ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Correção da Mordida Aberta pela intrusão de dentes posteriores com Miniparafusos













Neste artigo de 2008, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Young-Chel Park; Han-Ah Lee; Nak-Chun Choi; Doo-Hyung Kim; do Departmento de Ortodontia, do College of Dentistry, Yonsei University, Seoul, Corea do Sul. Mostra mais das aplicações dos Mini implantes Ortodonticos, na correção da mordida aberta anterior.

A mordida aberta anterior é considerada como um dos problemas mais difíceis de se tratar em ortodontia. Em um tratamento convencional ortodôntico, várias abordagens de tratamentos para a correção de uma mordida aberta anterior têm sido propostas, como a extrusão dos dentes anteriores utilizando elásticos intermaxilares, intrusão dos molares usando um arco multi-loop edgewise (MEAW) , e a inibição da erupção molar durante seu aparecimento na arcada dentaria, no entanto, nenhum destes métodos são satisfatórios devido aos efeitos colateais sobre o esqueleto/estética e uma forte tendência para recidiva.

Outra opção é o tratamento reposicionamento da maxila e mandíbula através de uma correção cirúrgica. Embora resultados satisfatórios podem ser alcançados pela cirurgia ortognática, a complexidade, os riscos, e os custos da cirurgia tem iniciado uma busca de alternativas tratamentos.

Com a absoluta intrusão dos dentes posteriores, é possível autorotação da mandíbula com um fechamento na direção anti-horária, perto da mordida aberta, com redução da altura facial anterior, sem a necessidade de intervenção cirúrgica.

Estudos prevêem que uma intrusão é mais estável do que resultado do tratamento com extrusão. Uma vez que a tendência de recidiva é maior nos adultos, é importante para escolher um tratamento estável e com método previsível.

Isto pode ser conseguido utilizando ancoragem temporária com dispositivos tais como implantes osseointegrados, onplants, miniplacas, e os miniparafusos. Miniparafusos tem muitas vantagens sobre outros vários dispositivos de ancoragem temporária. Miniparafusos são relativamente simples e de fácil inserção, menos traumáticos, estável para otimizar a força, e torná-se possível aplicar a força imediatamente após a inserção. 

Outras vantagens incluem menos limitações do local do implante e menor custo. Este artigo apresenta um relato de caso de uma abertura mordida correção utilizando miniparafusos.
Intrusão dos dentes posteriores é um bom método de tratamento para pacientes com uma queixa de mordida aberta anterior. Intrusões podem ser realizadas com sucesso com miniparafusos ortodonticos, implantados só pela vestibular, não houve efeitos colaterais, neste estudo.

Link do Artigo na ntegra via Angle Orthodontist:

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Análise do arco maxilar força/sistemas para simulação de uma má oclusão associada a canino alto: Parte 1. ligadura passiva




Neste artigo de 2011, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores: Jonathan Fok; Roger W. Toogood; Hisham Badawi; Jason P. Carey; Paul W. Major; Department of Dentistry, University of Alberta, Edmonton, Canada; Faculty of Engineering, University of Alberta, Edmonton, Canada. Mostra um estudo num plataforma virtual de biomecanica ortodontica em um sistema de ligaduras passivas numa má oclusão com canino alto.

Este estudo foi realizado com o intuito de entender melhor a interação mecânica do braquete / fio por meio de uma análise de força e distribuição ao longo do arco maxilar.

Um simulador ortodôntico foi utilizado para estudar a má oclusão canina elevada. Força / distribuições, referenciados ao centro de resistência (CR) de cada dente, produzido por braquetes de ligadura passiva e fio redondo, foram medidos. Testes foram repetidos por 12 conjuntos de braquetes com12 fios por conjunto.

Propagação dos sistemas de força / distribuição, em torno do arco foi mínima. Ligação foi observada apenas nos dentes adjacentes ao canino deslocada. Para a maioria dos dentes, a redução da resistência ao deslizamento do braquete de ligadura passiva rendeu mínima forças tangencial e normal no braquete e contribuiu para momentos de menor CR.

Conclusões dos autores: 

Algumas vantagens potenciais na mecânica de sistemas de braquetes com ligaduras passivas são sugeridas para o caso estudado. Na propagação, especialmente limitada em torno do arco reduz a ocorrência de força indesejada / sistemas duplos.


Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:

domingo, 28 de junho de 2015

Pensamento da Semana




"Se deseja conseguir o que quer, você não só precisa saber o que quer e porque quer, mas precisa realmente querer o que quer."


David McNally


Link do site do Autor:



quinta-feira, 25 de junho de 2015

Má oclusão de classe III esquelética com agenesia do incisivo lateral superior tratado com aparelho de protração maxilar e na técnica edgewise














Neste artigo a ser publicado em 2010, pela Angle Orthodontist, pelos autores Masako Tabuchi; Hayato Fukuoka; Ken Miyazawa; Shigemi Goto; do Department of Orthodontics, School of Dentistry, Aichi-Gakuin University, Aichi, Japão. Mostra a aplicação de uma aparatologia ortodontica para a protração maxilar.


Este artigo descreve um caso de tratamento ortodôntico de uma paciente do sexo feminino com 10 anos de idade com uma combinação de Classe III de Angle, faltando um incisivo lateral superior direito, com um dente supranumerário com uma raiz curta no lado lingual do incisivo, uma relação maxilar de classe III causada por um diminuçao do crescimento da maxila e retroposição da maxila.


Optou-se por fechar o espaço do dente perdido, bem como o espaço criado pela extração do incisivo lateral superior, pelo avanço dos pré-molares e caninos e usando um protrator maxilar com aparelhos edgewise. Como resultado, ambos os pré-molares superiores e os molares foram movidos mesialmente, para uma relação de Classe II molar com intercuspidações foi alcançado.


Os resultados sugerem que a combinação de um protrator maxilar e aparelhos sem torques  foram eficaz não só para corrigir a Classe III esquelética, mas também para promover movimentação para  frente, dos dentes postero-superiores.




Link do artigo na integra via Angle Orthodontist:


segunda-feira, 22 de junho de 2015

Qual a expectativa para o próximo congresso da ABOR? 6 curiosidades da grade.



Quem quiser passar uma semana no Costão do Santinho Resort & Spa, Florianópolis, e ainda reencontrar os amigos, falar e escutar sobre ortodontia, deve se apressar para garantir vagas por lá!


Vajam que coloquei em ordem de prioridade: Resort, amigos, conversar e depois escutar sobre ortodontia. 

Na minha concepção, eventos como esses (Congressos) servem para isso e não se aplicam àqueles que buscam aprender algo. Dificilmente você vai aprender mesmo algo em uma palestra de congresso. 

Pergunte-se: depois de assistir uma palestra na qual o guru mostra casos lindíssimos e selecionados você se sente:
a) Mais preparado para voltar ao consultório. 
b) Frustrado por achar que o guru é demais e você nunca fará algo parecido.

Mas não fique frustrado, isso não é uma deficiência sua e sim do formato que não atende mais às necessidades. A quantidade de conhecimento produzida por ano na ortodontia supera o século passado inteiro! Antes, os congressos serviam para debates conceituais e ajustes no conhecimento que todos ali presentes já tinham. Hoje, a grande parte dos congressistas busca conhecimento novo, aprendizado... E buscam no lugar errado.

Acredito que a auto avaliação dos seus casos e formatos in-office de cursos seriam mais indicados para aprender uma técnica específica. Mas de qualquer forma, ver casos bonitos também é um bom entretenimento. 

Fazendo uma análise rápida dos temas deste congresso, achei algumas coisas interessantes. 

1. Parece que o foco é clinico. Muitos temas relacionados com protocolos de tratamentos de má oclusões específicas. Esse tipo de tema pode ser muito legal, mas também pode ser palco de guru. Fiquem expertos se o tema é "Como se faz (procedimentos e técnicas estudadas e previsíveis) " ou "Como eu faço (Só eu sei fazer assim)".  

2. Outra curiosidade é a abrangência da Ortodontia Lingual na grade, figurando como a segunda maior temática do evento, seguida por ancoragem esquelética e temas de diagnóstico.


3. Os braquetes autoligados ainda sobrevivem aos "debates" de congressos brasileiros. Há alguns anos não se vê tema de autoligados nos congressos americanos, que buscam cientificar a ortodontia eliminando esforços em promover indústria ou gurus, em detrimento dos estudos clínicos. Aqui os tão polêmicos braquetes ainda geram dúvidas e estão no 5º lugar dos mais populares temas do congresso.

4. Achei interessante que após o grande bummm do DSD, pelo Christian Coachman, fez nascer mais palestrantes interessados no desenho do sorriso. Totalizam 4 neste congresso. O Dr. Carlos Alexandre, já conhecido internacionalmente sobre o tema, Dr. André Wilson Machado, que tem vários artigos sobre o tema e é professor da Academia da Ortodontia Contemporânea deste ano,  e outros 2, dos quais ainda não conheço a abordagem sobre o tema. Vou tentar assistir  lá!

5. A luz no fim do túnel: alguns temas relacionando as evidências científicas às condutas ortodônticas. Espero que o conceito de evidência científica comece a sedimentar nas cabeças dos clínicos brasileiros. Alguns professores insistem em disseminar que ciência e clínica são diferentes e exageram em jargões distorcidos do tipo: "Papel aceita qualquer coisa". Conduzindo a ortodontia na direção do Cirurgião-Barbeiro.

6. Outra coisa legal que vi na programação foi títulos inusitados:
É claro que a palestra do Dr. David Normando é no sábado, logo cedo. Horário, aliás, concorrido com outras grandes apresentações, como a do Dr. Renato Parsekian, sobre ciência por trás da sequência de fios.

Mas respondendo à pergunta do título: Ótimas expectativas me levarão à Florianópolis em outubro. E espero ver você lá!

Siga-nos nas redes sociais e solicite participação no grupo do whatsapp. Divulgaremos promoções relâmpago durante o congresso e informações úteis para vocês. Grande abraço!





domingo, 21 de junho de 2015

Corra atrás sempre!


"Nunca deixe ninguém dizer que você não pode fazer alguma coisa. Se você tem um sonho, tem que correr atrás dele. As pessoas não conseguem vencer e dizem que você também não vai vencer. Se quer alguma coisa, corra atrás."


Trecho do filme "Em busca da felicidade".

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Entrevista com o Professor Dr. Chung How Kau - Parte 03


Segue a terceira e ultima parte da entrevista que  o Blog Ortodontia Contemporânea realizou com um dos grandes nomes da pesquisa ligada a tecnologia 3D na Ortodontia e na Biologia da movimentação dentaria acelerada. O Dr. Chung How Kau que é Professor da cadeira de Ortodontia na Universidade de Birmingham no Alabama - Estados Unidos.


Marlos loiolaO planejamento das cirurgias ortognáticas em softwares tridimensionais já pode ser utilizado rotineiramente?  

Prof. Dr. Chung How Kau - A simulação cirúrgica ainda é uma tarefa difícil no planejamento da ortognática. Atualmente, estamos nos esforçando e construindo um banco de dados voltado para esta finalidade.








Marlos Loiola - Os guias cirúrgicos e de colagem indireta prototipados são fidedignos ? 

Prof. Dr. Chung How Kau - Tanto o quanto eu sei, estas técnicas são confiáveis.

Marlos Loiola -  Com toda tecnologia disponível a nível de equipamentos e softwares. Estamos chegando na era da individualização dos planejamentos e customização da aparatologia Ortodontica? 

Prof. Dr. Chung How Kau - Você acertou direto no alvo com esta afirmação. Acredito que a sobrevivência da nossa especialidade é dependente de uma personalização e individualização do tratamento voltado para os nossos pacientes.








Marlos Loiola - Dr Kau, gostaria de agradecer sua participação nesta entrevista e o espaço agora é seu para as considerações finais.

Prof. Dr. Chung How Kau - Obrigado! Terei prazer em tirar qualquer duvida através do e-mail: ckau@uab.edu


Link do Departamento de Ortodontia da Universidade do Alabama:

terça-feira, 16 de junho de 2015

Entrevista com o Professor Dr. Chung How Kau - Parte 02



Segue a segunda parte da entrevista que  o Blog Ortodontia Contemporânea realizou com um dos grandes nomes da pesquisa ligada a tecnologia 3D na Ortodontia e na Biologia da movimentação dentaria acelerada. O Dr. Chung How Kau que é Professor da cadeira de Ortodontia na Universidade de Birmingham no Alabama - Estados Unidos. Autor de dois Livros Clássicos, que abordam assuntos ligados a Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico. Aqui no Brasil vem colaborando conosco em alguns artigos que escrevemos na coluna OrtoTecnologia da Revista da Sociedade Paulista de Ortodontia (SPO).


Marlos Loiola -  Você também possui linhas de estudos ligados a biologia do movimento ortodontico acelerado. Como andam as pesquisas nesta área?

Prof. Dr. Chung H. Kau - Há três maneiras de acelerar o movimento dentário. Estes procedimentos incluem técnicas cirúrgicas através das corticotomias assistidas, terapias químicas e terapias com dispositivos assistidas. Estamos conduzindo uma quantidade  interessante de casos na clínica da UAB (Universidade do Alabama) e será a próxima onda na ortodontia.











  

Marlos Loiola - Qual sua opinião sobre as corticotomias?

Prof. Dr. Chung H. Kau - As Corticotomias já tem seu lugar na Ortodontia. Estudos têm demonstrado um aumento de até 4 vezes nas taxas de movimentação dentaria. Estas técnicas apresentam a precisão quando cuidadosamente aplicadas.

Marlos Loiola -   Surgiu no mercado um dispositivo chamado de Biolux, e que você vem estudando. Como funciona esta tecnologia?

Prof. Dr. Chung H. Kau - O Biolux usa uma tecnologia conhecida como fotobiomodulação, que consegue regular a biologia. Os nossos estudos iniciais têm  demonstrado resultados iniciais extremamente bons na fase de alinhamento de tratamento ortodontico.




Marlos Loiola -   Com relação aos modelos dentários digitais gerados por imagens tomográficas. São fidedignos?  Existe um protocolo próprio para a tomada da tomografia para conseguir boas imagens dos arcos e elementos dentários? Poderemos um dia não precisar mais dos modelos de gesso e os digitais escaneados? 

Prof. Dr. Chung H. Kau - Nós publicamos três trabalhos sobre o uso de modelos dentários digitais gerados por tomografias computadorizadas de feixe cônico (TCFC). As tabelas referentes a oclusão, com a dentição ocluindo,  demonstraram-se levemente distorcidas. No entanto, as dimensões lineares foram altamente precisas. 


Eu diria que os modelos de estudo gerados por TCFC  são bons o suficiente como modelos de diagnóstico, mas os de varredura em CAD (Escaneados) ainda são exigidos para os procedimentos de planejamento de colagens indiretas e na customização de aparelhos.



Link do Departamento de Ortodontia da Universidade do Alabama:

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Entrevista com o Professor Dr. Chung How Kau - Parte 01



O Blog Ortodontia Contemporânea, com grande satisfação realizou uma entrevista  com um dos grandes nomes da pesquisa ligada a tecnologia 3D na Ortodontia e na Biologia da movimentação dentaria acelerada. Atualmente é Professor da cadeira de Ortodontia na Universidade de Birmingham no Alabama - Estados Unidos. Autor de dois Livros Clássicos, que abordam assuntos ligados a Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico. Aqui no Brasil vem colaborando conosco em alguns artigos que escrevemos na coluna OrtoTecnologia da Revista da Sociedade Paulista de Ortodontia (SPO).






Marlos Loiola - Professor  Kau nos conte um pouco sobre sua história acadêmica e profissional. Graduação, pós-graduação, publicações e linhas de pesquisa.

Prof. Dr. Chung H. Kaw - Eu completei meu curso de Odontologia na Faculdade de Odontologia da Universidade Nacional de Cingapura. Após um período de prática em clinica geral, eu me matriculei na Faculdade de Odontologia da Universidade de Cardiff, onde eu conclui meu Mestrado em Ortodontia e Doutorado em Odontologia. Fui nomeado professor clínico em Cardiff, em 2002. Professor Associado e Diretor do centro de Imagem 3D em Houston, em 2006. Presidente e Professor em Birmingham Alabama em 2010. 

Meu foco é a pesquisa em imagens 3D e movimento dentário acelerado. Meus interesses secundários incluem anomalias craniofaciais, ortodontia preventiva e ortodontia baseadas em evidências.

Marlos Loiola - Atualmente você é um dos pesquisadores que mais publica sobre as aplicações e os recursos que a tomografia cone beam e os softwares tem a oferecer a Ortodontia e ao Ortodontista. Quais destes recursos o ortodontista clinico já pode utilizar rotineiramente no seu dia a dia?

Prof. Dr. Chung H. Kaw - A Tecnologia está melhorando em um ritmo muito rápido. Existem várias aplicações na Ortodontia que empregam tecnologia 3D. Tomemos, por exemplo, o sistema Invisalign, Aparelhos vestibulares (Insignia e SureSmile) e aparelhos linguais (Harmony). Eu prevejo que essas tecnologias se tornarão cada vez mais prevalente no mercado ortodôntico.







Marlos Loiola - Em relação a radiação gerada e emitida pelos tomógrafos odontológicos. Quais suas considerações sobre os riscos e protocolos de indicação dos pacientes a este recurso de diagnóstico?

Prof. Dr. Chung H. Kaw - Eu acredito que o princípio da ALARA deva ser aplicado em todas situações voltadas aos cuidados do paciente. A Tomografia Computadorizada de Feixe Conico deve ser usada quando a dose de radiação justifique a sua utilização. Se a tecnologia é utilizada tanto para o diagnóstico como para o planejamento, e desta forma, busque aumentar a eficiência e segurança do tratamento,  é bem justificado a sua utilização.


Marlos Loiola -   As cefalometrias tridimensionais já são confiáveis? Existem valores e normas? Como utilizá-las no diagnóstico Ortodontico?

Prof. Dr. Chung H. Kaw - Elas ainda estão sendo desenvolvidas. Eu tenho aplicado templates com médias dos tecidos moles para casos clínicos e para a compreensão das populações. Isto demonstra que um novo método de análise é necessário.



Link do Departamento de Ortodontia da Universidade do Alabama: