ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Dezembro 2016

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

10 motivos para você vir para a Academia da Ortodontia Contemporânea



Top 10 (a maioria vem pelo 7)
Fizemos uma lista com 10 razões para você vir:

1. Todos os temas em um único curso (Ortognática, ancoragem esquelética, autoligados, biomecânica, alinhadores, ortodontia lingual...)

2. Fazemos oficinas práticas laboratoriais para melhor sedimentação do aprendizado. 

3. Apesar de termos 26 grandes professores reconhecidos internacionalmente, cada um fica um dia inteiro com você. Não é um congresso (palestra), é um curso completo com cada professor. 

4. Os Professores são oriundos das mais diversas escolas filosóficas da ortodontia Brasileira. Isso assegura que você não terá um direcionamento para uma técnica. São todas as melhores formas de fazer para você decidir a que melhor se adequa a sua realidade clínica. 

5. Grandes ídolos, autores de livros e todos famosos. Os professores do curso ficarão frente-a-frente com você por 8h, cada um. A tietagem sempre acontece com sessão de fotos. 

6. A Academia da Ortodontia Contemporânea fica em Salvador, na Bahia. Aproveitando a vocação natural do estado para férias, temos vários voos diários vindos de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro além da melhor acomodação e receptividade para que você possa evoluir com conforto. 

7. A turma é composta por apenas 25 Ortodontistas. Exigir a comprovação da especialidade nos assegura um alto nível dos participantes, que vem de vários estados do país e de outros países também. O ambiente descontraído nos faz trocar experiências incríveis com os colegas. 

8. As aulas são de dois em dois meses, e sempre de quarta a sábado. Isso nos possibilita trabalhar ajustar a agenda sem prejuízos no consultório. Da até para ficar no domingo para relaxar.

9. Uma coletânea de material didático é oferecida aos alunos. Reunimos várias apostilas, slides, artigos e material cedido pelos professores e compilamos tudo em um pendrive. 

10. O curso é coordenado por Ortodontistas como você. Tudo é feito entendendo as suas necessidades e o que você quer. Fique seguro: Você vai adorar estar conosco!

Inscreva-se agora. 

http://ortodontiacontemporanea-academia.com/curso.php?cod=37


Academia da Ortodontia Contemporânea Rua Frederico Simões, 477, Edf. CEO - Caminho das Árvores

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Análise da retração palatina em massa associada a um retrator C-lingual em uma mini-placa palatal




Neste artigo de 2011, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Jun-Shik Kim; Seong-Hun Kim; Yoon-Ah Kook; Kyu-Rhim Chung; Gerald Nelson; do  Department of Orthodontics, College of Dentistry, Kyung Hee University, Seoul, Korea; Division of Orthodontics, The Catholic University of Korea, Seoul, Korea; Department of Orofacial Science, Division of Orthodontics, The University of California San Francisco, San Francisco, California.

Este estudo foi realizado com o objetivo de analisar os resultados do emprego  de dispositivos palatinos temporários de ancoragem esquelética (TSADs) como fonte exclusiva de ancoragem para retração em massa dos dentes antero superiores.

A pesquisa clínica retrospectiva foi embasada por relatos de casos preliminares, sendo realizada comparando radiografias cefalométricas pré-tratamento com as tomadas pós retração em massa dos seis dentes anteriores. A amostra consistiu de 35 pacientes pós crescimento, com uma idade média de 22,9 anos. O período de retração média foi de 10 meses (variação de 6-15 meses).  Um total de 35 placas C-palatais  (C-plates) foram utilizadas como a única fonte de ancoragem para retração anterior superior com o afastador C-lingual (C-retractor), eliminando assim a necessidade de acessórios colados ou  bandados em dentes de ancoragem. As telerradiografias foram analisadas e as diferenças das variávies entre pré e pós retração, incluíam relações de tecido esquelético, dentário, e mole.

Foi alcançada uma significativa retração de incisivos e caninos  em todos os pacientes, e os dentes superiores posteriores não mostraram movimentação mesial significativa  durante o período de retração. De acordo com o comprimento do braço de alavanca do C-retractor, o movimento dos dentes mostraram diferentes direções.

Os autores concluiram que a retração em massa dos seis dentes anteriores ocorreu com um bom torque e controle de intrusão eficaz  usando TSADs palatais como a única fonte de ancoragem.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

http://www.angle.org/doi/pdf/10.2319/100110-574.1

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

08 Anos do BLOG Ortodontia Contemporânea


E tudo começou assim....





Visitantes de 166 Países, 5836 cidades dos 5 Continentes do globo.... Aqui no Brasil, visita de colegas de todos os estados e do distrito federal !!!









Fonte: Google Analytics 






Mais de 2.300.000 Visualizações !!!



Mais de 23.000 na FanPage do Facebook !!!



Mais de 38.000 Visualizações no Youtube!!!



quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Coluna OrtoTecnologia - Slot 0,018" ou 0,022": por que existem duas opções? Um guia para a escolha




Foi publicada mais uma coluna OrtoTecnologia na Revista OrtodontiaSpo da Sociedade Paulista de Ortodontia. Que abordou a questão da variação da dimensão dos Slots de Braquetes disponíveis comercialmente para aplicação clinica. Qual melhor opção o 0.018"ou 0.022"?  


Os primeiros braquetes Edgewise eram utilizados com fios de ouro e concebidos com o slot de 0,022" de altura, para que apresentassem rigidez suficiente. Com a substituição do ouro pelo aço inoxidável, mais barato e mais rígido, foi proposta a redução do slot para 0,018". As duas diferentes dimensões de braquetes são utilizadas na Ortodontia contemporânea e muitos ortodontistas clínicos desconhecem suas vantagens. O objetivo deste artigo foi apresentar, baseando-se na literatura ortodôntica, as principais características influenciadas pelo tamanho do slot dos braquetes e compilar os dados para direcionar o ortodontista na escolha do braquete que melhor atenda às suas necessidades clínicas.



Link da Revista OrtodontiaSPO:

http://www.ortociencia.com.br/Artigo/Index/22239

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Avaliação da assimetria mandibular em pacientes portadores de mordida cruzada posterior unilateral e bilateral utilizando tomografia computadorizada cone-beam






Neste artigo de 2011, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Ilknur Veli; Tancan Uysal; Torun Ozer; Faruk Izzet Ucar; Murat Eruz do Department of Orthodontics, Faculty of Dentistry, Dicle University, Diyarbakir, Turkey; DepartmentofOrthodontics,Facultyof Dentistry, Izmir Katip Celebi University, Izmir, Turkey; Department of Pediatric Dentistry and Orthodontics, College of Dentistry, King Saud University, Riyadh, Saudi Arabia ; Mostra um estudo realizado com reconstrução anatomica 3d para avaliação da assimetria mandibular.

Este estudo foi realizado com intuito de testar as hipóteses: (1) De que não há diferença na assimetria mandibular entre o lado da mordida cruzada e com o lado norma em um grupo de mordida cruzada unilateral (UCG) e entre os lados direito e esquerdo em um grupo de mordida cruzada bilateral (BCG) e um grupo controle (CG ) e (2) Que não há diferença significativa na assimetria mandibular entre os grupos de mordida cruzada e o grupo controle.

As tomografias computadorizadas cone-beam  de três grupos foram estudadas: (1) 15 pacientes (6 do sexo masculino, 9 do sexo feminino, com idade média: 13,51 +- 2,03 anos) com mordida cruzada posterior unilateral; (2) 15 pacientes (8 do sexo masculino , 7 do sexo feminino, com idade média: 13,36 +- 2,12 anos) com mordida cruzada posterior bilateral, e (3) 15 pacientes (8 do sexo masculino, 7 feminino, com idade média: 13,46+- 1,53 anos) como grupo controle. Quatorze parâmetros (oito lineares, três de superfície, e três volumétricos) foram medidos. Comparações dos lados foram analisados nas amostras com teste t pareado, e para a comparação entre os grupos, a análise de variância (ANOVA) e teste de Tukey foram usados ​​no nível P< 0,05.

De acordo com as comparações dos lados, não houve diferença estatisticamente significativa  encontrada na UCG. Houve diferenças estatisticamente significativas na hemi mandibula (P = 0,008) e ramo (P = 004) volumes para a BCG e em altura do ramo (P = 0,024) e comprimento do corpo (P = 0,021) para o CG. Comparações intergrupos revelou diferenças significativas na  hemi mandibula (P= 0,002) e volume corporal (P< 0,001) para o lado normal em relação aos lados UCG  e deixou os outros grupos, e em unidade de comprimento angular (P = .025) e largura condilar  (P = .007) para o lado da mordida cruzada UCG e os lados direito dos outros grupos.

Conclusões dos Autores: 

Ao contrário da UCG, nos grupos CG e BCG foram encontrados para assimetria lateral-especifica. Componentes esqueléticos da mandíbula tiveram uma assimetria significativa entre os grupos mordida cruzada e o CG.


Link do artigo na Integra via Angle Orthodontist: