ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: 2015

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Feliz Natal

Amigos Ortodontistas,

Celebramos juntos mais um final de ano. Gostaríamos de oferecer os nossos mais sinceros votos de prosperidade e felicidade para todos os colegas que tem tornado a Ortodontia Contemporânea esse importante ponto de convergência de técnicas e filosofias ortodônticas. Que em cada um dos acessos ao nosso site, você tenha aprendido, se inspirado ou até mesmo apenas sonhado com uma carreira melhor e mais prazerosa. Esse sempre foi o nosso sonho e pretendemos contagiar você.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Academia turma 2016




Vem gente de todo lugar.

O maior programa de treinamento para o ortodontista contemporâneo. Professores das maiores escolas de ortodontia do Brasil (UNESP, USP, UFRJ, etc...) e também da Baylor College of Dentistry no Texas, além dos mais badalados clínicos do país. Todos os temas em um único lugar.


Você pode visualizar o video de apresentação do programa clicando aqui.
Se preferir em espanhol, veja o video de um aluno do Paraguai que fala sobre o que representa este programa para a Ortodontia atual, clicando aqui.
Acesse nosso site e saiba todas as informações desde programa de evolução de carreira para o ortodotista.
www.ortodontiacontemporanea-academia.com

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Tratamento do primeiro, segundo e terceiro molares inferiores unilateralmente impactados









Neste artigo de 2012, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Po-Sung Fu; Jen-Chyan Wang; Cheng-Hwei Chen; Ta-Ko Huang; Chin-Huang Tseng; Chun-Cheng Hung; da School of Dentistry, College of Dental Medicine, Kaohsiung Medical University, Kaohsiung, Taiwan; Mostra um tratamento de tracionamento dos três molares de um hemi-arco inferior que encontravam-se bem impactados.

Impactações simultâneas do primeiro, segundo e terceiro molares permanentes compreende uma situação muito rara na clínica com diversas abordagens terapêuticas e é sempre um desafio difícil para cirurgiões-dentistas. 

O diagnóstico precoce e tratamento de distúrbios da erupção contribui para resultados ótimosEste artigo relata o tratamento de uma adolescente com grave impactação de primeiros , segundo e terceiro molares inferiores, o que dificulta a função mastigatória e integridade arcada dentária. 

Um processo de tomada de decisão e uma técnica ortodôntica simples foram descritas. Para encurtar o tempo de tratamento e simplificar os procedimentos, o terceiro molare inferior direito impactado  e o segundo foram verticalizados ortodonticamente com um cantilever back-inovador. Posteriormente, o primeiro molar inferior direito impactado profundamente  foi extraído. 

A abordagem cirúrgica-ortodôntica combinada resolveu um problema clinico desafiador e eliminou a necessidade de prótese ou implante dentário para substituição dos molares impactados. A boa oclusão, a função normal, e um periodonto saudável do paciente foram também alcançados.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Entrevista Doutora Julia Harfin - Parte 01


Com muita honra irei dividir com vocês mais uma valiosa entrevista, com um dos grandes nomes da Ortodontia Contemporânea Mundial, a Doutora Julia Harfin, professora titular da Faculdade de Odontologia da Universidade Maimónides e presidente da Associação Latino-americana de Ortodontia, autora de livros e artigos, tem seus estudos fundamentados em pacientes adultos a mais de 37 anos, pacientes com comprometimento Periodontal e atualmente vem trabalhando com um novo livro de Ortodonta Lingual. Ela prontamente aceitou dividir seus conheçimentos conosco. Espero que gostem e aproveitem.




1) Marlos Loiola - Olá Dra. Julia Harfin, gostaria de saber um pouco sobre sua formação acadêmica, quando e onde se formou, pós-graduação, onde ensinou, realizou pesquisas, livros e capítulos publicados.


Drª. Julia Harfin - Terminei meus estudos na Universidade de Buenos Aires. Durante os anos seguintes trabalhei como pesquisadora em tempo integral no Departamento de Fisiologia, O título da minha tese foi: Regulamentação hormonal e nervosa das glândulas submandibulares. Dr. Alberto Houssay, filho do nosso primeiro Prêmio Nobel foi o meu diretor. Esta tese foi homenageada com uma medalha de ouro "Professor Imaz Award" como a melhor tese dos últimos 10 anos.


Até agora eu tenho 3 livros publicados: 2 relacionadas com a Adultos e Ortodontia (1999 e 2005) e a última sobre a ortodontia lingual (2009). Editoria Médica Panamericana.


Também escrevi 10 capítulos em diferentes livros e proferi mais de 200 palestras em todo o mundo. Além de ser Presidente e Diretor do Programa pois-graduação da Ortodontia da Universidade Maimónides.




2) Marlos Loiola - Temos um levantamento histórico no BLOG, da vida de muitos autores relacionados à ortodontia e observamos que todos eles se espelharam ou seguiram exemplos e ensinamentos de grandes mestres que os precederam, gostaria de saber se doutora teve algum ou alguns autores que serviram como referência na escolha de sua especialidade?


Drª. Julia Harfin - Claro que eu tive alguns professores que tiveram um impacto importante na minha carreira, foram Professor Dr. Jorge Romanelli (Periodontia e Reabilitação Oral) e Dr. Rodolfo Lopez Otero em Ortodontia.




3) Marlos Loiola - Atualmente, muitos estudos mostram a eficiência inegável dos mini-implantes ortodônticos, utilizados em diversas situações. De acordo com sua experiência e estudos, em que situações devemos ser mais cautelosos no uso desses dispositivos?

Drª. Julia Harfin - Os mini-implantes têm tido um papel importante na ortodontia moderna, mas estes dispositivos tem que ser usado com um protocolo rigoroso para evitar resultados indesejados.




4) Marlos Loiola - Seus tratamentos e artigos mais recentes tem um foco de tratamento oferecido aos pacientes adultos, aqui no Brasil, esses pacientes são cada vez mais presentes no nosso consultório. Quais são cuidados devemos ter com estes pacientes?


Drª. Julia Harfin - Eu comecei a tratar pacientes adultos, em 1972. Agora, com 37 anos de experiência, posso confirmar que todos os tipos de pacientes adultos podem ser tratados ortodonticamente. A única condição para ter em conta é que todos estes pacientes têm que ter inserção periodontal saudável.




5) Marlos Loiola - Gostaria que a doutora nos fale quais são os procedimentos de especial atenção no tratamento ortodôntico em pacientes adultos e com necessidade de cuidados de procedimentos periodontais.

Drª. Julia Harfin - Pacientes com redução de inserção periodontal saudável, precisa de um plano de tratamento realista, não idealista. Alguns objetivos idealistas são impossíveis de conseguir em pacientes adultos sem dentes posteriores ou com prótese fixa ou implantes.




6) Marlos Loiola - Pacientes adultos do sexo feminino com problemas periodontais, possui limitações ou risco do tratamento ortodôntico na menopausa ou com história de osteoporose?


Drª. Julia Harfin - Pacientes adultos do sexo feminino não possui grandes limitações e riscos do tratamento ortodôntico na menopausa. A quantidade de inserção periodontal é a questão mais importante. No caso de um paciente com histórico de osteoporose é diferente, especialmente quando vem tomando bifosfonatos por um longo período de tempo.


Existem alguns artigos que confirmam a relação entre os bifosfonatos, Osteoporose e osteonecrose. Alguns autores recomendam evitar extrações quando é possível.


Eu não tive problemas e é importante tratar estes pacientes, mas nós temos que usar as forças muito leves, ativando durante longos períodos de tempo. Dr Rinchuse sugere que os pacientes que tomem bifosfonatos têm que assinar um termo de consentimento.




7) Marlos Loiola - Sabemos que é muito importante o tratamento periodontal em pacientes com problemas diagnosticados. Durante a programação do tratamento ortodôntico com que periodicidade o paciente deve procurar o periodontista? Existe um protocolo de atendimento que a doutora segue com este tipo de paciente?


Drª. Julia Harfin -Todos os pacientes têm diferentes protocolos de acordo com seu diagnóstico, e plano de tratamento, Alguns pacientes têm de ir para a periodontia a cada 3 meses, outros a cada dois meses ou a cada 2 semanas para o seu estado anterior periodontal.


Ao mesmo tempo, o ortodontista tem que controlar o estado gengival periodontal e têm de reforçar os procedimentos de higiene bucal em cada visita.




Link da clinica da Doutora Julia Harfin:


Entrevista Doutora Julia Harfin - Parte 02


Dando continuidade, segue abaixo a ultima parte da entrevista que a Doutora Julia Harfin deu a Blog Ortodontia Contemporânea.


8) Dr. Marlos Loiola - O paciente com perda de suporte ósseo precisa de força ortodôntica moderada. Que tipos de fio de escolha nestes casos? O que evitar? Com a perda do apoio ósseo ocorre alteração do centro de resistência do dente. Que cuidados devem ser tomados com relação à posição dos braquetes destes dentes ou dobras em fios?


Drª. Julia Harfin - Usamos forças muito leves em todos os pacientes com perda de suporte ósseo. Não há um fio específico para todos eles. O tamanho dos fios depende do tamanho do slot do braquete.


Mas há algumas recomendações a ter em conta:


A) Fios TMA apresentam 50% da força em comparação com o mesmo tamanho dos fios aço iox.


B) Fios retangulares turbo (0,017 "x 0,025") funcionam como um fio 0,014 "fios de NiTi. Este fio é muito útil, Porque como um fio retangular pode manter o torque e ao mesmo tempo proporciona muito pouca força.


Em geral nós não mudarmos a posição dos braquetes. A chave para o tratamento ortodôntico de sucesso é o acompanhamento de suporte preciso.

9) Dr. Marlos Loiola - Ao ler seus artigos, percebi que a doutora trabalha muito com braquetes estéticos, é uma ótima maneira de motivar o paciente adulto. Mas e o atrito gerado por estes materiais no tratamento em pacientes periodontalmente envolvidos? Que cuidados devem ser tomados com este tipo de tratamento?


Drª. Julia Harfin - Normalmente, eu trabalho com braquetes estéticos, não só nos adultos mas também em adolescentes. Eu prefiro usar braquetes de policarbonato estético com slot metálico para diminuir o atrito e não há grandes problemas com este protocolo.




10) Dr. Marlos Loiola - Pacientes adultos com perda de vários dentes as vezes requerem tratamento ortodôntico anterior a reabilitação oralprotética. Este tratamento são muitas vezes limitados ao alinhamento e nivelamento, é difícil alcançar as chaves de oclusão ideal. A estabilidade do tratamento só será alcançada com a prótese ou com o uso de contenções por tempo indeterminado?


Drª. Julia Harfin - Infelizmente, cada paciente tem um tratamento completamente diferente e plano de contenção de acordo com o número de dentes, a quantidade e a qualidade da inserção periodontal, o tipo de prótese fixa ou removível, etc.


Estabilidade a longo prazo está relacionada a uma série complexa de situações e em todos estes pacientes o plano de tratamento realista é mais importante do plano de tratamento idealista. É impossível tratar todos os pacientes com o mesmo protocolo que todos eles são diferentes.




11) Dr. Marlos Loiola - O Tratamento Multidisciplinar atualmente é o principal foco dos autores da Ortodontia contemporânea. Hoje e no futuro, os ortodontistas terão sair mais dos seus consultórios e terão de interagir com seus colegas de diversas especialidades, e em grupo integrado poder alcançar um objetivo comum, o bem-estar dos seus pacientes. O que Dra. Julia Harfin, pensa da odontologia multidisciplinar, focada principalmente nos pacientes adultos?


Drª. Julia Harfin - Quando você está tratando pacientes adulto, você tem que trabalhar com uma equipe multidisciplinar. Em nosso programa na Universidade Maimónides os alunos foram ensinados a tratar todos os tipos de pacientes com problemas periodontais, falta de dentes, os pacientes flap, etc, com a colaboração de uma equipe multidisciplinar.




12) Dr.Marlos Loiola - Os métodos de diagnóstico baseado em CT cone bean, é um recurso de diagnóstico por imagem mais preciso. Além de ajudar no diagnóstico e no planejamento do tratamento de dentes inclusos como os caninos. Existe alguma aplicação em pacientes com perda óssea ou perda de dentes entre adultos?


Drª. Julia Harfin - Ninguém pode negar que a tomografia computadorizada de feixe cônico é o futuro. Com o passar do tempo será mais barato e podemos recomendá-lo em todos os nossos pacientes para obter um diagnóstico mais eficaz e seguro.




13) Dr. Marlos Loiola - Há alguns limites ortodônticos. O seio maxilar é um obstáculo a ser considerado, especialmente nos casos de retração? Não vejo muitos artigos publicados sobre este assunto. Sua migração ocorre principalmente nos casos de perda dos primeiros molares superiores. A doutora considera que este é um problema? Como proceder nestes casos?

Drª. Julia Harfin - Não é um problema real. Se mover o dente com uma força baixa e contínua, o dente é movido com osso e os seios maxilares são remodelados nesta área.




14) Dr. Marlos Loiola - Muitos artigos mostram o uso de mini-implantes para intrusão ortodôntica molares superiores para promover o fechamento da mordida aberta. Com base em seus estudos e experiência, este procedimento pode ser instável no longo prazo? Que precauções devem ser tomadas para a estabilidade a longo prazo?


Drª. Julia Harfin - Até agora não há nenhuma evidência científica sobre a forma como os músculos reagem após a intrusão de molares com mini-implantes para corrigir mordidas abertas. Eu não tive uma experiência tem longa com mini-implantes Precisamos de no mínimo 10 anos pós-tratamento de controles para avaliar os resultados reais.




15) Dr.Marlos Loiola - Quando a dra. Julia Harfin irá retornar para o Brasil? Quais são os temas estão sendo estudados pela Dra.?


Drª. Julia Harfin - Em 2010 vou voltar duas vezes.
Estou realizando vários novos estudos.


A) Um novo protocolo para o tratamento de pacientes com graves problemas periodontais, ortodonticamente


B) Os diferentes tipos de movimentos em doentes que tomam bifosfonatos por mais de 4 anos


C) Diferentes protocolos para o tratamento de pacientes flap uni e bilateral


D) Vários protocolos para o tratamento de crianças e adolescentes com ortodontia lingual




16) Dr.Marlos Loiola - Sua mensagem final para os leitores do BLOG.


Drª.Julia Harfin - Minha mensagem é: temos de continuar a estudar, pois a ortodontia está em constante evolução e temos que estar preparados para gerir estas mudanças.


É importante não acreditar que um único tipo de braquete pode ser usado e sim determinados de acordo com diagnóstico e plano de tratamento.


Não é só tipo de braquete pode mover um dente, e sim os tipos diferentes de fios, e suas ligas que são os responsáveis pelo movimento.

Link site da Doutora Julia Harfin:

http://www.drajuliaharfin.com.ar/

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Estabilidade dos mini-implantes de ancoragem Ortodontica conectados a miniplacas esqueléticas






Neste artigo de 2008, publicado pelo European Journal of Orthodontics; pelos autores Michael T. C. Leung , A. Bakr M. Rabie and Ricky W. K. Wong; da Faculty of Dentistry, The University of Hong Kong, SAR, China. Mostra um estudo laboratorial com mini implantes e mini placas Ortodonticas.


O objetivo deste estudo foi analisar a estabilidade primária dos mini-implantes ligados a miniplacas. Três diferentes sistemas de fixação esquelética foram investigadas: (1) com diâmetro de 1,5 milímetros com mini-implantes cilíndrico conectados com fio deaço 0,021 × 0,025 polegadas inoxidável (SS fio), (2) 1,6 milímetros com mini-implantes cônicos de diâmetros ligados com um fio SS 0,021 × 0,025 polegadas, e (3) diâmetro 2,0 milímetros com mini-implantes cilíndricos ligados por um bloqueio de miniplacas de titânio.


Quinze bases ósseas padronizadas bovina foram preparados, cinco espécimes para cada grupo experimental. Os mini-implantes conectados foram fixados sobre as amostras de osso. Os sistemas foram submetidos a tração uniaxial com ensaios no ponto médio do fio de conexão ou na miniplaca usando uma máquina de ensaios mecânicos. Uma análise de variância foi utilizada para determinar a diferença entre o "pull-out" e ous resultados dos testes entre os Grupos foram analisados.


Ambas miniplacas de titânio e sistemas de conexão de fios SS  mostraram deformação grave na cabeça do parafuso, que quebrou antes dos mini-implantes soltarem. O sistema miniplaca 2,0 mm apresentaram a maior vigor na retirada (529 N), em comparação com os outros dois sistemas de fios de conexão.


Este estudo in vitro demonstrou que a ligação de dois mini-implantes com uma miniplaca resultou em maior tração - com o uso da força, rigidez, força e rendimento para resistir a puxada de força e deformação. Tal conjunto - até poderia proporcionar assim um sistema estável para ancoragem ortodôntica esquelética.




Link do artigo na integra vi a ejo oxford journals:


segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Avaliação qualitativa em modelo experimental fotoelástico do sistema de força gerado pela mola “T” com pré-ativações preconizadas por Burstone




Neste artigo de 2011, publicado pelo Dental Press Journal Orthodontics, pelos autores Luiz Guilherme Martins Maia, Vanderlei Luiz Gomes, Ary dos Santos-Pinto, André da Costa Monini, Luiz Gonzaga Gandini-Jr; do curso de Odontologia da Universidade Tiradentes/SE, do departamento de Prótese Removível e Materiais Odontológicos da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Uberlândia; da Disciplina de Ortodontia do Departamento de Clínica Infantil da Faculdade de Odontologia de Araraquara - UNESP; Avalia o sistema de forças gerado pela mola T centralizada no espaço interbraquete, com pré-ativação preconizada por Burstone.



Na terapêutica ortodôntica, por meio de um detalhado diagnóstico, a extração de pré-molares é um procedimento algumas vezes adotado e requer do ortodontista um conhecimento acurado da biomecânica no fechamento dos espaços remanescentes, assim como dos princípios histológicos, anatômicos e fisiológicos. O fechamento do espaço poderá ocorrer pela distalização dos dentes anteriores, mesialização do segmento posterior ou uma combinação entre elas. Nessa fase, é importante que o profissional escolha o dispositivo a ser utilizado de acordo com o tipo de ancoragem necessária, observando o sistema de força liberado, de modo que haja bom controle do movimento sem agredir as estruturas adjacentes aos dentes.



Pensando nesse sistema de força e considerando os princípios da técnica do arco segmentado, Burstone, em 1982, idealizou a mola T confeccionada com fio de titânio-molibdênio, de secção 0,018”x 0,025” ou 0,017” x 0,025”, a qual possibilitaria ao clínico trabalhar de forma mais previsível, e seu sistema de forças liberado seria intimamente relacionado à quantidade de ativação e à incorporação das dobras de pré-ativação. Com isso, seria possível controlar de forma mais precisa o centro de rotação dos dentes.


De forma peculiar, a mola T proporciona baixa magnitude de força em quantidades de ativações altas. Isso ocorre em função do tipo de liga utilizada e pela grande quantidade de fio incorporada em seu desenho. Clinicamente, isso é muito positivo, uma vez que a quantidade de ativação é muito grande e a perda de força é relativamente baixa quando comparada à de outros dispositivos de fechamento de espaço. Assim sendo, esse dispositivo ainda apresenta níveis satisfatórios na proporção momento/força (M/F) e carga/deflexão (C/D).

Assim, o propósito deste estudo foi avaliar, em modelo experimental fotoelástico, o sistema de força gerado pela mola T de Burstone, centralizada no espaço interbraquetes, buscando, por meio de análise qualitativa, respaldo de forma a complementar as pesquisas já existentes.

Foi utilizada a técnica da análise experimental fotoelástica, que transforma as forças internas mecânicas produzidas em padrões de luz visíveis que indicam a localização e a magnitude da tensão. Isso se baseia no princípio de que, quando um feixe de luz polarizada passa através de um material birrefringente, essa diferença entre as velocidades dos feixes é observada com filtro polarizante. O equipamento utilizado para visualização do efeito fotoelástico foi o polariscópio circular, que consiste de um sistema de iluminação, um par de polarizadores e um suporte para sustentar o modelo fotoelástico a ser observado, e uma câmera para obtenção das imagens e posterior análise dos resultados.

Para cada modelo, utilizou-se uma mola T, confeccionada com fio de titânio-molibdênio (TMA), com secção transversal de 0,017” x 0,025”. No intuito de manter o padrão das molas T, definido por Burstone, quando de sua confecção, foi feito um template cujas medidas foram: 10mm de comprimento e 7mm de altura. Em seguida, dobras de pré-ativação foram incorporadas às molas, seguindo o padrão definido por Burstone.

CONCLUSÃO

Utilizando o método experimental fotoelástico para análise qualitativa do sistema de forças liberado pela mola T centralizada e confeccionada com fio de TMA 0,017” x 0,025”, podemos concluir que:

1. Em posição neutra, a molaT apresentou uma ordem de franja muito baixa em toda a superfície radicular.

2. Com ativação de 3mm,a ordem de franja mostrou-se com tendência de movimento de incli- nação controlada.

3. Com ativação de 6mm, a concentração de energia, ou de força, foi claramente maior.

4. Em nenhuma das ativações observadas, a ordem de franja mostrou-se com característica de movimento de inclinação descontrolada.


Link do artigo na integra via Scielo:

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Correção de uma mordida aberta posterior dentaria com biomecânica simples usando uma miniplaca C-tubo anterior

Neste artigo de 2012, publicado pelo Korean Journal Orthodontics, pelos autores Hyo-Won Ahn, Kyu-Rhim Chung, Suk-Man Kang, Lu Lin, Gerald Nelson e Seong-Hun Kim. Do Departament of Orthodontics, School of Dentistry, Kyung Hee University, Seoul, Korea, Department of Orthodontics, School of Medicine, Ajou University, Suwon, Korea e da Division of Orthodontics, University of California San Francisco, San Francisco, USA. Mostra a aplicação da miniplaca ortodontica com tudo na correção de uma mordida aberta posterior de um paciente.



Uma menina com 12 anos de idade, possuía  queixa principal de mordida aberta posterior. Ela foi submetida a um tratamento ortodôntico prévio para resolver protrusão dentaria, 2 anos antes em uma clínica local. Os segundos molares superiores e inferiores foram extraídos com o objetivo de distalização de toda dentição corrigindo a deficiência mandibular, foi utilizado um aparelho Twin block removível associado a um bite block posterior. No entanto, o tratamento resultou em uma abertura iatrogênica posterior da mordida com  inclinação mesial dos molares inferiores após os 2 anos. 


Ela compareceu na clínica com uma relação molar de Classe III integral de cúspide, mordida aberta posterior, curva de Spee mandibular profunda, curva acentuada no arco superior, diastemas no arco superior e molares inferiores inclinados mesialmente, sem oclusão de relação cêntrica (CR-CO). Protrusão labial no perfil lateral, e assimetria facial insignificante. Uma radiografia panorâmica mostrou a formação dos terceiros molares de ambos os lados.


Com base nestes resultados, a paciente foi diagnosticada com padrão esquelético de Classe I, Classe III dentária com mordida aberta posterior. Embora tivesse protrusão labial, ela recusou-se a  submeter-se a extrações adicionais de pré-molares superiores devido ao aumento da duração do tratamento e experiência anterior de 4 extrações dos segundos molares. Portanto, uma abordagem para a correção sem extração dentaria foi selecionada. Os objetivos do tratamento foram: (1) a posição vertical dos molares inferiores, sem extrusão simultânea, (2) Resolver a mordida aberta posterior, e (3) Atingir uma classe I com oclusão funcional,  com sobremordida e sobressaliência ideal.

Uma miniplaca tipo C-tubo (Jin-Biomed Co., Bucheon, Coreia) foi colocada na área antero-inferior. Como o dispositivo era bastante pequeno, e os parafusos de fixação  curtos, o procedimento cirúrgico para a colocação de tubo-C foi mais fácil do que as miniplacas convencionais. Uma incisão de 5 mm vertical sem elevação do retalho foi realizada por colocação. Após a adaptação da miniplaca ao contorno do osso,  a mesma foi fixada com dois microparafusos autoperfurantes  1,5 x 5 mm.

O C-tubo serviu para suportar um arco, o qual foi levantado com um fio de bronze 0,8 mm de extensão realizada apartir da parte da cabeça do tubo. O comprimento da extensão do fio de latão podia ser modificado para se aplicar uma magnitude de força desejada sobre os dentes posteriores.


A duração total do tratamento foi de 18 meses. As relações molares e caninos foram corrigidas  de uma completa relação de classe III para uma relação de Classe I. A mordida aberta posterior foi corrigida por meio do controle da inclinação dos molares superiores e inferiores, e uma sobremordida  e sobressaliência ideais foram alcançadas. 





A serie de telerradiografias demonstrou a verticalização dos dentes posteriores inferiores e aplainamento do plano oclusal superior. A série radiografias panorâmicas confirmou a verticalização dos pré-molares  e primeiros molares inferiores, com paralelismo radicular favorável. A distal dos molares  livres para uma boa erupção dos terceiros molares superiores e inferiores.



Os autores concluíram que este novo sistema biomecânico  descrito é ideal para a correção de certos tipos de  maloclusões de Classe III dentarias, com o objetivo de distalização e verticalização molares inferiores sem extrusão. O sistema inclui a colocação dos braquetes apenas sobre os dentes que serão submetidos ao movimento, com sistema de ancoragem fornecido por uma miniplaca anterior menor,  fixada ao osso da sínfise. As forças aplicadas com o arco de curva reversa NiTi  provou ser muito eficaz para a verticalização molar e, se desejado, o fechamento da mordida aberta  posterior.

Link do artigo na integra via Korean Journal Orthodontics:

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Condições de carga ideal para movimentação controlada de dentes ateriores na mecânica de deslize




Neste artigo de 2009, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Jun-ya Tominaga; otohiro Tanaka; Yoshiyuki Koga; Carmen Gonzales; Masaru Kobayashi; Noriaki Yoshida; do Departmento de Ortodontia e ortopedia dentofacial, Nagasaki University Graduate School of Biomedical Sciences, Nagasaki, Japão. Mostra mais um belo estud realizado com o método de elementos finitos.


Este estudo foi realizado com o intuito de se determinar as condições de carga, como a altura ideal da força de retração no braço de força e sua posição no arco na mecânica de deslize.


A método dos elementos finitos (FEM) 3D, foi usado para simular uma retração em massa de dentes anteriores numa mecânica de deslizamento. O grau de inclinação vestíbulo-lingual dos incisivos centrais superiores foi calculado quando a força de retração foi aplicada em diferentes alturas de braços de força por mesial ou distal ao canino.


Quando o braço de força foi colocado à mesial do canino, ao nível de 0 mm (do nível do slot), foi observado que coroa do incisivo foi "jogada" de forma descontrolada para lingual, foi observado que o segmento anterior do arco foi deformado para baixo. Numa altura do braço de força de 5,5 mm, o movimento de corpo foi produzido e os arcos foram menos deformados. Quando a altura do braço força excedeu 5,5 mm, o segmento anterior do arco foi levantado para cima e a raiz "jogada" para a lingual. Quando o braço de força foi colocado distal ao canino, a coroa foi para a lingual até um nível de 11,2 mm.


A colocação de braço de força em um arco entre o incisivo lateral e canino permite aos ortodontistas manter um melhor controle dos dentes anteriores na mecânica de deslizamento. Ambos os princípios biomecânicos associados com o centro de resistência do dente e da deformação do arco deve ser tomado em consideração para a previsão e planejamento ortodôntico do movimento dentario.




Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Entrevista com Prof. Dr. Marcio Rodrigues Almeida - Parte 3




Dando continuidade, o Blog Ortodontia Contemporânea  disponibiliza a terceira parte da entrevista com o Prof. Dr. Marcio Rodrigues Almeida, Ortodontista Clinico, Professor de Ortodontia, Autor de vários artigos de relevância na Ortodontia, Autor do Livro Ortodontia Clinica e Biomecânica, publicado pela Editora Dental Press. Que conta com 16 capítulos que abordam mecânicas ortodônticas contemporâneas, ilustrados com mais de 3.000 fotografias e grande casuística clinica.  Leitura necessária para o  especialista clinico e alunos em processo de formação na área. Também teremos o imenso prazer de contar com sua presença  no curso Avançado em Ortodontia, da Academia da Ortodontia Contemporânea, em Salvador - Bahia.

Marlos Loiola - O capitulo que demonstra a “Versatilidade Biomecânica dos Arcos de Intrusão”,  aborda todas as indicações e aplicações, níveis de força e inclusive a confecção passo a passo deste poderoso recurso auxiliar da biomecânica ortodontica. Seria este arco um “coringa” nas difíceis situações da mecânica do arco continuo?

Dr. Marcio Almeida - Perfeita a sua colocação aqui. O arco de intrusão é um arco coringa. Obrigado pela sugestão do nome, Marlos. Na verdade eu já estava precisando de um nome para este arco. Este é um arco que eu utilizo em aproximadamente 70% de todos os meus pacientes, em várias fases durante o tratamento. No início utilizava-o para intruir os incisivos superiores, mais tarde passei a usa-lo parai intruir os inferiores, por questões da estética do sorriso.


Atualmente, utilizo o arco de intrusão que na verdade não se aplica somente para isso, para executar o controle da ancoragem molar superior, desinclinar plano incisal, fechar mordida aberta, desinclinar molares, evitar a formação de Classe II durante o alinhamento do arco superior, distalizar molares superiores, nivelar curva de Spee e finalmente intruir incisivos. A intrusão de incisivos é um movimento tecnicamente elaborado e deve ser muito bem planejado, assim, algumas opções de tratamento para estes casos se faz necessária. De fato, a intrusão dos incisivos deve obedecer a um protocolo padronizado e muito bem elaborado pelo ortodontista. É interessante salientar que o profissional que optar pela intrusão dos dentes anteriores deve previamente analisar a linha do sorriso e a sua relação com os incisivos superiores.

Por exemplo, um paciente jovem com sobremordida que na fotografia de sorriso expor pouco os incisivos superiores deve-se preferir a intrusão dos dentes inferiores. Por outro lado, para um jovem com sobremordida que apresenta uma linha do sorriso alta (sorriso gengival) com exposição avantajada dos incisivos superiores deve-se preferir a intrusão dos dentes anterossuperiores. para a intrusão dos dentes anteriores recomenda-se o uso de um dinamômetro capaz de registrar forças de baixa magnitude com faixa de leitura entre 25 e 250 gramas Na mecânica de intrusão dos dentes anteriores é de primordial importância utilizar forças de baixa magnitude e de longa duração. A força de baixa magnitude permite intruir os incisivos de modo que não ocorra reabsorção radicular extensa. Os ortodontistas, em geral, denotam receio quando se fala em movimento de intrusão, pois certamente, se mal controlado, é um movimento que se direciona contrariamente ao alvéolo, podendo causar reabsorção no ápice.





A utilização do arco de intrusão vem crescendo para a correção da Classe II dentoalveolar, tão comum por problemas de perdas de dentes decíduos e conseqüentes mesializações dos dentes permanentes. Nestes casos objetiva-se a distalização dos primeiros molares superiores, principalmente nos casos em que os segundos molares superiores não estão irrompidos.

Na Biomecânica moderna opta-se por utilizar o arco de intrusão durante a retração dos caninos até encostá-los em pré-molares, minimizando a perda de ancoragem dos molares e a extrusão dos incisivos superiores. Nestas condições o arco de intrusão deve ser amarrado sobre um arco contínuo que geralmente é o fio retangular .016’’ x .022’’ e o método de retração utilizado pode ser a corrente elástica ou a mola. Com a mecânica de deslize do canino por meio de molas NiTi ou corrente elástica, mesmo com a expressão de sua angulação devido ao seu movimento para distal, não ocorre extrusão dos dentes anteriores com conseqüente aprofundamento da mordida, devido à utilização em conjunto do arco de intrusão que promove uma força no sentido oposto sobre os incisivos, neutralizando o efeito extrusivo nos dentes anteriores, além de evitar a perda de ancoragem por meio do momento nos molares superiores

A literatura é escassa quando da busca pela mecânica de ancoragem decorrente do uso de arcos de intrusão. Publicamos um trabalho, em 2010, onde estudamos a capacidade do arco de intrusão em manter a ancoragem, em jovens portadores da má-oclusão de Classe II, 1ª divisão, tratados com exodontia de primeiros pré-molares superiores, e retração de caninos realizada com molas de nitinol, em conjunto com Arco de Intrusão. Telerradiografias laterais foram tomadas assim que a retração dos caninos estivesse completa. A amostra foi composta por 38 telerradiografias em norma lateral de 19 jovens, sendo 13 do gênero feminino e 7 do gênero masculino com idade média inicial de 12 e 37 anos e idade. 

Os resultados demonstraram que os molares não se movimentaram significativamente para mesial (perda de ancoragem), durante a retração dos caninos. A perda de ancoragem durante a retração dos caninos variou de 0,5 a 1,5mm. Assim, pode-se verificar que o protocolo de retração dos caninos concomitantemente ao uso do arco de intrusão propiciou um bom controle da ancoragem.

Amanhã a ultima parte desta imperdível entrevista, importante para o Ortodontista Contemporâneo !!!





Curso avançado presencial com o Dr. Marcio Almeida:



Venda do livro do Dr. Marcio Almeida:


Link da Clinica do Dr. Marcio Almeida: