ORTODONTIA CONTEMPORÂNEA

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Comparação entre as formas no arco dentario e basal em pacientes com oclusão normal e Classe III, utilizando tomografia computadorizada de feixe cônico




Neste artigo de 2013, publicado pelo The Korean Journal of Orthodontics, pelos autores  Kyung Eun Suk, Jae Hyun Park,  Mohamed Bayome, Young-Ok Nam, Glenn T. Sameshima, Yoon-Ah Kook; do Departament  of Orthodontics, Seoul St. Mary’s Hospital, The Catholic University of Korea, Seoul; Korea; Orthodontic Program, Arizona School of Dentistry & Oral Health, A.T. Still University, Mesa, AZ, USA; School of Dentistry, Kyung Hee University, Seoul, Korea; Departament of Dentistry, The Catholic University of Korea College of Medicine, Seoul, Korea; Departament of Dental Hygiene, Wonkwang Health Science University, Iksan, Korea e do Departament of Orthodontics, School of Dentistry, University of Southern California, Los Angeles, CA, USA. Mostra um estudo que buscou determinar a forma do arco osseo basal com auxiliio de imagens tridimensionais.

Este estudo teve o objetivo de investigar a relação entre as formas do arco dentário  e basal  inferior em indivíduos com oclusão normal e compará-los com os de Classe III utilizando imagens geradas por Tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC).

Uma amostra com 32 imagens de TCCB  de oclusão normal (19 homens e 13 mulheres, com 24,3 anos) e 33 indivíduos com maloclusão Classe III (20 homens e 13 mulheres, 22,2 anos) foram selecionados. Eixo facial e pontos centrais das raizes foram identificados a partir dos primeiros molares inferiores da esquerda para a direita. Distâncias entre o eixo facial e pontos centrais das raizes para cada dente foram calculados, 4 variáveis ​​de relação linear e 2 de formas de arco foram medidos e calculados para cada forma. As variáveis ​​foram comparadas entre os grupos por teste t independente. O coeficiente de correlação de Pearson foi aplicado para avaliar as relações entre as variáveis ​​dentárias e basal dentro de cada grupo.

As  larguras   dentárias e  intercaninas do osso basal inferior, foram significativamente maiores no grupo de Classe III do que em indivíduos com oclusão normal. As larguras intercaninas dentárias e basal, bem como as larguras dentárias e basal intermolares foram fortemente correlacionadas com a oclusão normal e moderadamente correlacionados em Classe III.

A forma do arco dental demonstrou uma forte correlação positiva com a forma do arco basal no grupo de oclusão normal e uma moderada correlação no grupo de Classe III. Estes resultados podem ser úteis para os clínicos ter uma melhor compreensão sobre a importância de a forma de arco basal do osso alveolar.

Link do artigo na integra via e-kjo:

terça-feira, 13 de setembro de 2016

CURSO AVANÇADO PARA ORTODONTISTAS - Modulo Setembro de 2016






Mais um módulo se inicia essa semana. E como sempre, teremos as maiores autoridades na ortodontia brasileira, passando sua experiência durante 8h aos nossos alunos.


Informações sobre a turma 2017:


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Disfunção temporomandibular com mordida aberta esquelética tratados com placa oclusal para estabilização e fixação zigomática com uso de miniplacas: Um relato de caso







Neste artigo de 2015, publicado pela Angle Orthodontist, pelos autores Fang Song; Shushu He; Song Chen. Da State Key Laboratory of Oral Diseases, Department of Orthodontics, West China Hospital of Stomatology, Sichuan University, Chengdu, Sichuan, China. Apresenta um relato de caso de DTM e mordida aberta esquelética, tratadas com placa oclusal para estabilização e ancoragem esquelética com miniplacas no zigomático respectivamente.

Este relato de caso descreve o tratamento de um paciente de 20 anos de idade, do sexo feminino com disfunção temporomandibular (DTM) e mordida aberta com uma relação esquelética de Classe II. Devido aos seus sinais e sintomas de significativa DTM, inicialmente o objetivo do tratamento era para aliviar o desconforto na articulação temporomandibular (ATM) e para estabilizar a côndilos em Relação Cêntrica (RC), e posteriormente tratar a maloclusão.
Num primeiro momento, a paciente foi tratada com uma placa oclusal rígida para estabilizar os côndilos em RC e para aliviar os sinais e sintomas de DTM. Com os côndilos bem posicionados, iniciou-se o tratamento ortodôntico para corrigir a má oclusão de acordo com a posição mandibular e oclusão em RC, bem como para estabelecer um overjet e overbite ideal para alcançar uma oclusão funcional e estável com relação de Classe I. O planejamento consistiu na extração dos 2° molares superiores e 3° molares inferiores, foram utilizadas para ancoragem ortodôntica miniplacas de titânio instaladas bilateralmente no zigomático, para intrusão e distalização dos molares superiores.
O tratamento foi completado ao fim de 30 meses, os autores concluíram que a placa oclusal é de grande importância na estabilização dos côndilos em RC, bem como para desenvolver planos de diagnóstico e tratamento precisos para pacientes com DTM. E que as miniplacas de ancoragem no zigomático são eficazes para intrusão e distalização dos molares no arco superior, uma alternativa útil para pacientes com mordida aberta esquelética grave. Foram alcançadas função e aparência satisfatória para a paciente.

PALAVRAS-CHAVE: DTM; Oclusão; Placa olcusal;  Mordida aberta; Miniplacas de ancoragem; Intrusão de molar.
Link do artigo na Integra:




Tradução e colaboração: Nathalia Torres

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Uso de alinhadores estéticos na correção de mordida aberta anterior







Neste artigo de 2013, publicado pelo Angle Orthodonthist, pelos autores Maria Paola Guarneri; Teresa Oliverio; Ivana Silvestre; Luca Lombardo; Giuseppe Siciliani. Da Postgraduate School of Orthodontics, University of Ferrara, Ferrara, Italy; Mostra um caso de mordida aberta anterior, tratado com uso de alinhadores estéticos.

Este artigo clinico descreve o tratamento de um paciente de 35 anos de idade, do sexo feminino com má oclusão de Classe I, que apresentava mordida aberta dento-alveolar de 4 mm, linha média coincidente, apinhamento moderado e inclinação vestibular dos incisivos inferiores, no exame clínico foi observado hábito de interposição lingual durante a fala, e em repouso.

O tratamento de escolha consistiu no uso de alinhadores estéticos para reduzir a protrusão e fechar a mordida aberta anterior. A paciente foi orientada previamente ao tratamento ortodôntico, fazer terapia miofuncional para garantir o sucesso do tratamento.

Os autores concluíram que o uso de alinhadores estéticos é eficaz para corrigir essa má oclusão. O tratamento foi concluído após 18 meses. A paciente estava satisfeito com sua nova aparência e função. (Angle Orthod. 2013; 83: 913-919).



MARCADORES: Mordida aberta; alinhadores estéticos; tratamento estético; paciente adulto

Tradução: Nathalia Torres

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Coluna OrtoTecnologia - Tratamento da classe II com o auxílio de aparelhos funcionais fixos



Foi publicada a 23ª Coluna OrtoTecnologia, na  Revista OrtodontiaSPO 2016 | V49N3 | Páginas: 254-8. Em que foi abordado aspectos ligados ao Tratamento da classe II com o auxílio de aparelhos funcionais fixos.

A má-oclusão de classe II foi descrita por Angle e é caracterizada por alterações dentárias e/ou esqueléticas. Seja qual for a combinação dos fatores que acometem o paciente de classe II, o sulco vestibular do molar inferior encontra-se distalmente à cúspide mesiovestibular do molar superior. Estratégias biomecânicas para estabelecer a correta relação entre os arcos envolvem elásticos intermaxilares e dispositivos removíveis que necessitam da colaboração do paciente, ou ainda de aparelhos funcionais fixos, os quais dispensam a colaboração e prometem maior eficiência clínica. O objetivo deste artigo foi revisar as características gerais destes tipos de aparelho, sua forma de funcionamento e aplicabilidades clínicas.


Link da Revista SPO:


quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Grave biprotrusão dentoalveolar tratada com terapia biocriativa lingual, utilizando miniplaca palatal








Neste artigo de 2010, publicado pelo Korean Journal Orthodontics, pelos autores Kyu-Rhim Chung, Do-Min Jeong, Hyun-Jung Park, Seong-Hun Kim, Gerald Nelson; the Korean Society of Speedy Orthodontics; Division of Periodontology, Department of Dentistry, National Medical Center of Korea; Department of Orthodontics, New york University, NY; Department of Orthodontics, College of Dentistry, Kyung Hee University; Division of Orthodontics, Department of OrofacialScience, University of California San Francisco, CA. Mostra um caso de bitrusão tratado com exodontias associado a retração com miniplacas palatinas e braquetes anteriores colados na palatina dos incisios superiores.


Este artigo clinico descreve o tratamento de uma paciente de 23 anos, 8 meses de idade, do sexo feminino com má oclusão de Classe II, que apresentaram protrusão bidentoalveolar severa e apinhamento anterior.


O plano de tratamento consistiu em extrair todos os primeiros pré-molares, retração da coroas em massa dos seis dentes anteriores superiores e incisivos inferiores. Os superiores com placa fixada na área palatina combinada com jogos de braços linguais, que foram utilizados como substitutos para os dentes de ancoragem posterior na retração anterior superior. Braquetes preajustados (0,022 polegadas) foram utilizados na região das coroas das unidades dentarias ântero-superiores. Uma alavanca de 0,9 milímetros de diâmetro em aço inoxidável foi soldado na banda para o cabo principal do arco, para desta forma, facilitar a retração controlada dos incisivos superiores.


A mudança na dentição superior e inferior foi acompanhada utilizando um posicionador dental durante a fase de acabamento. A Correção dos trespasses horizontal e vertical foram obtidos pela retração dos seis dentes anteriores superiores em suas posições corretas.


Os autores concluiram que o uso da C-placa associadas a aparelhos linguais promovem uma ancoragem ideal para melhorar o equilíbrio facial. O período de tratamento ativo foi de 19 meses. O resultado do tratamento foi estável 13 meses após a descolagem da aparatologia Ortodontica.




Link do artigo na integra via Koreamed: