ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Maio 2013

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Especialização em Ortodontia - Instituto Lumier / Famosp


ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA



Após beneficiar tantos colegas, oriundos de tantos estados, com os conceitos mais modernos da ortodontia mundial, estamos oferecendo a possibilidade para você, que ainda não é especialista em ortodontia, para uma nova dimensão do ensino de qualidade e contemporâneo.



Uma parceria entre o Instituto Lumier, FAMOSP e a Academia da Ortodontia Contemporânea.



Reconhecido pelo MEC e CFO.



Folder informativo abaixo. 

Mais informações: 0800-284-5378



quinta-feira, 30 de maio de 2013

Dr. Décio Rodrigues - Sinônimo da Historia da Ortodontia Brasileira

Todas as nossas reverencias a este grande nome da Ortodontia Brasileira.... Formou e irá formar diretamente e indiretamente muitas gerações de Ortodontistas !!!  Nossa Homenagem e Sentimentos a toda Família ....



terça-feira, 28 de maio de 2013

Aplicação de medidas cefalométricas em 3D-TC


Neste artigo de 2007, publicado pela Revista Dental Press, pelos autores Patrícia de Medeiros Loureiro Lopes, Andréia Perrella, Carla Ruffeil Moreira, José Rino Neto, Marcelo Gusmão Paraiso Cavalcanti; da Faculdade de Odontologia do UNIPE; da Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo; da Ortodontia do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria da FOUSP e do Departmento de Radiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Iowa, Iowa City, EUA; Avalia a precisão e acurácia (validade) de medidas cefalométricas lineares em imagens reconstruídas em terceira dimensão (3D), pela técnica de volume, a partir da tomografia computadorizada (TC) multislice.

Dentre os diversos métodos de imagem utilizados, a tomografia computadorizada (TC) também é empregada para avaliar a localização dos pontos craniométricos, permitindo, desta forma, testar a precisão e acurácia de medidas craniométricas em diversas aplicações.

Nos últimos anos, houve uma grande evolução na TC, assim como um avanço tecnológico, resultando no desenvolvimento de softwares e modelos de Engenharia Biomédica que permitem o aperfeiçoamento de seus princípios, direcionado a variadas funções de órgãos e sistemas dos pacientes. Atualmente, a TC multislice representa o que há de mais moderno em se tratando de TC espiral. Foi introduzida em 1999 e permite cortes de 0,5mm de espessura com intervalos de reconstrução menores que 1mm e em 0,5 segundo de tempo.

A partir de dados originais de TC podem ser obtidas reconstruções multiplanares (RMP) e em três dimensões (3D-TC). As reconstruções em 3D-TC podem ser obtidas pela técnica de superfície e volume. Esta última trabalha com recursos modernos da computação gráfica, possibilitando a aplicação de uma escala de cores e transparênciae aquisição de uma imagem final reconstruída com alta resolução, superando, desta forma, a técnica de superfície.

Cavalcanti et al. compararam a precisão de algumas medidas craniofaciais, ósseas e tegumentares, utilizando a 3D-TC obtida pela técnica de volume, por meio de uma estação de trabalho independente. Juntamente com o uso de um programa moderno de computação gráfica, esta permitiu a visualização dos cortes axiais originais e das reconstruções multiplanares (coronal e sagital) e em 3D, simultaneamente. As mensurações em 3D-TC proporcionam uma avaliação real das mudanças no crescimento e desenvolvimento, uma vez que representam uma anatomia fidedigna.

A imagem em 3D é uma ferramenta de grande valor para averiguar áreas de deformidades, níveis de assimetria e o relacionamento relativo entre os diferentes componentes da face. “Teleortodontia” é uma das aplicações promissoras em possuir os dados completos dos pacientes em 3D, principalmente nos casos em que há necessidade de tratamento interdisciplinar.

O objetivo da imagem na Ortodontia é representar a anatomia da forma mais fiel possível e isto é alcançado com a imagem em 3D. A ênfase atual está sendo dada para o planejamento do tratamento ortodôntico, levando em conta a estética facial e o seu relacionamento com o posicionamento dentário e ósseo. O maior problema atual das imagens convencionais usadas na Ortodontia é que os componentes das estruturas faciais são vistos de forma separada e desconectados, o que pode influenciar no diagnóstico, além de que, qualquer alteração de posicionamento da cabeça do paciente, durante a obtenção da imagem radiográfica, pode modificar os valores das medidas cefalométricas.

O estudo de mensurações cefalométricas é de fundamental importância no diagnóstico e planejamento do tratamento de injúrias, anomalias e assimetrias craniofaciais, na avaliação quantitativa da morfologia e crescimento craniofacial, na identificação forense, bem como no planejamento pré e avaliação pós-cirúrgica maxilofacial e ortognática.

Alguns autores confirmaram a grande dificuldade na localização de pontos cefalométricos e na determinação de medidas em cortes de TC, uma vez que estes pontos podem aparecer em vários cortes distintos15,24. Tendo em vista as limitações das técnicas de localização dos pontos cefalométricos, freqüentemente referidas pelos autores, e considerando-se a riqueza de informações que a TC em espiral pode oferecer e a evolução no processo de aquisição e exibição de imagem pela computação gráfica, foi realizada uma reconstrução tridimensional das estruturas ósseas obtidas a partir de dados de TC em espiral multislice, com a finalidade de minimizar essas dificuldades quando da determinação de tais medidas.


CONCLUSÕES DESTE ESTUDO:

As medidas ósseas cefalométricas em 3D-TC obtidas pela técnica de volume foram consideradas precisas e acuradas, utilizando a TC multislice 16 cortes. A técnica de volume em 3D-TC, em associação com a computação gráfica, ofereceu recursos de grande relevância, que tornaram eficaz a análise de medidas cefalométricas, podendo ser aplicada à Ortodontia.

Link do artigo na integra via Scielo:

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Magnitude de força, duração dos efeitos e reabsorção radicular numa movimentação em massa de dentes de rato







Neste artigo de 2008, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Carmen Gonzales; Hitoshi Hotokezaka; Masako Yoshimatsu; Joseph H. Yozgatian; M. Ali Darendeliler; Noriaki Yoshida; do Departmento de Ortodontia, Universidade de Sydney, Sydney Dental Hospital, South Western Sydney Area Health Service, Sydney, Australia e da Divisão de Ortodontia e Dentofacial Ortopedia da Nagasaki Universidade Graduate School of Biomedical Sciences, Nagasaki, Japão. Mostra um estudo detalhado realizado em ratos sobre magnitude de força e reabsorções radiculares.


Para testar a hipótese de que não há diferença entre o efeito de diferentes forças, contínua moderada a muito pesadas na reabsorção radicular ou na quantidade de movimento dentário.


Neste estudo, 10, 25, 50 e 100 g de forças por mesial, foram aplicadas nos primeiros molares superiores de ratos utilizando molas fechadas níquel-titânio em 3 dias, 14 dias e 28 dias. Os molares foram extraídos e as crateras de reabsorções nas superfícies radiculares foram medidas utilizando microscopia eletrônica de varredura. A profundidade das crateas de reabsorção radicular foram mediaos usando um microscopio tridimensional de varredura a laser. O movimento do primeiro molar superior foi medido em relação ao segundo molar superior em radiografias celafometricas laterais digitalizadas.
Três dias após a aplicação da força, o movimento dentário não foi proporcionalmente relacionados com a magnitude de força. No entanto, 14 dias de aplicação da força resultou em significativamente mais movimento dentário nas 10, 25 e 50 g de força do que nos grupos 100 g de força. Uma força aplicação de 10 g produziu significativamente mais movimento dentário aos 28 dias do que os outros três niveis de força.


As crateras maiores e mais profundas de reabsorção foram observadas na raiz disto-vestibular seguido por disto-palatina, mésio-vestibular, mésio-palatal e raiz mesial. Reabsorção da raiz dentária e aumentou ao longo do tempo, de 3 a 28 dias. Quanto mais pesada as forças foram aplicadas, maior reabsorção radicular ocorreu.



Link do artigo na Integr via Angle Orthodontist:


sexta-feira, 24 de maio de 2013

Academia da Ortodontia Contemporânea - Mini Implantes de Ancoragem com o Prof. Dr. Henrique Vilela



Na ultima semana os alunos da Academia da Ortodontia Contemporânea assistiram a excelente aula do Professor Dr. Henrique Vilela, com o enfoque voltado a ancoragem esquelética com mini implantes ortodonticos, todos ficaram fascinados com as possibilidades terapêuticas que este recursos oferece ao ortodontista contemporâneo.







Com uma vasta casuística clinica bem documentada e uma aula de alta qualidade, todos ao final da aula todos saíram convictos e motivados a utilizar sempre que necessário este recurso terapêutico em diversas situações antes adversas no dia a dia clinico do Ortodontista.






Nosso agradecimento ao Professor Dr. Henrique Vilela pela aula apresentada aos alunos da Academia da Ortodontia Contemporânea

segunda-feira, 20 de maio de 2013

OrtoPodCast 30 está no ar! Canais de comunicação, Eficiência dos Autoligados, Moldagem de transferência.






Olá amigos ouvintes do ortopodcast! Neste episódio falamos sobre nossos canais de comunicação com você. Sobre a eficiência dos braquetes autoligados e sobre a fixação das bandas nas moldagens de transferência. Escutem sem moderação!



Para os artigos na íntegra solicite por email (mencione o episódio): cursos@ortodontiacontemporanea.com





Ou assine gratuitamente na iTunes Store clicando aqui.



 Não deixe de qualificar nosso cast na itunes store!

Para fazer um comentário e qualificar o cast:
http://itunes.apple.com/br/podcast/ortopodcast/id416479625

Se não for usuário dos iTrecos (iPhone, iPod, iPad ou Mac) pode baixar todos os episódios no link abaixo:
http://ortopodcast.podomatic.com

domingo, 19 de maio de 2013

Pensamento da Semana


"Temos o destino que merecemos. O nosso destino está de acordo com os nossos méritos."

Albert Einstein

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Academia da Ortodontia Contemporânea - Protocolos em Ortodontia com o Prof. Dr. Claudio Azenha



A Academia da Ortodontia Contemporânea recebeu mais uma vez o Professor Dr. Claudio Azenha, que apresentou os protocolos para as diversas situações clinicas que o Ortodontista se depara no seu dia a dia de consultorio.



Aliando todo o conteúdo teórico a um rico acervo de casuística clinica, o Professor empolgou os alunos mostrando a resolução de diversas alterações. Sempre aliando um diagnóstico meticuloso a uma biomecânica ortodontica diferenciada, alicerçada na filosofia do arco reto com braquetes convencionais e auto ligados. Ao final da aula, percebemos porque o livro do Dr. Azenha ("Protocolos em Ortodontia") é um referencial na clinica de um Ortodontista que presa pelo auto nivel profissional.





quinta-feira, 16 de maio de 2013

Inicio do 2º modulo do curso avançado para especialistas - Profa Dra Liliana Maltagliati


Iniciou esta semana o segundo modulo do curso avançado para especialistas da Academia da Ortodontia Contemporânea. Contamos com a presença da Professora Dra. Liliana Maltagliati, que ministrou uma bela aula sobre sistemas de Braquetes Auto Ligados







Com uma aula bem fundamentada e imparcial, a professora mostrou aos nossos alunos as aplicações clinicas e biomecânicas dos sistemas. Que além dos braquetes, possuem como elementos constituintes: Fios de ligas super elásticas, batentes de mordida e em algumas situações stops nos fios que controlam o deslocamento do arco.



Orientadora de varias pesquisas ligadas ao tema,  autora de artigos, palestrante em congressos e conferencias, além de ser autora de um livro ligado a este tema, a Professora Liliana pode em sua aula, unir todos os conceitos e achados a sua vasta casuística clinica. O que enriqueceu sobremaneira a palestra e ilustrou para os nossos alunos todas as possibilidades que este sistema tem a oferecer.





terça-feira, 14 de maio de 2013

TRANSPLANTES DE CANINOS COM FINALIDADE ORTODÔNTICA



Neste artigo de 2006, publicado pela Revista de Odontologia da Academia Tiradentes de Odontologia, pelos autores Clóvis MARZOLA, Renato Oswaldo Figueiredo GEROMEL; Trabalho de Tese de Mestrado aprovada com Distinção e Louvor pela Universidade Camilo Castelo Branco em 2000. Procura mostrar que os transplantes de caninos retidos como auxiliar no tratamento ortodôntico são manobras que podem ser perfeitamente executadas por profissionais habilitados e, que vêm brindar o paciente com mais um recurso para a preservação de seus dentes e melhor desenvolvimento do caso clinico visando um resultado eficaz e um menor tempo ortodôntico.

Os transplantes dentais em sua moderna concepção de germes dentais iniciou seu período de investigação e, de ampla modernização a partir de 1950 com os estudos de HARLAND APFEL, na Califórnia (USA).

Falhas no irrompimento dos caninos superiores, não se apresentam como um fenômeno relativamente raro. Os caninos superiores são aqueles colocados em terceiro lugar na tabela de freqüência de retenções dentais, entre a grande maioria de autores (BLUM, 1923; CRAMER, 1929; RHORER, 1929; MEAD, 1930; DEWEL, 1949; BJORK, JENSEN; PALLING, 1956; FONSECA, 1956; NANDA; CHAWLA, 1959; DACHI; HOWELL, 1961; PAATERO; KIMINKI, 1962; GRANDINI, VERRI; STIVANIN, 1966; NORDENRAM; STROMBERG, 1966; BASS, 1967; MARZOLA, MADEIRA; CASTRO, 1968; THILANDER; JACOBSSON, 1968; SINKOVITS; POLCZER, 1969; AITASALO, LEHTINEN; OKSALA, 1972; VERRI et al., 1973; PICCO, 1977-78; SHAH, BOYD; VAKIL, 1978; MARZOLA, 1988; MARZOLA et al., 1990; MARZOLA, 1992; BURKHARDT et al., 1994 e MARZOLA, 2005), com exceção de alguns autores que os encontraram mais freqüente que os demais (VERGOPOULOS, 1958; CHANTEL, 1964; SALOMÃO; SENI, 1970 e BRACCO, 1989).

O canino é o último dente a fazer seu irrompimento na cavidade bucal na região anterior, significando que terá que forçar seu caminho passando pelos incisivos laterais e pré-molares. O trajeto de seu irrompimento é muito longo, sendo que obstáculos poderão levá-lo à sua retenção. Assim, a falta de espaço na região anterior poderá estar relacionada à retenção do canino.

Da mesma forma que para os terceiros molares, há necessidade de se estabelecer o tipo de técnica mais adequada a ser efetuada, se com germe dental ou, se com um dente já formado e, ainda com ou sem tratamento endodôntico. Se o canino estiver sob a forma de germe, ocorrerá após o transplante a revascularização da polpa e a raiz continuará seu desenvolvimento. Foi encontrado que em oito dos nove transplantes de germes de caninos, a reação à vitalidade pulpar retornou em poucos meses (FLATH, 1961), do mesmo modo que, também, pode-se constatar a oportunidade de observar com os transplantes autógenos de germes de terceiros molares e, também, com os próprios caninos já há muitos anos (MARZOLA, 1975, 1988, 1997 e 2005).

Se a raiz do canino já estiver totalmente formada, a revascularização após o transplante poderá ou não suceder, muito embora já tenha sido observado regeneração dos nervos da polpa em dentes reimplantados de hamster (SORG, 1960). Este autor é de opinião que a revascularização possa ocorre possivelmente através do forame apical, por intermédio de algum filete vásculo-nervoso das proximidades, como já se pode ter a possibilidade de observar na grande maioria dos casos realizados (MARZOLA, 1997 e 2005).

Assim, de acordo com alguns autores, esse dente deverá ser tratado e obturado antes da realização do transplante (TURGEL, 1932; HUT, 1953; BADEN, 1956; SCHWENZER, 1957 e SIMPSON, 1966). Contudo, esta manobra deverá ser executada, num curto espaço de tempo de permanência do dente fora do alvéolo (ANDREASEN; HJORTING-HANSEN, 1966). Entretanto, não se segue esta norma em todos nossos casos, deixando-se a terapêutica endodôntica para aqueles casos em que há realmente necessidade, sendo que após mais de trinta anos de realização deste tipo de manobra somente em alguns casos houve necessidade desse tipo de intervenção, não ocorrendo anquilose alvéolo - dental com a reabsorção conseqüente da raiz (MARZOLA, 1997 e 2005).

Em quase todos os casos realizados por esse autor, ocorre a refixação da membrana periodontal, a neoformação óssea correta em torno da raiz e a revitalização pulpar, o que não se observa quando da realização do tratamento endodôntico antes da concretização do transplante. Apesar disso, pode-se dizer sem qualquer medo de incorrer em erro que os transplantes de germes de caninos podem ser realizados dessa maneira e, já como um dente formado, sem o tratamento endodôntico, contudo preservando-se a membrana saco dental e, deixando-se a terapia endodôntica para uma fase posterior, quando houver necessidade, o que geralmente ocorre por volta de três a quatro meses. Se não se quiser qualquer complicação, pode-se aconselhar a endodontia após quatro semanas, que o caso será coroado de sucesso (MARZOLA, 1997 e 2005).

CONCLUSÕES DO TRABALHO

Depois de todas essas observações e dos casos já realizados que já são mais de 100 pode-se concluir que:

1. Os resultados desta técnica são muito satisfatórios, resultando numa solução clínica e social totalmente aceitável.

2. Quando o espaço no arco dental é insuficiente, o tratamento ortopédico-ortodôntico para aumentá-lo deverá ser realizado, não se admitindo prejudicar os dentes vizinhos com desgastes ou outras manobras.

3. O novo alvéolo preparado para receber o transplante deverá ser semelhante à raiz do germe ou dente a ser transplantado, e de preferência preparado às custas da abóbada palatina.

4. Preferentemente, deve-se transplantar o canino que ainda não esteja com a raiz totalmente formada, ou seja, sob a forma de germe, nada implicando o contrário.

5. O trauma oclusal deverá ser evitado completamente.

6. A sutura das papilas interdentais deverá sempre ser efetuada.

7. Formação radicular e sensibilidade após algum tempo já pode ser evidenciada.

8. A cicatrização do novo ligamento periodontal está bastante evidente em todos os casos assinalados.

9. O sucesso dessa intervenção está sempre na dependência direta do mínimo de traumatismo ao dente ou ao germe, ou ainda à membrana saco dental, ao osso adjacente, e à ausência de trauma oclusal, além do tempo de permanência do germe ou do dente fora do alvéolo.

10. Em casos perfeitamente selecionados, com cirurgias não complicadas, pode-se antecipar um prognóstico muito bom em dentes com raízes incompletas (100%) e, com formação radicular completa (82%), com relação à sobrevida do dente.

11. Com relação à cicatrização pulpar, a sobrevida até cinco anos em dentes com formação radicular incompleta é de 76% e, com formação radicular completa é de 22%.

12. Com vistas à cicatrização do ligamento periodontal, a sobrevida até cinco anos em dentes com formação radicular incompleta é de 76% e com formação radicular completa é de 48%.

13. Os implantes de materiais aloplásticos como a hidroxiapatita. O HTR, ou ainda outros biomateriais, mostraram ser excelentes no auxílio do reparo da região, em nada interferindo nem como o processo de reparo ósseo e, muito menos com relação ao transplante.


Link do artigo na integra via ACTiradetes:

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Achados incidentais decorrentes da tomografia computadorizada de feixe cônico em pacientes ortodônticos.








Neste artigo de 2011, publicado pelo Angle Orthodontis, pelos autores Sheelagh A. Rogers; Nicholas Drage; Peter Durning; Orthodontic Department, University Dental Hospital, Cardiff, Wales; Dental Radiology Department, University Dental Hospital, Cardiff, Wales; A tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) dos pacientes de ortodontia é uma ferramenta de diagnóstico cada vez mais utilizado em hospitais e unidades de atenção primária. Ela oferece um alto rendimento de diagnóstico, curto tempo de análise, e uma menor dose de radiação que a tomografia computadorizada convencional. Este artigo relata quatro descobertas acidentais que aparecem sem relação com a digitalização do original para fins provenientes de pacientes para os quais CBCT foi realizado com finalidade ortodônticos.

A tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) dedicada para uso oral e maxilo-facial foi introduzida na década de 90, pioneiramente por Arai et al. no Japão e Moshiri et al. na Itália. A TCCB oferece vantagens sobre os tomografos da medicina convencional que pode produzir a mesma resolução excelente, e a dose de radiação é significativamente menor. Com a maioria das unidades CBCT o paciente senta-se ao invés de deitar com uma representação mais precisa dos tecidos moles. As máquinas, muitas vezes se assemelham a unidades panorâmicas, o que proporciona um ambiente mais familiar para pacientes ortodônticos, que podem ser importantes, especialmente quando a digitalização em crianças. A literatura mostra uma série de aplicações CBCT em ortodontia. Uma recente revisão sistemática relatou que 16% dos seus artigos incluídos tratadas com imagem CBCT em ortodontia, e cobriram o uso de microparafusos na avaliação da espessura do osso palatino, zonas seguras para a colocação dos arcos maxilar e mandibular, confecção de guias cirúrgicos para a sua colocação , a cefalometria, a posição dos dentes e da inclinação, a avaliação para a expansão rápida da maxila, a determinação da idade óssea com base na morfologia das vértebras cervicais e avaliação tridimensional da anatomia das vias aéreas superiores em adolescentes.


O caso 01 demonstrou um achado acidental de uma fissura no atlas. A primeira vértebra cervical (C1) ou atlas pode ser dividido em três partes: o arco anterior, as massas laterais e do arco posterior. É formada por três centros primários de ossificação inicialmente em cada massa lateral. Ao nascer, as partes ósseas são separadas uma da outra por uma fenda estreita cartilaginoso e do arco anterior consiste de cartilagem, um centro de ossificação distinto aparece no final do primeiro ano após o nascimento. Esta junta-se as massas lateral, e ossificação geralmente é completa por volta dos 10 anos.


Fissuras ocorrem quando ocorre defeitos nos centros de ossificação das vértebras. Fissuras Anterior ao arco são mais raras (0,1% da população) do que fissuras arco posterior, que têm sido encontrados em cerca de 4% dos adultos. Tais anomalias podem ocorrer mais freqüentemente em pessoas com lábio leporino, fenda palatina ou ambos. Elas podem ser descobertos como achados incidentais ou podem ter um padrão de apresentação diferentes que vão desde a dor de garganta transitória a diferentes graus de compressão da medula, incluindo a mielopatia. Nenhum tipo de defeito do arco parece mais propenso a causar sintomas do que outros. Um aspecto importante no diagnóstico de fissuras atlas é que eles podem simular fraturas. No entanto, as fraturas mostram bordas irregulares associados com tecidos moles e uma possível história de trauma, enquanto fissuras congênitas são suaves e têm uma parede intacta cortical, como relatado no presente caso.


Caso dois relata um achado incidental de perolas de esmalte. Ectópica de desenvolvimento do esmalte na raiz superfície foi previamente designado enameloma, gota de esmalte, nódulo de esmalte, ou como neste caso, pérola de esmalte. Sua incidência tem sido relatada previamente como de 0,2% dos molares superiores e 0,03% dos molares inferiores. O local mais comum é adjacente à bifurcação da raiz, e molares, segundo e terceiro são mais comumente envolvidas do que os primeiros molares. A patogênese desta anomalia é desconhecida.


A possibilidade de uma associação genética também tem sido postulada a partir de relatos de várias pérolas de esmalte nos dentes bilateral em irmãos. Pérolas do esmalte também pode ser reconhecida incidentalmente durante a radiografia de rotina e ppear como hemisférica opacidades densas projetando a partir dos limites da superfície radicular. O significado das pérolas de esmalte é que eles têm uma fraca ligação com o ligamento periodontal, tornando estas áreas mais propensas a destruição periodontal e formação de bolsa.

Caso dos três foi um achado raro incidental de um côndilo bífido, que é caracterizada pela duplicidade da cabeça do côndilo. A etiologia não é bem compreendido, mas várias teorias têm sido propostas, incluindo uma anomalia de desenvolvimento, onde manteve um septo fibroso ou vasculares na estrutura que impede a ossificação por trauma mandíbula, ou menor trauma para o centro de crescimento condilar que pode resultar na bifurcação ou pode levar insuficiente para a remodelação do fragmento ósseo condilar dando origem à formação bífida. Embora seja predominantemente uma doença assintomática, ele também pode apresentar dor na ATM, sons e movimentos mandibulares restritos. O diagnóstico geralmente é feito sobre as manifestações radiológicas e tratamento para pacientes sintomáticos é semelhante à de analgésicos disfunção da ATM, anti-inflamatórios, relaxantes musculares, fisioterapia e talas. A cirurgia pode ser considerada se a condição está associada com abertura limitada da boca ou anquilose.


Caso, quatro mostra uma bolinha apresentada entre os concha nasal inferior e o septo nasal.


CONCLUSÕES


Esta série de casos de achados incidentais relatados em exames tomográficos maxilar de pacientes ortodônticos destaca a necessidade para a verificação completa que deve ser interpretado por um radiologista e um profissional com formação específica em consonância com as recentes orientações da Academia Européia de Radiologia e Dentomaxillofacial a HPA.



Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


http://www.angle.org/doi/pdf/10.2319/032210-165.1

quinta-feira, 2 de maio de 2013

The AcceleDent System









O sistema AcceleDent, é baseado em emissão de vibrações intra-bucais, que segundo o seu inventor (que é Ortodontista com PHD em Engenharia) acelera a movimentação ortodontica. Ele preconiza o uso do dispositivo por 20 minutos diarios e promete reduzir o tempo de um tratamento ortodontico em eaté 30%. O fabricante disponibiliza em seu site alguns estudos. Mas pouca coisa ainda realizada em humanos.


O que o fabricante fala sobre esta Tenologia:


Dr. Jeremy Mao, DDS (Especialista em Ortodontia), PhD (Engenharia multidisciplinar) é o inventor do conceito por trás da vibração de força para melhorar e acelerar o movimento do dente. Ele baseou sua idéia na literatura, que relata a utilização de vibração em ossos longos resultando numa densidade óssea melhorada. Dr. Mao investigou a teoria em uma série de modelos animais preditivos de movimentação que indicava tal idéia tinha mérito.


Posteriormente, num laboratório independente do Japão (Nishimura), Dr. Mao confirmou que a vibração acelerava a movimentação dentária em ratos, e poderia ser feito com segurança (o grupo de vibração mostrou uma tendência de reabsorção radicular menor do que o padrão de carga "ortodôntico estática" do grupo). Os dados do Dr. Mao levou à formação da OrthoAccel Technologies (OA) para desenvolver um dispositivo (um mini ativador extrabucal acoplado a um peça de mão, usada 20 minutos por dia), e um estudo foi posteriormente iniciado e concluído na UT-Houston, no Texas. Este dispositivo possui a CE Mark de aprovação e registro ISO que foi concedido no início de 2009, o seu lançamento comercial no Reino Unido, ocorreu em 2009.


Sobre o dispositivo


O OA utiliza a aplicação de forças para aumentar a pulsação de cintas padrão ou em alinhadores e os dentes se movimentam mais rápido através da remodelação óssea acelerada. Esta ciência tem sido aplicada em outras partes do corpo, por exemplo, para aumentar a taxa de cura da fratura e da densidade óssea dos ossos longos. O aparelho OA é um dispositivo removível, similar a um retentor com um pequeno motor, no qual o paciente morde. Cientificamente tem validado em animais com resultados publicados e, em um estudo recente humanos. A premissa é simples. Ao invés de usar apenas a pressão constante, o dispositivo se aplica vibrações muito leves para a dentição.


O paciente coloca e ativa o dispositivo em vinte minutos diários com pulsar suave. Os usuários podem realizar tarefas diárias mais rotineiras durante o período de ativação, o dispositivo é recarregável através de uma estação de recarga (que também capta e exibe os dados de conformidade). Mais importante ainda, destina-se a trabalhar com todos os aparelhos fixos existentes e como o sistema Invisalign.


O Sistema AcceleDent é um novo dispositivo que aumenta a força ortodôntica com segurança acelerando o movimento do dente normalmente irá reduzir o tempo de tratamento em 30%.




Benefícios para Paciente:


. Redução do tempo de tratamento sem estética comprometida


. Menores chances de desenvolver cárie ou doença periodontal com o tratamento encurtado


. Ensaio clínico demonstra excelente perfil de segurança para a reabsorção radicular



Benefícios para o Ortodontista:


. Redução do tempo de tratamento permite a prática de melhoria da produtividade


. Tecnologia inovadora proporciona diferenciação prática


. 100% compatível com qualquer sistema biomecânico



Link do fabricante do Produto: