ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: 2018

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Efeito da interação entre o braquete e o arco na movimentação dentária anterior em mecânica de deslizamento: Um estudo tridimensional de elementos finitos





Neste artigo de 2012, publicado no Journal of Dental Biomechanics, pelos autores Jun-ya Tominaga, Pao-Chang Chiang, Hiroya Ozaki, Motohiro Tanaka, Yoshiyuki Koga, Christoph Bourauel e Noriaki Yoshida; do School of Dentistry, Rheinische Friedrich-Wilhelms-University Bonn, Bonn, Germany e do Department of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, Nagasaki University Graduate School of Biomedical Sciences, Nagasaki, Japan. Mostra um estudo da biomecânica ortodôntica, que determina o tamanho ideal de um braço de força para retração ortodôntica anterior com auxilio do método dos elementos finitos.

O objetivo deste estudo foi o de avaliar o efeito da ação dos movimento dentário anterior entre o braquete e o arco ortodontico  submetido à força de retração com vários comprimentos de braços de força numa mecânica de deslizamento.

Um estudo tridimensional com o método dos elementos finitos foi utilizado para simular a retração em massa dos dentes anteriores na mecânica de deslizamento. Os deslocamentos do incisivo superior e as deformações do arco ortodôntico foram calculados no momento de aplicação da força de retração.


Quando não ocorria a ativação, o movimento corporal obtido com o braço de força com 5,0 mm de comprimento . No caso de uma ativação, o movimento corporal foi observado com braço de força com 11,0 mm de comprimento.

Numa situação clínica real, a ativação entre braquete / arco ortodontico e a torção do arco no slot do braquete deve ser  levada em consideração para se determinar a distância do braço de força e desta forma, conseguir um movimento  dentário anterior eficaz.

Link do artigo na integra via ncbi:

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Alterações iniciais pós-tratamento das suturas circumaxilares em pacientes jovens tratados com expansão rápida da maxila




Neste artigo publicado em 2011, pela Angle Orthodothist, pelos autores Rosalia Leonardi; Edoardo Sicurezza; Alice Cutrera; Ersilia Barbato; do Department of Orthodontics, School of Dentistry,University of Catania, Catania, Italy e do Department of Orthodontics, School, of Dentistry,University La Sapienza of Rome, Rome, Italy. Mostra um estudo com tomografia computadorizada das alterações na sutura maxilar em pacientes tratados com o protocolo da expansão rápida da maxila.


Este estudo foi realizado para testar a hipótese de que as suturas circumaxilares não mostram o deslocamento ósseo em resposta à terapia da expansão rápida da maxila (ERM).


O grupo era composto de oito pacientes em crescimento (dois do sexo masculino e seis do feminino) com má oclusão Classe I de Angle, mordida cruzada posterior bilateral, deficiência maxilar transversal, abóbada palatina profunda, e apinhamento dentário no início do tratamento. Um expansor Hyrax palatal foi utilizado para cada paciente, e protocolo de ativação necessário o parafuso para ser aberto três vezes por dia (0,25 mm por volta) em uma média de 18 dias para todas as disciplinas. Exames com tomografia computadorizada multislice (TC) foram realizados antes de expansão rápida da maxila (T0 tempo) e novamente no final da fase de expansão ativa (tempo T1), sem retirar o expansor. As medições foram realizadas diretamente sobre a imagem utilizando o programa CT OsiriX Imaging. Os dados foram analisados estatisticamente através do teste de Wilcoxon.


Todas as medidas mostraram um aumento linear entre T0 e T1 e a RME determinou um alargamento da sutura, no entanto, longe das suturas da maxila que apresentaram um menor grau de desarticulação.


A hipótese do estudo foi rejeitada. O tratamento precoce com RME produziu um deslocamento significativo de abertura da sutura óssea circumaxilar. A quantidade de mudanças de pontos depende de diferentes fatores relacionados às particularidades e variaveis entre as diferentes suturas, mostrando que as suturas que se articulam diretamente com a maxila enfrentam uma maior influência pela RME em comparação com aquelas localizadas mais distantes.



Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


terça-feira, 13 de novembro de 2018

Localização do centro de resistência dos dentes anteriores superiores submetidos a retração pelo retrator duplo J ancorado em microparafusos palatinos















Neste artigo de 2010, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Hyoung-Jun Jang; Won-Jong Roh; Bo-Hoon Joo; Ki-Ho Park; Su-Jung Kim; Young-Guk Park; School of Dentistry and Department of Orthodontics, Kyung Hee University, Seoul, Coreia do Sul; Mostra um belo estudo realizado com o método dos elementos finitos, para determinar o posicionamento ideal dos micro parafusos ortodonticos para viabilisar a mecanoterapia de retração ortodontica.


Este estudo foi realizado com o objetivo de localizar o centro de resistência dos seis dentes anteriores superiores retraidos pelo Retrator Duplo J (DJR) e desta forma, encontrar a posição ideal para os microparafusos palatinos.


Modelos de elementos finitos tridimensionais (3D) com 12 dentes e com os dois primeiros pré-molares extraídos. A DJR foi modelada como um elemento em 3D beam. Os mini-implantes foram inseridos sagitalmente entre o segundo pré-molar e primeiro molar, e a posição vertical dos miniparafusos foram estabelecidos em cinco condições: 6, 7, 8, 9 e 10 milímetros apicalmente a partir da linha cervical do primeiro molar. O comprimento do braço de alavanca para retração foi determinada de acordo com a posição do microparafuso, para que a direção da força de retração seja paralela ao plano oclusal maxilar. O método dos elementos finitos 3D foi utilizado para determinar a localização do centro de resistência dos dentes anteriores, visualizando o deslocamento dos dentes e distribuição das tensões.


Os miniparafusos ficaram localizados apicalmente, o estresse se dissipou na região do ápice da raiz e ao osso alveolar adjacente. Os microparafusos localizados apartir dos 8 mm, determinaram a retração do corpo - pois já possibilitava o paralelismo com o DJR.


Neste estudo, o centro de resistência dos seis dentes anteriores superiores retraidos pelo DJR com microparafusos palatal foi estimado em 12,2 milímetros apicalmente a partir da borda incisal do incisivo central.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Estabilidade de mini placas de um sistema de ancoragem Ortodontica no Zigomático









Neste artigo de 2008, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Firdevs Veziroglu; Sina Uckan; Utku Ahmet Ozden; Ayca Arman; do Department of Oral and Maxillofacial Surgery and Department of Orthodontics, School of Dentistry, Baskent University, Ankara, Turquia. Mostra mais um belo estudo através do metodo de elementos finitos para avaliar a estabilidade das min placas ortodonticas no osso zigomático.


Este estudo buscou avaliar as propriedades biomecânicas de uma mini placa Standard com outra de novo design, para sistema de ancoragem ortodôntica.


Um modelo tridimensional da porção posterior da maxila, incluindo o zigomático, foi preparado. Inserção das mini placas standard e novo design, foi simulada num modelo tridimensional. O efeito de 200 g de força ortodôntica na placa, parafusos, e do osso zigomático foi avaliada em modelos tridimensionais através da análise de elementos finitos. Para determinar a distribuição de força, tensão Von Mises, principal máxima e mínima de estresse, e máximo em capital e mínimo valores de deformação elástica foram avaliados.


Em todos os modelos de placas, uma maior tensão ocorreu no local onde a unidade de aplicação de força foi anexada ao osso por parausos.


A alteração da configuração da placa não afetou a distribuição de tensões nas mini-placas com novo design. Para equalizar a distribuição de força, será necessário ser projetada um nova placa para mudar a localização da a unidade de aplicação de força.




Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Tratamento de uma Classe II associada a mordida aberta e um incisivo central superior anquilosado







Neste artigo de 2011, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Dong-Hyun Hwang; Ki-Ho Parkb; Yong-Dae Kwon; Su-Jung Kim; do Department of Orthodontics, Graduaate School, Kyung Hee University, Seoul, Korea e do Department of Oral & Maxillofacial Surgery, Kyung Hee University Dental Hospital, Seoul, Korea. Mostra a aplicação de um sistema de intrusão ancorado em mini implantes e um procedimento de corticotomia para o tracionamento de um incisivo central anquilosado.

Dentes anquilosados em pacientes em crescimento, podem causar incômodos e problemas dentoalveolares, por isso necessitam de cuidados especiais para a realização de uma terapêutica a longo prazo resultados estéticos e funcionais.
A várias modalidades de tratamento para os dentes anquilosados, que incluem a reabilitação após a extração, luxação extrusiva cirúrgica, osteotomia segmentar individual ou a corticotomia e distração osteogênica alveolar.
Este artigo descreve um caso de um menino de 13 anos de idade com mordida aberta anterior complicada por um incisivo central superior anquilosado que foi movimentado pela corticotomia facilitada com tratamento ortodôntico.
CONCLUSÕES

. O paciente em questão tinha mordida aberta induzida por etiologias complexas, como um padrão hiperdivergente esquelético, um dente anquilosado e hábitos anormais (deglutição atípica e respiração bucal). Portanto, vários fatores tiveram que ser considerados ao tratar o paciente.
. A anquilose dentária e a mordida aberta esquelética são difíceis de tratar e os resultados são incertos.
. Corticotomias individuais e aplicação mini parafusos aumentam a eficiência de tratamento para mordida aberta e anquilose dentaria.
Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:
http://www.angle.org/doi/pdf/10.2319/102010-578.1

terça-feira, 2 de outubro de 2018

A Ortodontia perdeu um Icone: Professor Dr William Prtoffit (1936-2018)








A Ortodontia, ficou órfã de um dos seus grandes nomes. Faleceu o Professor Dr. William R. Proffit, nascido em 1936, era natural da Carolina do Norte - Estados Unidos, recebeu seu treinamento odontológico na Universidade da Carolina do Norte, doutorado em fisiologia pela Faculdade de Medicina da Virgínia e mestrado em Ortodontia pela Universidade de Washington. Depois de servir como Pesquisador no Instituto Nacional de Pesquisa Odontologia, ele se juntou ao corpo docente da Universidade de Kentucky em 1965, atuando como o primeiro chefe da cadeira do departamento de ortodontia lá. De 1973 a 1975, foi professor de Ortodontia e chefe da cadeira do departamento de Odontopediatria na Universidade da Flórida.

Desde 1975,  atuou como professor no Departamento de Ortodontia da Faculdade de Odontologia da UNC, e foi chefe de departamento até julho de 2001. Em 1992, ele foi professor Kenan, um professor de destaque na universidade. Ele foi autor do Livro Ortodontia Contemporânea, publicada em diversas edições e em nove idiomas, foi coautor de três livros sobre problemas dentofaciais severos, incluindo o Tratamento Contemporâneo da Deformidade Dentofacial, publicado em 2002.

Outras publicações incluem mais de 180 artigos científicos em revistas cientificas e em mais de 50 capítulos de livros e contribuições convidadas. Ele era um diplomata do American Board of Orthodontics, e lecionou amplamente nos EUA e no exterior. O reconhecimento da pesquisa inclui o Prêmio Norton Ross da American Dental Association pela excelência em pesquisa clínica, o Prêmio Callahan da Ohio Dental Association por realizações de pesquisa e o Prêmio American Journal of Orthodontics Dewel três vezes (com co-autores) pelo melhor trabalho de pesquisa clínica do ano. Ele recebeu o Prêmio Jarabak da AAO por excelência de ensino em 1999, a Associação Meridional de Distúrbios em Ortodontia da Southern Association em 2001, o Meritious Achievement Award da North Carolina Dental Society em 2002 e o Prêmio Ketcham da American Board of Orthodontics em 2005.


Fonte de Biografia:

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Uma forma de determinar a osteotomia cirurgica assistida para expansão rápida da maxila em fenda palatina. Abordagem num modelo de elementos finitos




Neste artigo de 2011, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Pawan Gautam; Linping Zhao; Pravin Patel; do Craniofacial Center,University of Illinois at Chicago, Chicago; Mostra um estudo realizado em simulação com elementos finitos em crânio com procedimentos de cirurgia ortognática.


Este estudo foi realizado com o intuito de avaliar o padrão de estresse no esqueleto craniofacial em um paciente com um deformidade com fissura unilateral do palato secundário e alvéolos em resposta a várias técnicas de cirurgia assistida para expansão rápida da maxila (ERMAC).

Três modelos específicos de crânios de pacientes específicos compósitos foram desenvolvidos para análise em elementos finitos do modelo. Os detalhes do procedimento de modelagem foram descritos na parte I desta série. A análise dos elementos finitos foram realizadas em cada modelo com uma técnica ERMAC especificada, em combinação com RME usando Abaqus (6.7).

A forma ideal de cirurgia para uma ERMAC em pacientes com fissura unilateral com deformidade do palato secundário e alvéolos, seria uma LeFort I, unilateral completa com disjunção do pterigóide em combinação com a divisão palatina, seguido pela osteotomias com secção palatina isolada e dos pilares zigomático.

Uma técnica mais invasiva para ERMAC pode reduzir significativamente o problema. No entanto, este benefício deve ser pesado contra o risco de aumentar as complicações associadas com cirurgias mais extensas. Quando uma técnica cirúrgica mais conservadora é selecionada, é preferível realizar uma divisão palatina mediana ao invés de osteotomias nos pilares zigomáticos, como indicado pela distribuição de tensão-padrão de deslocamento e associados a técnicas de ERMAC diferentes.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Mudanças nas relações oclusais na Dentição mista de pacientes tratados com expansão rápida da maxila



Neste artigo de 2010, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores James A. McNamara, Jr; Lauren M. Sigler; Lorenzo Franchi; Susan S. Guest; Tiziano Baccetti; do Department of Orthodontics and Pediatric Dentistry, School of Dentistry; Center for Human Growth and Development, The University of Michigan, Ann Arbor - USA; Department of Orthodontics, University of Florence, Florence, Italia. Realizaram um estudo com uma boa amostra de pacientes de classe I, II e ponta e ponta (de cúspide)  na fase de dentição mista em que uma parte foi submetida ao protocolo de expansão rapida da maxila.

Este estudo foi realizado de forma prospectiva como o objetivo de medir as mudanças oclusais em pacientes de dentição mista que se submeteram a um protocolo padronizado de expansão precoce.

O tratamento consistiu de amostra de 500 pacientes que foram divididos em três grupos de acordo com a relação molar: Classe I, de ponta e ponta, e Classe II. Todos os pacientes foram tratados com uma expansão rápida maxilar com expansor colado (RME), seguido por uma placa de manutenção removível e um arco transpalatal. A média de idade no início do tratamento foi de 8,8 anos (T1), com um cefalograma pré-tratamento da fase 2 (T2) tomadas 3,7 anos mais tarde. A amostra controle consistiu dos registros cefalométricos de 188 pacientes não tratados (Classe 1; ponta e ponta; Classe II).

A maior mudança na relação molar foi observado no grupo de tratamento da Classe II  (1,8 mm) quando comparado com o grupo controle pareado (0,3 mm). Uma mudança positiva foi observada em 81% do grupo de tratamento de Classe II, com quase metade do grupo de melhoria de  2,0 milímetros. O grupo de tratamento de ponta e ponta teve uma variação positiva de 1,4 mm, em comparação com um valor de controle de 0,6 mm, e os de classe I de 1 mm em comparação com os controles, que permaneceram inalteradas (0,1 mm). Alterações esqueléticas não foram significativas em qualquer um dos grupos que foram comparados com os controles.

Os autores concluiram que o protocolo de expansão teve um efeito significativamente favorável sobre as relações oclusais sagitais da Classe II, de ponta e ponta, e Classe I em pacientes tratados na dentição mista de forma precoce.



Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Avaliação in Vivo 3D Micro-CT dos movimentos dentários após Aplicação de diferentes niveis de força em molares de ratos













Neste artigo de 2009, publicado na Angle Orthodonthist, pelos autores Carmen Gonzalesa; Hitoshi Hotokezakab; Yoshinori Araic; Tadashi Ninomiyad; Junya Tominagaa; Insan Janga; Yuka Hotokezakae; Motohiro Tanakaf; Noriaki Yoshidag; da Nagasaki University, Nagasaki, Japão. Mostram neste estudo interessante mais uma aplicabilidade do metodo dos elementos finitos.


O objetivo do estudo foi investigar longitudinalmente de forma precisa a mudança no ligamento periodontal (PDL), espaço, largura tridimensional do dente com circulação contínua de magnitudes de força em ratos vivos.


Através de molas fechadas níquel-titânio por 28 dias, 10, 25, 50, e 100 gramas com força mesial aplicadas nos primeiros molares superiores esquerdos. Micro-TC (Micro Tomografia Computadoriza) foi feita no mesmo rato em 0, 1, 2, 3, 10, 14 e 28 dias. A largura do PDL foi medido na pressão lados e tensão de 0 a 3 dias. Medições angulares e lineares foram utilizados para avaliar a posição do molar no dia 0, 10, 14 e 28. Um modelo de elementos finitos (FEM), foi construído de modo a avaliar a distribuição inicial estresse, deslocamento molar e centro de rotação do molar.


As avaliações inicialis da lagura do PDL não mostraram diferenças estatísticas entre os diferentes niveis de força. O movimento do dente foi registrado 1 hora após a aplicação força e gradualmente aumentou com o tempo. A partir de dia 10, o maior movimento dentário foi observado quando 10 g de força foi aplicada. O FEM mostraram que o centro de rotação do molar é localizado no centro de cinco raízes, no terço apical das raízes molar.


O movimento do molar nos ratos consistiu principalmente de forças mesial, extrusão de raízes distais, intrusão de raiz mesial, inclinação palatal e rotação mesial. Embora o primeiro movimento dentário após a aplicação de diferentes magnitudes de força até dia 3 não foi notavelmente diferentes, 10 g de força produziram mais movimento dentário comparada com pesadas forças no dia 28.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontics:


segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Pesquisa biomecânica através do metodo de elementos finitos da posição do centro de resistência dos incisivos superiores





Neste artigo de 2007, publicado pelo European Journal of Orthodontics, pelos autores S. Reimann , L . Keilig , A. Jäger and Christoph Bourauel; do Department of Orthodontics, University of Bonn, Alemanha; Mostra mais um estudo da Ortodontia Contemporânea sobre Biomecânica Ortodontica e centro de resistência dos incisivos realizado pelo metodo dos elementos finitos.

A posição do centro de resistência (CR) é um parâmetro essencial em matéria de planeamento de movimentos ortodônticos aplicados ao dente. Na presente pesquisa, o CR combinado dos quatro incisivos superiores foi determinado numericamente usando o método de elementos finitos (FE).

Baseado em informações de três dados dimensionais comercialmente disponíveis do conjunto de uma maxila, incluindo todos os 16 dentes,  bem como conhecer e determinar os parâmetros anteriores do material, modelos  elementos finios FE dos incisivos superiores e as estruturas de apoio e dentes ao seu redor foram gerados.

No sistema de FE, o modelo do segmento anterior  foi carregado com torques de 10 Nmm em cada um dos incisivos. O modelo FE indicou que os incisivos individualmente foram movidos de forma independente, embora fossem bloqueados com um fio de aço de dimensão 0,46 × 0,65 milímetros. Os CRs individuais foram localizados 5 mm na distal e 9 e 12 mm a apical dos braquetes dos centrais e dos laterais.

Assim, a visão clássica de um CR combinado com o segmento anterior foi desmentido e o planejamento dos movimentos ortodônticos dos incisivos superiores deve deixar de ser feita com base nesse conceito.


Link do artigo na integra via EJO Oxfordjournals:

http://ejo.oxfordjournals.org/cgi/reprint/29/3/219

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Correção de incisivos laterais superiores palatinamente deslocados sem o uso de braquetes









Neste artigo de 2013, publicado pelo THE KOREAN JOURNAL of ORTHODONTICS, pelos autores Kyung-Hee, Choi Yoonjung, Lee Minji Kim, Youn-Sic Chun; do Department of Clinical Orthodontics, Graduate School of Clinical Dentistry, Ewha Womans University, Seoul, Korea. Mostra um relato de um caso clinico no qual se realizou um alinhamento ortodontico sem a necessidade de uso de braquetes.

Este artigo descreve o tratamento ortodôntico de uma paciente do sexo feminino, coreana, de 25 anos de idade, com apinhamento anterior, incluindo incisivos laterais palatinamente deslocados. Seu perfil facial era satisfatório, mas foi observado um  apinhamento ântero-superior de 3,5 milímetros. 

Para corrigir este apinhamento, decidiram minimizar a utilização dos aparelhos ortodônticos fixos convencionais e utilizaram um mais aparelho de estético menos volumoso, para aplicar uma força contínua e leve.

Determinou-se as posições finais dos dentes superiores por meio de um modelo de trabalho para a instalação no espaço desejado no diagnóstico, o alinhamento foi realizado com simples Ni-Ti elástico e tubos redondos de aço inoxidável. O alinhamento do dente foi conseguido eficientemente e esteticamente, sem os braquetes convencionais.

Link do artigo na integra via e-KJO:

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Tratamento com extração incomum de uma Classe II divisão 1, usando mini-implantes-C ortodônticos

Neste artigo de 2007, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Kyu-Rhim Chung; Jae-Hee Cho; Seong-Hun Kim; Yoon-Ah Kook; Mauro Cozzani; do Department of Orthodontics, The Catholic University of Korea, Seoul, South Korea, Department of Orthodontics, University of Ferrara, LaSpezia, Italy. Mostra a utilização do C-Implant como recurso de ancoragem num tratamento com uma biomecãnica diferenciada.



 Este artigo descreve o tratamento de uma paciente do sexo feminino, com idade de 23 anos e 5 meses, com uma  má oclusão de Classe II divisão 1, que mostrou protusão anterior severa e apinhamento anterior. 


Mini-Implantes ortodonticos especialmente desenhados foram colocados bilateralmente no espaço interdental entre ambos os dentes na parte superior e  inferior posteriores. Os dois primeiros molares mostraram graves lesões apicais. Portanto, o plano de tratamento consistiu de extração de ambos os primeiros pré-molares superiores e  primeiros molares inferiores, retração em massa dos seis dentes anteriores superiores, menor alinhamento anterior e protração de todos os molares inferiores. 



Os C-implantes foram usados ​​como substitutos dos dentes superiores posteriores de ancoragem durante a retração anterior e como ganchos para protração molar inferior. A sobremordida e overjet ideais foram obtidas através da intrusão e retração dos seis dentes anteriores superiores para suas posições corretas. 


A dentição foi corrigda usando aparelhos ortodônticos convencionais. A parte superior de C-implantes contribuiu para uma melhoria em equilíbrio facial, e os C-implantes permitiram corrigir os segundo e terceiros molares inferiores com menos efeito sobre o eixo dos dentes anteriores inferiores. 



O período de tratamento ativo foi de 29 meses, e os dentes do paciente continuaram estáveis após 11 meses da finalização.



Link do artigo na Integra via Angle Orthodontist: 

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Controle dos incisivos inferiores com o Herbst combinado e totalmente personalizado para um aparelho lingual - um estudo piloto


Neste artigo de 2010, publicado pelo Wiechmann et al. Head & Face Medicine, pelos autores Dirk Wiechmann, Rainer Schwestka-Polly, Hans Pancherz, Ariane Hohoff; do Department of Orthodontics, Westfälische Wilhelms-Universität Münster - Alemanha. Mostra um estudo feito com auxilio dos modelos digitais do efeito do Herbst associado ao aparelho lingual Incognito sobre o posicionamento final dos incisivos inferiores.

O aparelho Herbst induz a tradicional vestibularização dos incisivos inferiores independente do sistema de ancoragem utilizado. Os efeitos do Herbst como elemento auxiliar de um aparelho lingual totalmente personalizado (LO) Incognito (3 M) não foi analisada e ainda. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito sobre a vestibularização so incisivo inferior utilizando este dispositivo de Herbst-LO.

Estudo retrospectivo. Os critérios de inclusão: a) Classe II ≥ 5 mm relação molar, b) Herbst ≥ 9 meses no local e, c) terminaram o tratamento ativo. posição do incisivo foi medido em modelos digitais antes do tratamento, sobre a configuração de destino digital e em modelos digitais modelos obtidos no dia da descolagem. Todas as medições foram realizadas pelo mesmo pesquisador.

Doze pacientes (8 mulheres, 4 homens) dos 632 casos tratados com o aparelho lingual foram incluídos no estudo. A medição do erro foi calculada com a fórmula de Dahlberg's que foi de 0,2 °. Em sete casos havia sido planejado (Configuração da meta) verticalização dos incisivos inferiores (CCR), e cinco casos vestibularização (sentido horário). Não houve diferença estatística (p 0.05) between planned incisor rotations of the target setup and" style="background-color: rgb(255, 255, 255); ">> 0,05) entre as rotações incisivo prevista da instalação de destino e alcançado rotações incisivo no dia do descolamento. A média geral de diferença foi de 2,2 ° ± 1,0 °.

Os autores concluiram que a combinação Incognito-Herbst é o primeiro conjunto  com Herbst que promove total controle sobre o movimento incisivo. Usando este sistema, a perda de ancoragem ou o ganho de fixação é independente do tratamento com o Herbst.

Ele depende apenas da posição dos dentes planejada do destino individual instalação.


Link do artigo na integra via head-face-med:

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Tratamento com camuflagem da má oclusão de Classe III esquelética, com o arcof multiloop modificado com elásticos Classe III em mini-implantes de ancoragem na região maxilar



Neste artigo de 2013, na Angle Orthodontist, pelos autores Shushu He; Jinhui Gao; Peter Wamalwa; Yunji Wang; Shujuan Zou; Song Chen; do Department of Orthodontics, West China School of Stomatology, Sichuan University, Chengdu, China, Department of Stomatology, Shunyi Hospital, Beijing, China, Primary Health Department, Latrobe Community Health Service, Victoria, Australia, DepartmentofOrthodontics,Chongq- ing Stomatology Hospital, Chongqing Medical University, Chongqing, China, State Key Laboratory of Oral Disease, Depart- ment of Orthodontics, West China School of Stomatology, Sichuan University, Chengdu, China. Mostra um estudo clinico com uma mudança de protocolo no tratamento com o arco MEAW associados a mini-implantes ortodonticos.

O estudo foi realizado com o intuito de avaliar o efeito da técnica de fio multiloop edgewise arch (MEAW) com mini-implantes maxilares no tratamento de camuflagem da Classe III esquelética.

Vinte pacientes foram tratados com a técnica MEAW e modificada com elásticos de Classe III fixados em mini-implantes maxilares. Vinte e quatro pacientes foram tratados com MEAW e elásticos longos Classe III fixados nos segundos molares superiores como controle. Telerradiografias laterais foram realizadas e analisadas antes e após o tratamento, e após 1 ano de contenção.

Uma oclusão satisfatória foi conseguida em ambos os grupos. Através da análise dos componentes principais, poderam concluir que a posição ântero-posterior dental, posição sagital e vertical esquelética e posição vertical do molar superior mudou dentro dos grupos e entre os grupos, a posição vertical dos dentes inferiores e a distância Wits  mudou no grupo experimental e entre os grupos. No grupo experimental, os incisivos inferiores inclinaram para lingual 2,7 milímetros e 2,4 milímetros extruidos. A inclinação lingual dos incisivos inferiores aumentou 3.5 graus. Os primeiros molares inferiores inclinaram para distal 9.1graus e intruiram 0,4 milímetros. Os caninos moveram 3,4 milímetros distalmente. No grupo controle, os incisivos superiores vestibularizaram 3 graus, e os primeiros molares superiores extruiram  2 mm. SN-MP aumentaram 1.6 graus e S-Go/N- ME diminuiu 1.

Os autores concluiram que a técnica MEAW modificada combinada com  elásticos Classe III fixados em mini-implantes maxilares pode efetivamente provocar o movimento distal dos molares inferiores, sem qualquer extrusão e os movimentos dos incisivos inferiores para lingual com extrusão para camuflar as má oclusões esqueléticas de Classe III. Rotação no sentido horário da protrusão da mandíbula e ainda dos incisivos superiores podem ser evitados. A técnica MEAW modificado com elásticos Classe III,  pode ser uma estratégia de tratamento adequado, especialmente para pacientes com  ângulo alto (Vertical) e tendência a mordida aberta.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 30 de julho de 2018

A precisão da mensuração com uma nova técnica radiográfica panorâmica dental baseada em tomossíntese


Noriyuki Kitai; Yousuke Mukai; Manabu Murabayashi; Atsushi Kawabata; Kaei Washino; Masato Matsuoka; Ichirou Shimizu; Akitoshi Katsumata

Department of Orthodontics, School of Dentistry, Asahi University, Gifu, Japan.

Angle Orthod. 2013; 83: 117-126





As radiografias panorâmicas, que permitem uma visão geral das estruturas dentoalveolares com baixo custo e relativamente com baixa exposição, são bastante usadas na clínica e pesquisa dentro da odontologia. As maiores desvantagens desta técnica de imagem são ditas como a irregularidade da distorsão, inconstância da magnificação e por apresentar uma camada fina de imagem.


Nos últimos anos, a tomografia computadorizada (TC) tem sido amplamente utilizado no campo das ciências da saúde. No entanto, a TC pode ser desnecessário dependendo da finalidade de um exame individual.  A metodologia de tomosíntese tem sido considerada como uma alternativa para a CT para optimização da exposição. 

Tomosíntese (cunhado a partir de uma combinação das palavras "tomografia" e "síntese'') é uma tecnologia que reconstrói os cortes tomográficos em qualquer plano desejado. Tomosíntese tem sido aplicada nas radiografias na região dentária. Pode resolver as desvantagens da radiografia panorâmica e fazer imagens desfocadas tornarem-se mais clara. 



No entanto, os detectores, que podem adquirir dados a alta velocidade, não têm estado disponíveis. Como resultado, a radiografia panorâmica usando tomosíntese não tem sido utilizado na prática clínica. Um novo detector semicondutor foi desenvolvido e está agora disponível para a radiografia panorâmica. As radiografias feitas usando a tecnologia tomossíntese mostram pouca ou nenhuma distorção de imagens. Imagens tridimensionais panorâmicas (3D) podem ser obtidas usando uma técnica de mapeamento de imagem. 

A nova radiografia panorâmica é adequado para medições quantitativas, incluindo componentes 3D. Como o material tem uma camada de imagem maior do que a radiografia panorâmica convencional, antecipa-se que o posicionamento da cabeça do paciente terá pouca influência sobre as medições. A fim de avaliar a utilidade clínica da nova tecnologia, um novo equipamento radiográfico panorâmico dentário (QRmaster-P, Telesytems Co Ltd, Osaka, Japão) usado neste estudo para determinar a magnitude dos erros de medição e para investigar a influência de diferentes posições da cabeça do paciente.

Portanto, o objetivo do presente estudo foi investigar os erros de medição e os efeitos de posicionamento da cabeça em medições feitas com equipamentos novos radiografia panorâmica dental que envolve o uso de tecnologia de tomossíntese.



CONCLUSÕES
 Os erros de medição em radiografias feitas utilizando o novo equipamento de radiografia panorâmica dental eram pequenos em qualquer direção.

  Em posições de deslocamento da cabeça de 4 mm,  não teve efeito sobre as medidas de uma variedade de dimensões.

  Em posições de deslocamento da cabeça de 12 mm, as medições de dimensões verticais foram pouco afetados pelo posicionamento da cabeça, enquanto os de dimensões laterais e ântero-posterior foram fortemente afetados.


Para o artigo na íntegra, clique aqui.