ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Setembro 2013

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

4º Modulo da Academia da Ortodontia Contemporânea - Curso Avançado para Especialistas




Foi um módulo espetacular, os especialistas em Ortodontia, e alunos do Curso Avançado da Academia da Ortodontia Contemporânea, tiveram a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos sobre a otimização e uso dos fios Ortodonticos clássicos e contemporâneos, e muito conhecimento teórico e prático adquirido no campo da cirurgia Ortognática. 

Professor Dr. Júlio Gurgel - Fios Ortodonticos como melhor utilizar ?





Professor Dr. Joaquim Dultra - Utilização do Software Dolphing no planejamento Orto-Cirurgico



Professor Dr. Roberto Macoto - Um novo método para o diagnostico e tratamento das deformidades dento esqueletais






Professor Dr. Daniel Rodrigues - Particularidades do Preparo Ortodontico para Cirurgia Ortognática e Apnéia do Sono - O que o Ortodontista deveria saber.



Professor Dr. Gustavo Mascarenhas - Dificuldades Ortodonticas e estéticas x Resoluções Cirurgicas



Hands On de Cirurgia de modelos e Traçado Predictivo com os Professores Drs. Gustavo Mascarenhas e Daniel Rodrigues





















Reserva de vaga para a turma de 2014 da Academia da Ortodontia Contemporânea: 

http://www.ortodontiacontemporanea-academia.com/inscricoes.asp

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Entrevista exclusiva com Dr. Maurício Casa




Dr. Mauricio Casa
Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo
Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial
Diretor Clínico da Align Tecnology do Brasil


Olá amigos do Ortodontia Contemporânea ! Publicamos hoje uma entrevista cedida pelo Dr. Maurício Casa que fala sobre o sistema invisalign e suas perspectivas para o futuro. Não percam!

Não deixem de compartilhar esta entrevista e comentar suas impressões e opiniões. Isso é muito importante para nós!

Um abraço a todos!

Wendel Shibasaki - Iniciando, gostaria que fizesse um resumo das sua formação e suas atividades acadêmicas.

Dr. Maurício Casa - Me graduei em odontologia em 1990 pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Seguindo a orientação e caminho de meu pai decidi ser ortodontista, fiz o curso de especialização em Ortodontia e Ortopedia Facial na Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD) Central, curso o qual fiquei como professor assistente por 10 anos. A vontade de ser pesquisador me levou até o departamento de histologia na Universidade de São Paulo (USP) o qual obtive o doutorado em Ciências, mas decidi abrir mão da pesquisa em 2002 em troca de um grande desafio, ser diretor clínico da Align Technology do Brasil, empresa que distribui Invisalign no território brasileiro. O trabalho com um novo conceito em ortodontia, quebrando paradigmas, lidando diariamente com preconceitos e tirando o ortodontista de sua zona de conforto foi e ainda é um grande desafio e prazer para mim.  

Wendel Shibasaki -  Como foi seu primeiro contato com a Align?

Dr. Maurício Casa -  No final de 2001 tive meu primeiro contato com os diretores da empresa aqui no Brasil, como a empresa ainda estava se estruturando, este primeiro contato gerou muitas dúvidas e falta de entendimento de como funcionaria este produto no Brasil. Nenhum dos diretores conhecia tecnicamente o produto e a dúvida sobre sua eficiência era o que nos preocupava. Logo após este contato li os escassos artigos científicos e comecei a entender o propósito do sistema. Entendi que a peça chave no planejamento e na condução do caso era o ortodontista, o que mudou minha visão em relação a este novo produto e fez acreditar que teria futuro.

Wendel Shibasaki -  Há quanto tempo o sistema Invisalign foi criado e há quanto tempo está disponível no Brasil?

Dr. Maurício Casa -  Invisalign começou a ser oferecido aos doutores americanos em 1997, e em 2001 a Align Technology se tornou uma empresa de capital aberto e começou expandir seu mercado para todo o mundo, Austrália, Europa e America Latina. No Brasil a operação teve início em 2002.

Wendel Shibasaki -  A Align está presente em diversos países. Cada região tem suas próprias necessidades e potenciais. O que a Align muda ou pode mudar para atingir mercados emergentes e até mesmo mercados menores, como a África?

Dr. Maurício Casa -  A Align tem que se adaptar para cada mercado, cada região apresenta empresas reguladoras e taxação alfandegária específicas e também a ortodontia é aplicada de forma diferente em cada área. Como o processo de manufatura e logística é todo centralizado algumas limitações e/ou maneiras de atuar podem divergir em regiões.

Wendel Shibasaki -  A possibilidade de simular o tratamento virtualmente com o ClinCheck dá ao ortodontista a possibilidade de errar várias vezes até acertar, antes mesmo de iniciar o tratamento real. O Senhor acredita que isto será visto futuramente como uma revolução do planejamento ortodôntico?


Dr. Maurício Casa -  O setup de ClinCheck, sim, é a grande revolução na ortodontia. Funciona como se fosse um setup de modelo de gesso, mas com uma precisão altíssima. Para casos limítrofes podemos criar diversas simulações de tratamento, ajudando no planejamento do caso. Quando planejamos um tratamento virtual podemos colocar nosso conhecimento e experiência em cada passo do tratamento. Por exemplo, se desejo alinhar o arco inferior sem vestibularização de incisivos posso verificar isto com alto detalhamento analisando as imagens inicial e final de sobreposição.  
No futuro penso que um programa de ClinCheck melhorado no qual tivéssemos a associação das alterações do tecido mole e com medidas cefalométricas poderia se tornar fundamental para auxiliar o diagnóstico e traçar a conduta de tratamento em todos os tipos de pacientes ortodônticos independente da técnica utilizada.

Wendel Shibasaki -  Nos parece que após os estudos e aparelho de Dr. Andrews (Técnica StraightWire) esta é a maior alteração no modo como vemos a biomecânica na ortodontia. Poderia nos explicar a biomecânica do sistema Invisalign e quais os recursos para ampliar as possibilidades de movimento?

Dr. Maurício Casa -  A biomecânica do Invisalign é baseada em incrementos muito sutis de movimentação dentária. O movimento ocorre à custa de uma série de alinhadores que são utilizados e trocados a cada 2 semanas e a pequena diferença de forma de cada alinhador da série proporciona a movimentação dentária desejada. A quantidade de movimento, torque, angulação e momento deste pode ser individualmente estipulado pelo o ortodontista conforme sua experiência.
Para auxiliar determinados movimentos com Invisalign são colocados Attachments (botões de resina), ou Power Ridges (ranhuras nos alinhadores). Estes ajudam a movimentação em determinadas situações que são mais difíceis de atingir com alinhadores somente, como por exemplo, em certos movimentos de extrusão, rotação, torque e angulação. Os attachments atuais têm uma face pré-ativada que libera uma força controlada.
Desde de 2010 os Attachments e Power Ridges são baseados em "Smart Force", este é fundamentado em pesquisas de biomecânica de movimentação dos alinhadores, esta biomecânica feita a partir de simulações virtuais e depois testados em um aparelho de validação física. Portanto, cada movimento dentário individual é monitorado por um programa que identifica a largura, altura, o longo eixo do dente e o movimento em questão e se necessário o programa irá colocar um Attachment ou Power Ridge para auxiliar determinado movimento. Desde 2009 a Align tem lançado pelo menos duas inovações por semestre, portanto ano a ano temos visto uma crescente melhora em eficiência e em resultados clínicos, possibilitando o tratamento de casos mais complexos.

  
Wendel Shibasaki - Os alinhadores são trocados a cada duas semanas na técnica recomendada pela Align. Os protocolos usuais de atendimento ortodôntico preconizam o mínimo de 3 semanas de intervalo entre as ativações, a título de tempo para reparação tecidual. O que faz o sistema Invisalign mais rápido?

Dr. Maurício Casa -  Conceitos de ativação de aparelhos ortodônticos há muito tempo se baseiam em resultados de reparação tecidual com base em pesquisas da década de 60, principalmente com uso de força intermitentes e fios de aço inoxidável. Com o surgimento de fios de liga de níquel-titânio e pesquisas com força contínua é comprovado que mesmo com este tipo força contínua aplicada ao tecido periodontal é possível uma movimentação dentária com reparação tecidual e sem prejuízo ao tecido dentário.
A Align pesquisou grande variedade de movimentos e tempo de troca de alinhadores e concluiu que o melhor resultado clínico é atingido com a troca de alinhadores a cada duas semanas. Podemos notar em relatos de casos clínicos na literatura, assim com em nossa clínica que dificilmente deparamos com arredondamento apical evidenciado movimentos com forças ideais.      

Wendel Shibasaki -  Como diretor clínico da Align no Brasil e como ortodontista, para onde aponta a linha de desenvolvimento da técnica com o Invisalign?  

Dr. Maurício Casa -  Em abril de 2011 a Align adquiriu a Cadent http://www.cadentinc.com/index.html empresa Americana líder no setor de scaneamento intra-oral. Nos EUA já começaram a substituir as moldagens em PVs por este tipo de scaneamento, deixando o processo mais rápido e preciso.
A Align ano a ano tem apresentado melhores resultados clínicos. A evolução dos "Smart Force", protocolos de ClinCheck e a combinação de mini-implantes e/ou elásticos intermaxilares com Invisalign aponta um caminho para tratar quase todos os tipos de maloclusões com eficiência. 

Wendel Shibasaki -  O preço do sistema Invisalign é um fator que inviabiliza sua utilização em algumas regiões do Brasil?

Dr. Maurício Casa -  Nosso grande mercado está concentrado nas capitais, mas encontramos profissionais com um bom desempenho em cidades muito pequenas. Com quase 10 anos de experiência identificamos que quem limita a venda ao paciente não é a região e sim o próprio ortodontista que não sabe ou tem medo de valorizar seu próprio trabalho. Pelo menos de uma década e meia para cá, devido ao surgimento de convênios, excesso de cursos de pós-graduação e conseqüentemente muitos profissionais, o tratamento ortodôntico perdeu significantemente seu valor se compararmos com outras intervenções odontológicas. Podemos dizer que “nivelaram por baixo” a ortodontia. Para confirmar estes dados é muito simples, converse com seus colegas de outras especialidades, pergunte qual é o valor médio de implantes, próteses, facetas, reabilitação oral. Na maioria das vezes colegas me falam que após fazer esta rápida pesquisa viram que realmente o valor de seu tratamento estava defasado.
Podemos afirmar que Invisalign não é para todos, é um produto premium, mas quantas pessoas em sua família ou círculo social não aceitam usar bráquetes? Para estas pessoas o Invisalign pode ser a única opção para corrigir os dentes.    

Wendel Shibasaki -  Gostaria de deixar este espaço para que o doutor fique à vontade para finalizar e expor o que desejar.

Dr. Maurício Casa -  Invisalign é a grande revolução da ortodontia nos tempos atuais. A possibilidade de fazer um tratamento virtual é um caminho que não tem mais volta, pois é um processo muito vantajoso para o paciente, assim como para o ortodontista. O importante no entendimento do sistema Invisalign é que apesar deste ser feito com a mais alta tecnologia de imagens 3D o que conta é a capacidade e experiência do ortodontista diagnosticar e planejar um tratamento.
Em conclusão, vejo que bons resultados clínicos estão associados a um diagnóstico e planejamento correto.

Agradeço a oportunidade de apresentar esta nova possibilidade de tratamento ortodôntico.




Links relacionados: 



terça-feira, 24 de setembro de 2013

Artigo na Coluna OrtoTecnologia - Terapia BioCriativa Lingual




Saiu este mês na coluna OrtoTecnologia, da Revista da Sociedade Paulista de Ortodontia, mais um artigo que descreve a Terapia BioCriativa, criada e desenvolvida em Seul - Coreia do Sul, pelos Professores Drs. Kyu-Rhim Chung e Seong-Hun Kim

Filosofia baseada numa biomecânica associada a varias modalidades de ancoragens esqueléticas e em algumas situações a procedimentos cirúrgicos voltados ao tratamento acelerado em pacientes adultos. A grande satisfação foi poder contar mais uma vez com a colaboração dos autores e desenvolvedores da técnica, que disponibilizaram um caso clinico para ilustrar o artigo. 


Autores do Artigo: Terapia BioCriativa Lingual


Com foco voltado a novas tendencias, protocolos de tratamento, protocolos de diagnóstico e planejamento, entre outras possibilidade ligadas a Ortodontia Contemporânea, a coluna OrtoTecnologia da Revista da SPO, vem mês após mês compartilhando com os leitores da revista estas possibilidades. 

Diversos artigos sobre a Terapia BioCriativa vem sendo publicados em inúmeros periódicos científicos ao redor do mundo, inclusive um foi classificado como o destaque da edição de setembro de 2013, pelo American Journal of Orthodontics and Dentalfacial Orthopedics. Assistam o vídeo abaixo postado pelo AJODO e apresentado pelo próprio pesquisador e autor do artigo, Professor Dr. Seong-Hun Kim.



Link deste artigo via AJODO:


Link da revista SPO:

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Tração ortodôntica de um canino impactado com magneto: Relato de um caso






Neste artigo de 2008, publicado pelo Cases Journal, pelos autores Larry CF Li, Ricky WK Wong and Nigel M King; do Departament of Orthodontics and Paediatric Dentistry, Faculty of Dentistry, the University of Hong Kong, Hospital Road, Sai Ying Pun, Hong Kong - China; Mostra um protocolo de tracionamento em um canino incluso com auxílio de um magnêto.

A prevalência de caninos impactados por palatino na população varia de 0,27% para 2,4% em todo o mundo. Um caminho de erupção longo e tortuoso, o apinhamento da dentição, a insuficiência na reabsorção radicular do canino decíduo, trauma e patologia dos tecidos moles têm sido considerados os motivos da impacção canina.

Se não tratado, um canino impactado pode causar morbidade do canino decíduo, mudança cística ou reabsorção da coroa de si mesmo e / ou reabsorção radicular do incisivo lateral adjacente.

A abordagem de tratamento convencional de um canino impactado é para expor a coroa do canino cirurgicamente, seguido pela união de um acessório na superfície da coroa. O acessório é ligado ao fio do arco na boca, e o dente pode ser tracionado com elásticos. No entanto, esta abordagem vem com muitos inconveniente e limitações tais como infecção, há uma comunicação entre a fixação e o meio bucal, migração, inflamação apical do epitélio, exposição da junção amelo-cementario, irritação nos lábios, dificuldade em manter a higiene oral e dificuldade para ajustar e mudar a direção da força.

As ligas magnéticas têm sido utilizados em ortodontia cada vez mais e vários autores têm relatado sucesso e resultados clínicos do tratamento de dentes inclusos em seres humanos. Um ímã, revestido com acrílico e anexado com um braço de extensão do fio, pode ser anexado a um aparelho removível. A posição do ímã pode ser alterada com o ajuste do braço de extensão. Unindo um suporte de metal co dente impactado após a exposição cirúrgica, o dente impactado ficará sob a força magnética, com uma direção controláda pelo ajuste do braço de extensão. Este artigo descreve o uso do ímã no tracionamento de um canino superior impactado e considera as vantagens e limitações da técnica.

ConclusãoEste artigo do caso, sugere que a tração magnética, com um aparelho removível pode ser um método alternativo seguro, eficaz e confortável para desimpactar um canino superior.

Link do artigo na integra via casesjournal:

http://casesjournal.com/content/pdf/1757-1626-1-382.pdf

domingo, 22 de setembro de 2013

Pensamento da Semana



"Procure a sabedoria e aprenda a escrever os capítulos mais importantes de sua história nos momentos mais difíceis de sua vida."

Augusto Cury


quarta-feira, 18 de setembro de 2013

OrtoPodCast - Episódio 33 - Prof. Carlos Cabrera explicando tudo sobre diagnóstico ortodontico.





Não sabe o que é um podcast? Temos um post que responde sua dúvida: O que é PODCAST?

Um grande privilégio falar com um dos mais conhecidos professores de ortodontia do Brasil e precisava compartilhar isso com vocês. O Prof. Cabrera discorre sobre o sistema orthológica e mostra sua linha de raciocínio para o diagnostico ortodôntico. Vale à pena ouvir o que ele tem a nos dizer.

Nao percam!

Faça a sua avaliação do podcast agora mesmo:

Não é usuário dos iTrecos? Acesse a página e faça os dowloads de todos os episodios:




sexta-feira, 13 de setembro de 2013

3º Modulo da Academia da Ortodontia Contemporânea



No mês de Julho aconteceu mais um modulo da Academia da Ortodontia Contemporânea, nossos alunos tiveram o grande privilégio de assistir aulas com grandes nomes da Ortodontia Brasileira. Clínicos e autores de livros voltados a prática ortodontica de relevância significativa na especialidade.

Tivemos o grande prazer de poder ver, conhecer e interagir (Hands-On) com o sistema OrthoLógica. Concebido pelos Professores Drs. Carlos Cabrera e Marise Cabrera. Uma aula incrível, que contou também com uma vasta casuística clinica e controle longitudinal de proservação dos casos concluídos. Excepcional ! 

Prof. Dr. Carlos A. Cabrera




O Prof. Dr. Ertty Silva, deu um show, com seu protocolo de tratamento utilizando ancoragem esquelética através de miniplacas ortodonticas. Foram demonstradas as varias possibilidades e segurança que o sistema permite. Tendo um foco voltado principalmente na intervenção em pacientes adultos. Podemos ver casos primorosamente finalizados. Explendido !

Prof. Dr. Ertty Silva


As diversas formas de tratamentos voltados para a má oclusão de classe II, foi o tema abordado pelo Professor Dr. Marcio Almeida. Tendo todas as abordagens respaldadas por uma rica casuística clinica associada a varias publicações do autor e colaboradores em diversos periódicos científicos de impacto na literatura internacional e nacional. Primoroso !


Prof. Dr. Marcio Almeida


O Professor Dr. Maurício Accorsi, dividiu com toda a turma de alunos, o seu conhecimento sobre o Diagnóstico 3D em Ortodontia. As possibilidades e aplicabilidade dos diversos recursos disponíveis no campo de diagnóstico e planejamento de tratamentos Ortodonticos. Os nossos alunos também tiveram a oportunidade de realizar o Hands-On com softwares de reconstrução 3D e avaliação de Tomografias Cone Beam. Vanguarda !

Prof. Dr. Mauricio Accorci


A cada modulo e ano que passa, ficamos cada vez mais felizes, pois a missão do Ortodontia Contemporânea: "Compartilhamento do Conhecimento de Qualidade". Vem paulatinamente  crescendo, nas diversas plataformas de abordagens: Aulas presenciais, Blog, Twitter, Facebook, Youtube, entre outros....

Uma grande satisfação é ver o fruto deste trabalho, a Turma da Academia de 2014, já vem se formando e conta com colegas especialistas oriundos de diversas cidades e estados já pré-inscritos. Prova de que o Ortodontista Contemporâneo é o  profissional que busca conhecimento de qualidade esteja ele onde estiver.



Muito Obrigado: aos nossos Alunos, ex-Alunos, futuros Alunos, Professores, Colegas e Familiares ! Entusiastas desta causa ....


Link para da Academia da Ortodontia Contemporânea 2014:

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

A versatilidade clínica do arco utilidade

Dr. Márcio Figueiredo











Neste artigo de 2008, publicado pela revista Dental Press, pelos autores Márcio Antonio de Figueiredo, Claudia Tebet Peyres de Figueiredo, Masato Nobuyasu, Gervásio Yoshio Gondo, Danilo Furquim Siqueira; da UMESP - São Paulos, UNOESTE - Presidente Prudente e APCD de Ourinhos - São Paulo. Que mostra todas as aplicações do arco utilidade de Ricketts, vai desde sua construção, modificações e aplicações em diferentes situações clinicas.


O arco utilidade é parte integrante da mecânica ortodôntica utilizada na “Ciência Bioprogressiva” de Ricketts. A palavra “Bioprogressiva” surgiu da união do prefixo “Bio” - abreviação de Biologia e se refere ao cuidado que a mecânica ortodôntica empregada tem com os processos biológicos envolvidos em um tratamento ortodôntico - e “Progressiva”, por refletir a seqüência lógica e progressiva utilizada na montagem dos aparelhos e conseqüente movimentação dos dentes.


Dentro desta ciência, o arco utilidade é, provavelmente, o dispositivo mais conhecido e utilizado, sendo confeccionado com o fio quadrado 0,016” x 0,016” Elgiloy azul. Segundo Miksic, Slaj e Mestrovic, este fio é composto por uma liga de cromo-cobalto, o que facilita a confecção de dobras. Este arco, em conjunto com braquetes de canaleta 0,018” x 0,030”, começou a ser utilizado por Ricketts no tratamento ortodôntico/ortopédico facial em 1960.


De acordo com McNamara Jr., o arco utilidade é eficiente para intruir e, especialmente, efetivo para retruir ou avançar os incisivos superiores e inferiores. O mesmo autor salientou que uma das dificuldades para o tratamento das discrepâncias ântero-posteriores (particularmente a má oclusão do tipo Classe II de Angle) é a interferência vertical anterior. Nestes casos, o arco utilidade pode ser utilizado para intruir os incisivos, favorecendo a correção ortopédica, ou mesmo cirúrgica, da má oclusão. Segundo Sellke a correção do trespasse vertical antes do horizontal é um importante princípio do tratamento bioprogressivo.


Este conceito está baseado na convicção de que uma mordida profunda pode “travar” e impedir o relacionamento normal entre a maxila e a mandíbula, durante o crescimento. Baseando-se nesta idéia, o arco utiliutilidade, juntamente com o quadrihélice de Ricketts, pode ser utilizado no início do tratamento para “destravar” a oclusão, fornecendo condições morfológicas adequadas para que a mandíbula possa se desenvolver normalmente. Entretanto, algumas vezes, pode ser utilizado também nos estágios tardios do tratamento.


A técnica Bioprogressiva está baseada no fato de que o arco dentário é constituído por setores distintos, cada um dos quais possui características próprias com relação aos aspectos anatômicos, funcionais e estéticos. O setor dos incisivos constitui-se de dentes com raízes unirradiculares e de pequeno diâmetro, cujas bordas incisais tornam estes dentes aptos para realizar a função de corte dos alimentos, além de cumprirem um importante papel estético e fonético. Já os molares são multirradiculares, com a face oclusal destinada à trituração dos alimentos e com o diâmetro das raízes maior que o dos incisivos.


Segundo Ricketts, a força de erupção dos dentes é estimada em, aproximadamente, 0,2g a 0,3g por mm2, ou seja, 1/5 da quantidade de força comumente empregada para movimentar um dente. Teoricamente, o dobro desta força (0,4g a 0,6g/mm2) impede a erupção dos dentes e o triplo desta força (0,6g a 0,9 g/mm2) intrui os dentes.


Otto, Anholm e Engel demonstraram ser possível, tanto em crianças como em adultos, o movimento de intrusão dos incisivos com a técnica Bioprogressiva, utilizando-se o arco utilidade. Os pesquisadores não encontraram nenhuma correlação entre idade, maturação esquelética, padrão facial e intrusão, sendo que, neste estudo, a maior intrusão obtida foi de 5,5mm em uma paciente do gênero feminino com 32 anos de idade.


O arco utilidade promove a intrusão dos incisivos por meio de um sistema de alavanca que produz uma pressão leve e contínua, em torno de 60 a 80 gramas para os quatro incisivos inferiores. Visto que força por unidade de área é definida como pressão, a terapia Bioprogressiva advoga a utilização de 100 gramas de força por centímetro quadrado de raiz exposta ao movimento, sendo que esta força pode ser multiplicada por dois quando a ancoragem cortical for o objetivo da mecânica, ou dividida por 2 quando os dentes serão movimentados pela cortical óssea. Isto significa que a força aplicada varia, dependendo do tamanho da raiz envolvida no movimento e da direção do movimento planejado.


A análise da superfície radicular determina os valores utilizados para o movimento dos dentes no sentido ântero-posterior. Quando um dente do setor anterior é movimentado neste sentido, a superfície radicular que enfrentará o movimento é a vestibular ou a palatina. Entretanto, quando o mesmo movimento se realiza no segmento posterior, as superfícies radiculares envolvidas são a mesial e a distal.


O arco utilidade é confeccionado com fio Elgiloy azul 0,016” x 0,016” fornecido pelos fabricantes em formato de varetas. Esta liga foi desenvolvida pela Elgin Watch Company e contém 40% de cobalto, 20% de cromo, 15% de níquel, 15,8% de ferro, 7% de molibdênio, 2% de manganês, 0,16% de carbono e 0,04% de berílio. Introduzida no mercado pela Rocky Mountain Orthodontics (Denver, Colorado, EUA), esta liga é fabricada em quatro têmperas, diferenciadas uma das outras pelas cores azul, amarelo, verde e vermelho em suas extremidades. Para confecção do arco utilidade, o fio indicado é o de ponta azul 0,016” x 0,016” sem tratamento térmico. Este fio tem a capacidade de gerar 2.000 gramas de força por milímetro quadrado, suficiente para movimentar um molar. Esta força pode ser diminuída, aumentando-se a distância do fio por meio de braços de alavanca. O limite elástico proporcional do fio Elgiloy azul 0,016” x 0,016” a uma distância de 25mm é de 80 gramas, e a 30mm uma dobra permanente não ocorre até ultrapassar 70 gramas.


Os tipos mais comuns de arco utilidade são: arco utilidade básico, arco utilidade de retração e arco utilidade de avanço. O arco utilidade básico pode ser utilizado para manter espaço, ganhar espaço (verticalização de molares e expansão dentoalveolar), ancorar os molares e intruir os incisivos.


O arco utilidade é um aparelho extremamente versátil, com inúmeras possibilidades clínicas, sendo capaz de intruir, extruir, avançar ou retrair os incisivos superiores e inferiores; manter, diminuir ou aumentar o espaço no arco inferior; além de ancorar os molares inferiores. Entretanto, uma das maiores vantagens de seu uso consiste na correção de más oclusões do tipo Classe II, com mordida profunda e em fase de crescimento. Esta vantagem não está relacionada com o efeito mecânico de intrusão, mas com a resposta biológica que esta mecânica pode acarretar no crescimento facial.




Link do Artigo na Integra via Scielo:



Link da Clinica do Dr. Márcio Antonio Figueiredo: