ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Abril 2018

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Inclinação dos incisivos inferiores revisada



Neste artigo de 2014, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Cecile Gutermann; Timo Peltomaki; Goran Markic; Michael Hanggi; Marc Schatzle; Luca Signorelli; Raphael Patcas; do Department of Orthodontics and Pediatric Dentistry, Center for Dental Medicine, University of Zurich, Zurich, Switzerland; Department, Dental and Oral Diseases Outpatient Clinic, Oral and Maxillofacial Unit, Tampere University Hospital and Department of Otolaryngology, University of Tampere, Tampere, Finland. Mostra uma pesquisa realizada com uma amostra de 1.272 pessoas na qual se observou o grau de inclinação do incisivo inferior relacionando com vários fatores como sexo, padrão esquelético e idade.

O estudo foi realizado com o intuito de reavaliar a inclinação dos incisivos inferiores e avaliar as possíveis associações com sexo, idade, os parâmetros de sínfise e padrão esquelético.

Mil duzentas e setenta e duas telerradiografias de indivíduos (605 Mulheres, 667 Homens)  não tratados de um estudo  de  crescimento craniofacial (idade: 8-16 anos) foram avaliadas. Correlações entre a angulação dos incisivos inferiores e idade, distâncias da sínfise (altura, largura e profundidade), índices de sínfise (altura-largura, altura de profundidade), e ângulos esqueléticos (divergência das mandíbulas e ângulo goníaco) foram pesquisados em todas idades separadamente e para ambos os sexos de forma independente.

A inclinação dos incisivos inferiores aumentaram ao longo idade (8 anos: meninas = 93.9º, meninos = 93.3º; 16 anos: meninas = 96,1º, meninos = 97.1º. A inclinação dos incisivos inferiores se correlacionaram com a divergência das bases osseas para todas as idades de forma significativa ou muito significativa, exceto para meninos e meninas de 9 anos de idade e meninas de 11 e 12 anos de idade, para o qual foi observada apenas uma tendência. Do mesmo modo, uma forte correlação com o ângulo goníaco pôde ser observada. Nenhuma correlação foi encontrada entre a inclinação dos incisivos inferiores e todos os parâmetros da sínfise (medições absolutas e percentuais), exceto para a profundidade da sínfise.

Os autores concluíram que a Inclinação dos incisivos inferiores está ligada ao sexo da pessoa, idade e padrão esquelético. Ela não está relacionada com as dimensões da sínfise, exceto a profundidade da sínfise. Fatores relacionados à inclinação natural dos incisivos inferiores devem ser respeitados ao estabelecer um plano de tratamento.

Link do artigo integra via Angle Orthodontist, (Angle Orthod. 2014;84:109–119.):

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Avanço maxilar usando distração osteogênica com dispositivo intra-oral
















Neste artigo de 2010, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Yoko Takigawa; Setsuko Uematsu; Kenji Takada; do Department of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, Osaka University Dental Hospital, Osaka, Japão. Mostra um protocolo de tratamento de protração maxilar associado a distração osteogênica.

Este artigo descreve o tratamento ortodôntico cirúrgico da hipoplasia maxilar em uma paciente com fissura de lábio e palato com distração osteogênica da maxila com distratores internos maxilar.

O avanço da maxila foi realizado para corrigir o perfil retrusão maxilar e facial de Classe III. O movimento de rotação do segmento da distração foi feito para corrigir a linha média dentária superior. Apesar do avanço da maxila ser insuficiente por causa da quebra inesperada do distrator intra-oral após o término da distração, a tração esquelética com uma máscara facial compensou a escassez.

A melhora estética foi obtida com sucesso e a estabilidade oclusal após o tratamento foram alcançados sem recorrência perceptível após 2 anos de contenção.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

http://www.angle.org/doi/pdf/10.2319/011510-29.1

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Mensuração 3D de alterações tecidos moles peribucais em pacientes portadores de protrusão dentoalveolar após o tratamento ortodôntico usando um scanner de luz estruturada





Neste artigo de 2014 publicado na Anlge Orthodontist, pelos autores Hyo-Won Ahn; Ye-Jin Chang; Kyung-A Kim; Sang-Hwan Joo; Young-Guk Park; Ki-Ho Park; Do Department of Orthodontics, Oral Biology Research Institute, Kyung Hee University School of Dentistry, Seoul, Korea. Mostra a Aplicabilidade da utilização do Scanner 3d na aquisição da imagem e mensuração das alterações faciais em pacientes submetidos a tratamento Ortodontico.

O estudo foi realizado com o intuito de avaliar tridimensionalmente  as  alterações do tecido mole peribucal,  após o tratamento ortodôntico em pacientes com protrusão dentoalveolar, usando scanners baseados em luz estruturados.

Foram avaliados quarenta e quatro adultos coreanos (19 homens e 25 mulheres, 21,4 +- 3,4 anos), com protrusão dentoalveolar tratada com extração dos quatro primeiros pré-molares e, em seguida, submetidos a uma retração em massa com ancoragem máxima. Telerradiografias e escaneamento faciais 3D foram realizados antes do tratamento (T1) e imediatamente após a descolagem (T2). Uma sobreposição foi realizada, e foram identificados 27 pontos de referência periorais. Avaliaram-se as alterações em 3D e os pontos de referência relação do movimento do tecido mole em relação à borda do incisivo.

Os incisivos superiores foram retraídos 5,76 milímetros e os incisivos inferiores foram retraídos 4,62 milímetros. O lábio superior se mudou infero posteriormente, e o lábio inferior movido superoposteriormente. No lábio inferior, movimento ascendente foi maior do que o movimento para trás. As proporções relativas foram de 42%-53% na área do lábio superior e 22%-82% na área do lábio inferior. Os cantos dos lábios movido superoposteriormente. Subnasal movido para baixo e posteriormente, enquanto que os pontos de referência sob as narinas fora movidos posteriormente e para cima.

Os autores concluíram que os scanneres faciais 3D com luz  branca estruturada, avaliaram de forma eficiente o tecido mole perioral em pacientes com protrusão dentoalveolar. Foram observadas o movimento para trás e vertical alem de um movimento significativa do lábio. As áreas nasais e ângulos lábiais mostraram mudanças consideráveis.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist: