelos digitais, e impressão 3D? Talvez. Pode um tratamento ortodôntico excelente ser produzido sem a maioria desta tecnologia? Provavelmente sim.

Link dos Sites do Professor Dr Jay Bowman:








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe !