ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Efeitos dos braquetes autoligados e outros fatores que influenciam os resultados do tratamento ortodôntico: Um estudo de coorte prospectivo

 






Neste de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelo autor Min-Ho Jung, do Department of Orthodontics, Dental Research Institute and School of Dentistry, Seoul National University, Seoul, Korea. Teve o objetivo de avaliar os efeitos dos braquetes autoligados (SBs) e outros fatores que influenciam os resultados do tratamento ortodôntico.

Este estudo de coorte de dois braços incluiu pacientes tratados consecutivamente em um consultório particular. Os pacientes foram solicitados a escolher entre os braquetes autorizados (SBs) e braquetes convencionais (CBs); se algum paciente não tivesse preferência, era alocado aleatoriamente no grupo CB ou SB. Todos os pacientes foram tratados com uma sequência idêntica de arcos. Os parâmetros avaliados foram: duração do tratamento, número de falhas de braquetes, higiene bucal ruim, desgaste elástico ruim, extração, uso de mini-implantes ortodônticos (OMI), falha de OMI, American Board of Orthodontics (ABO) Discrepancy Index (DI), discrepância do comprimento do arco e pontuação ABO Cast-Radiograph Evaluation (CRE). Uma análise estatística de regressão stepwise foi realizada para gerar a equação para predição do CRE.

A amostra final foi composta por 134 pacientes com média de idade de 22,73 anos. A média de DI, CRE e duração do tratamento foram 21,81; 14,25 e 28,63 meses, respectivamente. A análise de covariância mostrou diferença significativa no CRE entre os grupos CB e SB após ajuste para os efeitos das variáveis de confusão. A análise de regressão passo a passo usando quatro variáveis, ou seja, extração, uso de SB, desgaste elástico ruim e uso adicional de aparelho, poderia explicar apenas 25,2% da variância no CRE.

O Autor concluiu que embora o CRE tenha sido significativamente melhor para CBs do que para SBs, o significado clínico deste resultado parece ser limitado. Em  extração,  uso de SB, desgaste elástico ruim e uso adicional de aparelho podem ter efeitos significativos nos resultados do tratamento.


Link do artigo na Integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1974&vmd=Full



terça-feira, 18 de janeiro de 2022

A qualidade e precisão de produtos ortodônticos comercializados, em postagens no Instagram: Uma análise transversal

 





Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Aslam Alkadhimi; Dalya Al-Moghrabi; Padhraig S. Fleming. Do Department of Orthodontics, The Royal London Dental Hospital, London, United Kingdom; Department of Preventive Dental Sciences, College of Dentistry, Princess Nourah bint Abdulrahman University, Riyadh, Saudi Arabia; and Honorary Senior Research Fellow, Queen Mary University of London, London, United Kingdom e Program Lead in Orthodontics, Institute of Dentistry, Queen Mary University of London, London, United Kingdom. Examinou considerações contidas em postagens do Instagram relacionadas a seis produtos ortodônticos populares comercializados.

Trezentas postagens disponíveis publicamente no Instagram foram identificadas usando as seguintes hashtags do Instagram: #carrieremotion, #damonbraces, #invisalign, #acceledent, #propelorthodontics e #myobrace. A codificação piloto foi realizada em um subconjunto de reivindicações (n=50) e um guia de codificação foi desenvolvido. As reivindicações associadas foram categorizadas em 24 temas reconhecidos e sua precisão avaliada em uma escala de cinco pontos.

Dos 1.730 posts selecionados, 300 foram incluídos para análise. A maioria das postagens era baseada em fotografias (n=244, 81,3%) com o restante (n=56, 18,7%) incluindo vídeos. Metade das postagens envolvia uma foto do produto isoladamente (n=150, 50%), com casos clínicos apresentados em minoria (n= 99, 33%). No geral, 472 reclamações foram incluídas, sendo a duração do tratamento o tema mais frequente (n=125, 26,5%). Em termos de precisão, a maioria das informações foi considerada "falsa" (n=283, 60%) com menos de 2% considerada "objetivamente verdadeira".

Os autores concluíram que a maioria das informações relativas a seis produtos ortodônticos populares comercializados dizia respeito à duração do tratamento. A grande maioria dessas informações não foram apoiadas por evidências e foram consideradas falsas. Esforços devem ser feitos para promover o fornecimento de informações ortodônticas precisas e para verificar as alegações de marketing nas plataformas de mídia social.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/doi/10.2319/070421-530.1/474680/The-nature-and-accuracy-of-Instagram-posts


segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Limite esquelético anatômico mandibular posterior para distalização de molar em pacientes com má oclusão de Classe III com diferentes padrões faciais verticais

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Sung-Ho Kim; Kyung-Suk Cha; Jin-Woo Lee e Sang-Min Lee. Do Department of Orthodontics, Dankook University College of Dentistry, Cheonan, Korea; Teve o objetivo  de  comparar as diferenças nas distâncias do limite anatômico posterior mandibular (MPAL) estratificadas por padrões verticais em pacientes com má oclusão de Classe III esquelética por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Imagens de TCFC de 48 pacientes com má oclusão de Classe III esquelética (idade média, 22,8 ± 3,1 anos) categorizadas de acordo com os padrões verticais (hipodivergente, normodivergente e hiperdivergente; n = 16 por grupo) foram analisadas. Embora paralelas à linha oclusal posterior, as distâncias lineares mais curtas da raiz distal do segundo molar inferior ao córtex interno do corpo da mandíbula foram medidas em profundidades de 4, 6 e 8 mm da junção amelocementária. As distâncias MPAL foram comparadas entre os três grupos e suas correlações foram analisadas.

As médias de idade, distribuição de sexo, assimetria e alinhamentos nos três grupos não mostraram diferenças significativas. A distância MPAL foi significativamente maior no sexo masculino (3,8 ± 2,6 mm) do que no feminino (1,8 ± 1,2 mm) no nível da raiz de 8 mm. Em todos os níveis de raiz, as distâncias MPAL foram significativamente diferentes nos grupos hipodivergente e hiperdivergente (p <0,001) e entre os grupos normodivergente e hiperdivergente (p <0,01). As distâncias MPAL foram as mais curtas no grupo hiperdivergente. O ângulo do plano mandibular correlacionou-se fortemente com as distâncias MPAL em todos os níveis da raiz (p <0,01).

Os autores concluíram que as distâncias MPAL foram as mais curtas em pacientes com padrões hiperdivergentes e mostraram uma tendência decrescente com o aumento do ângulo do plano mandibular. As distâncias MPAL foram significativamente mais curtas (~ 3,16 mm) ao nível da raiz de 8 mm.

Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1951&vmd=Full


terça-feira, 4 de janeiro de 2022

Avaliação de resultados do alinhador ortodôntico transparente versus tratamento com aparelho fixo em uma população de adolescentes com más oclusões leves

 


Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Alissa F. Borda ; Judah S. Garfinkle ; David A. Covell, Jr. ; Mansen Wang ; Larry Doyle ; Christine M. Sedgley. Do Department of Orthodontics, Oregon Health & Science University, Portland, Oreg; Craniofacial Orthodontics, Division of Plastic and Reconstructive Surgery, School of Medicine, Oregon Health & Science University, Portland, Oregon. Teve o objetivo de avaliar a eficácia e eficiência do tratamento em adolescentes que apresentam maloclusões leves, comparando os resultados usando alinhadores transparentes em relação a aparelhos fixos.

Os pacientes identificados retrospectivamente e consecutivamente de uma clínica privada foram tratados com alinhadores transparentes (Invisalign, Align Technology, Santa Clara, Calif) ou aparelhos fixos (0,022 Damon, Ormco, Orange, Calif) 26 por grupo . As avaliações da oclusão foram feitas usando o índice de discrepância do American Board of Orthodontics (ID) para os registros iniciais e Cast-Radiograph Evaluation (CRE) para registros finais. O número de consultas, o número de visitas de emergência e o tempo total de tratamento foram determinados a partir de análises de prontuários. Os dados foram analisados usando a correlação de Pearson, testes de classificação de Wilcoxon, testes t não pareados e testes de qui-quadrado, com significância definida para P 􏰀 menor que 0,05.

No pré-tratamento, o alinhador e os grupos fixos não mostraram diferença significativa na gravidade geral ou em qualquer categoria individual do ID. As pontuações pós-tratamento mostraram que os acabamentos para o grupo do alinhador tiveram menores discrepâncias do ideal em relação ao grupo de aparelhos fixos. Os pacientes tratados com alinhadores tiveram menos consultas, menos visitas de emergência e menor tempo de tratamento geral.

Os autores concluíram que os resultados do tratamento de maloclusões leves em adolescentes mostraram eficácia equivalente de alinhadores transparentes em comparação com aparelhos fixos, com resultados significativamente melhorados para o tratamento de alinhador transparente em termos de alinhamento dentário, relações oclusais e sobressaliência. A avaliação do número de consultas, número de visitas de emergência e tempo geral de tratamento mostrou melhores resultados para o tratamento com alinhadores claros.

Link do Artigo na Integra via Angle Orthodontist:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/4/485/431828/Outcome-assessment-of-orthodontic-clear-aligner-vs


segunda-feira, 20 de dezembro de 2021

Tratamento da Classe II utilizando aparelho com sistema de mini-implantes palatino: Um relato de caso

 










Neste artigo de 2020, publicado pela Angle Orthodontist, pelos Autores Luca Lombardo; Giulia Occhiuto; Emanuele Paoletto; Bortolo Giuliano Maino; Giuseppe Siciliani. Do Department of Orthodontics, Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy.  Department of Orthodontics, Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy. Mostra a concepção e utilização de um aparelho ancorado em mini-implantes.


Este relato de caso mostra o uso de um expansor palatino rápido (EPR) e, em seguida, um aparelho pêndulo ancorado em mini-implantes palatino, como uma opção para melhorar a gestão do tratamento em um paciente não colaborador, que requer expansão maxilar e distalização molar na dentição mista tardia. 

Primeiro, um EPR foi usado para expandir o arco superior. Em seguida, um aparelho pêndulo modificado foi usado para distalizar os primeiros molares permanentes superiores. O posicionamento ideal de dois mini-implantes palatinos permitiu que ambos os aparelhos fossem suportados por ancoragem esquelética.

Os autores relataram que o  tratamento foi finalizado com aparelhos fixos multibraquetes, e após 2 anos, as relações caninas e molares de Classe I esquelética e dentária  foram alcançadas.

Link do Artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/90/2/305/10021/Class-II-treatment-by-palatal-miniscrew-system

sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

Imersão em alinhadores ortodônticos transparentes

 



Uma boa oportunidade para poder utilizar de forma consistente, conhecendo as possibilidades e as reais aplicações dos Alinhadores transparentes. E como funciona o universo digital voltado para a Ortodontia.

Sem necessidade de investimentos em impressora 3D, Scanner, computadores, plastificadora e laboratório ....

O futuro é agora. Uma boa forma de iniciar 2022 com pé direito! Aguardamos vocês!

IMERSÃO E CREDENCIAMENTO EM ALINHADORES TRANSPARENTES

Com Dr. Marlos Loiola e Dr. Wendel Shibasaki

Se você quer iniciar seus tratamentos com alinhadores, esse é o curso certo para você.

Vamos falar sobre:

. Ortodontia Digital (Impressão 3D, Modelos Digitais, Escaneamento)
. Bases para um planejamento eficiente
. Limites e indicações
. Biomecânica e attachments
. Protocolo de desgastes interproximais

segunda-feira, 13 de dezembro de 2021

Efeito do processo de desgaste do alinhador transparente na eficácia do movimento dentário: um ensaio clínico randomizado

 




Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Mays Al-Nadawi; Neal D. Kravitz; Ismaeel Hansa; Laith Makki; Donald J. Ferguson; Nikhilesh R. Vaid. Do , Department of Orthodontics, European University College, Dubai, UAE; Comparou a eficácia da movimentação dentária ortodôntica com três protocolos de uso do alinhador: 7 dias, 10 dias e 14 dias.

Oitenta pacientes foram alocados aleatoriamente em três grupos: grupo A (mudanças de 7 dias), grupo B (mudanças de 10 dias) e grupo C (mudanças de 14 dias). Os escaneamentos pós-tratamento foram comparadas com as simulações finais do tratamento virtual por meio de sobreposição digital. As diferenças entre os resultados de tratamento previstos e reais alcançados foram calculadas em seis dimensões angulares e seis lineares. As diferenças de 0,0,5 mm para medições lineares e 0,28 para medições angulares foram consideradas clinicamente relevantes.

Dentro dos grupos, e independentemente do protocolo de uso, todas as discrepâncias lineares em ambas as mandíbulas foram consideradas clinicamente insignificantes (0,5 mm), enquanto quase todas as discrepâncias angulares foram consideradas clinicamente significativas (0,2,08). Quando os três grupos foram comparados, o grupo C (mudanças de 14 dias) mostrou acurácia significativamente maior no segmento posterior para intrusão maxilar, ponta distal da coroa e torque vestibular-coroa e intrusão e extrusão mandibular. A duração média do tratamento no grupo de troca de alinhador de 7 dias foi quase metade daquela do grupo de troca de alinhador de 14 dias (5 meses vs 9 meses).

Os autores concluíram que as mudanças de quatorze dias foram estatisticamente significativamente mais precisas em alguns movimentos posteriores. No entanto, essa diferença na precisão não excedeu o limite de significância clínica (0,0,5 mm / 0,08). Alcançar uma precisão clinicamente semelhante entre o protocolo de 7 dias e o protocolo de 14 dias na metade do tempo de tratamento sugere um protocolo de 7 dias como um protocolo de tratamento aceitável. Os profissionais podem considerar desacelerar para um protocolo de 14 dias se movimentos posteriores desafiadores forem desejados.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/2/157/449290/Effect-of-clear-aligner-wear-protocol-on-the

segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

Comparação da precisão de digitalizações faciais digitais obtidas por dois scanners diferentes: Um estudo in vivo

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontics, pelos autores Federica Pellitteri; Luca Brucculeri; Giorgio Alfredo Spedicato; Giuseppe Siciliani; Luca Lombardo. Do Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy; Faculty of Banking and Insurance, Catholic University of Milan, Milan, Italy; School of Dentistry, University of Ferrara,Ferrara, Italy.  Comparou o grau de precisão do scanner facial Face Hunter e do aplicativo Dental Pro para escaneamento facial, com relação às medidas manuais e entre si. 

Vinte e cinco pacientes foram medidos manualmente e escaneados usando cada dispositivo. Seis marcadores de referência foram colocados no rosto de cada paciente nos pontos cefalométricos Tr, Na0, Prn, Pog0 e L – R Zyg. Um software de medição digital foi usado para calcular as distâncias entre os pontos de referência cefalométrica em cada uma das varreduras. O Geomagic X Control foi usado para sobrepor as varreduras, determinando automaticamente o alinhamento de melhor ajuste e calculando a porcentagem de superfícies sobrepostas dentro das faixas de tolerância.

As comparações individuais das quatro distâncias medidas antropometricamente e nas varreduras geraram um índice de coeficiente de correlação intraclasse maior que 0,9. O teste t para amostras combinadas produziu um valor P abaixo do limite de significância. As bochechas direita e esquerda atingiam cerca de 60% da superfície, com margem de erro entre 0,5 mm e ± 0,5 mm. A testa foi a única área em que a maior parte da superfície se enquadrou na faixa de reprodutibilidade deficiente, apresentando valores fora da tolerância de mais de 20%.

Os autores concluíram que as varreduras tridimensionais da superfície facial forneceram uma excelente ferramenta analítica para avaliação clínica; não parece que um ou outro dos instrumentos de medição seja sistematicamente mais preciso, e as bochechas são a área com a porcentagem média mais alta de superfície na faixa altamente reprodutível.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/5/641/463603/Comparison-of-the-accuracy-of-digital-face-scans

segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Precisão da transferência de quatro métodos diferentes de transferência de contenções linguais usando modelos ortodônticos digitais: Um estudo comparativo in vivo

 







Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontics, pelos autores Yasemin Nur Korkmaz; Semiha Arslan. Do Department of Orthodontics, Faculty of Dentistry, Bolu Abant Izzet Baysal University, Bolu, Turkey. Teve o objetivo de comparar a precisão da transferência de quatro métodos diferentes de contenções línguas (LR) usando modelos digitais tridimensionais.

Quatro grupos com 17 pacientes foram criados: transferência manual (FT), transferência com chave de silicone (SKT), transferência com resina acrílica (ART) e colagem indireta (BID). Ao final do tratamento ortodôntico, os modelos de gesso mandibulares dos pacientes foram digitalizados com o fio LR. Em seguida, foi realizada a varredura intraoral das arcadas inferiores após a colagem dos fios de contenção. As medidas lineares e angulares foram feitas por meio de software em modelos digitais sobrepostos.

Os erros horizontais e verticais entre os dentes não foram significativamente diferentes entre os grupos FT, SKT e ART. No entanto, no grupo BID, os erros de transferência linear mostraram diferenças significativas entre os diferentes dentes. Os erros de ponta e rotação no grupo FT não foram significativamente diferentes entre os dentes. Os erros angulares foram menores nos caninos do que nos incisivos. Em todos os parâmetros medidos, o grupo SKT apresentou os menores erros, enquanto o grupo FT apresentou os maiores erros de transferência em todos os parâmetros, exceto vertical.

Os autores concluíram que entre os métodos de transferência testados, o SKT foi determinado por ter a maior precisão clínica.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/6/778/468060/Transfer-accuracy-of-four-different-lingual

segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Avaliação tridimensional da acurácia de transferência com jigs para braquetes confeccionados usando projeto de fabricação auxiliado por computador para os dentes anteriores: um estudo in vitro






Neste artigo de 2021, publicado pelo The Koran Journal of Orthodontics, pelos autores Jae-Hyun Park; Jin-Young ChoiSeong-Hun KimSu-Jung Kim;  Kee-Joon LeeGerald Nelson. Department of Orthodontics, Graduate School of Dentistry, Kyung Hee University, Seoul, Korea e do Department of Orthodontics, Institute of Craniofacial Deformity, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea. Teve o objetivo de Avaliar a precisão de um sistema de jigs para braquetes de uma peça, fabricados usando projeto e manufatura auxiliados por computador (CAD / CAM), empregando sobreposição digital tridimensional (3D).

Este estudo in vitro incluiu 226 dentes anteriores selecionados de 20 pacientes em tratamento ortodôntico. Os erros de posição dos braquetes de cada um dos 40 arcos foram analisados quantitativamente por meio da sobreposição digital 3D (algoritmo de melhor ajuste) do braquete virtual e real após a colagem indireta, após levar em consideração possíveis variáveis que podem afetar a precisão, como apinhamentos e presença de base de resina.

O dispositivo pode transferir o braquete com precisão para a posição desejada nos dentes do paciente dentro de uma faixa clinicamente aceitável de ± 0,05 mm e 2,0 ° para medições lineares e angulares, respectivamente. As medidas lineares médias variaram de 0,029 a 0,101 mm. Dentre as medidas angulares, os valores de rotação apresentaram o menor desvio e variaram de 0,396 ° a 0,623 °. O viés direcional foi pronunciado na direção vertical, e muitos braquetes foram colados em direção à superfície oclusal. No entanto, não foi encontrada diferença estatística para os três valores de medidas angulares (torque, angulação e rotação) em nenhum dos grupos classificados de acordo com o apinhamento. Quando os dentes estavam moderadamente apinhados, os valores das medidas mésio-distal, vestíbulo-lingual e rotação foram afetados pela presença da base de resina.

Os autores concluíram que as características do sistema na construção de jigs em uma peça por CAD / CAM   foram demonstradas de acordo com os fatores de influência, e a precisão da transferência foi verificada como estando dentro de um nível clinicamente aceitável para a colagem indireta de braquetes em dentes anteriores.


Link do artigo na integra via E-KJO:

https://e-kjo.org/journal/view.html?doi=10.4041/kjod.2021.51.6.375

terça-feira, 16 de novembro de 2021

Comparação do tempo de uso entre aparelhos monobloco e "twin-block" medido por microssensor

 




Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Cansın Kutay; Hulya Kılıcoglu; Guls􏰀ilay Sayar. Do Department of Orthodontics, Faculty of Dentistry, Istanbul University, Istanbul, Turkey. Department of Orthodontics, School of Dental Medicine, Bahcesehir University, Istanbul, Turkey. Teve o objetivo avaliar os níveis de cooperação objetiva em pacientes portadores de Classe II esquelética com retrognatia mandibular usando aparelhos monobloco e Twin-block.

Um estudo clínico prospectivo foi conduzido com 30 pacientes entre 10 e 15 anos de idade, igualmente divididos em dois grupos de estudo. O grupo 1 foi tratado com monobloco e o grupo 2 foi tratado com aparelhos de Twin-Blocks. Os pacientes foram orientados a usar o aparelho 15 horas por dia. Os tempos de desgaste foram monitorados por um microssensor. (TheraMon; MCTechnology, Hargelsberg, Áustria) para uma média de seis consultas. Os pacientes também foram instruídos a registrar seus tempos de uso em um gráfico, e esse registro foi admitido como tempo de uso subjetivo. A análise estatística foi realizada com os dados derivados dos prontuários dos pacientes e dos registros de monitoramento.

O tempo médio de uso dos pacientes foi de 10,67 +- 3,93 horas, inferior às 15 horas prescritas pelo ortodontista, sem diferença entre os dois aparelhos (P >0,05). A taxa de uso regular, que incluiu os dias com tempo de uso de 8 horas ou mais por dia, foi de 75%. Os níveis de conformidade diminuíram 35% ao longo das seis consultas de controle. Os pacientes declararam que seu tempo de uso foi superior ao tempo objetivo de uso em uma média de 3,76 horas.

Os autores concluíram que apesar de seus designs diferentes, não houve diferença significativa entre os aparelhos monobloco e twin-block em termos de conformidade.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/6/749/468291/Comparison-of-objective-wear-time-between


segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Impacto da extração precoce do canino decíduo na diminuição do apinhamento severo: Influencia intervenções ortodônticas posteriores?

 



Neste artigo de 2021, publicado no Angle Orthodontist, pelos autores Mhanna A. Aljabab; Muteb Algharbi; Jan Huggare; Farhan Bazargani. Orthodontic and Pediatric Section, Dental Department, King Fahad Medical City, Riyadh, Saudi Arabia; and Division of Orthodontics, Department of Dental Medicine, Karolinska Institute, Stockholm, Sweden. Department of Preventive Den- tistry, College of Dentistry, University of Hail, Hail, Saudi Arabia; and Orthodontic Department, Postgraduate Dental Education, Center, Orebro, Sweden. Division of Orthodontics, Department of Dental Medicine, Karolinska Institute, Stockholm, Sweden. Orthodontic Department, Postgraduate Dental Education Center; and School of Medical Sciences, Faculty of Medicine and Health, Orebro University, Orebro, Sweden. Teve o objetivo de avaliar se havia alguma diferença na necessidade de tratamento ortodôntico, complexidade do tratamento, tempo de tratamento ou o número de visitas entre um grupo de crianças que receberam intervenção precoce (extração de caninos decíduos superiores e inferiores) e um grupo de controle de idade e condição correspondente sem intervenção.

Registros de pacientes e modelos de estudo na dentição mista tardia ou permanente inicial de 46 indivíduos (20 do grupo de extração e 26 do grupo de controle) de um estudo longitudinal prospectivo anterior foram recuperados. A necessidade e a complexidade do tratamento ortodôntico foram avaliadas pelo índice de complexidade, resultado e necessidade (ICON). Os cálculos estatísticos foram realizados por teste t para variáveis de resultado paramétrico (tempo de tratamento, número de visitas e necessidade de tratamento ortodôntico) e teste exato de Fisher para a variável categórica (extrações dentárias).

Não houve diferenças estatisticamente significativas entre os grupos nas pontuações do ICON de necessidade de tratamento ortodôntico (grupo de extração, pontuação média de 59,8; grupo de controle, pontuação média de 52,8), número de visitas (média de cerca de 15 visitas para ambos os grupos) ou tempo de tratamento ( grupo extração, média de 21,5 meses; grupo controle, média de 20,3 meses). A extração de dentes permanentes foi mais prevalente no grupo extração de caninos decíduos (59%) em comparação com o grupo controle (28%); no entanto, isso não foi estatisticamente significativo (P = .07), mas mostrou uma tendência de agravamento do apinhamento e da necessidade futura de extrações ortodônticas.

Os autores concluíram que a remoção precoce de caninos decíduos não reduzirá a necessidade de tratamento ortodôntico posterior, nem sua complexidade, nem diminuirá o tempo de tratamento.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/6/743/465479/Impact-of-early-extraction-of-the-deciduous-canine


segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Diferenças na morfologia do côndilo mandibular e da fossa glenóide em relação aos padrões esqueléticos verticais e sagitais: Um estudo com tomografia computadorizada de feixe cônico

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Kyoung Jin NohHyoung-Seon Baik,  Sang-Sun HanWoowon JangYoon Jeong Choi. Department of Orthodontics, The Institute of Craniofacial Deformity, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea e do Department of Oral and Maxillofacial Radiology, Yonsei University College of Dentistry, Seoul, Korea. Teve como objetivo avaliar a seguinte hipótese nula: não há diferenças na morfologia das estruturas da articulação temporomandibular (ATM) em relação aos padrões cefalométricos verticais e sagitais.

O estudo retrospectivo foi realizado com 131 participantes sem sintomas de ATM. Os participantes foram divididos em grupos de Classe I, II e III com base em suas relações cefalométricas sagitais e em grupos hiperdivergente, normodivergente e hipodivergente com base em suas relações cefalométricas verticais. As seguintes medidas foram realizadas usando imagens de tomografia computadorizada de feixe cônico e comparadas entre os grupos: volume condilar, tamanho do côndilo (largura, comprimento e altura), tamanho da fossa (comprimento e altura) e espaços articulares côndilo-fossa no pólos condilares anterior, superior e posterior.

A hipótese nula foi rejeitada. O grupo Classe III apresentou maiores valores para largura condilar, altura condilar e altura da fossa do que o grupo Classe II (p <0,05). O volume condilar e o espaço articular superior no grupo hiperdivergente foram significativamente menores do que nos outros dois grupos verticais (p <0,001), enquanto o comprimento e a altura da fossa foram significativamente maiores no grupo hiperdivergente do que nos outros grupos (p <0,01). O grupo hipodivergente apresentou largura condilar maior do que o grupo hipodivergente (p <0,01). Os padrões cefalométricos sagitais e verticais mostraram interações estatisticamente significativas para comprimento e altura da fossa.

Os autores concluiram que a morfologia da ATM diferiu em diversos padrões cefalométricos esqueléticos. O comprimento e a altura da fossa foram afetados pelas interações dos padrões esqueléticos vertical e sagital.


Link do artigo na integra via E-Kjo:

https://e-kjo.org/journal/view.html?uid=1937&vmd=Full

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Quando os modelos 3D bem integrados prevêem defeitos alveolares após o tratamento com alinhadores transparentes?

 



Neste artigo de 2021, publicado na Angle Orthodontist, pelos autores Ting Jiang; Jian Kai Wang; Yang Yang Jiang; Zheng Hu; Guo Hua Tang. Department of Orthodontics, Shanghai Ninth People’s Hospital, College of Stomatology, Shanghai Jiao Tong University School of Medicine, Shanghai, China; Department of Orthodontics, Shanghai Ninth People’s Hospital, College of Stomatology, Shanghai Jiao Tong University School of Medicine; and National Clinical Research Center for Oral Diseases, Shanghai Key Laboratory of Stomatology & Shanghai Research Institute of Stomatology, Shanghai, China. Teve o objetivo de Avaliar a precisão dos modelos integrados (IMs) construídos por tomografia computadorizada de feixe cônico de pré-tratamento (pré-TCFC) no diagnóstico de defeitos alveolares após o tratamento com alinhadores transparentes.

Foram coletados exames de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC) pré-TCFC e pós-tratamento de 69 pacientes que completaram o tratamento sem extração com alinhadores transparentes. Os MIs compreendiam dentes anteriores nas posições previstas e osso alveolar de exames pré-TCFC. A precisão dos MIs para identificar deiscências ou fenestrações foi avaliada pela comparação das médias dos volumes dos defeitos, diferenças médias absolutas e coeficientes de correlação de Pearson com aqueles medidos nas varreduras pós-TCFC. A precisão da previsão de defeitos foi avaliada por sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivos e valores preditivos negativos. Fatores que possivelmente afetavam mudanças em defeitos alveolares mandibulares foram analisados usando um modelo linear misto.

As medidas IM mostraram desvios médios de 2,82 +- 9,99 mm3 para fenestrações e 3,67 +- 9,93 mm3 para deiscências. As diferenças médias absolutas foram 4,50 +- 9,35 mm3 para fenestrações e 5,17 +- 9,24 mm3 para deiscências. As especificidades dos MIs foram superiores a 0,8, enquanto as sensibilidades foram ambas inferiores (fenestração 1= 0,41; deiscência = 0,53). Os valores preditivos positivos foram inaceitáveis (fenestração = 0,52; deiscência = 0,62) e a confiabilidade geral foi baixa (0,80). Distalização e proclinação molar foram positivamente correlacionadas com aumentos significativos em defeitos alveolares nos incisivos inferiores após o tratamento.

Os autores concluíram que os defeitos alveolares após o tratamento com alinhador transparente não podem ser simulados com precisão por IMs construídos a partir de pré-CBCT. Deve-se ter cuidado no tratamento do apinhamento com proclinação, expansão e distalização molar para a segurança do osso alveolar nos incisivos inferiores.


Link do artigo na integra via Meridian:

https://meridian.allenpress.com/angle-orthodontist/article/91/3/313/451550/How-well-do-integrated-3D-models-predict-alveolar


segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Precisão na transferência de planejamentos cirúrgicos ortognáticos bimaxilares usando navegação intraoperatória auxiliada por computador

 




Neste artigo de 2021, publicado no The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores Chen Chen;  Ningning Sun;  Chunmiao Jiang; Yanshan LiuJian Sun. Do Department of Oral and Maxillofacial Surgery, The Affiliated Hospital of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China; Department of Emergency Intensive Care Unit, The Affiliated Hospital of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China; Department of Orthodontics, The Affiliated Hospital of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China e da Dental Digital Medicine & 3D Printing Engineering Laboratory of Qingdao University, Qingdao, Shandong, China. Teve o objetivo de examinar a precisão da navegação intra-operatória auxiliada por computador (Ci-Navi) em cirurgia ortognática bimaxilar, comparando o planejamento pré-operatório e o resultado pós-operatório.

O estudo foi realizado com 45 pacientes com deformidades dentomaxilofaciais congênitas programados para cirurgia ortognática bimaxilar. A cirurgia ortognática bimaxilar virtual foi simulada usando o software Mimics. No intraoperatório, uma osteotomia Le Fort I da maxila foi realizada com placas guia de osteotomia. Após a osteotomia Le Fort I e a osteotomia do ramo sagital bilateral da mandíbula, a maxila mobilizada e o segmento mandibular distal foram fixados com uma placa oclusal, formando o complexo maxilomandibular (MMC). O Ci-Navi em tempo real foi usado para conduzir o MMC na direção designada. A osteoplastia da borda inferior da mandíbula foi realizada com Ci-Navi quando a simetria facial e a harmonia esquelética eram preocupantes. Foram calculadas as distinções lineares e angulares entre o planejamento pré-operatório e os resultados pós-operatórios.

A diferença linear média foi de 0,79 mm (maxila: 0,62 mm, mandíbula: 0,88 mm) e a diferença angular média geral foi de 1,20 °. A diferença observada no ponto incisivo superior para o plano horizontal de Frankfurt, plano sagital médio-facial e plano coronal foi <1 mm em 40 casos.

Os autores concluíram que o estudo demonstrou o papel do Ci-Navi no posicionamento preciso dos segmentos ósseos durante a cirurgia ortognática bimaxilar. O Ci-Navi foi considerado um método confiável para a transferência precisa do plano cirúrgico durante uma operação.


Link do artigo na integra via E-Kjo:

https://e-kjo.org/journal/view.html?doi=10.4041/kjod.2021.51.5.321