ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Professora Lucineide Lima do Grupo Ortodontia Contemporânea em um Curso de Educação Continuada no Departamento de Ortodontia University of Connecticut






A Professora Lucineide Lima do Grupo Ortodontia Contemporânea participou com um grupo de colegas Ortodontistas Brasileiros, Russos e Árabes.  No mês de Abril de 2016 do Curso de Educação Continuada no Departamento de Ortodontia da University of Connecticut. Sempre importante buscar a atualização na nossa Especialidade e poder com isso compartilhar com os nossos alunos e também aplicar este conhecimento nos pacientes. Podendo observar e absorver o que vem se desenvolvendo em centros respeitados como Connecticut, berço da Biomecânica Mundial. O curso teve como um dos responsáveis no Brasil o Professor Dr. Marcio Almeida. E como Organizadores e palestrantes do Departamento de Ortodontia da Universidade de Connecticut os Professores Doutores Ravindra Nanda e Flavio Uribe. 







segunda-feira, 25 de abril de 2016

Localização do centro de resistência dos dentes anteriores superiores submetidos a retração pelo retrator duplo J ancorado em microparafusos palatinos















Neste artigo de 2010, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Hyoung-Jun Jang; Won-Jong Roh; Bo-Hoon Joo; Ki-Ho Park; Su-Jung Kim; Young-Guk Park; School of Dentistry and Department of Orthodontics, Kyung Hee University, Seoul, Coreia do Sul; Mostra um belo estudo realizado com o método dos elementos finitos, para determinar o posicionamento ideal dos micro parafusos ortodonticos para viabilisar a mecanoterapia de retração ortodontica.


Este estudo foi realizado com o objetivo de localizar o centro de resistência dos seis dentes anteriores superiores retraidos pelo Retrator Duplo J (DJR) e desta forma, encontrar a posição ideal para os microparafusos palatinos.


Modelos de elementos finitos tridimensionais (3D) com 12 dentes e com os dois primeiros pré-molares extraídos. A DJR foi modelada como um elemento em 3D beam. Os mini-implantes foram inseridos sagitalmente entre o segundo pré-molar e primeiro molar, e a posição vertical dos miniparafusos foram estabelecidos em cinco condições: 6, 7, 8, 9 e 10 milímetros apicalmente a partir da linha cervical do primeiro molar. O comprimento do braço de alavanca para retração foi determinada de acordo com a posição do microparafuso, para que a direção da força de retração seja paralela ao plano oclusal maxilar. O método dos elementos finitos 3D foi utilizado para determinar a localização do centro de resistência dos dentes anteriores, visualizando o deslocamento dos dentes e distribuição das tensões.


Os miniparafusos ficaram localizados apicalmente, o estresse se dissipou na região do ápice da raiz e ao osso alveolar adjacente. Os microparafusos localizados apartir dos 8 mm, determinaram a retração do corpo - pois já possibilitava o paralelismo com o DJR.


Neste estudo, o centro de resistência dos seis dentes anteriores superiores retraidos pelo DJR com microparafusos palatal foi estimado em 12,2 milímetros apicalmente a partir da borda incisal do incisivo central.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 18 de abril de 2016

RECUPERADORES DE ESPAÇO E SUA APLICAÇÃO CLÍNICA


















Neste artigo de 2002, publicado pela Revista da Faculdade de Odontologia de Lins, pelos autores RENATO RODRIGUES DE ALMEIDA, RENATA RODRIGUES DE ALMEIDA-PEDRIN, MARCIO RODRIGUES DE ALMEIDA, FERNANDO PEDRIN CARVALHO FERREIRA, PATRÍCIA CIOCCHI MARQUES RODRIGUES DE ALMEIDA; do curso de especialização em Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Lins/UNIMEP; Mostra uma revisão da literatura tecendo considerações sobre a etiologia da perda de espaço e a aplicação clínica dos aparelhos recuperadores de espaço.


O cirurgião dentista clínico geral e, principalmente, o odontopediatra são os profissionais que têm o primeiro contato com as crianças numa fase ainda precoce e cabe a eles diagnosticar, intervir nos casos mais simples e, nos mais complexos de más oclusões, discutir ou encaminhar o paciente para uma avaliação com um profissional especializado, o ortodontista.

O desequilíbrio da oclusão começa na passagem da dentadura decídua para a mista, e uma quantidade alarmante de desvios de normalidade acontece na fase inicial do primeiro período transitório, na época de irrupção dos primeiros molares permanentes.

A etiologia dessas alterações geralmente é de causas multifatoriais, como cáries, abscessos, supranumerários, anquiloses e irrupção ectópica dos primeiros molares permanentes.

As cáries dentárias, principalmente as interproximais, são responsáveis pela redução do comprimento do arco dentário, além de provocarem, muitas vezes, a extração prematura de dentes decíduos, com a conseqüente perda de espaço devido à quebra de equilíbrio dentário e com a inclinação dos dentes adjacentes para o espaço da extração.

A presença de dentes supranumerários na região ântero-superior está diretamente relacionada à retenção prolongada dos incisivos permanentes, impedindo sua irrupção normal e favorecendo, assim, a inclinação axial dos dentes adjacentes, com acentuada perda de espaço.

Ao contrário do que possa parecer, os dentes decíduos anquilosados geralmente apresentam uma reabsorção radicular fisiológica semelhante aos decíduos não afetados. O sinal mais marcante e evidente de anquilose é o posicionamento de um ou mais dentes aquém do plano oclusal. Outro indicativo é a perda de espaço por inclinação de dentes contíguos.

A incidência da ectopia dos primeiros molares atinge de 2 a 4% da população infantil, ocorrendo com maior freqüência na maxila e em portadores de fissura palatina do tipo pós-forame incisivo. Dependendo do grau de impacção, pode ser reversível ou irreversível. No tipo reversível, o primeiro molar permanente quase sempre apresenta autocorreção e irrompe normalmente, mas deixa como seqüela uma reabsorção atípica na face distal do segundo molar decíduo, que pode permanecer na cavidade bucal até a época da sua esfoliação normal. Nesse tipo de ectopia, não é necessária intervenção precoce, já que o dente faz sua irrupção normalmente na cavidade bucal. Na irrupção ectópica irreversível, o primeiro molar permanente mantém contato íntimo com a superfície distal do segundo molar decíduo na região cervical, provocando reabsorção e exfoliação precoce desse dente, com perda total de espaço para o sucessor permanente (segundo pré-molar).

Nos casos de reabsorção extensa com perda do dente decíduo, cáries nas faces proximais, abscessos ou outros fatores que implicam na perda de espaço, os aparelhos recomendados são os recuperadores de espaço – que podem ser removíveis ou fixos – para as regiões ânterosuperior, posterior e inferior.

APARELHO REMOVÍVEL

Mola simples: placa de resina acrílica com grampos de retenção Adams, auxiliares e arco vestibular de Hawley como elementos estabilizadores, e como componente ativo, mola simples ou digital confeccionada com fio de aço inoxidável de 0,6 mm de diâmetro.

Indicação: indicado para recuperar espaço nas regiões anterior, posterior, superior e inferior.
Ativação: a ativação é realizada no helicóide e deve ser de, aproximadamente, metade da face incisal do dente correspondente, a cada 15 ou 21 dias, até se obter o espaço desejado.
Mola de Benac: placa de resina acrílica com grampos de retenção Adams, auxiliares e arco vestibular de Hawley como elementos estabilizadores, e como componente ativo, a mola de Benac construída com fio de aço inoxidável de 0,8 ou 0,9 mm de diâmetro.

Indicação: a indicação do aparelho está restrita às regiões posterior superior ou inferior, devido ao diâmetro do fio.

Ativação: a ativação não deve ultrapassar a metade do diâmetro mesiodistal do dente em questão, com controle de 15 a 21 dias até se obter o espaço desejado.


APARELHO FIXO

Indicado nos casos que necessitam de um movimento maior do dente e para pacientes não colaboradores com o aparelho removível.
Mola de secção aberta
Componentes: braquetes colados nos dentes adjacentes à perda de espaço, fio ortodôntico de aço inoxidável de 0,5 mm de diâmetro e mola de secção aberta.
Indicação: para as regiões anterior e posterior, pois é um tipo de ancoragem intrabucal, intramaxilar e recíproca.

Ativação: deve ser cortado um pedaço de mola correspondente ao espaço de mesial a mesial dos braquetes mais 4 ou 5 mm aproximadamente.

Exemplo: se o espaço entre os braquetes for de 15 mm, cortamos um segmento de mola com 19 ou 20 mm, para que fique comprimida quando corretamente instalada. A força liberada pelo aparelho será sempre recíproca e contínua, e o controle deve ser mensal, quando o segmento de mola será substituído por outro, e assim sucessivamente, até haver a recuperação do espaço desejado.

Com este trabalho, os autores enfocaram a etiologia e os diversos tipos de recuperadores de espaço à disposição para que os profissionais os usem em seus pacientes. Há, evidentemente, outros tipos de aparelhos distalizadores de dentes, principalmente dos primeiros molares permanentes, que são ferramentas mais complexas e de uso rotineiro na clínica ortodôntica. Entre eles citamos o Jones Jig e o Pêndulo, que são aparelhos fixos e que não dependem da Cooperação do paciente, mas requerem o controle do ortodontista.

Link do artigo na integra via UNIMEP:

terça-feira, 12 de abril de 2016

Efeito inicial do arco de multiloop edgewise no arco mandibular em indivíduos com maloclusão Classe III. Um estudo de elemento finito tridimensional




Neste artigo de 2008, publicado no European Journal of Orthodontics; pelos autores Seung-Hak Baek , Soo-Jung Shin , Sug-Joon Ahn and Young-Il Chang; do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Dental Research Institute, Seoul National University, South Korea; Mostra um estudo biomecânico realizado com o metodo dos elementos finitos em simulação com o uso de elásticos classe III.
O objetivo deste estudo foi comparar o efeito de um arco de múltiloop edgewise(MEAW) com um simples arco ideal (IA) sobre o movimento distal em massa do arco dentario mandibular.

Um modelo tridimensional em elemento finito (3D FEM) da dentição mandibular, sem os terceiros molares permanentes, foi construído incluindo a membrana periodontal (PDM), o osso alveolar, com braquete edgewise standard (0.018 × 0,025 polegadas) com fio de aço inoxidável IA (0,016 polegadas x 0,022), e MEAW (0,016 x 0,022 polegadas). A distribuição do stress e deslocamento da dentição mandibular foram analisadas com o uso de elásticos intermaxilares Classe III (300 g / lateral) e 5 tip-backs em volta do primeiro pré-molar ao segundo molar foram aplicados para o IA e os MEAW para um movimento distal em massa da dentição mandibular.

Comparado com o IA, a discrepância na quantidade de movimentação dos dentes. O movimento com o MEAW foi mais uniforme e equilibrado. Houve deslocamento vertical mínimo ou rotação dos dentes com a MEAW quando comparado com o IA.

O MEAW parece ter vantagens para movimento distal em massa do arco dentario mandibular.


Link do artigo na Integra via EJO Oxfordjournals:

segunda-feira, 28 de março de 2016

Simulação 3D de Cirurgia Ortognática Usando fusão de imagens






Neste artigo de 2009, publicado no Seminars in Orthodontics; pelos autores Stephen A. Schendel and Chris Lane; da Division of Plastic Surgery, Stanford University Medical Center, Palo Alto, CA and Professor of Radiology & Imaging Science, University of Louisville School of Dentistry, Louisville, KY. Mostra o metodo contemporaneo de previsibilidade de resultados em cirurgias Ortognáticas baseadas em fusão de imagens digitais, tomografias computadorizadas e VTOs computadorizados.

A adoção de protocolos de imagem 3D e do poder da Internet estão se movendo para o diagnóstico, planejamento, tratamento e ensino, como paradigma para próxima geração no que tange os cuidados voltados para saúde. A Fusão de imagens combinando tomografia computadorizada (TC) de feixe cônico, tomografia computadorizada (CBCT), ressonância magnética (MRI) e imagem de superfície, permite a geração de um paciente eletrônicos no mundo real, o que amplia o potencial para o cuidado do paciente de verdade. O paciente virtual pode então ser estudado e nele ser desenvolvidos protocolos de tratamento, que é especialmente importante em cirurgia ortognática.

A Fusão de imagens envolve a combinação de imagens de diferentes modalidades para criar um registro virtual de um indivíduo chamado de reconstrução anatômica do paciente específico (Psar). Este pode então ser usada para realizar a cirurgia virtual e estabelecer um plano de tratamento definitivo e objetivo para a correção da deformidade facial. O resultado final é melhorar o atendimento ao paciente e diminuição de despesas.

Em relação à construção de superfície 3D, uma imagem de superfície tem dois componentes, a geometria do rosto e as informações de cor, ou mapa de textura que é matematicamente aplicados às informações de forma.

Conclusão


Avanços em imagem de computador têm revolucionado o tratamento das deformidades dentofaciais e cirurgia ortognática. O uso da tecnologia de fusão de imagens permite agora a criação de PSARs em uma base rotineira. Um plano de diagnóstico e tratamento mais abrangente e desta forma, ser obtido um planejamento virtual em ortodontia e cirurgia. No final, os resultados do tratamento são melhorados.


Link do artigo na integra via biomigviz:

http://biomigviz.files.wordpress.com/2009/06/3d_orthognathic_surgery_simulation_using.pdf

segunda-feira, 21 de março de 2016

Alterações iniciais pós-tratamento das suturas circumaxilares em pacientes jovens tratados com expansão rápida da maxila




Neste artigo publicado em 2011, pela Angle Orthodothist, pelos autores Rosalia Leonardi; Edoardo Sicurezza; Alice Cutrera; Ersilia Barbato; do Department of Orthodontics, School of Dentistry,University of Catania, Catania, Italy e do Department of Orthodontics, School, of Dentistry,University La Sapienza of Rome, Rome, Italy. Mostra um estudo com tomografia computadorizada das alterações na sutura maxilar em pacientes tratados com o protocolo da expansão rápida da maxila.


Este estudo foi realizado para testar a hipótese de que as suturas circumaxilares não mostram o deslocamento ósseo em resposta à terapia da expansão rápida da maxila (ERM).


O grupo era composto de oito pacientes em crescimento (dois do sexo masculino e seis do feminino) com má oclusão Classe I de Angle, mordida cruzada posterior bilateral, deficiência maxilar transversal, abóbada palatina profunda, e apinhamento dentário no início do tratamento. Um expansor Hyrax palatal foi utilizado para cada paciente, e protocolo de ativação necessário o parafuso para ser aberto três vezes por dia (0,25 mm por volta) em uma média de 18 dias para todas as disciplinas. Exames com tomografia computadorizada multislice (TC) foram realizados antes de expansão rápida da maxila (T0 tempo) e novamente no final da fase de expansão ativa (tempo T1), sem retirar o expansor. As medições foram realizadas diretamente sobre a imagem utilizando o programa CT OsiriX Imaging. Os dados foram analisados estatisticamente através do teste de Wilcoxon.


Todas as medidas mostraram um aumento linear entre T0 e T1 e a RME determinou um alargamento da sutura, no entanto, longe das suturas da maxila que apresentaram um menor grau de desarticulação.


A hipótese do estudo foi rejeitada. O tratamento precoce com RME produziu um deslocamento significativo de abertura da sutura óssea circumaxilar. A quantidade de mudanças de pontos depende de diferentes fatores relacionados às particularidades e variaveis entre as diferentes suturas, mostrando que as suturas que se articulam diretamente com a maxila enfrentam uma maior influência pela RME em comparação com aquelas localizadas mais distantes.



Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 7 de março de 2016

Mudanças na dimensão arco com a expansão da maxila em casos de mordida cruzada posterior unilateral




Neste artigo de 2011, publicado pelo Angle Orthodontist, pelos autores Christian Alexander Wong; Peter M. Sinclair; Robert G. Keim; David B. Kennedy; Department of Orthodontics, School of Dentistry, University of Southern California, Los Angeles, California. Mostra um estudo de longo prazo em casos tratados com diversos tipos de expansores e estabilidade pós tratamento.


Este estudo foi realizado com o intuito de avaliar os efeitos a longo prazo de expansão maxilar lenta com aparelhos disjuntores fixos  na dentição mista em pacientes com mordida cruzada unilateral, utilizando Haas, hyrax, ou aparelhos quad helix.

Modelos de gesso de 110 pacientes foram avaliados em três momentos: pré-expansão (T1) (idade média de 7 anos / 7 meses), expansão posterior (T2) (idade média de 8 anos / 8 meses), e cerca de 4 anos depois na dentição permanente (T3) (idade média 12 anos / 9 meses). As larguras intercaninas e intermolares Maxilar e mandibular , comprimento do arco, perímetro e angulação molar foram medidos em todos os três intervalos de tempo com as normas de crescimento de Michigan publicado servindo como controle.

O tratamento bem sucedido por expansão lenta da maxila (SME), produzido de forma semelhante expansão favorável por todos os tres expansores em todas as medições para ambos os arcos. As larguras do arco maxilar foram mais estreitas do que os controles de pré-tratamento (T1) e mais largas que o controle do tratamento imediatamente após (T2). A longo prazo (T3) a largura maxilar intermolares foi a mesma que o controle, com largura intercaninos significativamente maior do que os controles. A largura intercaninos e intermolares maxilar aumentou de T1 a T3, de 4,5 mm e 3,5 mm, respectivamente, com 98% de expansão intercaninos e 80% de expansão intermolar permanecendo em T3. A Circunferência do arco maxilar foi aumentada em 1 mm a partir de T1 a T3. A largura da mandíbula não se alterou significativamente.

Os autores concluíram que as dimensões do arco maxilar na dentição mista precoce em pacientes com mordida cruzada posterior unilateral mostrou boa estabilidade após quatro anos de tratamento na dentição permanente.

Link do artigo na Integra vio Angle Orthodontist: