ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA

terça-feira, 5 de julho de 2022

Limite esquelético anatômico mandibular posterior para distalização de molar em pacientes com má oclusão de Classe III com diferentes padrões faciais verticais

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Sung-Ho Kim; Kyung-Suk Cha; Jin-Woo Lee e Sang-Min Lee. Do Department of Orthodontics, Dankook University College of Dentistry, Cheonan, Korea; Teve o objetivo  de  comparar as diferenças nas distâncias do limite anatômico posterior mandibular (MPAL) estratificadas por padrões verticais em pacientes com má oclusão de Classe III esquelética por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Imagens de TCFC de 48 pacientes com má oclusão de Classe III esquelética (idade média, 22,8 ± 3,1 anos) categorizadas de acordo com os padrões verticais (hipodivergente, normodivergente e hiperdivergente; n = 16 por grupo) foram analisadas. Embora paralelas à linha oclusal posterior, as distâncias lineares mais curtas da raiz distal do segundo molar inferior ao córtex interno do corpo da mandíbula foram medidas em profundidades de 4, 6 e 8 mm da junção amelocementária. As distâncias MPAL foram comparadas entre os três grupos e suas correlações foram analisadas.

As médias de idade, distribuição de sexo, assimetria e alinhamentos nos três grupos não mostraram diferenças significativas. A distância MPAL foi significativamente maior no sexo masculino (3,8 ± 2,6 mm) do que no feminino (1,8 ± 1,2 mm) no nível da raiz de 8 mm. Em todos os níveis de raiz, as distâncias MPAL foram significativamente diferentes nos grupos hipodivergente e hiperdivergente (p <0,001) e entre os grupos normodivergente e hiperdivergente (p <0,01). As distâncias MPAL foram as mais curtas no grupo hiperdivergente. O ângulo do plano mandibular correlacionou-se fortemente com as distâncias MPAL em todos os níveis da raiz (p <0,01).

Os autores concluíram que as distâncias MPAL foram as mais curtas em pacientes com padrões hiperdivergentes e mostraram uma tendência decrescente com o aumento do ângulo do plano mandibular. As distâncias MPAL foram significativamente mais curtas (~ 3,16 mm) ao nível da raiz de 8 mm.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1951&vmd=Full


terça-feira, 21 de junho de 2022

Extração dupla vs única de dentes decíduos no tratamento interceptivo de caninos deslocados palatinamente: Um ensaio clínico randomizado

 




Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist,  pelos Autores Sigurd Hadler-Olsen; Anders Sjo ̈gren; Jeanett Steinnes; Mari Dubland; Napat Limchaichana Bolstad; Pertti Pirttiniemi; Heidi Kerosuo; Raija La ̈hdesmaki. Da Public Dental Health Service Competence Centre of Northern Norway, Tromsø, Norway; Institute of Clinical Dentistry, Faculty of Health Sciences, UiT The Arctic University of Norway, Tromsø, Norway; Unit of Oral Health Sciences, Faculty of Medicine, University of Oulu, Oulu, Finland; Compara o impacto das extrações de caninos decíduos e primeiros molares decíduos com extrações apenas de caninos decíduos em relação à correção de caninos deslocados palatinamanete (PDCs).

Trinta e duas crianças com idades entre 9,5-13,5 anos com 48 PDCs foram alocadas aleatoriamente no grupo de extração dupla (DEG) ou no grupo de extração única (SEG). Os exames clínicos e radiográficos foram realizados no início do estudo e em intervalos de 6 meses até o canino emergir ou o tratamento ortodôntico ser iniciado. As medidas adotadas foram: surgimento de canino superior (sim / não), surgimento de canino superior em uma posição favorável (sim / não), e canino superior com mudança posicional (angulação e setor). Fatores que influenciam o surgimento do PDC foram analisados por meio de regressão logística.

No DEG, 64% (16/25) dos caninos emergiram na cavidade oral vs 78% (18/23) no SEG (P 1⁄4 .283). A posição favorável do PDC no final do ensaio foi observada em 64% (16/25) do DEG vs 57% (13/23) do SEG (P = .600). Movimento distal significativo de PDCs foi registrado no DEG e SEG, embora nenhuma diferença significativa foi observada entre os grupos. Os preditores significativos de emergência canina foram angulação canina inicial (Ângulo A) (P = .008) e condições de espaço em T0 (P = .030).

Os autores concluíram que os procedimentos de extração de dente decíduo duplo ou único são equivalentes no apoio à erupção do PDC na cavidade oral e em uma posição favorável na arcada dentária. Angulação canina inicial e avaliações de espaço podem ser usadas como preditores de erupção do PDC bem-sucedida.

Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/6/751/441229/Double-vs-single-primary-tooth-extraction-in


terça-feira, 7 de junho de 2022

Precisão dos procedimentos de digitalização guiados por moldagens digitais do arco completo in vivo





Neste artigo de 2017, publicado no Journal of Orofacial Orthopedics, pelos Autores Moritz ZIMMERMANNChristina KOLLER, Moritz RUMETSCHAndreas ENDERAlbert MEHL. Do Department of Computerized Restorative Dentistry, Center of Dental Medicine, University of Zurich, Switzerland. Realizaram um estudo que avaliou a precisão dos procedimentos de varredura guiada em comparação com as técnicas de moldagens convencionais in vivo.

As estratégias de varredura específicas do sistema demonstraram influenciar a precisão das moldagens digitais do arco dentário completo. Procedimentos especiais de escaneamento guiado foram implementados nos sistemas de escaneamento intraoral específicos, com especial atenção ao fluxo de trabalho ortodôntico digital. 

Dois sistemas de varredura intraoral com procedimentos de varredura guiados do arco completo foram implementados (Cerec Omnicam Ortho; Ormco Lythos) sendo incluídos juntamente com uma técnica de moldagem convencional com material hidrocolóide irreversível (Alginato). Moldagens do arco completo foram realizadas três vezes cada, em cinco participantes (n = 15). As moldagens foram comparadas dentro dos grupos de teste usando um método de distância ponto a superfície após a melhor adequação do modelo (OraCheck). A precisão foi calculada usando os quantis (90% -10%) / 2 e a análise estatística com medidas repetidas one-way ANOVA e teste post-hoc de Bonferroni foram realizadas.

A técnica de moldagem convencional com Alginato mostrou menor precisão nas moldagens do arco  dentário completo com 162,2 ± 71,3 μm. Ambos os procedimentos de varredura guiada tiveram desempenho estatisticamente significativamente melhor do que a técnica de impressão convencional (p menor que 0,05). Os valores médios para o grupo Cerec Omnicam Ortho foram 74,5 ± 39,2 μm e para o grupo Ormco Lythos 91,4 ± 48,8 μm.

Os Autores concluíram que a precisão dos procedimentos de varredura guiada in vivo excedem em qualidade, as técnicas de moldagem convencionais com o material hidrocolóide irreversível, Alginato. Os procedimentos de escaneamento guiado podem ser altamente promissores para aplicações clínicas, especialmente para fluxos de trabalho ortodônticos digitais.

Link do Artigo na integra via Zurich Open Repository and Archive:

terça-feira, 31 de maio de 2022

Efeito da presença de braquetes ortodônticos em escaneamentos intraorais

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Sung-Ja Kang; Youn-Ju Kee; Kyungmin Clara Lee. Do department of Orthodontics, School of Dentistry, Chonnam National University, Gwangju, Korea.  Teve o objetivo de avaliar o efeito dos braquetes ortodônticos colados nas superfícies dos dentes em escaneamentos intraorais. Uma vez que a necessidade de escaneamento intraoral na presença de braquetes tem aumentado para monitorar a movimentação dentária durante o tratamento ortodôntico. 

Exames intraorais foram realizados em 30 pacientes usando scanners iTero e Trios antes e após a colagem dos braquetes. Os dois conjuntos de escaneamentos intraorais de cada paciente e escaneamentos intraorais com e sem braquetes foram sobrepostos usando um algoritmo de melhor ajuste, e uma análise de superfície tridimensional (3D) foi realizada. Em cada sobreposição, as discrepâncias nos eixos 3D e medidas da largura do arco nas regiões incisivos e molares foram comparadas. Além disso, a faixa de distorção ao redor dos braquetes foi avaliada nas seções transversais de cada sobreposição.

As discrepâncias gerais entre os escaneamentos intraorais com e sem braquetes estavam dentro de 0,30 mm. As discrepâncias da largura do arco na região molar foram maiores do que na região dos incisivos, mas as diferenças não foram estatisticamente significativas (P= .972 para o iTero; P =.960 para Trios). Os cortes transversais dos exames intraorais sobrepostos com e sem braquetes mostraram que os desvios estavam dentro de 0,40 mm no corte horizontal e de 0,35 mm no corte vertical ao redor dos braquetes.

Os autores concluiram que a acurácia dos escaneamentos intraorais, mesmo na presença de braquetes, é clinicamente aceitável, e as regiões além de 0,50 mm ao redor dos braquetes devem ser utilizadas para sobreposição nas imagens sem braquetes.

Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/1/98/444147/Effect-of-the-presence-of-orthodontic-brackets-on

terça-feira, 24 de maio de 2022

Comparação dos efeitos da terapia com máscara facial usando ancoragem esquelética e dentária: um estudo retrospectivo longitudinal

 



Neste artigo de 2022, publicado na Angle Orthodontist. Pelos Autores Hyeon-Jong Lee; Dong-Soon Choi; Insan Jang; Bong-Kuen Cha. Do Department of Orthodontics, College of Dentistry, Gangneung-Wonju National University, Gangneung, South Korea. Avaliou os resultados a longo prazo das alterações dentoesqueléticas induzidas pela terapia com máscara facial usando ancoragem esquelética em pacientes Classe III e compará-los com os da ancoragem convencional.

Este estudo retrospectivo incluiu 20 pacientes que receberam terapia com máscara facial (FM) com miniplacas como ancoragem para protração maxilar (grupo Miniplaca/FM, 10,6 +- 1,1 anos [média 6 DP]) e 23 pacientes que foram tratados com máscara facial com expansor rápido da maxila ( Grupo RME/FM, 10,0 +- 1,5 anos [média 6 DP]). As alterações dentoesqueléticas foram avaliadas por meio de cefalogramas laterais no pré-tratamento (T1), após a terapia com máscara facial (T2) e no estágio pós-púbere (T3). As alterações cefalométricas foram comparadas entre os grupos e as taxas de sucesso clínico em T3 foram avaliadas.

O SNA e A a N perpendiculares à FH aumentaram significativamente mais no grupo Miniplaca/FM do que no grupo RME/FM ao comparar os efeitos de curto prazo da terapia com máscara facial (T1-T2). ANB, avaliação de Wits, ângulo de convexidade, ângulo do plano mandibular e sobressaliência diminuíram significativamente mais no grupo RME/FM do que no grupo Miniplaca/FM após terapia com máscara facial (T2-T3). Uma relação intermaxilar mais favorável foi observada no grupo Miniplaca/FM do que no grupo RME/FM em observações de longo prazo (T1-T3). A taxa de sucesso clínico em T3 foi de 95% no grupo Miniplaca/FM e 85% no grupo RME/FM.

Os autores concluíram que a terapia com máscara facial com ancoragem esquelética mostrou um maior avanço da maxila e estabilidade mais favorável para correção da má oclusão de Classe III em longo prazo do que a terapia convencional com máscara facial com ancoragem dentária.

Link do artigo na integra via Meridian

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/92/3/307/475723/Comparison-of-facemask-therapy-effects-using

sexta-feira, 20 de maio de 2022

O Professor de Ortodontia e Ortodontista Marlos Loiola no 54° aniversário do Conselho Regional de Odontologia da Bahia



















Uma noite especial no evento do 54° aniversário do Conselho Regional de Odontologia da Bahia ... Uma mistura de boas sensações e lembranças.... Estar com meus ex alunos, amigos e diversos colegas engajados em prol do desenvolvimento da nossa odontologia.... Belos momentos e sempre de aprendizado... Muito Feliz pela homenagem, o que sempre me emociona... Pude ser um conselheiro e viver a "vida" do conselho em plena pandemia.... Momentos difíceis mas agregadores.... Ciclo ainda aberto, metas, projetos e realizações em prol da nossa odontologia da Bahia a frente... Meus agradecimentos ao presidente Prof Dr. Marcel Arriaga e todos conselheiros pela confiança sempre depositada e todo meu respeito!
 

terça-feira, 17 de maio de 2022

Avaliação tridimensional das alterações de posição do lábio superior de acordo com os movimentos antero superiores dos dente simulados por digitalização com feixes de luz branca





Neste artigo de 2014, publicado pelo THE KOREAN JOURNAL OF ORTHODONTICS, pelos autores  Hwee-Ho Kim, Jin-Woo Lee, Kyung-Suk Cha, Dong-Hwa Chung, Sang-Min Lee; do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Dankook University, Cheonan, Korea. Mostra um simulação de deslocamento labial pós retração do incisivo superior com imagem do tecido mole adquirida por scaneamento 3D da face.


O estudo foi realizado para observar as melhoras estéticas obtidas durante o tratamento ortodôntico são alcançados pelas mudanças nas posições dos lábios e tecidos moles adjacentes. O movimento do tecido mole facial já foi avaliado em duas dimensões pela cefalometria. Neste estudo, objetivou-se avaliar tridimensionalmente  as mudanças posicionais do lábio superior em adultos de acordo com os movimentos dentarios anteriores superiores simulados  por digitalização por scanner 3D luz branca.

Foram mensuradas as alterações em coordenadas tridimensionais de referência labiais com relação aos movimentos dos incisivos superiores de um adulto normal, simulados com filmes de espessura variável por meio de um scanner 3D de luz branca.

Com o aumento da protração, o lábio superior avançou significativamente para cima. O movimento labial foi limitados pelos tecidos moles circundantes. A extensão do movimento acima do vermelhão foi ligeiramente menor que a metade dos dentes, mostrando forte correlação. A maioria das mudanças foram concentradas na depressão acima do vermelhão superior. O movimento labial em direção ao nariz foi significativamente reduzido.

Os autores concluíram que depois de controlar adequadamente diversas variáveis e usando a digitalização com scanner 3D de luz branca, com alta reprodutibilidade e precisão, o coeficiente de determinação mostrou valores moderados (0,40-0,77) e mudanças significativas puderam ser determinadas. Este método seria útil para prever mudanças da posição de tecidos moles  de acordo com os movimentos de dente.

Link do artigo na integra via KJO:

segunda-feira, 9 de maio de 2022

Avaliação dos locais disponíveis para mini-implantes ortodônticos palatinos através de tomografia computadorizada de feixe cônico

 





Neste Artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Xinwei Lyu; Jiusi Guo; Liangrui Chen; Yi Gao; Lu Liu; Lingling Pu; Wenli Lai; Hu Long. Do Department of Orthodontics, West China Hospital of Stomatology, Sichuan University, Sichuan, China. West China School of Stomatology, Sichuan University, Sichuan, China. State Key Laboratory of Oral Diseases & National Clinical Research Center for Oral Diseases, Sichuan University, Sichuan, China. Mostram um estudo que mapeia a regisão palatina através da utilização de Tomografias, para determinar sitios de inserção de mini-implantes ortodônticos palatinos.

Os estudo teve o objetivo de  medir a espessura palatina de tecidos duros e moles e para determinar regiões seguras para a colocação de mini-implantes. As influências do sexo e idade na espessura palatina também foram examinadas. 

Imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico de 30 pacientes (12 homens, 18 mulheres), incluindo 15 adultos e 15 adolescentes, foram utilizadas neste estudo. As espessuras dos tecidos duros palatinos, tecidos moles e tecidos moles duros foram medidas nos planos coronais dos primeiros pré-molares, segundos pré-molares, primeiros molares e segundos molares (planos P1, P2, M1 e M2, respectivamente).

O tecido duro foi mais espesso no plano P1, seguido pelos planos P2, M1 e M2, enquanto a espessura do tecido mole foi semelhante entre os quatro planos. As tendências nas mudanças da espessura palatina da linha média para os lados laterais (padrão V) foram semelhantes para os quatro planos. A espessura palatina foi influenciada pelo sexo, idade e sua interação. O mapeamento dos locais recomendados e ideais para os mini-implantes palatinos foi realizado.

Os autores concluíram que fatores como sexo e idade podem influenciar a espessura palatina. Portanto, os resultados podem ser úteis para os profissionais, orientando-os na escolha dos locais ideais para os mini-implantes palatinos.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/516/430023/Assessment-of-available-sites-for-palatal

segunda-feira, 2 de maio de 2022

Mecanocomportamento e comprimento do ramo mandibular em diferentes fenótipos faciais

 




Neste artigo de 2020, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Paige Covington Riddle; Jeffrey C. Nickel; Ying Liu; Yoly M. Gonzalez; Luigi M. Gallo; R. Scott Conley; Robert Dunford; Hongzeng Liu; Laura R. Iwasaki. Do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Oregon Health & Science University, Portland, Oregon, USA; and Research Associate Professor, Department of Oral Diagnostic Sciences, University at Buffalo, School of Dental Medicine, Buffalo, New York, USA. Department of Biostatistics and Epidemiology, College of Public Health, East Tennessee State University, Johnson City, Tennessee, USA. Department of Oral Diagnostic Sciences, University at Buffalo,School of Dental Medicine, Buffalo, NewYork, USA. Physiology and Biomechanics of the Masticatory System, Dental School, Faculty of Medicine, University of Zurich, Zurich, Switzerland. University of Buffalo Microbiome Center, School of Dental Medicine, Buffalo, New York, USA e do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Oregon Health & Science University, Portland Oregon, USA. Buscaram testar a hipótese de que os escores de mecanocomportamento (MBS) foram correlacionados com os comprimentos do ramo mandibular (Co-Go) e diferiram entre os fenótipos faciais.

Os pacientes deram consentimento informado para participar. Co-Go (mm), ângulos do plano mandibular (SN-GoGn, º) e anatomia tridimensional foram derivados de radiografia cefalométrica ou tomografia computadorizada de feixe cônico. As densidades de energia (ED) da articulação temporomandibular (TMJ) (mJ / mm3) foram medidas usando estereometria dinâmica e fatores de trabalho (DF) (%) foram medidos a partir da eletromiografia, para calcular MBS (1⁄4 ED2 3 DF, 􏰁 mJ 􏰃2% ) para cada ATM. mm3 Regressões polinomiais, análise de cluster K-médias e análise de variância (ANOVA) com testes post-hoc de Tukey foram empregadas.

Cinquenta mulheres e 23 homens produziram dados completos. As regressões polinomiais mostraram que o MBS estava correlacionado com Co-Go (mulheres, R2 1⁄4 0,57; homens, R2 1⁄4 0,81). A análise de agrupamento identificou três grupos (P< 0,001). Sujeitos dolicofaciais, com Co-Go normalizado mais curto, agrupados em dois subgrupos com MBS baixo e alto em comparação com sujeitos braquifaciais com Co-Go mais longo. SN-GoGn foi significativamente maior (P< 0,03) nos subgrupos dolicofaciais combinados (33,0 +- 5,98) em comparação com o grupo braquifacial (29,8 +- 5,58).

Os Autores concluiram que o MBS correlacionou-se com Co-Go dentro dos sexos e diferiu significativamente entre indivíduos braquifaciais e dolicofaciais.

Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/6/866/443963/Mechanobehavior-and-mandibular-ramus-length-in

terça-feira, 26 de abril de 2022

Tratamento interceptivo na displasia ectodérmica usando um aparelho ortodôntico/protético modular inovador: Um relato de caso com acompanhamento de 10 anos

 


Neste artigo de 2018, publicado pelo European Journal of Paediatric Dentistry, pelos Autores D. Celli, A. Manente, C. Grippaudo, M. Cordaro. Da School of Orthodontics, Catholic University of the Sacred Heart, Rome, Italy. Private Practice in Pescara, Italy. ** Private Practice in Pescara, Italy, Fondazione Policlinico Universitario A. Gemelli IRCCS, Rome Università Cattolica del Sacro Cuore Dental Institute, Head and Neck Department. Relata  O tratamento de um caso complexo de displasia ectodérmica hipoidrótica (DEH) com oligodontia severa.

Um menino de 6 anos com DEH foi tratado com aparelho ortodôntico / protético modular. O dispositivo foi feito sob medida e consistia em duas partes, superior e inferior, que foram parcialmente removíveis e parcialmente fixadas. O paciente foi preparado para receber implantes dentários para reabilitação oral definitiva. O tratamento foi iniciado com aparelho removível de resina acrílica polimerizada com parafuso expansor na maxila e na mandíbula. A seguir, um aparelho modular ortodôntico / protético inovador foi confeccionado na maxila e na mandíbula, fixado com bandas nos primeiros molares permanentes, com parafuso expansor e parafuso telescópico que acompanham e sustentam os dentes protéticos de resina durante a expansão ortopédica. Os dentes protéticos de resina eram removíveis da estrutura metálica fixa deste aparelho. O paciente foi acompanhado por 10 anos desde o início do tratamento.

Os autores concluíram que o aparelho modular  descrito e a abordagem terapêutica mostraram-se eficientes e duráveis no alcance de diversos objetivos no tratamento de um caso complexo de DEH. Os objetivos não eram apenas ortodônticos, mas também protéticos e psicológicos.

Link do artigo na integra via Ejpd:

https://ejpd.eu/EJPD_2018_19_4_11.pdf


terça-feira, 19 de abril de 2022

Comparação da precisão de digitalizações faciais digitais obtidas por dois scanners diferentes: Um estudo in vivo

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontics, pelos autores Federica Pellitteri; Luca Brucculeri; Giorgio Alfredo Spedicato; Giuseppe Siciliani; Luca Lombardo. Do Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy; Faculty of Banking and Insurance, Catholic University of Milan, Milan, Italy; School of Dentistry, University of Ferrara,Ferrara, Italy.  Comparou o grau de precisão do scanner facial Face Hunter e do aplicativo Dental Pro para escaneamento facial, com relação às medidas manuais e entre si. 

Vinte e cinco pacientes foram medidos manualmente e escaneados usando cada dispositivo. Seis marcadores de referência foram colocados no rosto de cada paciente nos pontos cefalométricos Tr, Na0, Prn, Pog0 e L – R Zyg. Um software de medição digital foi usado para calcular as distâncias entre os pontos de referência cefalométrica em cada uma das varreduras. O Geomagic X Control foi usado para sobrepor as varreduras, determinando automaticamente o alinhamento de melhor ajuste e calculando a porcentagem de superfícies sobrepostas dentro das faixas de tolerância.

As comparações individuais das quatro distâncias medidas antropometricamente e nas varreduras geraram um índice de coeficiente de correlação intraclasse maior que 0,9. O teste t para amostras combinadas produziu um valor P abaixo do limite de significância. As bochechas direita e esquerda atingiam cerca de 60% da superfície, com margem de erro entre 0,5 mm e ± 0,5 mm. A testa foi a única área em que a maior parte da superfície se enquadrou na faixa de reprodutibilidade deficiente, apresentando valores fora da tolerância de mais de 20%.

Os autores concluíram que as varreduras tridimensionais da superfície facial forneceram uma excelente ferramenta analítica para avaliação clínica; não parece que um ou outro dos instrumentos de medição seja sistematicamente mais preciso, e as bochechas são a área com a porcentagem média mais alta de superfície na faixa altamente reprodutível.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/5/641/463603/Comparison-of-the-accuracy-of-digital-face-scans

segunda-feira, 11 de abril de 2022

Contenção lingual inovadora de níquel-titânio personalizada por CAD / CAM versus contenção lingual padrão de aço inoxidável: um ensaio controlado randomizado

 



Neste artigo de 2020, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Emilie Gelin; Laurence Seidel; Annick Bruwier; Adelin Albert; Carole Charavet. Do Department of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, University Hospital of Liège, Liège, Belgium e do Department of Biostatistics and Medico-economic Information, University Hospital of Liège, University of Liège, Liège, Belgium. Compara as contenções de nitinol personalizadas em projetos auxiliado por computador e manufatura auxiliada por computador (CAD / CAM) com contenções fixas de aço inoxidável padrão durante um período do estudo de 12 meses.

O ensaio clínico randomizado (RCT) foi conduzido em 62 pacientes alocados aleatoriamente em um grupo controle que utlizaram contenções de aço inoxidável ou no grupo de teste que receberam contenções de níquel-titânio personalizados por  CAD / CAM. Quatro momentos foram definidos: colocação da contenção (T0) e consultas de acompanhamento de 1 mês (T1), 6 meses (T2) e 12 meses (T3). Em cada ponto de tempo, o índice de irregularidade de Little (LII) (desfecho primário) e as medições de estabilidade dentária, como largura intercaninos, foram registrados, além da avaliação dos parâmetros periodontais. Medidas radiológicas como o ângulo dos incisivos com plano mandibular  (IMPA) foram registradas em T0 e T3. Os eventos de falha (integridade do fio ou descolamento) foram avaliados em cada momento.

De T0 a T3, o LII e outras medidas dentarias não mostraram diferenças significativas entre os dois grupos. Os dados dos parâmetros periodontais permaneceram estáveis durante o período de estudo, exceto para o índice gengival, que foi leve, mas significativamente, maior no grupo teste em T3 (p = 0,039). O ângulo IMPA não apresentou diferença intergrupos. Os dois grupos não mostraram diferenças significativas nos eventos de descolamento.

Os autores concluiram que no RCT conduzido por um período de 12 meses não foi demonstrado nenhuma diferença significativa entre as contenções linguais de níquel-titânio personalizadas por CAD / CAM e contenções linguais padrão de aço inoxidável em termos de estabilidade dentária anterior e estabilidade de fixação da contenção. Ambas as contenções parecem ser igualmente eficazes na manutenção da saúde periodontal.

Link do artigo na integra via KJO:

http://new.kjo.or.kr/journal/view.html?doi=10.4041/kjod.2020.50.6.373


segunda-feira, 4 de abril de 2022

Mudanças adaptativas no ajuste do alinhador transparente com o tempo: Análise por microscopia eletrônica de varredura



 


Neste artigo de 2022, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Amal I. Linjawi; Amal M. Abushal. Do Orthodontic Department, Faculty of Dentistry, King Abdulaziz University, Jeddah, Saudi Arabia. Teve o objetivo de analisar as mudanças de adaptação no ajuste do alinhador transparente após o uso intraoral em diferentes conjuntos de tempo. 

Oito aparelhos Invisalign (Align Technology, San Jose, Califórnia, EUA) foram coletados após o uso intraoral. Impressões acrílicas da região dos incisivos inferiores foram construídas para cada aparelho em T0 (aparelho não utilizado). Dois aparelhos foram então usados intra-oralmente para cada um dos seguintes períodos de tempo definidos: 3 dias, 7 dias, 10 dias ou 15 dias. Os alinhadores usados foram adaptados em sua marca T0 e ambos foram seccionados vestíbulo-lingualmente das superfícies distais de cada incisivo na área de inserção. Oito superfícies foram coletadas para cada conjunto de tempo (n =32 superfícies). Microfotografias das seções obtidas e medidas micrométricas de ajuste do alinhador foram registradas em cinco níveis diferentes usando microscopia eletrônica de varredura (MEV). Os valores médios das mudanças de ajuste (gap width) e comparações de grupos foram analisados estatisticamente usando análise de variância e testes post hoc de Tukey. O nível de significância foi fixado em P < 0,05.

Diferenças altamente significativas no ajuste do alinhador foram encontradas nos diferentes pontos de tempo avaliados (P = 0,001) com a menor largura média do intervalo em 15 dias (176 +- 98 Micrometros) e a maior em 7 dias (269 +- 145 micrômetros). Diferenças significativas no ajuste do alinhador em diferentes níveis de inserção também foram encontradas (P < 0,01) com a menor largura média do espaço no meio da superfície labial do acessório (187 +- 118 micrômetros).

Os autores concluiram que o período de 15 dias de uso do alinhador intraoral ainda pode ser recomendado, pois mostrou a melhor adaptação e a menor largura de espaço entre o alinhador e o acessório.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/92/2/220/471151/Adaptational-changes-in-clear-aligner-fit-with

segunda-feira, 28 de março de 2022

Um versus dois mini-implantes anteriores para correção de sobremordida e angulação dos incisivos superiores: um estudo comparativo retrospectivo

 



Neste artigo de 2020, publicado pela Progress in Orthodontics pelos Autores Arturo Vela-Hernández , Laura Gutiérrez-Zubeldia , Rocío López-García , Verónica García-Sanz, Vanessa Paredes-Gallardo ,José Luis Gandía-Franco e Felicidad Lasagabaster-Latorre. Do Department of Stomatology, University of Valencia, Valencia, Spain. Teve o objetivo de avaliar a eficácia de um ou dois mini-implantes anteriores para correção de incisivos superiores em casos de sobremordida e angulação em pacientes adultos.

Quarenta e quatro adultos com sobremordida profunda foram divididos em dois grupos: o grupo 1 foi tratado com um mini-implante entre os incisivos centrais superiores e o grupo 2 com dois mini-implantes entre os incisivos laterais superiores e os caninos. A intrusão e o comprimento dos incisivos foram medidos a partir de cefalogramas laterais antes do tratamento, após o tratamento e pelo menos 12 meses em contenção (T0, T1 e T2). As forças foram aplicadas (90 g) dos miniparafusos ao arco usando cadeias elastoméricas. A análise ANOVA foi usada para determinar se as diferenças entre os tempos de avaliação eram estatisticamente significativas.

A reabsorção radicular média foi de 2,15 ± 0,85 mm, que cessou após o tratamento ativo. A correção média da sobremordida foi - 3,23 ± 1,73 mm sem recidiva estatisticamente significativa. A correção da sobremordida e a intrusão dos incisivos foram significativamente maiores no grupo 2 (- 3,80 ± 1,43 versus - 2,75 ± 1,63 para OB e 8,19 ± 3,66 versus 5,69 ± 2,66 para intrusão). Reabsorção e correção de sobremordida foram relacionadas positivamente. Nenhuma rotação anti-horária do plano mandibular foi observada.

Os autores concluiram que a correção da sobremordida pode ser realizada por meio da intrusão dos incisivos superiores sem rotação do plano mandibular. A correção da intrusão e sobremordida dos incisivos superiores é maior em pacientes tratados com dois mini-implantes. O aumento da angulação vestibular dos incisivos superiores é maior com um mini-implante. A reabsorção radicular está positivamente relacionada à extensão da intrusão. A estabilidade é satisfatória, independentemente de um ou dois miniparafusos serem usados.


Link do artigo na integra via Progress in Orthodontics:

https://progressinorthodontics.springeropen.com/articles/10.1186/s40510-020-00336-2


segunda-feira, 21 de março de 2022

Relação entre a profundidade das vias aéreas faríngeas e a condição de ventilação após cirurgia de recuo mandibular: Um estudo computacional dinâmico dos fluidos

 


Neste artigo de 2020, publicado na Orthodontics Craniofacial Reserach, pelos autores Yoshito Shirazawa , Tomonori Iwasaki, Kazuhiro Ooi, Yutaka Kobayashi, Ayaka Yanagisawa-Minami, Yoichiro Oku,  Anna Yokura, Yuusuke Ban,  Hokuto Suga, Shuichi Kawashiri, Youichi Yamasaki. Do Department of Pediatric Dentistry, Graduate School of Medical and Dental Sciences, Kagoshima University, Kagoshima City, Japan e do Department of Oral and Maxillofacial Surgery, School of Medical Science, Kanazawa University Graduate, Kanazawa City, Japan.  Teve como objetivo determinar a profundidade ântero-posterior (APD) da via aérea faríngea (PA) onde a obstrução pós-operatória da PA foi predita, usando dinâmica de fluidos computacional (CFD), a fim de prevenir a apneia obstrutiva do sono após cirurgia de recuo mandibular.

Dezenove pacientes portadores de Classe III esquelética (8 homens; idade média, 26,7 anos) que necessitaram de cirurgia de recuo mandibular possuíam  imagens de tomografia computadorizada realizadas antes e 6 meses após a cirurgia.

O APD de cada local dos quatro planos transversais de referência (via aérea retropalatal [AR], segunda via aérea cervical vertebral, via aérea orofaríngea e terceira via aérea vertebral cervical) foram medidos. A pressão negativa máxima (Pmáx) do PA foi medida na inspiração usando CFD, com base em um modelo de PA tridimensional. As diferenças entre locais foram determinadas usando análise de variância e o teste de Friedman com correção de Bonferroni. A relação entre APD e Pmax foi avaliada por coeficientes de correlação de Spearman e análise de regressão não linear.

O menor local de PA foi o RA. Pmax foi significativamente correlacionado com o APD do RA (rs = 0,628, P <0,001). A relação entre Pmax e o APD-RA foi ajustada a uma curva, que mostrou uma relação inversamente proporcional da Pmax com o quadrado do APD-RA. A Pmax aumentou substancialmente, mesmo com uma ligeira redução do APD-RA. Em particular, quando o APD-RA era de 7 mm ou menos, a Pmax aumentou muito, sugerindo que a obstrução PA era mais provável de ocorrer.

Os resultados deste estudo sugerem que APD-RA é um preditor útil de boa ventilação PA após a cirurgia.

Link do Artigo na Integra via OnLinelibrary Wiley:

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/ocr.12371