ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Fevereiro 2014

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Coluna Ortotecnologia - A Ortodontia e as mídias sociais



Este mês foi publicado mais um artigo da coluna Ortotecnologia da Revista da Sociedade Paulista de Ortodontia. Tivemos a grande satisfação de contar com a inestimável participação do Colega e Amigo George Bueno. Também Autor do Blog Bueno Ortodontia. Elemento fundamental na elaboração deste artigo que também contou com a colaboração do Prof. Dr. Jonas Capelli Júnior. Tema inédito na Literatura Ortodôntica Brasileira e de grande importância para os colegas que precisam contar com estas ferramentas no seu dia-a-dia profissional.






Link do Blog Bueno Ortodontia:


Link da Revista SPO:


quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Ortodontia e endocardite infecciosa




Neste artigo de 1999, publicado pelo British Journal of Orthodontics, pelos autores M. KHURANA, M.ORTH., M. V. MARTIN, F.R.C.PATH; do Department of Clinical Dental Sciences, University of Liverpool, Liverpool, Reino Unido. Mostra a relação do tratamento Ortodontico com a Encardite Bacteriana.

A Endocardite infecciosa associada ao tratamento ortodontico é uma ocorrência rara. Infelizmente, muitos profissionais da ortodontia não tratam os pacientes potencialmente em risco de desenvolver endocardite devido à falta de orientações práticas e medo de precipitar a infecção. Além disso, muitos pacientes que se submetem ao tratamento ortodôntico, recebem prescrições de forma inadequada de cobertura antibiótica para procedimentos que têm um risco mínimo de bacteriémica.

Neste trabalho a literatura que liga o tratamento ortodôntico e endocardite infecciosa é examinada. São feitas recomendações para a gestão adequada dos pacientes em risco de endocardite infecciosa por procedimentos ortodônticos.

A endocardite infecciosa é uma complicação rara, mas muito grave em pacientes que se submetem ao tratamento odontológico. Um pré-requisito necessário para o desenvolvimento da endocardite infecciosa é uma bacteriemia, que pode se desenvolver como um resultado do tratamento odontológico. Pacientes com as condições que predispõem ao desenvolvimento da endocardite infecciosa precisam ser identificados e dado antibiótico profilático durante o tratamento odontológico conhecidos por gerar uma bacteriemia. A maioria dos tipos de tratamentos odontológicos, que são conhecidos por causar bacteriémias, foram investigados e orientações para a prevenção de endocardite infecciosa foram publicados.

A ligação entre ortodontia e endocardite infecciosa não foi totalmente definida (Gaidry et al., 1985; Hobson e Clark, 1995). Hobson e Clark (1995), em uma pesquisa com 1038 ortodontistas, encontraram apenas oito casos de endocardite infecciosa diagnosticados durante ou imediatamente após o tratamento ortodôntico que envolvia aparelhos fixos e removíveis. A escassez de casos relatados pode refletir o fato de que muitos tratamentos ortodônticos, pouco tem sido feito em pacientes suscetíveis à endocardite infecciosa. Na verdade, o inverso É verdade, a ortodontia é amplamente praticada em pacientes suscetíveis para endocardite infecciosa, tanto na Europa como nos E.U.A. Seria necessariamente que, uma vez que exista uma escassez de casos, o risco entre endocardite infecciosa e ortodontia deve ser muito pequena. No entanto, é ainda claro que os procedimentos clínicos em ortodontia poderia resultar no desenvolvimento de endocardite.

Tem sido postulado que a colocação de bandas ortodonticas pode resultar em uma bacteriemia. McLaughlin et al. (1996) foram capazes de detectar bacteriémias em 10 por cento de amostras de sangue colhidas durante a colocação da banda. Um outro estudo não detectou microrganismos na corrente sangüínea durante o bandagem (Degling 1972). Esta aparente contradição, as taxas de detecção pode ser um resultado de dificuldades de técnicas de detecção de bacteremia. Poderia também (e mais provável) ser devido ao fato de que nem sempre a bandagem produz bacteriémias detectáveis que podem causar endocardite infecciosa.

O paciente acha que a profilaxia as vezes é interpretada no sentido do antibiótico profilático. No entanto, ele também deve estar preocupado com o manutenção de uma boa higiene bucal e prevenção da ooença oral. Má higiene oral resulta em acúmulo de placa bacteriana e um consequente aumento quantitativo de placa bacteriana. A inflamação gengival posterior e sangramento espontâneo causado por capilares quebrados, conduzirá a transição bacteriémias. Assim, a colocação de aparelhos ortodônticos e inflamação gengival em tal situação irá resultar em um aumento nos episódios bacteriémica.

Um método eficaz para reduzir o nível de bacteremia é usar uma solução bucal de 0,2 por cento (w / v) solução de clorexidina (Stirrups et al., 1981; Mcfarlane et al., 1984). Repetidas aplicações de clorexidina não foi encontrado por resultar em mudanças na sensibilidade a este desinfetante (Schiott 1976; Millns et al., 1994). Este medicamento foi utilizado em casos distintos de pacientes que receberam a longo prazo antibióticos em cepas resistentes de estreptococos orais, a maioria das bactérias comuns identificadas na endocardite bacteriana, tendem a estar presentes na boca (Longman et al., 1992).

O fator mais importante na avaliação de pacientes em risco de endocardite infecciosa é o historico médico do paciente. Os pacientes podem ser divididos em três tipos de altura, risco moderado ou insignificante. Os pacientes de alto risco pode que eventualmente se submetar a um tratamento ortodôntico, mas o cardiologista do paciente deve ser consultado para avaliar o risco antes do tratamento. Se, após consulta com o médico do paciente, o risco de endocardite infecciosa é considerado alto, então o tratamento não deve ser realizada. Pacientes com risco moderado de endocardite pode receber tratamento ortodôntico e precisarão cobertura antibiótica para procedimentos que causam bacteremia. Pacientes com risco insignificante pode ser tratado sem antibiótico profilático, mas, novamente, a condição do paciente deve ser confirmada com o médico antes de no início do tratamento. Muitos pacientres em potenciais para a ortodôntia podem ter uma história de um sopro no coração. Isto exige um inquérito e esclarecimentos sobre se o sopro é inocente, antes de empreender qualquer tratamento ortodôntico.

A ausência de casos relatados na literatura, sugere que endocardite infecciosa associada ao tratamento ortodôntico é extremamente rara. No entanto, as orientações são necessariamente com base na evidência científica disponível, mas infelizmente, essas provas são escassas.

1. Os pacientes podem ser divididos em alto, moderado e insignificante risco de endocardite infecciosa com base nem sua condição médica.

2. Pacientes com uma predisposição alta para a endocardite infecciosa só devem ser tratados após consulta seu médico responsável.

3. Os doentes em risco "médio" podem ser tratados, mas com antibióticos profilátcos, que devem ser considerado apenas para os procedimentos que causam bacteriémias.

4. Na opinião dos autores, com base na disposição de provas, os pacientes com um «baixo risco» de endocardite infecciosa podem ser facilmente tratados, geralmente sem antibiótico profilático. Todos os pacientes devem usar 0,2 por cento w / v clorexidina antes de cada manutenção.

5. Certos procedimentos são conhecidos por serem associados a bacteriémias, estes incluem colocação de banda, a remoção de bandas, e exposição cirúrgica dos dentes. Tais procedimentos requerem profilaxia com antibióticos em pacientes de risco.

6. Comprimidos de clindamicina devem ser engolidos com um copo de água para evitar a irritação do esôfago.

7. Crianças menores de 10 anos de idade, metade da dose adulta amoxicilina ou clindamicina é recomendado e as crianças menores de 5 anos um quarto da dose do adulto. Para crianças com menos de 10, 20 mg de vancomicina deve ser utilizada e 2 mg de gentamicina. Crianças menores de 14 anos de idade deve ser dado 6 mg / kg de teicoplanina mais 2 mg / kg de gentamicina.

8. Para aqueles pacientes de baixo risco a amoxicilina pode ser administrado duas vezes em 1 mês, pois é improvável que a proliferação de cepas clinicamente resistentes a amoxicilina significativa irá ocorrer após uma dose de 3 g de amoxicilina. A terceira dose de amoxicilina, no entanto, não deve ser administrado após um intervalo de 1 mês.


Link do artigo na integra via Journal of Orthodontics:

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

ENXERTO ÓSSEO ALVEOLAR SECUNDÁRIO EM PACIENTES PORTADORES DE FISSURAS LÁBIO-PALATAIS: UM PROTOCOLO DE TRATAMENTO







Neste artigo de 2006, publicado pela Revita da Faculdade de Odontologia de Lins, pelos autores DANILO IBRAHIM; EDUARDO FRANCISCO DE SOUZA FACO; JOSÉ HENRIQUE GOMES DOS SANTOS FILHO; do Setor de Cirurgia Ortognática do Hospital de Reabilitação de Anomalias Cranifaciais da Universidade de São Paulo (HRAC/USP) Bauru - São Paulo. Mostra a importância e  aplicabilidade do enxerto ósseo da crista ilíaca e casos de fissuras labio-palatais.

Para que ocorra a completa reabilitação do paciente portador de fissura lábio palatal, é necessária a intervenção de uma equipe multidisciplinar constituída basicamente de cirurgiões plásticos, dentistas e fonoaudiólogos. Nos primeiros anos de vida, o paciente é submetido às cirurgias primárias de lábio (queiloplastia) e palato (palatoplastia), para que ocorra melhora dos aspectos funcionais, estéticos e psicológicos.

Em épocas em que a utilização do enxerto ósseo na região da fissura não era empregada, o tratamento ortodôntico era  limitado e o uso de próteses em pacientes jovens tornava-se a solução final. Os segmentos maxilares permaneciam instáveis, principalmente a pré-maxila em casos de fissuras bilaterais, e o suporte ósseo insuficiente na base alar trazia dificuldades para a correção de assimetrias da asa do nariz.

 O enxerto ósseo surgiu como uma solução de excelência para preencher uma lacuna no processo reabilitador. De acordo com a época em que é realizado, divide-se em enxerto ósseo primário, secundário e secundário tardio ou terciário. O primário é realizado precocemente nos primeiros anos de vida, trazendo, a nosso ver, grandes desvantagens ao paciente, sendo a principal delas o comprometimento do crescimento maxilar.  O enxerto ósseo alveolar secundário (EOAS) é realizado antes da irrupção do canino permanente e o secundário tardio, ou terciário, após essa irrupção. O secundário apresenta resultados superiores ao terciário por proporcionar melhores condições periodontais aos dentes adjacentes à fissura.

A incorporação do enxerto ósseo ao osso circundante foi avaliada por meio de diferentes metodologias. Boyne e Sands,5 em estudo realizado com seis macacos Rhesus jovens, utilizaram exames histológicos e verificaram trabeculado ósseo normal na área enxertada. Jhonson comprovou, após seis meses, por avaliação radiográfica, a integração óssea satisfatória em 80% de seus casos.

O EOAS realizado anteriormente à irrupção do canino permanente proporciona suporte ósseo para seu irrompimento espontâneo por meio do enxerto e, quando isto não ocorre, permite seu tracionamento ortodôntico (Silva Filho et al.). Muitos autores relatam que o enxerto facilita a irrupção dos dentes próximos à fissura, proporcionando, conseqüentemente, melhor posicionamento dentário, movimentos ortodônticos menores e mais seguros  e condições periodontais mais favoráveis.

Após 40 dias a três meses da cirurgia, é liberada a movimentação ortodôntica nos dentes adjacentes à fissura, dando-se a confirmação da perfeita incorporação óssea por meio de radiografias periapicais e oclusais da maxila durante o pósoperatório. Para se conseguir maior precisão no diagnóstico pós-operatório e auxílio ao exame clínico, são usadas tomografias computadorizadas, principalmente para analisar a presença óssea em espessura, ou seja, no sentido vestíbulo-palatino.

Os pacientes portadores de fissura lábiopalatal requerem um tratamento complexo e multidisciplinar desde a infância até a idade adulta.

O enxerto ósseo alveolar secundário, fazendo parte de um protocolo de tratamento, contribui sobremaneira no processo de reabilitação dos pacientes, pois permite o preenchimento do defeito ósseo residual causado pela fissura, favorecendo a erupção dentária nessa região, bem como um tratamento ortodôntico mais propício.


Link do artigo na integra via Unimep:

http://www.unimep.br/phpg/editora/revistaspdf/revfol16_2art02.pdf

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Resistência a carga imediata em Mini implantes Ortodonticos com superfície tratada








Neste artigo a ser publicado em 2010, pela Angle Orthodontist, pelos autores Sung-Seo Mo; Seong-Hun Kim; Yoon-Ah Kook; Do-Min Jeong; Kyu-Rhim Chung; Gerald Nelson; da Division of Orthodontics, Department of Dentistry, The Catholic University of Korea, St. Mary’s Hospital, Seoul, Corea do Sul e da Division of Orthodontics, Department of Orofacial Science, The University of California, San Francisco, California. Mostra um importante estudo da resistencia de mini implantes com superfícies tratadas, algo novo sobre esta novo tipo abordagem no tratamento Ortodontico Contemporânea.


Com o objetivo de avaliar a hipótese de que não há nenhuma diferença na estabilidade e resistência à forças ortodônticas imediatamente aplicadas aos mini implantes com superfícies usinadas com areia e outroc tratados com ácido (SAE) com mesmo tamanho e forma.


Dois tipos de mini-implantes foram utilizados na tíbia de 44 coelhos, alguns tinham uma superfície SAE e alguns tinham superfícies usinadas. Uma carga Ortodontica de 150 g foi aplicada imediatamente após a colocação. As taxas de sucesso e os valores de remoção de torque máximo (RTVs) dos 412 mini-implantes foram registrados e comparados imediatamente após a colocação, 3 dias depois colocação, e 1, 6 e 10 semanas após a colocação. Os dados dos RTV foram analisados utilizando múltiplos de regressão para avaliar as diferenças em relação ao tratamento de superfície, a carga, e os períodos de carregamento. Comparações múltiplas usando o método de Scheffe foram realizados para avaliar os RTVs para os períodos subseqüentes de carregamento.


Treze mini-implantes falharam durante o período experimental. Os do grupo SAE tiveram maior RTV que o grupo usinado, e não houve diferença significativa na RTVs em conformidade com os periodos de carga Carga. No entanto, não houve diferença significativa entre RTV na carga e sem carga os mini-implantes.


A hipótese foi suportada. Ambos os Mini implantes: SAE e usinados podem receber cargas imediatamente e suas taxas de sucesso nas experiências foram semelhantes. As remoções com torque máxim (RTVs) foram maiores para os Mini implantes SAE do que para os mini-implantes usinados. O último achado sugere que, para carga imediata, Os mini implantes SAE podem promover a retenção mais estável do que miniimplants usinadas.



Link do artigo a integra via Angle Ortodontist: