ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA: Novembro 2010

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Reconstrução facial apartir de um crânio achado de uma residente de Atenas com a idade de 11 anos, do sexo feminino, de 430 AC














Neste artigo a ser publicado em 2011, pelo Angle Orthodontist, pelos autores Manolis J. Papagrigorakis; Philippos N. Synodinos; Aristomenis Antoniadis; Emmanuel Maravelakis; Panagiotis Toulas; Oscar Nilsson; Effie Baziotopoulou-Valavani; Departament of Orthodontics, University of Athens, and Museum Studies Research Centre, University of Athens, Athens, Greece; Technical University of Crete, Chania, Crete, Greece; the Design & Manufacturing Laboratory, Technological Educational Institute of Crete, Chania, Crete, Greece; Imaging Department, Euromedica-Encefalos Center, Athens, Greece; Third Ephorate of Prehistoric and Classical Antiquity, Ministry of Culture, Athens, Greece. Mostra o passo a passo de uma reconstrução facial de um crânio feminino achado em Atenas de 430 AC.

Embora os padrões modernos de proporções ideais e estética facial são baseadas principalmente na observação de faces humanas, como descrito em obras clássicas gregas da arte, a verdadeira face dos ordinários gregos antigos têm, até agora, permaneceu indescritível e sujeito à imaginação. O objetivo de técnicas forenses de reconstituição facial nunca foram aplicadas antes, porque o material esquelético humano a partir de Grécia Clássica tem sido extremamente escasso, pois a maioria dos enterros decentes desse tempo era necessária a cremação.

Neste estudo, os autores mostram etapa por etapa da reconstrução facial de uma menina de 11 anos, cujo crânio foi descoberto em excelente estado em uma vala comum com vítimas da praga que atingiu Atenas em 430 aC. O crânio original foi reproduzido através de modelagem tridimensional e prototipagem rápida. A reconstrução foi realizada pelo método de Manchester, que estabelece os tecidos faciais a partir da superfície do crânio para fora usando pinos depthmarker como guias de espessura.

O formato, tamanho e posição dos olhos, ouvidos, nariz e boca foram determinados de acordo com características dos tecidos subjacentes do esqueleto, enquanto que o penteado seguiu a moda da época.

Este é o primeiro caso de reconstrução facial de uma pessoa leiga residente em Atenas da Idade de Ouro de Péricles. É irônico, entretanto, que esta infeliz menina que viveu uma vida tão breve na antiga Atenas, agora, 2500 anos depois, tem a chance de viajar e ser universalmente reconhecível em um mundo muito maior do que qualquer um na antiga Atenas jamais poderia ter imaginado .


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Angulação dos caninos em portadores de má oclusão de Cl I e de Cl III: análise comparativa através de um novo método utilizando imagens digitais



Neste artigo de 2010, publicado pelo Dental Press Journal Orthodontics, pelos autores Lucyana Ramos Azevedo, Tatiane Barbosa Torres, David Normando; da disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Pará e do Curso de Especialização emOrtodontia da ABO-PA. Determina as angulações mesiodistais das coroas dos caninos em indivíduos portadoresde má oclusão de Classe III, comparando-os a indivíduos Classe I.

As inclinações e angulações dentárias são objetos de estudo desde a época em que Angle sistematizou o tratamento ortodôntico, desenvolvendo o aparelho Edgewise (arco de canto), cujas inclinações e angulações dentárias são modificadas pelos arcos, conforme inseridos nas canaletas dos braquetes.

Há algum tempo, os ortodontistas percebem as vantagens de se angular os braquetes, porém não existia um consenso sobre a quantidade de angulação apropriada para cada dente. Com isso, começou-se a considerar a possibilidade de desenhar braquetes individuais para cada tipo de dente, para trabalhar com fios sem dobras ou, ainda, a confecção de braquetes feitos sob medida para cada paciente.

A técnica Straight-Wire faz uso de braquetes programados, ou construídos individualmente para cada dente, com o objetivo de posicioná-los idealmente ao final do tratamento. Desde a sua introdução, a proposta original previa, além dos braquetes padrão— que se aplicam a um grande número de pacientes —, a necessidade do uso de diferentes prescrições que considerassem o tipo de má oclusão, o tratamento a ser adotado e o posicionamento desejado ou possível para os dentes ao final do tratamento. Em outras palavras, a individualização do aparelho de acordo com a má oclusão original.

Entre as várias mudanças ao sistema inicialmente desenvolvido, está a que preconiza a modificação da angulação dos caninos nos casos de compensação. As angulações de 8º e 5° para caninos superiorese inferiores, respectivamente, para tratamentodas más oclusões de Classe I foram modificadas para 11° para os caninos superiores e 0º para os inferiores em tratamentos compensatórios das másoclusões de Classe III. O objetivo dessas mudanças seria aumentar ou preservar o perímetro da arcada superior e reduzir ou preservar o perímetro da arcada inferior, favorecendo a criação de um trespasse positivo anterior, introduzindo maior compensação e aumentando a capacidade de correção da má oclusão, apesar do erro esqueletal.

Apesar do crescente interesse na modificação das angulações e inclinações dentárias a partir das medidas descritas pelo estudo das seis chaves para a oclusão ideal, poucos estudos têm buscado avaliar a confiabilidade de tais medidas quando se emprega um determinado método. Embora vários métodos tenham sido descritos para a mensuração da inclinação dentária (torque), poucos estudos avaliaram o erro inerente ao método utilizado para a análise da angulação dentária.

Em recente estudo, foi descrita uma nova metodologia para a mensuração das angulações e inclinações dentárias utilizando a tomografia computadorizada volumétrica. Para tal, foram realizados cortes tomográficos dos dentes anteriores de dois indivíduos, com padrões faciais II e III, respectivamente. Após a avaliação, concluiu-se que a tomografia computadorizada (TC) pode ser um meio útil para avaliação de inclinações e angulações dentárias, possibilitando grande contribuição para as pesquisas envolvendo o posicionamento dentário e, também, para a individualização do tratamento ortodôntico, uma vez que permite a verificação individual do posicionamento dentário, e por ser um exame que nãoapresenta distorção. Contudo, essas mensurações das angulações dentárias, medidas feitas em modelose em TC, devem ser feitas com ressalvas, porque esses são métodos relativamente novos e que ainda necessitam de mais estudos que comprovem sua eficácia e, principalmente, confiabilidade. Ressalta-se, ainda, o alto custo financeiro dos exames tomográficos, além dos riscos inerentes à radiação.

A amostra do presente estudo foi selecionada apartir de consultórios particulares de ortodontistas e foi composta por 57 pacientes no estágio de dentição permanente.

Com o objetivo de se obter uma análise comparativada angulação dos caninos permanentes entre indivíduos portadores de má oclusão de Classe I ede Classe III, a amostra foi dividida em dois grupos. O primeiro grupo (Classe I) foi composto por 33 indivíduos portadores de má oclusão de Classe I com problemas ortodônticos incipientes, ou seja, casos onde o tratamento ortodôntico estaria limitado a pequenos movimentos (fechamento de diastemas, suaves apinhamentos, mordida cruzada posterior de molares, entre outros), sem tratamento ortodôntico prévio. O segundo grupo foi composto por 24 indivíduos com má oclusão de Classe III. Pacientes com perdas dentárias, agenesias, biprotrusão, síndromes e apinhamento severo ou moderado foram excluídos da amostra, em razão desses fatores poderem modificar a angulação dos caninos.

As angulações obtidas dos caninos, em ambos os grupos, foram analisadas comparando-se as medidas de cada canino no grupo Classe I com seu análogodo grupo Classe III. Em síntese, os caninos superiores apresentaram suas coroas clínicas voltadas para mesial em ambos os grupos, de forma semelhante; embora suavemente mais acentuada nos indivíduos Classe III. Já os caninos inferiores do grupo Classe I apresentaram suas coroas clínicas voltadas para mesial, enquanto os dogrupo Classe III mostraram-se verticalizados ou com suas coroas clínicas voltadas para distal.

As médias das angulações encontradas sustentam a ideia de inserir compensações na angulação das canaletas dos braquetes dos caninos; entretanto, a análise da dispersão dos dados obtidos revelou umdesvio-padrão alto e grande amplitude total (valores máximo e mínimo), que justificaram uma individualização das angulações dos caninos antes mesmo da instalação do aparelho. Agrande variabilidade observada pode ser justificada, entre outros fatores, pela heterogeneidade na morfologiada coroa do canino. Clinicamente, pode-se definir que braquetes com prescrições compensatórias podem ser utilizados, porém o ortodontista deveria individualizar o caso clínico, aumentando-as ou mesmo reduzindo-as de acordo com a necessidade desses. Se houver necessidade de mensurar as angulações dentárias presentes originalmente, acredita-se que o método descrito apresente confiabilidade suficiente para justificar o seu uso.

CONCLUSÃO

Pelos dados obtidos, pode-se concluir que:

1. O método utilizado mostrou excelente replicabilidade, sem diferença entre as duas medidas realizadas, com erro casual relativamente pequeno.

2. Há diferença estatisticamente significativa na angulação dos caninos permanentes entre indivíduos com más oclusões de Classe I e de Classe III, principalmente para os caninos inferiores. As diferenças encontradas acompanham as compensações naturais da inclinação dos incisivos na Classe III, amplamente descritas na literatura.


Link do artigo na integra via Scielo:

domingo, 28 de novembro de 2010

Pensamento da semana


"A paz é a única forma de nos sentirmos realmente humanos."

Albert Einstein
1879 - 1955

Link sobre o autor:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Albert_Einstein

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

GEORTO - Grupo de Estudos em Ortodontia da Bahia













Neste ultimo sábado 20/11/2010, o GEORTO deu um grande passo no que diz respeito a seu principal pilar que é a democratização do acesso, discussão e disseminação das informações de qualidade ligadas a Ortodontia Contemporânea. Tivemos o grande prazer de receber vindo de Belo Horizonte - MG o Dr. Bruno Frazão Gribel (Mestre em Ortodontia – PUC- MG; Postdoctoral Scholar Orthodontics and Pediatric Dentistry University of Michigan; Autor de artigos publicados no Brasil e no exterior; Autor do COMPASS3D - Diagnóstico Tomográfico para Ortodontia e Cirurgia Ortognática) que veio nos visitar convidado pelo amigo e membro do grupo, Dr. Alexandre Palmeira. Nos foi apresentado pelo professor a nova fronteira da nossa especialidade: o diagnóstico e planejamento tridimensional em Ortodontia.

Fiquei feliz com o comprometimento de todo o grupo que abdicou de uma tarde de sábado em Salvador para prestigiar a bela aula que nos foi ministrada. Foi mostrado, pelo Dr. Bruno Gribel, todas as particularidades desta tecnologia, desde o conceito do Voxel, desenvolvimento dos tomógrafos, dos softwares, modelos digitais, prototipagem, até a convergência de utilização das varias ferramentas de diagnóstico que o professor de forma hábil conseguiu fundir e usar nos vários protocolos que vem desenvolvendo e utilizando na Compass 3D. O professor na oportunidade trouxe ao evento um Scanner laser da 3Shape para o grupo conheçer e os modelos fisicos, digitais e prototipados. Aconselho a todos que nos acompanham no BLOG Ortodontia Contemporânea a conhecerem estes novos métodos de diagnostico e planejamento. Visitem o Site da Compass 3D que periodicamente programa aulas de qualidade via vídeo conferencia, com a participação do Dr. Bruno e do Dr. Marcos Gribel.

O GEORTO continua a caminhar com suas reuniões mensais pautadas sempre na troca de experiências entre especialistas e estudantes de especialização em Ortodontia; discussão de casos clínicos; Apresentação e discussão de artigos científicos e a partir de agora, com aulas de professores de vários centros de formação do Brasil. Fico satisfeito com a procura de novos colegas interessados em ingressar ao grupo(Visto que iniciamos com 05), e ver este sonho cada vez mais se concretizando. Alguns colegas de outros estados vem nos procurando com o intuito de formar este grupo de estudo em suas cidades, o que me deixa ainda mais feliz.


Dr. Marlos Loiola

__________________________________________________________

Ratifico todas as palavras que o colega e amigo Dr. Marlos Loiola escreveu acima e faço esta inserção apenas para comunicar aos colegas freqüentadores do GEORTO, e também leitores deste Blog, que muitas novidades estão por vir. Muitas portas estão se abrindo e muitos contatos estão sendo feitos. Em momento oportuno divulgaremos por email (banco cadastrado) alguns outros frutos dos destes contatos. Coming soon!

Wendel Shibasaki

___________________________________________________________


Link do COMPASS 3D:

Ultimos artigos publicados pelo Dr. Bruno Gribel e Dr. Marcos Gribel:

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Resposta radicular e óssea em decorrência da proximidade do mini implante Ortodontico



Neste artigo de 2009, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Yang-Ku Lee; Jong-Wan Kim; Seung-Hak Baek; Tae-Woo Kim; Young-Il Chang; do Department of Orthodontics, School of Dentistry and Dental Research Institute, Seoul National University, Seoul, Korea e do Department of Orthodontics, Section of Dentistry, Seoul National University Bundang Hospital, Seongnam City, Korea . Mais um artigo que mostra as consequencias de perfurações radiculares causadas pela inserção do Mini implantes Ortodonticos.

O artigo foi realizado com o intuito de determinar a reação histológica da raiz e osso quando um mini-implantese se aproxima da raiz.

Dois tipos de mini-implantes foram inseridos no osso alveolar vestibular da 4 cães beagles (2 machos e 2 fêmeas). Os espécimes foram classificados como do grupo próximo da raiz, o PDL grupo de contato, o grupo de contato da raiz, e do grupo de perfuração de raiz. Reabsorção cemento, reabsorção de dentina, reparação de cemento, o crescimento do cemento, anquilose, rachadua na raiz, e fratura de raiz foram avaliados, quando o implante se aproximava da raiz.

A incidência de reabsorção radicular aumentou quando o mini-implante inferior ficou a 0,6 milímetros a partir da raiz do grupo de raiz de quase-grupo de contato e PDL. Rachaduras de Raiz e fraturas de raiz ocorreu no grupo de contato da raiz e do grupo de perfuração de raiz.

A reabsorção óssea e anquilose foram observadas em alguns espécimes. No entanto, alguns espécimes do grupo de contato PDL e raiz e grupo de contacto teve crescimento de cemento ou reabsorção radicular pouco, apesar da proximidade à raiz. No grupo de perfuração de raiz, reabsorção radicular e anquilose ocorreu no lado oposto a inserção.

Existe o risco de contato da raiz e danos severos ao tecido a partir de um mini-implante de espessura e do processo de perfuração, podem induzir a reabsorção radicular ou anquilose. Uso de mini-implantes menores podem reduzir o contato da raiz e lesão tecidual. No entanto, o pequeno mini-implante pode ter necessidade de reforço para sua estabilidade.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Noticias do BLOG



Venho aqui apresentar mais um BLOG ligado a Odontologia, o Perio-Online. Do amigo e Periodontista Alex Guedes. O Blog vem sendo atualizado sistematimente com bons artigos. E o autor busca a interrelação dos assuntos ligados a Periodontia - Implantodontia e Estética. Mais uma boa opção para quem busca conhecimentos ligados a especialidade. Desejo sucesso ao Alex e vida longa ao BLOG Perio - Online, que já faz parte da nossa listagem de Blogs.
Marlos Loiola
Link do BLOG:

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Comparação entre medidas cefalométricas do tecido duro, através de reconstrução tomografica computadorizada em 3D e imagens 2D convencionais


Neste artigo de 2011, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Oded Yitschaky; Meir Redlich; Yossi Abed; Marina Faerman; Nardy Casap; Nurith Hiller; do Department of Orthodontics, Hadassah Faculty ofDental Medicine, Hebrew University, Jerusalem, Israel; do Department of Oral and MaxillofacialSurgery, Hadassah Faculty of Dental Medicine, Hebrew University,Jerusalem, Israel; do Department of Radiology, Hadassah-HebrewUniversity Medical Center, Jerusalem, Israel; Mostra um estudo que compara as medidas das imagens radiograficas convencionais 2D e as tomografias computadorizadas 3D.

Este estudo foi realizado com o intuito de comparar as medidas via cefalostato bidimensional (2D) e medições via tomografia computadorizada 3D (TC) para determinar a compatibilidade das marcações CT e suas identificações com finalidade ortodontica.

Dez crânios humanos foram radiografados com cefalograma lateral convencional e em seguida escaneados com TC espiral. Vinte e oito cefalometrias lineares e angulares foram registradas no cefalograma lateral 2D e foram realizadas comparação com as mesmas medidas na CT com digitalização 3D. A significância dos resultados foi determinada pelo teste t-pareado para as diferenças (P, 0,05).

Não foram encontradas diferenças entre imagens 2D e 3D para medidas lineares ou de razão. Em relação às medidas cefalométricas angulares, apenas a nas medições que dependiam da sela turcica, mostraram diferença significativa entre as imagens 2D e 3D.

A compatibilidade com a maioria das medidas cefalométricas comuns usadas na ortodontia em relação a imagem volumetrica 3D processada foi comprovada, exceto para as medidas angulares que incluiram marcações na sela anatômica.

Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

domingo, 7 de novembro de 2010

Pensamento da Semana


"Sei que meu trabalho é apenas uma gota no oceano. Mas sem ele o oceano seria menor"

Madre Teresa de Calcutá
1910 - 1997


Link sobre a autora:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Madre_Teresa_de_Calcut%C3%A1

sábado, 6 de novembro de 2010

BITE-BUMPER™



O BITE-BUMPER™, nada mais é que um batente de colagem produzido pela Gestenco, uma industria Sueca de produtos ortodonticos, é feito de policarbonato e possui um Jig posicionador que serve de guia de colagem, interessante e mais uma opção para o tratamento das mordidas profundas.

O que o fabricante fala produto:

BITE-BUMPER™

Abre a Mordida Sem Traumas

O trabalho do Bite-Bumper é abrir a mordida profunda, permitindo que casos destas mordidas anteriores abra e deixe a mordida fora de oclusão. O Bite-Bumpers elimina falhas na colagem de braquetes especialmente os mais valiosos como cerâmica ou auto-ligaveis.

O único fixo com um "Jig de colocação" que garante uma boa altura na lingual do dente, e garante que os dois Bite-Bumpers fiqem 100% paralelos.

Os Bite-Bumpers são feitos de um compósito de polímero que é mais confortável, estético e ideal pela sua biocompatibilidade em pacientes sensíveis o niquel.

O Jig de posicionamento pode ser facilmente removido com as mãos ou por um instrumento de corte após colagem.


Link do Fabricante:

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

OrthoCem - Avaliação

Utilizar um novo material quando não se tem muitos problemas e gosta daquele que está usando é muito difícil. Afinal: "Por que mexer em time que está ganhando?"1

Quem acompanha este Blog sabe que não ganhamos nada para postar produtos. A intenção é apenas trazer à discussão o que encontramos e achamos interessante. Compartilhar tem sido a nossa grande bandeira. Sei que muitos leitores já conhecem ou até já estudaram todas as resinas do mercado, mas muitos outros não. Para estes nossas considerações:

Neste último congresso da SPO recebi de brinde uma bisnaga de ortocem, da FGM. Ao chegar no consultório, escolhi uma paciente para experimentar.

Primeiro tenho que falar sobre a sua característica que é mais utilizada no seu departamento de marqueting: Não é necessário a etapa de aplicar o primer. Este já vem incorporado. Isso significa que a colagem tem um ganho importante de tempo.


Achei a consistência muito interessante, pois escoa bem quando pressionada, mas tem uma viscosidade que não deixa o braquete sair da posição enquanto polimeriza.


Outra coisa que achei interessante é que se, por acaso, contaminar o dente adjacente ao que está colando, basta lavar e secar com a seringa tríplice. Rápido e prático.



E, é claro, apliquei força logo após a colagem sem nenhuma intercorrência.


O que o fabricante fala:

OrthoCem é um adesivo/cimento fotopolimerizável para colagem de bráquetes ortodônticos feitos em policarbonato, metal e cerâmica. O produto apresenta cura fotoativada, permitindo ao profissional total controle da colagem do bráquete e a instalação imediata do arco ortodôntico.

Uma grande vantagem no âmbito clínico é a apresentação monocomponente do produto. O primer já está incorporado ao adesivo na mesma seringa, diminuindo um passo clínico e conseqüentemente facilitando e agilizando o procedimento. Deste modo, é necessário somente o condicionamento ácido em esmalte, lavagem e secagem e posterior aplicação do produto no bráquete para sua cimentação.
OrthoCem apresenta resistência adesiva balanceada, idealizada para ser suficiente para resistir à solicitação mecânica da terapia ortodôntica porém não ser excessivamente adesivo que dificulte sua remoção ao final do tratamento. Adicionalmente, sua viscosidade permite fácil posicionamento dos bráquetes e sua capacidade de resistir à variação de cor ao longo do tempo traz um benefício estético significante.


Site do fabricante:


http://www.fgm.ind.br/pt/produtos/index.aspx?categoria=pct_7&produto=prd_45


Passo a passo :
http://www.fgm.ind.br/pt/produtos/index.aspx?categoria=pct_7&produto=prd_45&menu=4



1. Expressão usada no Brasil que faz referência a equipes de futebol. Se a equipe está ganhando, o técnico não deve substituir jogadores.

Wendel Shibasaki